BUSCA PELA CATEGORIA "Política"

Para aliados de Temer, futuro de Padilha ainda depende da Lava Jato

  • 13 Mar 2017
  • 14:05h

(Foto: Reprodução)

Interlocutores do presidente Temer dizem ser "prematuro" considerar definitiva a volta de Eliseu Padilha à chefia da Casa Civil.Para aliados do presidente, o que definirá a situação do atual ministro será a lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com pedidos de inquérito para investigar a participação de políticos em crimes delatados por executivos e ex-executivos da Odebrecht. O governo já espera o nome do ministro na lista de investigados da PGR.Quando discutem a substituição de Padilha, aliados de Temer dizem que, para além da Lava Jato, pesa um fator político: Temer não conta com "peça de reposição" à mão para o ministério mais importante do governo.No final de semana, ministros afirmaram ao blog que a situação de Padilha, que já estava delicada, piorou com as revelações do ex-funcionário da empreiteira José Carvalho Filho ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).O ex-funcionário da Odebrecht disse à ação que pode cassar a chapa que elegeu Dilma e Temer que negociou diretamente com Padilha repasses em dinheiro vivo em 2014.Até agora, Padilha repete que são informações de delações - e não dá explicações sobre as citações ao seu nome nas investigações da Lava Jato.

Janot deve enviar 80 pedidos de inquérito ao STF com base na delação da Odebrecht

  • G1
  • 13 Mar 2017
  • 09:05h

(Foto: Reprodução)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deverá enviar na semana que vem ao Supremo Tribunal Federal (STF) cerca de 80 pedidos de investigação sobre parlamentares e ministros citados na delação da Odebrecht.Nesta semana, os procuradores responsáveis pelos processos da Operação Lava Jato fizeram os últimos ajustes nas peças a serem remetidas à Corte.Ao todo, 77 ex-executivos da empreiteira fecharam acordo de delação premiada e prestaram aproximadamente 950 depoimentos sobre como se dava a relação da empreiteira com o mundo político.A estimativa é que as delações tenham atingido cerca de 200 políticos, com ou sem mandato – assim, é possível que parte dos novos inquéritos no STF contenha mais de um parlamentar ou ministro.Além de novos inquéritos, a PGR poderá pedir diligências em investigações já em andamento; arquivamento; e até mesmo novas denúncias, baseadas em provas entregues pelos ex-executivos da empreiteira.

Uma das pendências até agora era decidir se pedidos de inquérito sobre pessoas sem o foro privilegiado (direito de ser processado no STF) seriam também enviados à Corte – para posterior redistribuição a instâncias inferiores – ou se iriam direto para esses tribunais.A definição interessa, sobretudo, àqueles políticos que já não exercem mandato e que, sem o foro privilegiado, poderão ter pedidos de investigação enviados diretamente, por exemplo, ao juiz Sérgio Moro, responsável pela condução da Lava Jato na primeira instância no Paraná.Caso os pedidos sejam enviados primeiro ao STF, advogados ainda poderão discutir na Corte para onde deverão ser redirecionados os pedidos; a partir daí, o envio se torna definitivo. Caso a PGR leve os pedidos diretamente a outros tribunais, também será possível redistribui-los, mas de forma mais flexível.A definição depende dos locais onde supostamente foram cometidos os delitos mencionados pelos delatores ou da relação que possuem com casos já em andamento sob a supervisão de determinado juiz.De qualquer modo, a expectativa é que sejam enviados pedidos de investigação não só para o Paraná, onde começaram as investigações sobre a corrupção na Petrobras, mas também a cortes espalhadas pelo país. Só devem chegar a Moro os casos relacionados a desvios na estatal.

CONTINUE LENDO

Corte de cargos anunciado por Temer atingiu mais mulheres que homens

  • UOL
  • 04 Mar 2017
  • 19:12h

(Foto: Reprodução)

O corte de cargos comissionados anunciado pela equipe do presidente Michel Temer (PMDB) em maio de 2016 atingiu mais as mulheres que os homens e diminuiu ainda mais a participação delas no alto escalão do governo.Levantamento feito pelo UOL com base em dados do Ministério do Planejamento mostra que, entre maio e novembro de 2016, apesar de homens ocuparem a maioria das vagas comissionadas do governo federal, o corte de cargos ocupados por mulheres foi de 12,13%, enquanto entre os homens foi de 8,46%. O maior corte nos cargos ocupados por mulheres fez a participação delas no alto escalão cair de 42,56% em maio de 2016 para 41,57% em novembro do mesmo ano. Em números absolutos, foram cortados 1.104 cargos ocupados por mulheres e 1.039 ocupados por homens.

