Rio do Antônio: Prefeito é multado pelo TCM e poderá ser condenado por improbidade administrativa

  • Daniel Simurro / Brumado Urgente
  • 21 Nov 2013
  • 11:52h

O prefeito Humberto Célio Guimarães será objeto de representação do MPE (Foto: Reprodução)

A saga do prefeito de Rio do Antônio, Humberto Célio Guimarães (DEM) com a Justiça e com o TCM – Tribunal de Contas dos Municípios - continua em alta rotatividade, já que em sessão ordinária do órgão realizada no último dia 14 o prefeito foi multado em R$ 5 mil, bem como foi determinado o pronto ressarcimento aos cofres públicos do município da quantia de R$ 18.225,00, além do encaminhamento ao Ministério Público Estadual da abertura de uma representação por possíveis atos de improbidade administrativa. Apresentadas pelo vereador André Berkovitz (PT) as denúncias apontam para um possível superfaturamento do pagamento dos serviços de limpeza pública, os quais teriam sofrido um acréscimo de quase 100% no ano de 2013. Outro ponto que consta das denúncias é a contratação de uma empresa de contabilidade, da qual o proprietário é tio do gestor, o que foi reputado como grave pelo parlamentar. Após um ceticismo por parte de correntes políticas ligadas à situação, a punição do TCM, para os oposicionistas, já é um forte indicativo de que o prefeito Humberto Célio Guimarães poderá ser condenado pela prática de improbidade administrativa.
 


O vereador André Berkovitz está muito confiante na apuração plena das denúncias (Foto: Daniel Simurro / Brumado Urgente)

 

O Brumado Urgente falou com o vereador André Berkovitz que, inicialmente, expressou a sua satisfação relatando que “nós nunca deixamos de acreditar que as nossas denúncias seriam devidamente apuradas, o que já se iniciou com esse parecer condenatório do TCM ao gestor determinando ele pagar uma multa e fazer a devida devolução de R$ 18 mil aos cofres públicos”. Berkovitz ainda fez questão de observar que “o superfaturamento nos pagamentos dos serviços de limpeza pública e a contratação de uma empresa de contabilidade, a qual pertence ao seu tio, são indícios muito fortes de improbidade, o que foi acolhido pelo TCM e já indica que as nossas denúncias estão assoalhadas no terreno sólido da verdade”. Ele ainda declarou que “os próximos passos serão decisivos, já que foi determinada uma representação do Ministério Público Estadual para apurar se existiu ou não o ato de improbidade administrativa. Nós esperamos que este órgão tão sério que é o MP deverá analisar de forma muito criteriosa as denúncias e dar o seu parecer sobre as mesmas”.  E finalizou asseverando que “nós temos a plena convicção que a justiça será feita e todos esses desmandos e atos de irregularidades que vêm sendo cometidos na atual gestão serão devidamente punidos, para que o município de Rio do Antônio volte à sua normalidade, já que hoje o clima no município é de tensão”.  

Projeto para a correção da distorção idade-série promove atividades no Dia da Consciência Negra

  • Daniel Simurro / Brumado Urgente
  • 21 Nov 2013
  • 10:41h

(Foto: Divulgação)

O projeto para a correção da distorção idade-série, que é desenvolvido com muita eficácia pelos professores da Escola Rotary Clube, promoveu no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, atividades que despertaram nos adolescentes, adultos e idosos que ali estudam reflexões sobre o papel do negro na sociedade contemporânea e o seu legado histórico-cultural. Os alunos apresentaram danças, jogaram capoeira com o Grupo de Capoeira Ginga Brasil com o Mestre Beira-Mar e seus alunos e o professor de Artes Zezinho, foi apresentado também brincadeiras e histórias sobre os africanos, em seguida presenciaram a arte de se fazer acarajé, com representante histórica das baianas de Brumado, Dona Dete do Acarajé, que caprichou na confecção dos quitutes. A equipe pedagógica do Projeto, que funciona no prédio da Escola Rotary, avaliou positivamente a participação de todos os envolvidos. Segundo a psico-pedagoga Bárbara Vasconcelos “essas atividades consolidam ainda mais a dinâmica desenvolvida junto aos alunos, que se mostram cada vez mais receptivos e com uma vontade muito grande de assimilar o conhecimento”, e ainda destacou que “promover a integração social de nossos alunos é uma meta que buscamos de forma incessante e já podemos vislumbrar resultados muito positivos de nosso trabalho”. 

