BUSCA PELA CATEGORIA "Política"

Bolsonaro desiste de participar do debate da Globo

  • G1
  • 03 Out 2018
  • 14:10h

Jair Bolsonaro desistiu, nesta quarta-feira (3), de participar do debate com os presidenciáveis nesta quinta-feira (4), na TV Globo. O candidato do PSL recebeu em casa, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, os médicos que o operaram no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O cirurgião Antônio Luiz Bonsucesso Macedo e o clínico cardiologista Leandro Echenique contraindicaram a ida ao encontro. Os especialistas falaram que o deputado mostrou vontade de participar, mas que ele não costuma desrespeitar ordens médicas. "Nós contraindicamos participação em debates ou em qualquer atividade que pudesse cansá-lo ou obrigá-lo a falar por mais de dez minutos", emendou o cirurgião. Jair se recupera da facada que levou dia 6 de setembro em Juiz de Fora (MG), durante corpo a corpo com eleitores. Desde então, o candidato do PSL se submeteu a duas cirurgias: uma na cidade mineira, logo após o ataque, e outra para corrigir obstrução intestinal, já no hospital em SP. Macedo explicou que Jair não tem condições de ficar 15 minutos em atividade que exija esforço físico. "Isso pode prejudicar a evolução dele. Então, nós contraindicamos que ele participe de qualquer atividade que exija mais de dez minutos de conversa", frisou Macedo.Os médicos estimam que na semana que vem o candidato estará recuperado plenamente para retomar as atividades de campanha. "Podemos observar que a recuperação dele está indo muito bem", destacou o cirurgião.Os médicos explicaram que Bolsonaro termina nesta quarta-feira a terapia com antibióticos. "Não tem infecção, e ele está sem curativo", disse Macedo.

Zé Ronaldo declara apoio a Bolsonaro no primeiro turno: 'Vou votar para derrotar o PT'

  • Bahia Notícias
  • 03 Out 2018
  • 10:06h

Depois de muitos elogios, o candidato ao governo do Estado Zé Ronaldo (DEM) confirmou seu apoio a Jair Bolsonaro (PSL) já no primeiro turno da eleição presidencial. Até então, o partido Democratas apoia a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB)."Domingo eu vou votar para derrotar o PT. Portanto, o voto domingo é o voto útil", ressaltou o ex-prefeito de Feira de Santana, citando nominalmente o candidato do PSL. A declaração foi dada agora há pouco, durante suas considerações finais no debate da Rede Bahia, que acabou no início da madrugada desta quarta-feira (3). “Eu disse na hora que eu entrei nessa casa que eu estou ouvindo nas ruas que o candidato pra derrotar o PT é o Bolsonaro. Então, se o meu desejo é esse…”, esclareceu o democrata. Pressionado pela imprensa a definir sua posição, ele disse que não estava pedindo voto para ninguém, mas voltou a repetir que vai fazer o necessário para derrotar o PT nesta eleição. Bolsonaro é líder de intenções de votos para a Presidência da República, mas é também o candidato mais rejeitado. Manifestações em apoio à sua candidatura e também contrárias têm sido realizadas em todo o país.

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 32%; Haddad, 21%; Ciro, 11%; Alckmin, 9%; Marina, 4%

  • 03 Out 2018
  • 07:04h

O Datafolha divulgou nesta terça-feira (2) a mais nova pesquisa de intenção de voto para presidente. O levantamento foi contratado pelo jornal “Folha de S. Paulo”. Segundo o Datafolha, Jair Bolsonaro (PSL) cresceu quatro pontos percentuais e ultrapassou, pela primeira vez em pesquisa do instituto, a barreira dos 30% e abriu vantagem sobre o segundo colocado, Fernando Haddad (PT), que parou de subir. O nível de confiança da pesquisa é de 95% - o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. Vamos aos números:

Percentual de mulheres que não escolheram um presidenciável a 10 dias das eleições é o maior desde 1998, segundo Datafolha

