Em nota, Globo nega ter sido preconceituosa com adventistas em quadro do 'Zorra do Total'

  • RD1 | NOTÍCIAS DA TV
  • 22 Out 2014
  • 15:51h

(Foto: Reprodução TV Globo)

Na última semana, um quadro do “Zorra Total” causou indignação entre membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Na atração, Admilson, personagem de Rodrigo Sant’Anna, encarnou um pastor evangélico, líder da fictícia “Igreja Adimilsista do Sétimo Dígito”, que seria uma sátira ao nome da Igreja evangélica. Imediatamente, surgiram diversas reclamações de preconceito religioso. O pastor e teólogo Gilberto Theiss chegou a publicar uma nota em seu blog repudiando a esquete. “O ‘Zorra Total’ é um programa tão imbecil que seus quadros só raramente causam alguma repercussão e mesmo quando o fazem é por causa de polêmicas que rebaixam ainda mais a ‘reputação’ que o programa tem”, escreveu. Procurada pela reportagem, a Globo, por meio de sua assessoria, ressaltou que o “’Zorra Total’ é um programa humorístico, que não tem como objetivo se não o entreter e divertir, sem compromisso com a realidade, como registramos ao final do cada capítulo”. A emissora garantiu respeitar a diversidade e que repudia qualquer forma de preconceito. “O Admilson, de ‘Zorra Total’, é claramente um personagem cômico que se coloca em variadas situações, tendo sempre o humor como pano de fundo”, finalizou.

Um quadro do Zorra Total exibido no último sábado (18) pela Globo está revoltando os evangélicos. No humorístico, um falso pastor fez uma sessão de descarrego, tirou o encosto de uma pessoa e induziu os fiéis a pagarem dízimos mais altos. Rodrigo Sant’anna (Admílson) finge ser pastor e cria a Igreja Admilsista do Sétimo Dígito, alusão à Igreja Adventista do Sétimo Dia, para ganhar dinheiro. No final, ele é desmascarado. Para religiosos, a igreja satirizada pelo Zorra Total nada tem a ver com a Adventista, e sim com as neopentecostais, como a Universal do Reino de Deus, de Edir Macedo, e a Mundial do Poder de Deus, de Valdemiro Santiago. Gilberto Theiss, bacharel em Teologia e pastor da Igreja Adventista, repudiou a sátira e criticou o humorístico. “O Zorra Total é um programa tão imbecil que seus quadros só raramente causam alguma repercussão, e mesmo quando o fazem é por causa de polêmicas que rebaixam ainda mais a ‘reputação’ que o programa tem”, escreveu em seu blog. O mestre em Teologia Michelson Borges considera o que a Globo fez como blasfêmia e desrespeito contra os adventistas. “Usaram dezenas de vezes as palavras ‘aleluia’ e ‘glória’, em meio ao puro deboche, pronunciadas por personagens ridículos”, protestou em seu blog. Nas redes sociais, telespectadores se sentiram ofendidos e condenaram a emissora. “Globo, sabemos que vocês não precisam apelar para o ‘humor’. O que passou ontem no Zorra Total foi uma ofensa para milhões”, comentou Nathan Lins no Twitter. “Sinto-me profundamente ofendido com um quadro no Zorra Total que vocês zombam dos evangélicos, principalmente dos adventistas”, revoltou-se Nadson Lima. Outro telespectador chamou o programa de “lixo”: “Lamentável, Globo, brincar com o nome da Igreja Adventista do Sétimo Dia, fazendo uma paródia absurda em seu programa (lixo) Zorra Total”, escreveu Julio Ribeiro. Neste ano, a Globo já causou revolta entre evangélicos ao exibir no programa Tá no Ar a sátira Crents, referência à série Friends. No quadro, os humoristas cantavam “Pago o dízimo, 10% para o pastor”.