Os integrantes do Grupo Ginga Brasil foram muito aplaudidos pelos alunos e professores (Foto: Divulgação)


CDL de Brumado lança Campanha de Natal 2013

  • Ascom / CDL / Izidy Ramel Comunicação
  • 21 Nov 2013
  • 09:23h

A cada ano a Câmara de Dirigentes Lojistas de Brumado vem alcançando degraus mais altos, e nesse ano de 2013 a campanha de natal terá todo um diferencial caprichado. Todas as pessoas que fizerem compras nos comércios associados à CDL e que estiverem participando da campanha, irão receber o seu ou os seus cupons, e assim, concorrerão a DOIS prêmios: um carro zero km Cross Fox – Volkswagen, e a uma motocicleta também zero km 150 cilindradas – Suzuki, além, de ganhar um cupom (que é um ingresso) para visitar a CASA DO PAPAI NOEL durante o mês de dezembro. Não deixe de participar dessa campanha incrível em que a CDL conseguiu atingir adultos e crianças. IMPORTANTE: Os vendedores que tiverem os seus nomes escritos nos dois cupons sorteados (um que será sorteado o ganhador do carro e o outro para o ganhador da motocicleta) também vão ganhar UM SALÁRIO MÍNIMO cada um.

Brumado: A Fiol, a Caveira de Burro e os Deputados Paraquedistas

  • Daniel Simurro / Brumado Urgente
  • 21 Nov 2013
  • 07:58h

(FotoMontagem: Daniel Simurro)

A sessão desta segunda-feira (18) da Câmara de Vereadores de Brumado saiu dos "trilhos" normais e acabou se constituindo num grito voraz dos parlamentares contra o descaso que o município atravessa por parte dos governos e de seus representantes nas esferas maiores do poder. Tendo como substância a realização de uma audiência pública sobre a Fiol, os vereadores não pouparam críticas à forma como a capital do minério vem sendo tratada e “saindo do salto” alguns vociferaram algumas frases emblemáticas como “não vamos ficar vendo somente o trem passar, não vamos deixar isso acontecer”; “é um desrespeito que estão fazendo com a nossa gente, estão destruindo as estradas no meio rural, fazendo detonações absurdas e tantas outras coisas e, depois irão embora deixando somente o legado dos trilhos, isso não pode ficar dessa forma”; “se Brumado não receber um porto seco vamos fazer um protesto e não deixar o trem passar por aqui”.

Esse clima acabou sendo o mote das discussões que se estenderam para área política, onde os edis deixaram bem claro que Brumado está praticamente sem representantes na Assembleia Legislativa, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Neste cenário paradoxal, alguns deputados que compõe a comissão da Fiol na Bahia irão estar na cidade para participar da Audiência Pública que será realizada nesta quinta-feira (21) na própria Câmara de Vereadores, os quais começam a fazer propaganda de seus mandatos por meio da mídia, o que causou revolta em alguns parlamentares que citaram que “não vamos permitir que esses paraquedistas venham aqui para se exibir, quando os mesmos nunca fizeram nada por Brumado”. Esse sentimento, - um misto de abandono e astúcia -, vem expressar de forma clara a falta de representação do município, tendo a agravante de que os eleitores vêm se mostrando, historicamente, na grande maioria das vezes, que não sabem escolher seus representantes, já que o “oba-oba” na hora da eleição é suficiente, se esquecendo de que, depois, eles dão as costas e ficam dando “xauzinho” de longe, fazendo promessas mirabolantes. Em meio a essas discussões outro fato interessante foi abordado de forma subliminar, já no campo metafísico, que foi o estigma holístico de que “existe uma caveira de burro enterrada no marco zero da cidade”, uma espécie de “urucubaca” espiritual que atormenta as mentes nervosas dos místicos locais. Essa afirmação transcendental é muito comum entre os brumadenses, onde se tenta desvendar as desventuras da capital do minério, que vê os seus vizinhos se desenvolverem, recebendo diversos cursos universitários e tantas outras ações e avanços importantes, enquanto, em contrapartida, o município fica “chupando dedo” e ainda ter que servir de “tábua de salvação” para outros não morrerem de sede, os quais, num passado não muito distante, fecharam as “comportas” para que a água não chegasse até as torneiras dos brumadenses no grande colapso do desabastecimento que aconteceu em 1998. Deixando o sobrenatural de lado, o fato da Barragem de Cristalândia ter que abastecer outros municípios a partir de agora comprova a fragilidade dos representantes da capital do minério junto às grandes esferas do poder, que ficam somente nas promessas de que a segunda etapa da barragem será construída, enquanto uma das maiores secas da história dilacera os moradores do meio rural. Então, numa análise fria e até calculista, estão querendo “tapar o sol com a peneira”, já que fica claro que a política polarizada e desajustada das últimas décadas, vem causando um verdadeiro atraso histórico para o município, que teve sim algumas conquistas, mas que poderia ter conquistado muito mais se não fosse “a raiva dos coronéis”, que sempre magnetizou uma energia negativa, que impediu que portas fossem abertas, ficando somente em picuinhas irrelevantes e mesquinhas que “puxam Brumado para baixo”. Em pleno século XXI, os brumadenses ainda tem que assistir a polarização de dois grupos dominantes, um querendo se manter no poder e outro querendo voltar ao poder e, nesse embate, ficam milhares de pessoas que buscam realizar os seus sonhos de ver um município próspero e pujante, mas, que, infelizmente, se ninguém fizer nada urgente, terá mesmo que ver somente o trem passar. O sonho de ver uma integração política a favor do progresso e desenvolvimento de Brumado parece mesmo uma utopia, enquanto isso ficam na tela os paraquedistas, o trem e a desilusão. 

