BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

Israel aceita termos gerais de proposta de Biden para encerrar guerra em Gaza, diz assessor de Netanyahu

  • Por Folhapress
  • 03 Jun 2024
  • 09:03h

Foto: Reprodução / YouTube / CNN Brasil

Um assessor do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu confirmou neste domingo (2) que Israel aceitou os termos gerais de um acordo para interromper a guerra na Faixa de Gaza proposto pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Em entrevista ao jornal britânico The Sunday Times, o assessor de Relações Exteriores de Netanyahu, Ophir Falk, disse que a proposta de Biden "não é um bom acordo, mas queríamos muito libertar os reféns, todos os reféns, e por isso aceitamos".

"Muitos detalhes precisam ser acertados, e nada mudou em relação às exigências israelenses de que os reféns devem ser soltos e que o Hamas deve ser destruído como uma organização terrorista genocida", afirmou Falk, que repetiu que "não haverá cessar-fogo permanente até que todos nossos objetivos sejam atingidos".

A proposta de Biden, que o presidente americano anunciou na última sexta-feira (31) como sendo um plano apresentado por Tel Aviv, prevê três fases até que a guerra seja encerrada.

Na primeira, haveria um cessar-fogo completo por seis semanas, Israel retiraria todas as tropas das áreas habitadas da Faixa de Gaza, e reféns sequestrados pelo Hamas nos ataques de 7 de outubro seriam libertados em troca da soltura de centenas de prisioneiros palestinos. Ao mesmo tempo, passaria a haver um fluxo de 600 caminhões de ajuda humanitária entrando em Gaza por dia, de acordo com Biden.

Na segunda fase, o Hamas e Israel negociariam um fim permanente para a guerra, e o cessar-fogo continuaria em vigor durante essas negociações. Esse ponto contraria aquele que tem sido o principal mantra de Netanyahu e da cúpula do gabinete de guerra israelense desde o início do conflito —de que a guerra só terminaria com a destruição completa do Hamas e com a erradicação de seu controle político e militar sobre a Faixa de Gaza.

Com efeito, horas depois do discurso de Biden, o gabinete de Netanyahu disse em uma publicação no X que a proposta "permite que Israel prossiga com a guerra até que todos seus objetivos sejam atingidos, incluindo a destruição das capacidades governamentais e militares do Hamas", em uma aparente contradição dos termos divulgados pelo presidente americano.

A terceira fase consistiria de um plano de reconstrução do território palestino. A proposta já foi entregue ao Hamas pelo Qatar, disse a Casa Branca. Em comunicado, a facção afirmou que vê o plano de forma positiva.

Ao longo dos últimos meses, uma série de propostas de cessar-fogo mediadas pelos EUA, Qatar e Egito não tiveram sucesso —em fevereiro, Biden chegou a dizer que Israel havia concordado com uma pausa nos ataques pelo mês do Ramadã, considerado sagrado para muçulmanos, mas não houve interrupção dos bombardeios em Gaza.

No discurso em que apresentou o acordo, Biden disse que as negociações levariam a um "dia seguinte" para a Faixa de Gaza sem o Hamas no poder, mas não está claro como isso seria possível. Depois de meses de bombardeios e mais de 36 mil palestinos mortos em Gaza, o Hamas não dá sinais de que perdeu a coesão e a capacidade de agir como grupo.

A facção terrorista foi responsável pelos ataques contra Israel em 7 de outubro, que deixaram 1.200 mortos e serviram de estopim para o conflito atual.

O governo Netanyahu, que chegou ao poder desta vez graças à coalizão mais à direita da história do país, sofre pressão de partidos extremistas, que disseram que abandonarão o governo se um acordo que "poupe o Hamas" for aceito.

No domingo, o Qatar condenou a decisão do parlamento israelense da última quarta-feira (29) de iniciar a tramitação de uma lei que classifica a agência da ONU para Refugiados Palestinos, a UNRWA, como uma organização terrorista.

Tel Aviv acusou o braço das Nações Unidas que atua em Gaza e na Cisjordânia de ter ligação com o Hamas e com os ataques de 7 de outubro, o que levou uma série de países ocidentais a suspender seu financiamento da agência. Em abril, uma investigação independente apontou que Israel não produziu provas para sustentar a acusação.

Biden apoia nova proposta israelense de cessar-fogo e insta Hamas a aceitar

  • Por Folhapress
  • 01 Jun 2024
  • 13:07h

Foto: Reprodução / Redes Sociais

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou em um discurso nesta sexta-feira (31) que vai apoiar uma nova proposta de cessar-fogo no conflito entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza apresentada por Tel Aviv. A oferta envolve a interrupção dos ataques em troca da libertação dos reféns ainda em poder do Hamas. Biden instou o grupo terrorista a aceitar a proposta, dizendo que "é hora de a guerra acabar e o dia seguinte começar".

Até aqui, negociações entre as partes em guerra mediadas pelo Egito, Qatar e EUA não prosperaram, com exceção de um cessar-fogo de uma semana entre novembro e dezembro de 2023. Tanto Israel quanto o Hamas acusam um ao outro de intransigência e de exigências implausíveis. O governo do premiê Binyamin Netanyahu não se manifestou sobre a fala de Biden.