  • 02 Out 2018
  • 19:11h

A parcela de eleitoras que, a cerca de 10 dias da eleição, não têm um candidato definido para a Presidência é a maior em 20 anos, segundo levantamento do G1 com pesquisas do Instituto Datafolha. O percentual de mulheres que disseram que não iriam votar em ninguém, não sabiam em quem votar ou votariam em branco/nulo no último levantamento, divulgado em 28 de setembro, atingiu 18%. Esse percentual é o maior, para a mesma época da campanha, desde 1998, quando foi de 19% .Além disso, o número de 2018 representa uma alta de 4 pontos percentuais em relação a 2014, quando havia sido de 14%. A variação é inédita desde, pelo menos, 1994, eleição mais antiga para o qual havia dados disponíveis. A diferença entre homens e mulheres nesse ponto também voltou a patamares da década de 1990: cerca de 8 pontos, intervalo semelhante ao registrado em 1994 e 1998. Para este levantamento, foram consideradas as pesquisas com entrevistas realizadas em:

  • 20 a 22 de setembro de 1994
  • 24 e 25 de setembro de 1998
  • 26 e 27 de setembro de 2002
  • 22 de setembro de 2006
  • 21 e 22 de setembro de 2010
  • 25 e 26 de setembro de 2014 e
  • 26 a 28 de setembro de 2018.

Sobre a pesquisa de 26 a 28 de setembro de 2018

  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Entrevistados: 9 mil eleitores em 343 municípios
  • Quando a pesquisa foi feita: 26, 27 e 28 de setembro
  • Registro no TSE: BR-08687/2018
  • Nível de confiança: 95%
  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e "Folha de S.Paulo".

Eleitor pode conferir local de votação de forma rápida na internet

  • 02 Out 2018
  • 17:08h

Na reta final para a votação do 1º turno das eleições 2018, que ocorre neste domingo, 7, os eleitores devem ficar atentos ao local de votação. Para isso, é possível conferir seção, zona e endereço em diversos canais na internet, como no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde o eleitor pode fazer a consulta. A opção está na página principal. Basta inserir o número do título de eleitor. Para quem esqueceu o registro do documento, uma alternativa é preencher nome, nome da mãe e data de nascimento. O sistema apresenta número do título, seção, zona, endereço e município. Para quem quiser usar as redes sociais, também há opções. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está usando robôs (bots, no jargão técnico em inglês) para auxiliar os eleitores a obter essas informações. Os assistentes virtuais funcionam por meio das contas do Tribunal no Twitter (@TSEjusbr) e no Facebook Messenger (@TSEJus).

Real Time BigData/RecordTV: Bolsonaro perderia no segundo turno para Ciro e Haddad

  • 02 Out 2018
  • 13:02h

Líder nas pesquisas de intenção de voto para o primeiro turno, Jair Bolsonaro (PSL) perderia para Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT) em um eventual segundo turno, de acordo com pesquisa Real Time BigData/RecordTV divulgada nesta segunda-feira (1º). Veja abaixo os resultados dos dois cenários simulados no levantamento:

BOLSONARO X HADDAD
Haddad: 45%
Bolsonaro: 41%
Nulos/brancos: 9%
Indecisos: 5%

BOLSONARO X CIRO
Ciro: 47%
Bolsonaro: 39%
Nulos/brancos: 8%
Indecisos: 6%

O instituto ainda fez simulações de outros sete cenários. Na disputa com Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), o capitão da reserva venceria numericamente, apesar de um empate técnico na margem de erro, de dois pontos percentuais. Confira os números :

BOLSONARO X MARINA
Bolsonaro: 37%
Marina: 36%
Nulos/brancos: 18%
Indecisos: 9%

BOLSONARO X ALCKMIN
Bolsonaro: 40%
Alckmin: 39%
Nulos/brancos: 17%
Indecisos: 4%

CIRO X MARINA
Ciro: 40%
Marina: 23%
Nulos/brancos: 28%
Indecisos: 9%

CIRO X HADDAD
Ciro: 40%
Haddad: 31%
Nulos/brancos: 24%
Indecisos: 5%

MARINA X ALCKMIN
Alckmin: 29%
Marina: 28%
Nulos/brancos: 29%
Indecisos: 14%

MARINA X HADDAD
Haddad: 35%
Marina: 28%
Nulos/brancos: 32%
Indecisos: 5%

ALCKMIN X HADDAD
Haddad: 37%
Alckmin: 35%
Nulos/brancos: 22%
Indecisos: 6%

A pesquisa foi realizada nos dias 28 e 29 de setembro e ouviu 3.200 entrevistados. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número: BR-06928/2018.