CONTINUE LENDO

Diferença entre traficante e político corrupto é apenas o tipo de violência, diz delegado da PF

  • Brumado Urgente
  • 21 Nov 2013
  • 07:32h

Delegado Roberto Ciciliati Troncon Filho (Foto: Reprodução)

O colarinho branco representa risco tão grave para o Brasil quanto o tráfico de drogas, na avaliação da Polícia Federal (PF). No combate ao crime organizado, a corporação coloca em um mesmo plano e peso o comércio de entorpecentes e as fraudes contra o Tesouro. O superintendente da PF em São Paulo e ex-diretor da unidade para combate ao crime organizado, delegado Roberto Ciciliati Troncon Filho, só vê uma diferença entre os dois grupos: a violência. “De um extremo, as organizações armadas, cuja ação está diretamente relacionada com a violência urbana e que tem como sua principal fonte de renda a exploração do tráfico ilícito de drogas e são responsáveis pela disseminação do crack em nosso país. No outro extremo estão as organizações criminosas não violentas, também conhecidas de colarinho branco, grupos que se dedicam a fraudar os recursos públicos, a desviar recursos públicos que deveriam ser destinados para as áreas essenciais do Estado, educação, saúde, transporte, a própria segurança pública”, disse, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. 
 

Uesb disponibiliza concorrência para as vagas no Vestibular 2014

  • ASCOM | UESB
  • 21 Nov 2013
  • 07:09h

Se você é candidato a uma das 1215 vagas para os cursos de graduação da Uesb e está ansioso para conhecer a quantidade de inscritos no curso que você escolheu, está na hora de conferir a concorrência do Vestibular 2014. Neste ano, a seleção recebeu mais de 15 mil inscritos distribuídos entre as 47 ofertas de cursos. Medicina continua sendo a área mais procurada. O curso de Vitória da Conquista lidera a concorrência, sendo acompanhado pelo do campus de Jequié. Logo em seguida, está a graduação em Direito, sendo que as vagas para o segundo período letivo estão mais concorridas do que as para o primeiro semestre. Na sequência, os cursos que mais receberam inscrições foram os de Psicologia e Odontologia.

Se a palavra condena, a imagem consagra

  • Por Eugênio Bucci
  • 20 Nov 2013
  • 21:50h

A musa dos Black Blocs (Foto: Brasil de Fato)

Dizem que a fotografia abre canais para a emoção na página de um jornal, e isso é bom. Enquanto as letras do alfabeto, perfiladas como soldadinhos de chumbo, compõem colunas visualmente monótonas, as imagens reacendem a sensação de contato direto com o mundo real. As palavras enfileiradas procuram ordenar o caos da realidade, encadeando nexos lógicos entre eventos aparentemente soltos no espaço. As figuras operam em outro plano: elas anestesiam a lógica formal e, em lugar da racionalidade, apelam para a sensibilidade do leitor. Na primeira página de um diário, a manchete, os títulos e os subtítulos conferem certa hierarquia a fenômenos dispersos. As palavras tecem sentidos comuns entre acontecimentos desconectados uns dos outros. A diagramação das notícias mostra que este fato, que mereceu mais espaço, é mais urgente do que o outro; dizem que aquele deslize daquele político não pode ser ignorado; avisam que algo de grave se anuncia no horizonte (pode ser a chuva prevista para o fim de semana, podem ser as consequências sombrias da renúncia do secretário atingido por denúncias de corrupção). Na mesma primeira página, a foto cumpre uma função bem diferente. Ela escancara a cena, que fala por si (ninguém precisa saber ler uma única palavra para sentir nos olhos o que a imagem expõe). A foto impõe uma pausa, um breve instante de atenção, um momento que pode ser de incredulidade, de simples contemplação, de nojo, ódio, piedade, desejo ou de desprezo. Onde a palavra privilegia o cálculo a imagem desata o sentimento e dessa polarização o jornalismo – não só no papel, mas em toda parte, principalmente na televisão e na internet – extrai o seu melhor sabor.