A nova proposta de trégua consiste de três fases. Na primeira, haveria um cessar-fogo completo por seis semanas, Israel retiraria todas as tropas da Faixa de Gaza e reféns sequestrados pelo Hamas nos ataques de 7 de outubro seriam libertados em troca da soltura de centenas de prisioneiros palestinos. Ao mesmo tempo, passaria a haver um fluxo de 600 caminhões de ajuda humanitária entrando em Gaza por dia, de acordo com Biden.

Na segunda fase, o Hamas e Israel negociariam um fim permanente para a guerra, e o cessar-fogo continuaria em vigor durante essas negociações. Esse ponto contraria aquele que tem sido o principal mantra de Netanyahu e da cúpula do gabinete de guerra israelense desde o início do conflito —de que a guerra só terminaria com a destruição completa do Hamas e com a erradicação de seu controle político e militar sobre a Faixa de Gaza.

A terceira fase consistiria de um plano de reconstrução do território palestino. A proposta já foi entregue ao Hamas pelo Qatar, disse a Casa Branca.

Biden também se dirigiu à liderança israelense. "Eu sei que alguns em Israel não concordam com esse plano e querem que a guerra continue sem data para acabar. Algumas dessas pessoas estão no governo. Elas deixaram claro que querem ocupar Gaza, que querem continuar guerreando por anos e que os reféns não são prioridade", afirmou Biden no discurso. "Eu insto líderes em Israel a apoiar esse acordo, não importa a pressão."

A fala do presidente americano foi interpretada pela imprensa israelense como um comunicado direto à população do país. Foi a primeira vez que detalhes da oferta de cessar-fogo foram publicadas pela mídia de Israel, uma vez que o governo tinha censurado a discussão do plano por jornais e emissoras de rádio e TV.

Depois dos ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro, que deixaram 1.200 israelenses mortos, bombardeios de Tel Aviv em Gaza já mataram mais de 36 mil palestinos. Na sexta, as forças israelenses afirmam que concluíram suas operações na área de Jabalia, no norte de Gaza. Agora, as tropas estão avançando para Rafah, no sul, com o objetivo de atacar o que consideram ser o último reduto significativo dos batalhões do Hamas.

Israel alegou ter encontrado esconderijos com lançadores de foguetes, outras armas e túneis do grupo terrorista no centro de Rafah, pressionando uma ofensiva para desmantelar unidades de combate militantes que, segundo eles, estão entrincheiradas na cidade na fronteira com o Egito.

Em um comunicado sobre mais de duas semanas de intensos combates em Jabalia, o Exército israelense disse que as tropas concluíram sua operação e se retiraram para se preparar para outras operações em Gaza. Grande parte do território densamente povoado está em ruínas.

O Hamas havia dito um dia antes que estaria pronto para um acordo, incluindo a troca de reféns por prisioneiros palestinos detidos em Israel, desde que os israelenses parassem a guerra.

Em Jabalia, um distrito urbano lotado de refugiados e seus descendentes desde a guerra de fundação de Israel em 1948, o Hamas transformou a "área civil em um reduto de combate fortificado", disse o comunicado militar israelense, que segue afirmando que suas tropas mataram centenas de militantes em combates de curta distância.

Jabalia foi devastada, mas destacou a dificuldade de Israel em destruir as unidades do Hamas. Houve semanas de intensos combates na região nas fases iniciais da campanha israelense e, em janeiro, o Exército disse ter matado todos os comandantes do grupo terrorista e eliminado as formações de combate do grupo governante de Gaza na área

À medida que a guerra se arrasta e a infraestrutura de Gaza é amplamente destruída, a desnutrição se espalhou entre os 2,3 milhões de habitantes, à medida que as entregas de ajuda diminuíram drasticamente, e a ONU (Organização das Nações Unidas) alertou sobre uma fome iminente.

A Jordânia sediará uma conferência internacional de emergência em 11 de junho para trabalhar na resposta humanitária à guerra, em coordenação com o Egito e a ONU.

O Hamas publicou nesta sexta (31) imagens de ataques contra o Exército israelense em Rafah, na Faixa de Gaza, perto da fronteira contra o Egito.

Os combatentes do Hamas demonstraram a sua força contínua em Rafah na semana passada, lançando mísseis no centro comercial de Israel, Tel Aviv, pela primeira vez em meses, no domingo.

No mesmo dia, um ataque aéreo israelense que visava dois comandantes do Hamas provocou um incêndio que matou 45 pessoas que se abrigavam em tendas ao lado do complexo atingido pelos jatos.

Jennifer Lopez cancela turnê após baixas vendas e cita 'mais tempo com a família'

  • Por Folhapress
  • 01 Jun 2024
  • 11:05h

Reprodução / Redes Sociais

Jennifer Lopez cancelou a turnê "This Is Me... Live", programada para acontecer nos próximos meses na América do Norte. A informação foi divulgada na newsletter da cantora, nesta sexta-feira (31).
 

Lopez afirmou que o cancelamento dos shows aconteceu para que ela pudesse passar mais tempo com sua família. Segundo o site da revista Variety, a turnê sofria com baixa procura por ingressos e há notícias de que seu casamento com o ator Ben Affleck vive uma crise.
 

"Estou completamente com o coração partido e devastada por decepcionar vocês. Por favor, saibam que eu não faria isso se não sentisse que era absolutamente necessário. Eu prometo que vou compensar vocês e estaremos todos juntos novamente", afirmou Lopez.
 

Ao Variety, fontes próximas à cantora disseram que o cancelamento não aconteceu por causa das vendas fracas de ingressos. Segundo elas, em algumas cidades os shows tinham grande procura —como Orlando, Miami, Chicago e Toronto—, mas em outros lugares, diz o site, muitas entradas ainda estavam à venda.
 