 

 Procurado, o Ministério do Planejamento afirmou que a queda mais acentuada nos cargos ocupados por mulheres é "meramente circunstancial". A assessoria de imprensa da Presidência da República também foi procurada, mas ela não se manifestou sobre o assunto até a publicação desta reportagem.O corte foi uma das primeiras medidas anunciadas pela equipe econômica de Temer, ainda em maio de 2016, quando ele assumiu a Presidência de forma interina após o afastamento de Dilma Rousseff (PT). O anúncio dava conta de que seriam cortados 4.000 desses cargos. Dados do Ministério do Planejamento mostram que o governo federal fechou maio de 2016 (mês em que a equipe de Temer anunciou o corte) com 21.384 cargos do tipo DAS (Direção e Assessoramento Superior), que podem ser ocupados tanto por servidores de carreira quanto por pessoas sem vínculo com o funcionalismo público.

 

CONTINUE LENDO

Temer confirma Jucá como líder do governo Senado

  • 04 Mar 2017
  • 16:13h

(Foto: Reprodução)

O presidente Michel Temer se reuniu neste sábado (4), em Brasília, com o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o deputado André Moura (PSC-SE) para oficializar a troca nas lideranças do governo no Congresso.Temer confirmou Jucá na liderança do governo do Senado. E Moura será o líder do governo no Congresso.As informações foram confirmadas ao blog pela assessoria do senador Jucá.

Zé Raimundo comemora destaque nacional de Conquista em saneamento

  • Joana D'Arck | Assessoria Parlamentar
  • 21 Fev 2017
  • 09:32h

(Foto: Divulgação)

O destaque para Vitória da Conquista no “Fantástico” da rede Globo deste último domingo (19), como o município que figura entre os dez melhores do Brasil e o primeiro do Nordeste em indicadores de saneamento básico, foi um reconhecimento ao êxito das administrações petistas na cidade, no estado e no país.  Este foi o tema do deputado estadual Zé Raimundo Fontes, em pronunciamento de 25 minutos, hoje (25), no plenário da Assembleia Legislativa, quando foi parabenizado por colegas por ter priorizado a área de saneamento quando prefeito  do município, no período de 2002 a 2008. Zé Raimundo lembrou que  o alto índice alcançado em Conquista em saneamento básico, que chega a 87% em cobertura de esgoto e quase 100% de oferta de água potável, só foi possível graças às opções dos governos petistas em colocar como prioridade a melhoria de qualidade de vida da população, focando e priorizando as ações na área social. 

 

Atribuiu também à capacidade de sua gestão como prefeito de elaborar projetos e buscar apoios junto ao governos do ex-presidente  Lula e do governador Jaques Wagner. Foi na gestão de Zé Raimundo,  de Wagner e de Lula que Conquista foi contemplada  com investimentos  do PAC 1 para saneamento. O resultado desta parceria foi o salto de 45% para 87% de cobertura de esgotamento sanitário, com investimentos de recursos no valor de mais de R$ 180 milhões. “Os investimentos federais e estaduais, somados aos que fizemos diretamente pela Prefeitura para realização de mais de 4 mil ligações, permitiram que atingíssemos esses indicadores de primeiro mundo, atendendo tanto a população urbana, quanto as comunidades  de distritos e povoados rurais”, ressaltou Zé Raimundo. O deputado lembrou ações importantes como a construção do aterro sanitário,  a implantação de sistemas simplificados de água, construção de aguadas, açudes e pequenas barragens e ainda cisternas de captação de água da chuva. Além disso, observou, o governo municipal do PT deixou aprovado no Ministério das Cidades o projeto que visa atingir mais 95% de cobertura. Agora o governador Rui Costa mantém em curso o projeto da construção da barragem do rio Catolé, como também a melhoria e ampliação das redes de distribuição de água nas zonas urbana e rural. Deputados que acompanharam o discurso de Zé Raimundo pediram a palavra para parabeniza-lo: “Quem conhece Vitória da Conquista há mais de 30 anos, como conheço, sabe como o município mudou a partir das administrações do PT. E Vossa Excelência teve papel fundamental, invertendo as prioridades para melhorar a qualidade de vida da população”, elogiou Paulo Rangel (PT). Também Aderbal Caldas (PP) ressaltou: “Parabenizamos o deputado Zé Raimundo pelo esgotamento apontado entre os melhores do país, porque esgotamento é investimento na saúde”.