Massa esquizofrênica


É por aí também que ele mergulha na sua esquizofrenia. Sim, o pêndulo entre imagem e palavra tende para o bem, mas, ao mesmo tempo, abre contradições que, para boa parte dos profissionais da imprensa, são simplesmente insolúveis. Um eloquente exemplo dessa esquizofrenia nós tivemos agora, de poucos meses para cá. De um lado, todos os editoriais de todos os veículos de comunicação do País registraram críticas mais ou menos agudas à agressividade violenta dos black blocs. Na outra ponta, as fotografias e as imagens de TV endeusavam a persona do black bloc, com suas máscaras de lã, suas botinas de pedra e suas garrafas flamejantes. Graças ao tratamento fotográfico que recebeu, essa persona foi investida de uma aura artificial de romantismo incendiário, de paixão, de coragem adolescente. Enquanto as palavras tentavam ser severas com os tais “vândalos” (entre aspas, pois a polícia também enveredou pelo vandalismo e, apesar disso, nunca mereceu esse adjetivo das coberturas dominantes), as fotografias produziam deles uma iconografia heroica e fetichista. Que ninguém se surpreenda se algum costureiro lançar uma nova grife, “Vandaluz”, ou se nos shows de rock da próxima temporada o guitarrista quebrar seu instrumento contra uma vidraça artificial em cima do palco, imitando uma agência bancária. O papa é pop e o black bloc é chique. No seu automatismo de não perder um lance dos confrontos, os veículos informativos fabricaram a mística desse novo ícone de valentia juvenil, que faz lembrar a Jovem Guarda (“eu sou rebelde porque o mundo quis assim, porque nunca me trataram com amor” etc.). É evidente que a imprensa tem o dever de registrar o confronto, mas será que ela tem também o dever de endeusar os protagonistas dos quebra-quebras para dar mais tempero aos desajustes do cotidiano? As cenas que os editorialistas mais recriminam são justamente aquelas que os editores de fotografia mais adoram. Com isso se vai instalando dentro das redações a mesma clivagem que sempre caracterizou o comportamento dos telespectadores. Do alto de seu moralismo declarado, os telespectadores vituperam contra as programações mais apelativas. Depois, no esconderijo de seu quarto, entre quatro paredes, entregam-se à contemplação das baixarias que dizem repelir. Os programas que mais provocam protestos são normalmente os que mais atraem audiência. Não se trata de hipocrisia: a massa de telespectadores é esquizofrênica, como sempre se soube. O dado intrigante é que as redações também estejam ficando assim.

Emoção e razão


Na virada do século 19 para o século 20, a visibilidade tornou-se o critério definitivo da existência. Só o que visível, histericamente visível, parece existir de verdade. Tanto as massas como as pessoas, tanto as multidões como cada um dos indivíduos, dão a vida em troca de um minuto de visibilidade. Isso é literal. Meninos que fuzilam seus colegas de escola e depois disparam um tiro na própria cabeça desejam apenas que os meios de comunicação digam o nome deles, mostrem a foto deles. O crime de sangue, desde que bárbaro, horripilantemente bárbaro, é um atalho mórbido para a celebridade. Quem garante é a imprensa. Pelos mesmos mecanismos, a melhor forma de sair por aí fazendo pose de bonitão (ou bonitona) para a galera é se fantasiar de black bloc e ir “causar” na passeata. Ser black bloc, além de chique, é sexy. Que alguém apareça vestido de Batman na manifestação de rua não surpreende: a mística do black bloc é herdeira de Durango Kid, Homem Aranha, Zorro e outros heróis dos quadrinhos. De acordo com a representação que os meios de comunicação fizeram dela, a mística do black bloc é uma categoria não do jornalismo, mas do entretenimento. É mesmo possível que, ao atirar uma pedra contra o escudo da Tropa de Choque, o garoto, com overdose de adrenalina, tenha de si mesmo a imagem de um, digamos, Batman de esquerda. Pode soar patético, mas o imaginário fabricado pela cobertura fotográfica dos protestos que eclodiram em junho passa por aí. Nas ruas e nas redações, a emoção (das imagens) e a razão (da palavra) olham uma para a face da outra e não se reconhecem mais.