Em abril, Lopez já havia cancelado sem fazer alarde sete apresentações da turnê, que seria a sua primeira excursão na América do Norte em cinco anos. Além disso, os shows a princípio seriam baseados em seu álbum mais recente, "This Is Me... Now", lançado neste ano, e depois passaram a destacar os maiores hits da cantora.
 

A turnê cancelada de Lopez foi anunciada em fevereiro, quando ela lançou o último disco acompanhado por dois filmes. Ela também é protagonista do longa-metragem "Atlas", da Netflix, que discute os perigos da tecnologia.
 

Recentemente, duas das maiores cantoras do Brasil, Ivete Sangalo e Ludmilla, cancelaram suas turnês devido à baixa procura por ingressos.

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero

  • Bahia Notícias
  • 20 Mai 2024
  • 07:59h

Foto: Mohammed Ali Marizad

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, morreu aos 63 anos na queda de um helicóptero, informou o ministério das Relações Exteriores do Irã nesta segunda-feira (20).

Raisi, que foi eleito em 2021 e tinha mandato até 2025, era a 2ª pessoa mais importante do Irã, atrás apenas do aiatolá Ali Khamanei, líder supremo do Irã e de quem o atual presidente era um protegido e possível sucessor – segundo o blog da Sandra Cohen, do G1, a morte de Raisi deve disparar uma disputa feroz pelo cargo.

Segundo a imprensa oficial iraniana, o helicóptero caiu numa região montanhosa do Irã em razão das más condições climáticas durante um voo que trazia Raisi e outras autoridades do vizinho Azerbaijão.
A queda ocorreu entre as aldeias de Pir Davood e Uzi, na província iraniana de Azerbaijão Oriental, cerca de 600 quilômetros a noroeste de Teerã, a capital iraniana.

Além de Raisi, a queda matou o chanceler do Irã, Hossein Amirabdollahian.
A aeronave transportava, ainda, Malek Rahmati, governador da província iraniana do Azerbaijão Oriental; e Hojjatoleslam Al Hashem, líder religioso. 

As mortes dos dois não foram confirmadas, mas, mais cedo, a imprensa oficial informou não haver sinal de sobreviventes no local da queda.

Buscas levaram cerca de 12 horas

A queda do helicóptero ocorreu por volta das 13h (no horário local, 6h no de Brasília), mas a aeronave só foi encontrada cerca de 12 horas depois.

Além das dificuldades de acesso, o tempo ruim dificultava os trabalhos de resgate. O helicóptero só foi avisado cerca de 12 horas depois, na madrugada desta segunda, por integrantes do Crescente Vermelho iraniano, depois que um drone enviado pela Turquia identificou locais de calor.

Inicialmente, o ministro do Interior iraniano informou que o helicóptero que levava o presidente levava um pouso forçado. Mais tarde, a imprensa oficial informou que a aeronave havia sofrido um acidente em razão das más condições climáticas.

Biden e Trump trocam ofensas em eventos de campanha antecipados

  • Por Folhapress
  • 19 Mai 2024
  • 11:44h

Foto: Reprodução / Redes Sociais

Embora os partidos Democrata e Republicano ainda não tenham feito as convenções que vão oficializar como candidatos à Casa Branca dos Estados Unidos o atual presidente, Joe Biden, e seu antecessor, Donald Trump, os dois já estão se enfrentando em discursos para seus eleitorados em eventos pelo país.

Neste sábado (18), Trump foi recebido em Dallas, no Texas, no Fórum de Liderança da Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês). Falando para os membros da associação, o republicano disse que Biden é "de longe, o pior presidente da história do país" e rotulou o oponente de "completo mentiroso".

"Você está demitido, vá embora daqui, Joe", disse o empresário, entre risadas dos membros da plateia, a quem garantiu que Biden viria atrás de suas armas de fogo, em referência à pauta democrata de maior controle de acesso a armamentos. Ainda segundo Trump, Biden é corrupto e uma "ameaça à democracia".

O candidato prometeu desfazer as regulamentações de armas implementadas pelo democrata. "No meu segundo mandato, vamos reverter cada ataque de Biden à Segunda Emenda", disse, referindo-se ao trecho da Constituição dos EUA que garante o acesso a armas.

Biden, por sua vez, participou de um evento em Atlanta, na Geórgia, estado onde venceu por uma pequena margem em 2020. "Nossa democracia está realmente em risco", alertou o democrata a um grupo de seguidores reunidos no restaurante Mary Mac's Tea Room, que tem um proprietário afro-americano, público-chave para a sua campanha rumo às eleições de novembro.

"Meu adversário não é um bom perdedor, mas é um perdedor", disse Biden, sob aplausos. "Ele não está apenas obcecado por ter perdido em 2020, está perturbado. Trump não está se candidatando para liderar o país, e sim por vingança", afirmou.

Depois de tapa no Oscar, Chris Rock e Will Smith fizeram as pazes, diz amigo

  • Por Folhapress
  • 12 Mai 2024
  • 12:46h

Foto: Reprodução / Robyn Beck

O ator Will Smith e o comediante Chris Rock teriam feito as pazes de maneira secreta, mais de dois anos depois de Smith dar um tapa na cara de Rock durante a cerimônia de entrega do Oscar em 2022.
 