Novos investimentos

Em outra parte do seu discurso, Zé Raimundo registrou que, como deputado estadual e em parceria com o deputado federal Waldenor Pereira, vem apoiando e viabilizando a construção de extensão de rede da Embasa, poços artesianos e aguadas em vários municípios da região do Sudoeste e da Serra Geral, contando com o decisivo apoio do governador Rui Costa. Ele aproveitou para anunciar no plenário a destinação de 4,5 milhões resultantes de emenda parlamentar de Pereira para elaboração de planos municipais de saneamento de mais de 20 municípios. Além disso, completou, está apoiando outros 20 municípios no mesmo sentido, através do governo do estado.

CONTINUE LENDO

Delação de empresário envolve Geddel em esquema de corrupção na Caixa

  • 20 Fev 2017
  • 12:34h

(Foto: Reprodução)

A compra de debêntures da Eldorado Celulose pelo fundo de investimento do FGTS teve a colaboração do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) e do ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Fábio Cleto, apontado como homem de confiança do deputado cassado Eduardo Cunha, segundo depoimento do empresário Alexandre Margotto. Na delação, divulgada neste domingo (20) pelo programa Fantástico, da TV Globo, Margotto detalha o esquema de corrupção da Caixa. "O Lúcio (Funaro) me comentou que ia cobrar 3%. E que ele ia repassar", afirmou o empresário. À época, o peemedebista era vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa. 

Margotto contou que Funaro, apontado como operador de Cunha no esquema, tinha grande influência sobre Geddel na Caixa. "Não faço ideia. Quando eu cheguei no escritório já tinham esse relacionamento. Segundo o Lúcio, ele mandava no Geddel", afirmou Margotto. Ele apontou ainda que, para Funaro, Geddel era mais eficiente para o funcionamento do esquema do que Cleto, com quem brigara e chegou a ameaçar de morte. "Somente o que Lúcio me comentava, que ganhava mais dinheiro com o Geddel do que com o próprio Fábio", disse o empresário. O suposto envolvimento do ex-ministro com o esquema veio à tona em janeiro, durante a operação “Cui Bono?”, que cumpriu mandados de busca e apreensão em ao menos dois imóveis de Geddel em Salvador. Margotto também relatou como era feita a divisão da propina – 20% eram distribuídos entre ele, Fábio Cleto e o Lúcio Funaro, enquanto os 80% [restantes] ficariam com Eduardo Cunha, Henrique Alves e aliados. Segundo o empresário, Cunha receberia 70% e "distribuiria para os outros políticos, como Geddel também".

CONTINUE LENDO

Raiva contra injustiça trará Lula de volta, diz Zé Raimundo

  • Joana D'Arck | Assessoria Parlamentar
  • 16 Fev 2017
  • 08:13h

A injustiça é o maior provocador da revolta e esse sentimento trará de volta à Presidência da República o ex-presidente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou o deputado estadual Zé Raimundo, ao repercutir na sessão plenária de hoje (15) na Assembleia Legislativa da Bahia a pesquisa qualitativa da Ideia Inteligência/ jornal Valor Econômico. Ele destacou que também a pesquisa  quantitativa realizada pelo instituto MDA, contratada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta quarta-feira, Lula lidera a disputa presidencial em 2018 e as intenções de voto do petista aumentaram de outubro para fevereiro. Conforme esta última pesquisa, Lula está em primeiro lugar nos três cenários testados de forma estimulada. No primeiro cenário para o primeiro turno, com a presença do ex-ministro Ciro Gomes e do presidente Michel Temer, Lula tem 30,5%, mais do que os 24,8% que registrou na pesquisa de outubro. A liderança crescente de Lula se deve, segundo Zé Raimundo, ao retrocesso patrocinado pelo governo Temer, com medidas que retiram direitos e conquistas das classes trabalhadoras. Isto está evidente, como observa, na pesquisa qualitativa do Valor para entender o que justifica o desempenho do ex-presidente em pesquisas quantitativas, mesmo com toda a atenção da mídia tradicional contra ele. Otimista, Zé Raimundo afirma que “Lula é de fato a esperança do povo”. E na Bahia, enfatizou, conta com desempenho favorável do governador Rui Costa, que se configura entre os três melhores avaliados do país, “mesmo em meio à crise”, e se destaca por assegurar ao estado o segundo maior investimento em obras.