***

Eugênio Bucci é jornalista e professor da ECA-USP e da ESPM

CONTINUE LENDO

A sombra da capa preta

  • Por Luciano Martins Costa (Observatório da Imprensa)
  • 20 Nov 2013
  • 19:23h

Imagem Ilustrativa

Os jornais de terça-feira (19/11) publicam resultado de nova pesquisa de intenção de voto feita pelo Ibope, registrando que a presidente Dilma Rousseff ampliou a vantagem sobre seus prováveis adversários, e seria reeleita no primeiro turno contra qualquer outro candidato entre aqueles que a imprensa considera como tais. Mas a consulta não leva em conta a eventual entrada do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, na disputa. Pelo menos para um dos articulistas que acompanham os aspectos políticos, e não apenas jurídicos, do julgamento da Ação Penal 470, há sinais de que Barbosa está administrando cuidadosamente a reputação que lhe tem proporcionado o papel de condutor do processo. Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo, interpreta o ataque de Barbosa, durante a sessão do STF na quarta-feira (13/11), ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, como uma defesa da primazia de capitalizar a iniciativa de mandar para a cadeia personagens importantes da política.

Janot havia encaminhado na véspera uma recomendação de prisão imediata de doze dos condenados. Barbosa não gostou da concorrência. O presidente do STF despachou a petição do procurador sem ter lido, porque já tinha preparado os mandados de prisão para o feriado de 15 de novembro, data da Proclamação da República. Pretendeu reservar para si o crédito pela prisão dos condenados, mesmo daqueles que tinham direito ao regime semiaberto, para aproveitar a data histórica e oferecer à imprensa um valor simbólico adicional ao seu ato. Mas, como observa o articulista, ao atacar o procurador-geral por haver apanhado uma carona no fato histórico, Barbosa deixou clara a estratégia de se manter em evidência, o que só se explica se ele estiver acalentando sonhos grandiosos para 2014. O episódio não interfere nos aspectos jurídicos da decisão de enviar alguns dos mais importantes protagonistas do escândalo para uma prisão em Brasília, aspecto bastante discutido por especialistas, a não ser pelo fato de o presidente da Corte ter despachado um documento que não havia lido. Observamos, aqui, como os acontecimentos são trabalhados pela imprensa e analisamos as simbologias presentes no processo comunicacional. Estritamente nesse sentido, pode-se afirmar que todas as atitudes do presidente do Supremo Tribunal Federal apontam para a hipótese de Joaquim Barbosa estar cultivando um espaço no eleitorado para disputar a presidência da República no ano que vem.

Em busca de um candidato

Sabemos que não há inocentes na política nem na imprensa. Também não é recomendável que o leitor ou leitora compre pelo valor de face tudo que é apresentado como resultado de pesquisa eleitoral: sempre há mais de uma maneira de interpretar os dados estatísticos. Nessa última versão do Ibope, por exemplo, observe-se o título na primeira página do Estado de S.Paulo, que encomendou a consulta em parceria com o Globo: “Dilma amplia vantagem, mas brasileiro fala em mudança”. Ora, nenhum dos candidatos da oposição já colocados, nem mesmo a ex-senadora e ex-ministra Marina Silva, personifica esse desejo captado pela pesquisa. Fica, então, implantada no subconsciente do cidadão a possibilidade implícita no noticiário: o eleitorado aprova o governo da presidente Dilma Rousseff, a maioria votaria nela, mas dois a cada três brasileiros gostariam de uma mudança no governo. A análise que acompanha a reportagem no jornal paulista afirma que nenhum dos candidatos de oposição personifica esse desejo de mudar. Com seu intempestivo protagonismo ao longo do julgamento da Ação Penal 470, que a imprensa utiliza para construir sua imagem de super-herói, o ministro Joaquim Barbosa se apresenta mais como candidato a um cargo político do que como jurista. Seu perfil se assemelha progressivamente ao do falecido ex-presidente Jânio Quadros, cuja renúncia abriu caminho para a ditadura militar. Como se diz das oportunidades, o cavalo passa diante dele, devidamente encilhado, e a imprensa precisa cultivar rapidamente a figura do agente de mudanças que a oposição não foi capaz de criar. No atual cenário, só o presidente da Suprema Corte teria esse perfil. Mas o temperamento de Barbosa não aconselha grandes apostas. Sua capa preta apenas aumenta a zona de sombra no cenário político.

CONTINUE LENDO

Brumado: Coorpin conta agora com sistema de monitoramento eletrônico

  • Daniel Simurro / Brumado Urgente
  • 20 Nov 2013
  • 17:26h

As câmaras foram colocadas em locais estratégicos (Foto:Daniel Simurro / Brumado Urgente)

Após várias tentativas recentes de fugas abortadas de forma muito eficaz pela equipe de agentes, a 20ª Coorpin agora terá a sua segurança reforçada, já que a partir desta quarta-feira (20) a unidade passará a contar com sistema interno de monitoramento eletrônico. Considerada com um grau de vulnerabilidade preocupante, o setor de carceragem já foi palco de várias fugas e rebeliões, mas agora, com o novo sistema isso deve ter uma diminuição considerável. O avanço é fruto dos esforços do coordenador Dr. Leonardo Rabelo que juntamente com a sua equipe vem buscando a melhoria contínua da unidade. O sistema foi doado por uma empresa do ramo de monitoramento eletrônico do município de Paramirim, que mostra que a parceria pública privada pode ser um instrumento positivo a favor da segurança pública.