Segundo uma entrevista de um amigo de ambos, Cedric the Entertainer, para o tabloide britânico Mirror, o ator e o comediante superaram o episódio --Rock perdoou Smith e a dupla agora quer olhar para a frente. Cedric se disse orgulhoso da trégua e que Smith é "um ser humano sólido".
 

Cedric atribuiu o tapa à uma questão pessoal entre ambos, que estaria relacionada a provações de Rock sobre o casamento de Smith. Ele disse ainda que espera que Smith recupere sua imagem pública com o lançamento do filme "Bad Boys 4" nas próximas semanas, a primeiro produção significativa com o ator desde o tapa.
 

"Mas a questão é quando acontece algo pessoal, e eu sempre digo que um tapa é mais pessoal do que um soco. E então, quando alguém bate em uma pessoa, você percebe que algo muito pessoal está acontecendo ali. E isso é o que não sabíamos como público", disse Cedric ao Mirror.
 

"Nós apenas vimos o resultado e então decidimos que era algo. E era nisso que eu estava confiante. Eu estava confiante de que ambos entendiam o que estava acontecendo naquele momento e que conseguiriam superar isso. E Durante a cerimônia do Oscar, Smith levantou da cadeira na e bateu no comediante, que estava no palco e havia feito uma piada com Jada Pinkett Smith, mulher do protagonista de "King Richard". Depois, Smith voltou à sua cadeira e gritou duas vezes "tire o nome da minha mulher da porra da sua boca".
 

Rock tinha brincado com a aparência da mulher de Will Smith, dizendo que ela parecia uma personagem de "G.I. Jane 2", que é careca. Jada Pinkett Smith sofre de alopécia, doença genética que leva a perda de cabelo, e desde 2018 fala frequentemente sobre o assunto nas redes sociais.
 

O clima na cerimônia ficou tenso, já que não estava claro se o movimento de Smith havia sido em tom de piada ou não. Um silêncio constrangedor de vários segundos se seguiu e Rock parecia abalado, ainda que continuasse sorrindo. "Aí está um grande momento de televisão ao vivo", ele disse.

Câmara dos EUA aprova lei com definição controversa de antissemitismo

  • Por Folhapress
  • 02 Mai 2024
  • 17:35h

Foto: Reprodução / Wikimedia Commons

A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou nesta quarta-feira (1º) um projeto de lei que codifica uma definição controversa de antissemitismo que pode cercear críticas ao Estado de Israel em escolas e universidades americanas. O texto segue agora para o Senado, onde seu futuro é incerto.  

A legislação foi aprovada por 320 votos a favor e 91 contrários, com apoio do Partido Republicano e de alguns democratas. O texto adota a definição de antissemitismo proposta pela Aliança Internacional de Memória do Holocausto (IHRA, na sigla em inglês) como oficial e determina que ela seja utilizada pelo governo federal no âmbito da aplicação de leis contra a discriminação no sistema educacional americano.

A aprovação é uma resposta aos protestos universitários em diversas instituições de ensino dos EUA contra o apoio de Washington a Tel Aviv na guerra na Faixa de Gaza. Desde o início do conflito, com o ataque do Hamas em 7 de outubro de 2023, 34.568 palestinos foram mortos e 77.765 ficaram feridos nos ataques de Israel ao território.

Em resposta, estudantes de universidades americanas de elite organizaram protestos pedindo, entre outras coisas, que suas instituições deixem de investir em empresas israelenses. Alguns dos atos tem sido criticados como antissemitas, especialmente por membros do Partido Republicano.

A definição da IHRA adotada na lei é a seguinte: antissemitismo é "uma certa percepção sobre judeus que pode ser expressada como ódio aos judeus. Manifestações retóricas e físicas de antissemitismo são direcionadas contra pessoas judias e não judias, sua propriedade privada, e contra instituições comunitárias e religiosas judias".

A IHRA cita ainda uma série de exemplos que se encaixam nessa designação --a lei aprovada pela Câmara dos EUA inclui explicitamente esses exemplos. Alguns deles são criticados por especialistas por impedir certas críticas a Israel, o que a ONG nega.

Nos exemplos, a IHRA afirma que é antissemita "negar aos judeus seu direito de autodeterminação, ao afirmar, por exemplo, que o Estado de Israel é uma iniciativa racista", e também "aplicar dois pesos e duas medidas ao exigir de Israel um comportamento não esperado de outros países democráticos". Essa frase em especial dialoga com argumentos de apoiadores de Israel, que afirmam que nenhum outro país seria criticado se reagisse a um ataque da forma como Tel Aviv reage.

A IHRA diz ainda que é antissemita comparar ações de Israel com políticas dos nazistas na Alemanha --foi o que fez, por exemplo, o presidente Lula (PT) em fevereiro, ao dizer que as mortes de civis em Gaza se assemelham às ações de Adolf Hitler contra os judeus. A fala causou uma crise diplomática com o governo Binyamin Netnayahu.

A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês), tradicional organização de defesa dos direitos civis nos EUA, afirmou em uma nota que já existe legislação que proíbe discriminação antissemita em instituições de ensino que recebem verba do governo federal, e que a lei aprovada na Câmara "é desnecessária e teria o efeito de congelar a liberdade de expressão em universidades ao equiparar, de maneira incorreta, críticas a Israel com antissemitismo". 