Geddel e Cunha facilitavam crédito da Caixa em troca de propina, diz PF

  • G1
  • 13 Jan 2017
  • 14:52h

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil e Adriano Machado/Reuters)

Relatório da Polícia Federal aponta que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) atuava "em prévio e harmônico ajuste" com o ex-presidente da Câmara, deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para facilitar a liberação de empréstimos da Caixa Econômica Federal a empresas e, em troca, receber propina. Geddel, ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer, foi alvo de operação nesta sexta-feira (13), deflagrada para apurar um esquema de fraudes na liberação de créditos junto à Caixa entre 2011 e 2013. Ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa no período investigado pela PF. No despacho que autorizou a operação, o juiz Vallisney de Souza Oliveira cita o relatório da PF e a atuação de cada um dos investigados. Além da liberação de créditos da Caixa, as investigações apontam que os dois peemedebistas forneciam informações privilegiadas às empresas e aos outros integrantes do que o Ministério Público Federal chama de "quadrilha".

"Consta dos autos que, valendo-se do cargo de Vice-Presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, [Geddel Vieira Lima] agia internamente, em prévio e harmônico ajuste com Eduardo Cunha e outros, para beneficiar empresas com liberações de créditos dentro de sua área de alçada e fornecia informações privilegiadas [...] para que, com isso, pudessem obter vantagens indevidas junto às empresas beneficiárias dos créditos liberados pela instituição financeira", diz o documento. A defesa de Eduardo Cunha informou que não teve acesso até o momento à investigação, mas disse que, desde já, "rechaça veementemente as suspeitas divulgadas. Tão logo tenha acesso à investigação, irá se pronunciar especificamente sobre cada acusação".

CONTINUE LENDO

Waldenor desmascara prefeito eleito e ainda amplia recursos para barragem do Catolé

  • Joana D'Arck | Assessoria Parlamentar
  • 15 Dez 2016
  • 10:07h

Foto: Câmara dos Deputados

Na reunião da Comissão Mista do Orçamento (CMO), realizada hoje na Câmara Federal para apreciação da  proposta da Lei Orçamentária da União  relativa ao ano de 2017, o deputado Waldenor Pereira (PT) desmascarou de uma vez por todas a versão da existência de R$ 100 milhões que seriam destinados à construção da barragem do Catolé, no município de Barra do Choça. O montante foi alardeado pelo prefeito eleito, Hérzem Guzmão, durante a campanha eleitoral, como resultante de emenda apresentada pelo seu partido, o PMDB, que na verdade nunca existiu, como provou Pereira. Apesar disso,  como prova do seu compromisso com a população de Conquista e região, o deputado Waldenor se empenhou ao máximo para  assegurar agora mais recursos para a barragem que beneficiará também municípios vizinhos. Na intervenção do deputado na reunião da CMO, ele apresentou destaque à emenda, procurou pessoalmente o relator geral da proposta orçamentária, senador Eduardo Braga, do PMDB do Amazonas, para tentar garantir a aprovação de emenda de R$ 40 milhões apresentada pela bancada da Bahia, que foi reduzida por outro peemedebista, o relator setorial Senador Moca, a ínfimos R$9 milhões 388 mil. Waldenor não conseguiu sensibilizar os correligionários de Hérzem Guzmão para manter os R$ 40 milhões propostos, mas emplacou  mais R$ 15 milhões, ampliando o total da reduzida emenda de R$ 9 milhões388mil para mais de R$24 milhões. "Por ironia do destino, os relatores são do mesmo partido do prefeito eleito de Conquista, mas sequer foram capazes de acatar totalmente a nossa proposta de R$ 40 milhões. E ele, que usou na campanha uma emenda inexistente, ainda saiu se gabando de ser do partido do governo  e que tinha prestígio," alfinetou Pereira. 