Pesquisa Ibope para presidente: Bolsonaro, 31%; Haddad, 21%; Ciro, 11%; Alckmin, 8%; Marina, 4%

  • 02 Out 2018
  • 08:06h

O Ibope divulgou nesta segunda-feira (1º) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 3.010 eleitores entre sábado (29) e domingo (30). O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos. Os resultados foram os seguintes:

'Mulheres de direita têm mais higiene', diz filho de Bolsonaro

  • 01 Out 2018
  • 17:04h

Foto: Dário Oliveira/Folhapress

Após milhares de pessoas saírem às ruas contra Jair Bolsonaro (PSL) neste sábado, a campanha do candidato do PSL organizou atos em favor do capitão da reserva neste domingo. Ele não pode participar porque está se recuperando em casa da facada que levou no dia 6 de setembro. Na concentração da Av. Paulista, no centro de São Paulo, seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), assumiu o seu lugar e discursou contra as mulheres que reprovam o seu pai. “As mulheres de direita são mais bonitas que as da esquerda. Elas não mostram os peitos nas ruas e nem defecam nas ruas. As mulheres de direita têm mais higiene”. Também comparou seu pai ao presidente americano, Donald Trump, e pediu para todos votarem de verde e amarelo. “Vai ser lindo. Vai ser como Trump nos Estados Unidos”. E, como já virou praxe, questionou as pesquisas eleitorais que mostram que seu pai perde em todos os cenários de segundo turno, apesar de estar na frente no primeiro turno. Os simpatizantes de Bolsonaro presentes ao ato bradavam que, se o deputado não vencer a eleição, é porque as urnas foram fraudadas.  “Se ele não ganhar, vai ser roubado. Não vamos sair da rua se isso acontecer”, disse a empresária Helena Dias. Já no fim da manifestação, uma forte chuva fez com que um grupo de manifestantes se abrigasse no vão livre do Masp. Lá, onde até pouco antes acontecia uma feira de artesanato, um grupo de jovens gritava “ele não” e palavras de ordem contra Bolsonaro. À princípio, os grupos se enfrentaram verbalmente, mas, antes que a PM pudesse interferir, alguns militantes trocaram socos e pontapés. A PM precisou “escoltar” um grupo que se posicionava contra Bolsonaro para fora do vão livre. Policiais afirmaram que não houve detenção. Durante a manifestação pelo menos dois profissionais de imprensa foram agredidos com cabeçadas e empurrões enquanto tentavam filmar uma discussão entre militantes pró-Bolsonaro e pessoas que passavam pela Paulista. Em Brasilia, a manifestação começou cedo e com mais de 10.000 veículos em uma carreata na Esplanada dos Ministérios.

Bolsonaro diz que 'não tem nada para fazer' em caso de derrota nas eleições

  • 01 Out 2018
  • 10:45h

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, afirmou no domingo (30) ao jornal "O Globo" que não tem "nada para fazer" em caso de derrota nas urnas. Ele foi questionado um dia após a declaração feita à repórter Graziela Azevedo, da TV Globo, de que "não dá pra gente aceitar passivamente na fraude, na possível fraude a eleição do outro lado". Ele havia questionado os resultados da urna eletrônica durante o voo de volta de São Paulo para o Rio de Janeiro, após receber alta hospitalar. Bolsonaro passou mais de 3 semanas internado, recuperando-se de uma facada que levou no abdômen durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG). "Um sistema eleitoral onde nós já tínhamos acertado uma maneira de auditá-lo, que é o voto impresso, lamentavelmente o Supremo Tribunal derrubou e também um sistema eleitoral que não é aceito em lugar nenhum do mundo. Então, a dúvida fica e não sou eu não. A maioria da população desconfia do voto impresso. Então, quer dizer exatamente isso aí. Eu vejo, aí que foi um absurdo o PT crescer, não existe isso. O que eu sinto nas ruas, o que eu vejo em manifestações, haverá uma grande amanhã na Paulista. É um sinal claro que o povo está do nosso lado e da forma como isso é demonstrado, não dá pra gente aceitar passivamente na fraude, na possível fraude a eleição do outro lado", disse Bolsonaro no sábado. No domingo, ele afirmou por telefone a "O Globo": "O que quis dizer é que não iria, por exemplo, ligar para o Fernando Haddad depois e cumprimentá-lo por uma vitória."