Rei Charles III tem piora em quadro de saúde e detalhes do funeral são atualizados, diz site

  • Bahia Notícias
  • 26 Abr 2024
  • 18:25h

Foto: The Royal Family/ Instagram

Em tratamento contra um câncer, o quadro do Rei Charles III, de 75 anos, teria apresentado uma piora significativa, de acordo com o site The Daily Beast, da Inglaterra, o que fez com que os detalhes do funeral do monarca fossem atualizados.

Segundo a publicação, uma fonte próxima da família real britânica teria informado que a saúde do rei é preocupante e por isso, os detalhes do funeral são atualizados constantemente em um roteiro que conta com centenas de páginas.

“É claro que ele está determinado a vencer a doença e eles estão apostando tudo nisso. Todos continuam otimistas, mas ele está realmente muito mal, mais do que estão deixando transparecer”, disse uma fonte próxima ao Daily Beast.

A cerimônia começou a ser organizada logo após o funeral da rainha Elizabeth II, mãe de Charles, que faleceu aos 96 anos em setembro de 2022. “Os planos foram revisados e estão sendo atualizados constantemente", disse.

Até o momento os representantes da família real não se pronunciaram sobre o estado de saúde do rei Charles III. Além do câncer enfrentado pelo filho da Rainha Elizabeth, a família real lida com o tratamento da princesa Kate Middleton, de 42 anos, que também foi diagnosticada com um câncer no início do ano.

Câmara dos EUA aprova projeto que pode proibir TikTok no país; texto ainda vai para o Senado

  • Por Tamara Nassif | Folhapress
  • 21 Abr 2024
  • 18:03h

Foto: Pixabay

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, neste sábado (20), um projeto de lei que pode proibir o TikTok, companhia chinesa, em todo o país.
 

A medida foi incluída em um pacote mais amplo que prevê US$ 95 bilhões em ajuda a Taiwan, Israel e Ucrânia, aliados importantes dos EUA, e ainda precisa passar pelo Senado para virar lei.
 

Foram 360 deputados favoráveis contra 58, demonstrando uma coalização bipartidária para pressionar uma mudança na presidência do aplicativo chinês. O objetivo é que a empresa-mãe do TikTok, a ByteDance, venda a plataforma para um proprietário norte-americano em até um ano, ou então enfrentará uma proibição doméstica.
 

A rede social conta com 170 milhões de usuários nos Estados Unidos.

Israel lança ataque contra o Irã, diz imprensa dos Estados Unidos

  • Bahia Notícias
  • 19 Abr 2024
  • 09:20h

Foto: Reprodução / TV Globo

Israel lançou um ataque contra o Irã, segundo informações dos Estados Unidos, na noite desta quinta-feira (18). De acordo com o jornal The New York Times, autoridades isralenses confirmaram a investida sob condição de anonimato. Além disso, explosões foram ouvidas próximas de uma base militar.

No último sábado, o Irã lançou mais de 300 mísseis e drones em um ataque contra Israel. Desde então, o governo israelense avaliava uma resposta militar.

Já a imprensa iraniana revelou que três que sobrevoavam a área de Isfahan foram abatidos. A região fica a 450 km de Teerã e tem instalações nucleares. O espaço aéreo chegou a ser fechado, e voos foram cancelados.

Ainda conforme uma autoridade do Irã, não houve ataque com mísseis e o sistema de defesa foi ativado. As explosões ouvidas na região seriam resultado da ação do sistema de defesa.

Tensão no Oriente Médio: Israel quer reagir, e Irã vê “caso encerrado”

  • Após ataque do Irã por drones, comunidade internacional vê com preocupação novo conflito no Oriente Médio
  • Guilherme Goulart/Metrópoles
  • 15 Abr 2024
  • 12:26h

Foto:Redes sociais/Reprodução/Metrópoles

Sob a ameça de escalada na guerra do Oriente Médio, o Gabinete de Guerra de Israel se mostrou favorável a responder ao ataque do Irã, na noite do último sábado (13/4). No dia seguinte, Benny Gantz, um dos membros do Gabinete de Guerra, afirmou, em comunicado oficial, que os iranianos pagarão pela ofensiva militar.

“Construiremos uma coalizão regional e cobraremos o preço do Irã da maneira e no momento certos para nós”, ameaçou Gantz.

Israel, já em guerra contra o Hamas, foi atingido por mais de 300 projéteis disparados por Teerã, entre drones, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos. Uma base da força aérea em Nevatim, no sul do país, também sofreu danos.

A tensão na região assusta a comunidade internacional, que pede “prudência”. Segundo a RFI, chefes de Estado e de governo de todo o mundo, a Otan e o G7 fizeram apelos em prol de uma desescalada de tensão. “É essencial que o conflito no Oriente Médio não se torne incontrolável”, defendeu a aliança atlântica.

O Conselho de Segurança fez reunião de emergência neste domingo (14/4). E o secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou no sábado “a grave escalada” e pediu “o fim imediato das hostilidades”.

Líderes do G7, grupo formado por Alemanha, França, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Japão e União Europeia, também se reúnem em videoconferência para discutir estratégias no sentido de evitar crise militar maior.

Entre os países árabes, Egito, Catar, Arábia Saudita e Jordânia alertaram para uma escalada de violência no Oriente Médio e pediram “contenção” a Israel e Irã. A China e a Rússia se uniram aos apelos, pedindo “calma” e resolução do conflito por meio de “vias políticas e diplomáticas”.

