Polícia encontra presença de dietilenoglicol em um dos tanques da Backer em BH

  • 13 Jan 2020
  • 18:04h

(Foto: Iana Coimbra/TV Globo)

A Polícia Civil disse em entrevista coletiva nesta segunda-feira (13) que a substância dietilenoglicol foi encontrada em um dos tanques da cervejaria Backer, em Belo Horizonte. A polícia apura a relação entre a substância e a síndrome nefroneural que afetou 11 pessoas em Minas Gerais.O dietilenoglicol é um solvente orgânico altamente tóxico que causa insuficiência renal e hepática e pode levar à morte em caso de ingestão. A substância foi encontrada inicialmente em dois lotes da cerveja Belorizontina, segundo um laudo da Polícia Civil divulgado na quinta-feira (9). Depois, foi identificada no sangue de quatro vítimas internadas. A empresa nega que usa a substância no processo de fabricação. No mesmo tanque foi encontrada a presença de outra substância que não deveria estar na cerveja, o monoetilenoglicol, usado pela Backer como anticongelante de serpentinas. Porém, não deveria estar presente na cerveja. O G1 ainda aguarda posicionamento da empresa em relação à coletiva desta segunda. Ainda segundo a polícia, as amostras recolhidas na fábrica foram levadas para Brasília, para a realização de estudo de carbonatação, que avalia se houve violação da embalagem. O resultado, de acordo com a polícia, deu negativo. De acordo com o superintendente da Polícia Técnico Científica da Polícia Civil, Tales Bittencourt, a contaminação por dietilenoglicol pode ser letal com a dosagem entre 0,014mg por quilo a 0,17 mg por quilo. “Isso significa que a dose letal para um homem de 70 quilos pode ser entre 1 grama a 12 gramas.”