Termina nesta quinta (29) a propaganda eleitoral gratuita em rádio e TV

  • 29 Set 2016
  • 12:13h

(Foto: Reprodução)

Termina nesta quinta-feira (29), a três dias das Eleições Municipais 2016, a propaganda eleitoral gratuita veiculada no rádio e na televisão. A data também é limite para a promoção de comícios, utilização de aparelhagem de sonorização fixa e realização de debates. De acordo com o Calendário Eleitoral 2016, até 24 h desta quinta  também se encerra o prazo para realização de “propaganda política mediante reuniões públicas”. Para o caso de comícios de encerramento da campanha, o ato poderá ser prorrogado por mais duas horas. Na sexta-feira (30), será o “último dia para a divulgação paga, na imprensa escrita, de propaganda eleitoral e a reprodução, na Internet, de jornal impresso com propaganda eleitoral. Já na véspera do pleito, sábado (1º), será o último dia para a realização de propaganda eleitoral mediante alto-falante ou amplificadores de som. A distribuição de material gráfico, a promoção de caminhada, carreata, passeata e a utilização de carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos poderão ser realizadas também até 22h.

Veja quantos prefeitos os principais partidos devem eleger

  • 27 Set 2016
  • 16:34h

(Foto: Reprodução)

As primeiras projeções sobre a performance dos partidos nestas eleições municipais apontam para a liderança do PSD, do senador Otto Alencar, com o maior número de prefeitos a serem eleitos no próximo domingo. Pelos cálculos de políticos e partidos, a agremiação do senador deve eleger pelo menos 100 prefeitos entre os 415 municípios baianos. Desse número, metade seria de candidatos diretamente ligados a Otto, o que deve transformar o senador no campeão da eleição municipal no Estado. Depois do PSD, o partido que mais deve conquistar prefeituras é o PT, que ocupa o governo do Estado, e deve eleger 60 prefeitos. Abaixo dele, vêm o PMDB, do ministro Geddel Vieira Lima (Articulação Política), e o PP, comandado pelo vice-governador João Leão e o conselheiro Mário Negromonte, que devem fazer, cada, 50 prefeitos. Assim como Otto, outro que deve emergir como força política individual nestas eleições é o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo. Apesar de estar no PSL, pode eleger até 40 prefeitos espalhados por várias legendas, dez prefeituras a mais do que o PSDB, que deve garantir aproximadamente 30 Prefeituras. 

O DEM, cuja estrela estadual é o prefeito de Salvador, ACM Neto, favorito à reeleição, deve eleger 40 prefeituras. O PCdoB, que disputa a Prefeitura de Salvador com a deputada federal Alice Portugal, deve cravar 15 prefeitos, o PTN, do deputado federal João Carlos Bacelar, pode conquistar 10 municípios e o PR, do deputado federal José Carlos Araújo, 15.

Veja abaixo projeção estimada de prefeitos eleitos por legenda:

PSD – 100
PT – 60
PMDB- 50
PP – 50
Marcelo Nilo – 40
PSDB – 30
DEM – 40
PCdoB – 15
PTN – 10
PR – 20

CONTINUE LENDO

Dona de casa é a ocupação mais comum entre as candidatas

  • 21 Set 2016
  • 15:31h

A ocupação mais comum entre as candidatas nas eleições deste ano é a de dona de casa, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Das mais de 156 mil mulheres concorrendo a cargos eletivos em 2016, 23,9 mil se declaram como donas de casa nos registros do trubunal, o que representa 15,3% do total.  A segunda ocupação mais comum é a de servidora pública municipal, com 6,7% do total de candidatas. Ela é seguida pelas ocupações de agricultora (4,9%), professora de ensino fundamental (4,7%), comerciante (4,6%) e aposentada (3,4%). Quase 30 mil candidatas – ou 19,1% – não determinam suas ocupações nos registros do TSE, constando apenas como "outros". Entre os mais de 490 mil candidatos, a ocupação mais comum é a de agricultor – 7% do total. Logo depois aparecem os servidores públicos municipais e os comerciantes. A ocupação informada nos registros do TSE não é necessariamente a profissão ou a formação profissional do candidato, já que um advogado e prefeito de uma cidade que esteja tentando a reeleição informa que sua ocupação é de prefeito, e não de advogado, por exemplo. 