Os Estados Unidos fizeram reunião de emergência com a equipe encarregada de segurança nacional, mas reforçou o apoio a Israel. “O nosso compromisso com a segurança de Israel diante das ameaças do Irã é inabalável”, escreveu o presidente americano, Joe Biden, na rede social X.

“Caso encerrado”

De acordo com a RFI, após o ataque, o Irã considera o caso encerrado. Segundo Teerã, a investida foi uma resposta ao bombardeio israelense ao consulado iraniano em Damasco, na Síria, em 1° de abril, que deixou sete mortos, entre eles, um comandante sênior da Guarda Revolucionária do Irã.

O chefe das Forças Armadas iranianas, Mohammad Bagheri, indicou que o ataque contra Israel na noite de sábado “atingiu todos os seus objetivos” e que Teerã não tem “nenhuma intenção” de dar sequência à operação.

“O caso pode ser considerado encerrado”, anunciou a missão iraniana na ONU, em uma mensagem divulgada três horas após a investida.

No entanto, o presidente iraniano, Ebrahim Raïssi, preveniu que, em caso de “comportamento imprudente” de Israel, a próxima operação iraniana será ainda maior do que a de sábado. “A punição do agressor foi realizada”, afirmou.

Contra-ataque

O porta-voz das Forças Armadas Israelenses, Daniel Hagari, indicou que Israel “frustrou” o ataque iraniano interceptando 99% dos projéteis. O ministro israelense da Defesa, Yoav Gallant, pontuou que, com a ajuda dos Estados Unidos e de outros países parceiros, Israel conseguiu defender seu território.

O ministro israelense das Relações Exteriores, Israel Katz, disse que haverá resposta ao Irã. Na tarde desse domingo (14/4), o gabinete de segurança israelense se reuniu para debater sobre como será o contra-ataque.

Navio derruba ponte nos EUA e veículos caem na água

  • Bahia Notícias
  • 26 Mar 2024
  • 12:31h

Foto: Reprodução Redes Sociais

Um navio cargueiro colidiu e derrubou a ponte Francis Scott Key, em Baltimore, nos Estados Unidos. O acidente aconteceu por volta das 1h30 desta terça-feira (26) (2h30, no horário de Brasília).

Com a colisão, a embarcação pegou fogo e acabou afundando. Além disso, diversos veículos caíram na água. As autoridades acreditam que pelo menos 20 pessoas podem estar no rio. As informações são do portal Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias. Veja o vídeo que mnostra o momento que a ponte desaba:

De acordo com a Autoridade de Transporte de Mariland, todas as pistas foram fechadas em ambas as direções na ponte de 2,6km. As equipes de emergência procuram pelo menos sete veículos que caíram, de acordo com Kevin Cartwright, diretor de comunicações do Corpo de Bombeiros de Baltimore. Nesta época do ano, a água no rio Patapsco tem uma temperatura média de -1°C.

Ele garantiu que as equipes estavam trabalhando “metodicamente e com segurança” para garantir que “todos que operam aqui no local estejam seguros e que possamos progredir sem causar danos adversos a ninguém”.

“Nosso foco agora é tentar resgatar e recuperar essas pessoas”, afirmou Cartwright. Ele apontou que é muito cedo para saber quantas pessoas foram afetadas, mas acredita que é um “evento em desenvolvimento com vítimas em massa”.

NAVIO DE CINGAPURA

Após uma análise inicial, o chefe da comunicação dos bombeiros aponta que parecia haver “alguma carga ou retentores pendurados na ponte”, o que criava condições inseguras e instáveis e isso complicava a operação de resgate.

O navio cargueiro se chama Dali e tem 299, 92 metros de comprimento por  48,2 metros de largura. Ele viajava com a bandeira de Cingapura. A embarcação saiu às 1h de Baltimore (horário local) e seguiria para a capital do Sri Lanka, Colombo.

O Synergy Marine Group, gestor do navio, informou que todos os membros da tripulação, incluindo dois pilotos, foram encontrados. Não há relatos de feridos.

Oppenheimer vence o Oscar 2024 de Melhor Filme: veja a lista completa

  • Indicado em 13 categorias do Oscar 2024, Oppenheimer terminou a premiação com sete estatuetas, incluindo Melhor Ator e Diretor
  • Ranyelle Andrade/Metrópoles
  • 11 Mar 2024
  • 14:20h

Foto:Reprodução/Internet/Metrópoles

Oppenheimer, do diretor Christopher Nolan, foi consagrado como Melhor Filme na cerimônia do Oscar 2024, realizada neste domingo (10/3), em Los Angeles, nos Estados Unidos.

A obra, que apresenta a trajetória do físico americano J. Robert Oppenheimer no desenvolvimento da bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial, também levou os prêmios de Melhor Diretor, para Nolan; Melhor Ator, para Cillian Murphy; Melhor Ator Coadjuvante, para Robert Downey Jr; Trilha Sonora; Montagem; e Fotografia.

Pobres Criaturas foi outro destaque da noite. O filme, do diretor do grego Yorgos Lanthimos, recebeu 11 nomeações. Dessas, venceu três categorias seguidas, de Melhor Figurino; Maquiagem e Penteado; e Design de Produção. Depois, ainda arrematou a estatueta de Melhor Atriz, para Emma Stone.

Após emplacar a maior bilheteria de 2023, Barbie concorreu em oito estatuetas, mas só levou o prêmio de Melhor Música para What I Was Made For, de Billie Eilish.

