Conquista: Família faz clamor para enterrar corpo de mulher que aguarda resultado de DNA a mais de um ano

  • BRF
  • 13 Fev 2020
  • 15:31h

(Foto: Reprodução Redes Sociais)

A família de Inadelma da Silva Santos, de 34 anos, vítima fatal de um incêndio ocorrido em 13 de outubro de 2018, no bairro Patagônia, ainda não conseguiu enterrar o corpo, que encontra-se no Instituto Médico Legal (IML) de Vitória da Conquista. De acordo com informações, a longa espera para a liberação do corpo é consequência da demora do resultado do exame de DNA que servirá para comprovar que o corpo é de Inadelma. “A Polícia Técnica não libera o corpo sem a chegada do (exame de) DNA, que está em Salvador. Devido a isso essa luta e luto de 1 ano e 4 meses”, explica a prima de Inadelma, Bene Hipólito. Ela conta ainda que a família tem sofrido com a demora. “Tem sido motivo de muita angústia para toda a família”, conta. “Eu faço um clamor para as autoridades competentes, que olhem com um olhar de caridade, de empatia, se posicionando no lugar da família. Não tem sido fácil”, desabafa.

 

Nota do DPT Salvador

A Assessoria de Comunicação do Departamento de Polícia Técnica (DPT) informa que o corpo da suposta Inadelma da Silva Santos está sob a guarda do DPT esperando o resultado do exame de DNA para confirmar a identidade da vítima.

O DNA é a última possibilidade de identificação humana, ele só é realizado quando não são possíveis as identificações pelas impressões digitais ou pela arcada dentária, que são mais rápidas.

Por sua complexidade e pela demanda, não apenas para identificação humana, como também nos casos de crimes sexuais e contra a vida, o DNA, requer um maior prazo para conclusão.

Nos casos de corpos carbonizados, putrefeitos ou ossadas, com frequência os exames são processados por técnicas diferentes, muitas vezes com repetições, até se alcançar resultados aceitáveis estatisticamente.

Não temos, portanto, como estabelecer um prazo específico para liberação.