Tem cabimento?: Jornal da Croácia comemora vaga na Copa com foto de 'bumbum brasileiro'

  • Informações do R7
  • 20 Nov 2013
  • 16:08h

(Foto: Reprodução)

Nesta semana a Croácia carimbou a sua vaga para  Copa do Mundo de 2014 ao derrotar a Islândia por 2 a 0 em Zagreb. A primeira partida terminou 0 a 0.  Para comemorar a classificação, o jornal croata 24 Sata estampou um “bumbum” bem brasileiro. A publicação escolheu uma foto que mostra o atributo da mulher brasileira vestindo as cores nacionais e escreveu: "aqui estamos".  Em 2014, será a quarta vez que a Croácia disputará uma Copa do Mundo em sua história.

Pastor evangélico acusado de estuprar adolescente de 13 anos continua foragido

  • Informações do BahiaJá
  • 20 Nov 2013
  • 15:40h

Pastor está sendo procurado pela Polícia (Foto:Polícia Civil)

A Polícia Civil da Bahia procura por um pastor evangélico suspeito de estuprar uma adolescente de 13 anos em Serra Dourada (BA), a 790 quilômetros de Salvador. O pastor Jackson Nascimento Silva, 37 anos, da Igreja Assembleia de Deus Missão no Brasil, é alvo de um mandado de prisão preventiva, mas, segundo os investigadores, fugiu do município. O pastor afirmou que se apresentaria à polícia no dia 11 de novembro, já que estaria com medo de algum tipo de represália dos moradores de Serra Dourada. Segundo as investigações, Jackson Silva abusou da garota pelo menos quatro vezes dentro do templo evangélico. Porém, o pastor não se apresentou às autoridades e deixou o município, passando a ser considerado foragido. De acordo com o delegado Ney Brito, da 26ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), familiares afirmaram que a menina frequentava a igreja com os pais. Porém, no começo de novembro, a adolescente contou à mãe que havia sido estuprada pelo pastor em uma sala que fica nos fundos do prédio da igreja.

Marcelo Nilo teve patrimônio elevado em quase R$ 2 milhões em apenas dois anos

  • Brumado Urgente
  • 20 Nov 2013
  • 14:15h

O atual presidente da Alba busca ser o candidato governista nas eleições de 2014 (Foto: Daniel Simurro / Brumado Urgente)

O escritor e jornalista Chico de Gois falou sobre o lançamento do seu livro "Os bens que os políticos fazem", em entrevista à Rádio Metrópole nesta terça-feira (19). A obra relata casos de políticos brasileiros que aumentaram o patrimônio pessoal depois que ingressaram na vida pública. "O livro surgiu a partir da matéria que eu fiz para o jornal, sobre o governador de Goiás, Marconi Perillo, que aumentou seu patrimônio em cinco vezes. Minha editora achou isso poderia render um livro, fui atrás de outros casos e investiguei senadores, deputados e vereadores do Brasil inteiro", explicou o jornalista de O Globo. "No livro há casos de políticos de todas as regiões do Brasil, exceto da região Sul, já que lá não encontramos casos com muitas alterações de patrimônio. Para o livro, escolhemos os 10 casos onde o aumento de patrimônio passou de R$ 1 milhão, de um mandato para outro. Mas, a Justiça Eleitoral é falha, ela não investiga a evolução patrimonial dos políticos a fundo", afirmou. O caso de evolução patrimonial do deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo (PDT), foi o escolhido pelo escritor para ser relatado no livro. "Em 1998, os bens dele eram avaliados em R$ 375 mil, em 2002, R$ 360 mil, não houve variação. A partir daí, ele começa a crescer: na eleição seguinte, em 2006, ele chega a R$ 895 mil. Já em 2010, ele chega a R$ 2,2 milhões. Este caso me chamou atenção, porque dessa quantia, ele dispõe de R$ 376 mil em mãos", contou. 