Confira a lista completa de vencedores abaixo:

 

Melhor Filme

 

American Fiction
Anatomia de uma Queda
Barbie
Os Rejeitados
Assassinos da Lua das Flores
Maestro
Oppenheimer – VENCEDOR
Vidas Passadas
Pobres Criaturas
Zona de Interesse

Melhor Ator

Bradley Cooper – Maestro
Colman Domingo – Rustin
Paul Giamatti – Os Rejeitados
Cillian Murphy – Oppenheimer – VENCEDOR
Jefrrey Wright – American Fiction

Melhor Atriz

Annet Bening – Nyad
Lilly Gladstone – Assassinos da Lua das Flores
Sandra Hüller – Anatomia de uma Queda
Carry Mulligan – Maestro
Emma Stone – Pobres Criaturas – VENCEDOR

Melhor Diretor

Justine Triet – Anatomia de uma Queda
Martin Scorsese – Assassinos da Lua das Flores
Christopher Nolan – Oppenheimer – VENCEDOR
Yorgos Lanthimos – Pobres Criaturas
Jonathan Glazer – Zona de Interesse

Melhor Ator Coadjuvante

Sterling K. Brown – American Fiction
Robert De Niro – Assassinos da Lua das Flores
Robert Downey Jr. – Oppenheimer – VENCEDOR
Ryan Gosling – Barbie
Mark Ruffalo – Pobres Criaturas

Melhor Atriz Coadjuvante

Emily Blunt – Oppenheimer
Danielle Brooks – A Cor Púrpura
America Ferrera – Barbie
Jodie Foster – Nyad
Da’Vine Joy Randolph – Os Rejeitados – VENCEDORA

Melhor Filme Internacional

Io Capitano (Itália)
Perfect Days (Japão)
A Sociedade da Neve (Espanha)
The Teachers’ Lounge (Alemanha)
Zona de Interesse (Reino Unido) – VENCEDOR

Melhor Roteiro Original

Anatomia de uma Queda – VENCEDOR
Os Rejeitados
Maestro
Segredo de um Escândalo
Vidas Passadas

Melhor Roteiro Adaptado

American Fiction – VENCEDOR
Barbie
Oppenheimer
Pobres Criaturas
Zona de Interesse

Melhor Filme de Animação

O Menino e a Garça – VENCEDOR
Elementos
Nimona
Robot Dreams
Homem-Aranha: Através do Aranhaverso

Melhor Documentário em longa-metragem

Bobi Wine: The People’s President
The Eternal Memory
Four Daughters
To Kill a Tiger
20 Days in Mariupol – VENCEDOR

Melhor Documentário em curta-metragem

The ABCs of Book Banning
Ther Barber of Little Rock
Island in Between
Lost Repair Shop – VENCEDOR
Nai Nai & Wai Pó

Melhor Curta de Animação

Letter to a Pig
Ninety-Five Senses
Our Uniform
Pachyderme
War is Over – VENCEDOR

Melhor Curta-metragem

The After
Invincible
Knight of Fortune
Red, White and Blue
A Incrível História de Henry Sugar – VENCEDOR

Melhor Maquiagem e Penteado

Golda
Maestro
Oppenheimer
Pobres Criaturas – VENCEDOR
A Sociedade da Neve

Melhor figurino

Barbie
Assassino da Lua das Flores
Oppenheimer
Napoleão
Pobres Criaturas – VENCEDOR

Melhor Música

The Fire Inside (Flamin’ Hoit)
I’m Just Ken (Barbie)
It Never Went Away (American Symphony)
Whazhazhe (A Song for my People) (Assassinos da Lua das Flores)
What I Was Made For (Barbie) – VENCEDOR

Melhor Trilha-Sonora

American Fiction
Indiana Jones e A Relíquia do Destino
Assassinos da Lua das Flores
Oppenheimer – VENCEDOR
Pobres Criaturas

Melhor Design de Produção

Barbie
Assassinos da Lua das Flores
Napoleão
Oppenheimer
Pobres Criaturas – VENCEDOR

Melhor Montagem

Anatomia de Uma Queda
Os Rejeitados
Assassinos da Lua das Flores
Oppenheimer – VENCEDOR
Pobres Criaturas

Melhor Edição de Som

Resistência
Maestro
Missão Impossível – Acerto de Contas Parte 1
Oppenheimer
Zona de Interesse – VENCEDOR

Melhor Efeito Visual

Resistência
Godzilla Minus One – VENCEDOR
Guardiões da Galáxia Volume 3
Missão Impossível – Acerto de Contas Parte 1
Napoleão

Melhor Fotografia

El Conde
Assassinos da Lua das Flores
Maestro
Oppenheimer – VENCEDOR
Pobres Criaturas

CONTINUE LENDO

Depois de aumentar o próprio salário, Milei volta atrás

  • Por Folhapress
  • 11 Mar 2024
  • 12:16h

Foto: Divulgação/Bahia Notícias

O presidente da Argentina, Javier Milei, baixou decreto para revogar no sábado (9) um aumento do próprio salário.

Alvo de intensas críticas por elevar seu salário e dos ministros e secretários, Milei culpou a ex-presidente Cristina Kirchner. "Acabo de ser informado que, em decorrência de um decreto assinado pela ex-presidente Cristina Kirchner em 2010, que estabelecia que os dirigentes políticos deveriam ganhar sempre mais que os funcionários da administração pública, foi concedido um aumento automático aos quadros políticos deste governo", disse em publicação em uma rede social.