PF desarticula quadrilha que prometia fraudar urnas eletrônicas para eleições

  • 13 Set 2016
  • 13:45h

(Foto: Reprodução)

A Polícia Federal desarticulou na manhã desta terça-feira (13) uma organização criminosa que prometia fraudar as urnas eletrônicas a serem utilizadas nas eleições municipais de outubro. A Operação Clístenes cumpriu três mandados de prisão preventiva - dois em Brasília (DF) e um em Xangri-lá (RS) -, três mandados de condução coercitiva em Xangri-lá, Canoas (RS) e Piripiri (PI); e cinco mandados de busca e apreensão em Canoas, Xangri-lá, Goiânia (GO) e dois em Brasília. De acordo com o Uol, a denúncia foi feita por um prefeito da região metropolitana de Porto Alegre. "Os criminosos diziam ter contato com uma empresa que atualiza o software das urnas eletrônicas e cobrariam R$ 5 milhões para, supostamente, fraudar a eleição para prefeito e R$ 600 mil para, supostamente, fraudar a eleição para vereador", disse a nota da PF. A operação deflagrada nesta terça constatou que se trata de estelionato, já que não há indícios de que os criminosos conseguiriam fraudar as urnas eletrônicas, nem mesmo teriam contato com a empresa de atualização do software. Os presos responderão por estelionato e organização criminosa, podendo pegar de quatro a 13 anos de reclusão.

Prefeito de Palmas de Monte Alto, candidato à reeleição, distribui cheques da prefeitura em troca de votos

  • Brumado Urgente
  • 10 Set 2016
  • 17:40h

Foto: Leitor Brumado Urgente via whatsapp

A partir de informações obtidas em representação eleitoral que tramita no Fórum Eleitoral da 175ª Zona eleitoral de Palmas de Monte Alto, caso inusitado vêm ocorrendo naquele município do sudoeste baiano, em que o Prefeito Municipal Fernando Laranjeira(PMDB), candidato á reeleição, vêm utilizando de recursos públicos para promover verdadeira farra de distribuição de cheques neste período eleitoral, com o fim de obter votos dos munícipes. Como pode ser observado nas fotos anexas,  o Prefeito Municipal vêm distribuindo dinheiro por meio de centenas de cheques a eleitores daquele município, afetando a igualdade de oportunidades, pois que com o uso deslavado da máquina pública, afrontando a justiça Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral, o candidato Fernando laranjeira, visa comprometer a lisura do pleito e a normalidade das eleições, com distribuição de valores sem qualquer previsão orçamentária, para fins de obter votos, fatos ocorridos nos meses de março até o momento atual, em valores que chegam até a R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais). As provas são robustas, em que é possível ver o próprio gestor posando para fotos, além de dezenas de cheques prontos para serem entregues pelo mesmo. Os fatos gravíssimos que caracterizam conduta vedada prevista na Lei das Eleições, já foi levado ao conhecimento da Justiça Eleitoral, por meio de representação eleitoral, que pode, inclusive, resultar na cassação do registro de candidatura de Fernando Laranjeira e seu vice. 


TCU encontra indícios de fraudes em 34% das campanhas eleitorais

  • 06 Set 2016
  • 17:08h

(Foto: Reprodução)

Um levantamento mostra que em cada três doações para candidatos à eleição de outubro, pelo menos uma pode ser irregular. Os dados são do Tribunal de Contas da União (TCU) e foram divulgados nesta segunda-feira (5) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os casos vão de gente morta que aparece como doadora de campanha, ou de pessoas com baixa renda que fazem doações de alto valor. Conforme o TCU, há indícios de irregularidades em quase 39 mil das 114 mil doações, 34% do total. Além dos doadores, algumas suspeitas recaem também sobre os fornecedores. São empresas que estão em listas de pagamentos das campanhas eleitorais, mas muitas vezes não têm nenhum funcionário ou registro na Receita Federal. Nestes casos, o índice de possíveis irregularidades é bem menor, 2%. A partir deste ano, a prestação de contas das campanhas precisa ser feita até 72 horas após cada pagamento. Com essas informações, o TCU e o TSE vão cruzar os dados com outros órgãos públicos. A lista com suspeitas de irregularidades será atualizada toda semana, e as informações são repassadas aos juízes de primeira instância, que vão investigar as denúncias.