Auau amplia ações e lança novo website

  • Daniel Simurro / Brumado Urgente
  • 20 Nov 2013
  • 11:26h

O novo website da Auau (Foto: Reprodução)

O trabalho desenvolvido pela ONG Auau já é uma referência regional na luta em prol da defesa dos animais, que vem recebendo o reconhecimento sistemático da sociedade. Concebida por meio de um sonho da radialista Caroline Lima Santos, que desde criança desenvolveu uma grande paixão pelos animais, a ONG Auau foi fundada em março de 2012 e, de lá para cá, vem transformando conceitos e realizando uma série de atividades em defesa dos animais em Brumado. Dentro do planejamento adotado que visa expandir as atividades, a ong já adquiriu, por meio de doação da Prefeitura Municipal, um terreno para construir a sua sede própria e, agora, dentro deste projeto vem divulgar o seu novo website, facilitando assim o acesso às informações da Auau e dinamizando a interface com seus integrantes e simpatizantes. Então para conhecer melhor o trabalho da Auau é só acessar: http://adoteumamigounico.wix.com/auau

Novembro Negro - 2013 e a Democracia do Mundo Ocidental

  • Por Joilson Bergher
  • 20 Nov 2013
  • 10:17h

Professor Joilson Bergher (Foto: Daniel Simurro / Brumado Urgente)

Há um livro, - a Revolução dos Bichos, de Orwel, George – em tal obra, se percebe após uma breve reflexão, o autor descreve a rebeldia de um monte de animais numa fazenda contra a tirania humana. É uma revolução, o ditador é enfim, deposto, expulso, execrado, destruído. A fazenda, o lócus-espaçus tenderia a igualdade. No inicio foi uma maravilha, mas pouco tempo depois a disputa pelo poder, a exploração do bicho por outro bicho e os privilégios dos dirigentes fizeram cair por terra os belos princípios do inicio da revolução. É um símbolo ou seria essa a história da Revolução Bolchevique, a partir de uma visão imperialista da história? Assim é a história onde nem sempre a política caminha ou se coincide com o ocorrido? Mas,- “ É noite e os homens vão chegando, no porão de uma bela casa, localizada na ladeira da Praça. Todos entram murmurando baixinho e cordialmente: As-Salamm-Alaikum e ouvindo como resposta: Wa-Alaikum-Salaam. É lá que Manoel Calafate reúne negros libertos ou escravizados, para iniciá-los nos ensinamentos do Alcorão e prepará-los para uma batalha pela liberdade. Será a maior revolta urbana de negros. Entretanto, eles não sabem, mas todos os planos já foram delatados para as autoridades policiais. Em pouco tempo, ao invés de lutar pelo povo negro muçulmano, terão primeiro que manter a própria vida. A Revolta dos Malês, assim denominada pelo senhores de escravos e seus historiadores, foi na verdade uma Grande Insurreição Urbana Negra e Muçulmana ocorrida no dia 25 de janeiro de 1835, é dos episódios mais importante e pouco divulgados da História do Brasil. Mostra não só a força e estratégia da população negra, onde fielmente é retratada a resistência daqueles que eram islamizados ao Sistema de Escravidão”.          