Em 21 de fevereiro, Milei havia concedido um aumento de 30% no salário-mínimo - abaixo da inflação acumulada, que em janeiro bateu em 98,8%, e do esperado pelos sindicatos. A Argentina vive um aumento da pobreza em meio a medidas de austeridade fiscal implementadas por Milei.

No sábado (9) de manhã, a deputada peronista e ex-ministra do Desenvolvimento Social Victoria Tolosa Paz compartilhou a normativa do governo que concedia um aumento de 48% aos funcionários do Poder Executivo. "Milei mente com esse discurso de austeridade", disse a legisladora.

A medida foi rechaçada em diversas postagens nas redes sociais.

Mais tarde, em um comunicado, a Casa Rosada afirmou ter revogado, por meio de um decreto, "a normativa estabelecida por Cristina Fernández de Kirchner que vinculava os aumentos dos trabalhadores da administração pública nacional aos salários dos funcionários".

"Esta medida foi projetada e executada com o objetivo de proteger os bolsos da casta", afirmava o documento divulgado no X. Além disso, o comunicado afirmava que "a situação herdada é crítica, e os argentinos estão fazendo um sacrifício heroico". E concluía: "É hora de os políticos pagarem o custo do desfalque que causaram".

Milei e Cristina bateram boca pelas redes sociais. A ex-presidente afirmou que Milei está destruindo as pensões e os salários dos argentinos.

"Acredito que o senhor lê o que assina, não? No decreto de janeiro, o senhor não incluiu expressamente as autoridades, e no de fevereiro, o senhor e os seus funcionários foram incluídos", escreveu a ex-vice-presidente.

"Eu achava que você era mais corajoso, Presidente. Aí descobrimos que o senhor e seus funcionários aumentaram o salário em 48%". E completou com uma alfinetada: "E não lhe ocorre uma desculpa melhor do que me culpar, por um decreto que assinei há 14 anos? ...Não dá para ser mais casta e menos original".

O mandatário argentino respondeu.

"Olá Cristina. Acabei de cancelar os aumentos de salário de todo o gabinete. Já que a vi tão preocupada com as aposentadorias, o que acha de eu cancelar os $ 14.000.000 [cerca de R$ 82 mil, pelo câmbio oficial] que você recebe de aposentadoria privilegiada e lhe conceder uma aposentadoria mínima? Acho que você não vai reclamar. Saudações", postou o presidente argentino.

Partido oficializa Nicolás Maduro como candidato às eleições presidenciais

  • Por Folhapress
  • 11 Mar 2024
  • 10:12h

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), atualmente no poder, oficializou, neste domingo (10), Nicolás Maduro como seu candidato nas próximas eleições presidenciais de 28 de julho. O ditador já era o candidato natural do chavismo e foi escolhido após três dias de assembleias pelo país.

Na rede social X, o PSUV publicou que os militantes resolveram dar seu "apoio ao presidente Nicolás Maduro". A proclamação oficial como candidato é esperada para o dia 15 de março, embora o ditador já tenha reconhecido o apoio de seus seguidores.

"Agradeço todas as suas expressões de amor, todas as suas bênçãos, todo o seu apoio e vamos unir todos que puderem ser unidos e convocados do povo para domingo, 28 de julho", disse o mandatário em áudio também divulgado no X.
O líder Diosdado Cabello, considerado o número dois do chavismo, havia afirmado na quarta-feira que "não tinha dúvidas" de que Maduro seria o candidato "por consenso" do PSUV.

O agora candidato está em campanha há semanas e tem aumentado suas aparições públicas, algo que não era habitual --assim como os anúncios de programas sociais de "nova geração". Ele também prometeu a criação de novas obras públicas.

Enquanto isso, a oposição deve definir um candidato diante da inabilitação política de María Corina Machado, que venceu nas primárias da principal coalizão Plataforma Unitária em outubro passado. Embora Machado insista que será candidata, na prática sua candidatura está suspensa por 15 anos pela justiça eleitoral.

A habilitação de candidatos tem sido um dos pontos críticos dos diálogos entre o governo e a oposição, com mediação da Noruega. Em outubro passado, ambas as partes assinaram um acordo em Barbados para organizar a eleição com a presença de observadores internacionais.

A oposição esperava que o acordo permitisse a Machado se apresentar às eleições, mas a Suprema Corte, acusada de agir sob influência do governo, confirmou a inelegibilidade em 26 de janeiro. A oposição exige que sua candidata seja habilitada.

A data de julho respeita o acordo de realizar as eleições no segundo semestre de 2024, embora coloque em xeque os prazos para a formação de missões de observação internacional. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) enviou, na quinta-feira (7), convites à União Europeia (UE), à ONU e ao Carter Center para observarem o processo.

No sábado (9), a oposicionista disse na rede social X que o diretor de sua campanha no estado de Barinas, Emill Brandt, havia sido sequestrado pelo regime de Nicolás Maduro. Com Brandt, já são quatro os dirigentes de seu partido que foram detidos.

Em janeiro, três líderes regionais da equipe de campanha de Machado foram presos acusados de estarem supostamente relacionados com planos conspirativos contra o governo de Maduro.

Eles estão detidos na sede do Helicoide, um edifício construído nos anos 1950 para ser centro comercial, mas que se tornou uma prisão do serviço de inteligência venezuelano. Organizações de direitos humanos qualificam o lugar como "centro de torturas".