Enquanto isso, é no século XXI,- vivendo-nos a época de espionagem, em curso por nações tidas  como  hegemônicas,  novamente nos colocamos na trincheira de reafirmar aqui o lugar do negro na luta de classes: em curso ainda o racismo capitalista ultra-monopolista. Recorrendo a nossa aliada história, criou-se então distinções nas relações de produção e trabalho entre centro e periferia, e também dentro dos países centrais periféricos. O desenvolvimento da acumulação capitalista mundial aprofunda tal diferenciação nas relações de trabalho, criando um duplo mercado de trabalho. A esfera superior do mercado de trabalho é onde são praticados salários superiores e salários indiretos por meio de garantias sociais, poupanças, bolsas e mais bolsas, enquanto que na esfera inferior do mercado de trabalho praticam-se salários menores, maiores jornadas de trabalho e onde não há garantia de um salário decente, para pelo menos, consumir 800 calorias diária de alimento. Dessa maneira, a ação do imperialismo produziu uma segmentação centro-periferia que atua inclusive, também dentro de cada país central e periférico. Nessa linha verticalizada, o racismo, se constitue como um dos operadores centrais para viabilizar a segmentação do mercado de trabalho. Você que neste momento lê esse artigo acha pouco, saiba que outro crime brutal e que dá medo, mas, muito medo mesmo é perpetrado contra a África e todos aqueles ligados a esse continente, como nós do Brasil: “A apenas poucos quilômetros de Umm al-Hiran, no sul do deserto Negev e dentro da Linha Verde, o estado de Israel iniciou outro projeto ambicioso para “concentrar” outro tipo de indesejáveis. É a prisão de Saharonim, vasto complexo de torres de vigilância, muros de concreto, arame farpado e um oceano de câmeras de vigilância que hoje constituem o que o Independent britânico descreveu como “o maior centro de detenção do planeta. Construído originalmente para servir como prisão para palestinos durante a 1ª Intifada, a prisão de Saharonim foi ampliada para prender 8 mil africanos que fugiam de genocídios e perseguições. Atualmente, vivem ali pelo menos 1.800 refugiados africanos, inclusive mulheres e crianças, cercados num local que o grupo israelense de arquitetos Bikrom descreveu como “um gigantesco campo de concentração, onde as condições de sobrevivência são duríssimas. Como as vilas “não reconhecidas” dos beduínos do Negev, os 60 mil migrantes africanos e buscadores de asilo político que vivem em Israel foram identificados como ameaça demográfica que tem de ser expurgada do corpo do estado Judeu. Numa reunião com ministros de seu gabinete em maio de 2012, Netanyahu alertou que o número deles poderia crescer dezenas de vezes, e “causar a negação do Estado de Israel como estado judeu e democrático”. Por isso, seria imperativo “remover fisicamente os infiltradores” – disse o primeiro-ministro de Israel. “Temos de quebrá-los e implantar castigos ainda mais duros”. Jornal Brasil de Fato, edição, 555/2013. Aqui não tenho outra conclusão a não ser essa: o deserto da democracia de Israel quer queimar os africanos. Portanto, o dia 20 de novembro data da destruição de Zumbi e de Palmares: símbolos da rebelião de escravos, é sim um marco da luta dos Pretos no Brasil. É um dia que marca a atualização da memória da luta contra a escravidão e o processo de colonização. É um marco da luta contra a discriminação e pela valorização da memória e reconhecimento da cultura negra para a formação da sociedade brasileira. Neste dia devemos nos lembrar que raças não existem: apenas uma única raça entre os hominídeos: a raça humana; devemos lembrar que o racismo é fruto de uma ideologia pseudocientífica nascida junto com o sistema capitalista. Para os Marxistas só a luta organizada e a unidade dos trabalhadores podem garantir direitos e conquistas e uma vida melhor para os trabalhadores. E mais: o problema da luta contra o racismo não se separa da luta contra o capitalismo.  De forma alguma as políticas de ação afirmativa, pode se  descolar de uma perspectiva mais ampla do papel do negro na luta de classes, se convertendo sim num instrumento propositivo de luta e reivindicações, que, questionando as estruturas de poder não deveria em hipótese alguma reproduzir o próprio racismo. Nesse sentido, é preciso deslocar o foco da questão racial para a relação capitalismo/racismo e abstrair como o negro pode e deve se colocar na luta de classes. Por outro lado, devemos refletir de forma propositiva sobre como os trabalhadores devem assumir em seu conjunto a luta contra o racismo. Tenho a impressão que vivemos momentos terríveis da história tida como humana: discursos eliminacionistas florescem aqui, ali e acolá. É a estigmatização da África, aliás, queimar os africanos ou quem sabe ressuscitar o profeta Noé, para enfim, na Africa promover um dilúvio e varrê-los da terra.

__________

 

Joilson Bergher, professor Licenciado em História, Uesb,  da Rede pública Municipal em Brumado, Bahia. Graduando em Filosofia, Uesb. Pós Graduado em Metodologia do Conhecimento Superior, Uesb e Pesquisador Independente do negro no Brasil.

CONTINUE LENDO

Rádio Nova Vida FM teve os seus 12 anos anunciados e aplaudidos em celebração na Igreja Matriz

  • Izidy Ramel
  • 20 Nov 2013
  • 10:08h

A equipe da Nova Vida FM (Foto: Marcelo Dias)

A missa realizada na Igreja Matriz neste domingo, 17, teve um significado mais do que especial para todos os componentes da Rádio Nova Vida FM, pois, em meio à celebração foi citada a comemoração de 12 anos de existência da emissora, uma alegria imensa para todos os locutores, diretoria e demais envolvidos direta e indiretamente no cotidiano da rádio da família, na sintonia 87,9. Nilson Silva, um dos locutores do programa Giro Esportivo, e craque dos textos que fazem o resumão do esporte em participação especial no Show da Vida todos os sábados, leu com entusiasmo a linda homenagem que fez para essa data especial no final da celebração, e foi aplaudido com mesma intensidade. Os bancos da frente da Igreja Matriz na missa das 19:30hs nesse dia de 17 de novembro estavam ocupados pela maior parte da Família Nova Vida FM, pessoas preocupadas em fazer a melhor programação para os ouvintes que são fiéis, não apenas locutores, mas pessoas que doam um pedaço de suas vidas a esse projeto maravilhoso: fazer comunicação, transmitir alegria e conteúdo de qualidade por meio dos estúdios da rádio comunitária de Brumado, pertencente à Divida Providência/Igreja Católica, mas que independente da religião, têm como principal objetivo “fazer o melhor que podem”. Parabéns Rádio Nova Vida FM, são 12 anos, e isso é apenas o começo, pois, programação de qualidade sempre terá espaço na vida dos carinhosos ouvintes  dessa emissora que cresce a cada dia.