CNT/MDA: Haddad e Bolsonaro aparecem empatados no 1º turno

  • Uol
  • 30 Set 2018
  • 13:39h

Os candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL)  e Fernando Haddad (PT) surgem pela primeira vez tecnicamente empatados na disputa eleitoral, conforme os resultados da pesquisa do instituto MDA encomendada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte). O levantamento divulgado neste domingo (30) mostra Bolsonaro com 28,2% das intenções de voto e Haddad com 25,2% da preferência dos entrevistados. O empate técnico acontece porque a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Considerando essa margem, Bolsonaro pode ter entre 26% e 30,4%. Já Haddad pode ter entre 23% e 27,4%. Ciro Gomes (PDT) surge em seguida com 9,4%, tecnicamente empatado com Geraldo Alckmin (PSDB) , que marcou 7,3%. Marina Silva (Rede) registrou 2,6%. Veja a intenção de voto para presidente: Jair Bolsonaro (PSL): 28,2% Fernando Haddad (PT): 25,2% Ciro Gomes (PDT): 9,4% Geraldo Alckmin (PSDB): 7,3% Marina Silva (Rede): 2,6% João Amoêdo (Novo): 2% Henrique Meirelles (MDB): 2% Alvaro Dias (Podemos): 1,7% Cabo Daciolo (Patriota): 0,7% Guilherme Boulos (PSOL): 0,4% Vera (PSTU): 0,3% José Maria Eymael (DC): 0,1% João Goulart Filho (PPL): 0,1% Branco/Nulo: 11,7% Indeciso: 8,3% A pesquisa ouviu 2.002 pessoas nos dias 27 e 28 de setembro em 137 municípios de 25 unidades da federação. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-03303/2018 e tem nível de confiança de 95%. 

Vice-presidente do STF suspende entrevista de Lula para o jornal Folha de São Paulo

  • Estadão
  • 29 Set 2018
  • 20:08h

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, decidiu na noite desta sexta-feira (28) suspender a autorização para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conceda entrevista a jornalistas mesmo preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A permissão havia sido dada pelo ministro Ricardo Lewandowski, também do STF.A decisão de Fux vale até o julgamento do caso pelo plenário da Suprema Corte, que poderá referendar ou não o posicionamento do ministro. Ainda não há previsão de quando o processo será apreciado pelos 11 ministros da Corte.“Defiro a liminar, ad referendum do plenário, com fulcro no art. 4º da Lei n.º 8.437/92, para suspender (…) os efeitos da decisão proferida nos autos da Reclamação n.º 32.035, até que o colegiado aprecie a matéria de forma definitiva. Por conseguinte, determino que o requerido Luiz Inácio Lula da Silva se abstenha de realizar entrevista ou declaração a qualquer meio de comunicação, seja a imprensa ou outro veículo destinado à transmissão de informação para o público em geral”, determinou Fux. “Determino, ainda, caso qualquer entrevista ou declaração já tenha sido realizada por parte do aludido requerido, a proibição da divulgação do seu conteúdo por qualquer forma, sob pena da configuração de crime de desobediência (art. 536, § 3º, do novo Código de Processo Civil e art. 330 do Código Penal)”, completou Fux. O petista está preso na superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, após ser condenado a 12 anos de um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 28%; Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 10%; Marina, 5%

  • G1
  • 29 Set 2018
  • 11:05h

O Datafolha divulgou nesta sexta-feira (28) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 9 mil eleitores entre quarta-feira (26) e sexta-feira (28). O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Os resultados foram os seguintes:

Bolsonaro perde para todos os concorrentes no 2º turno, aponta Datafolha

  • por Igor Gielow | Folhapress
  • 29 Set 2018
  • 09:02h

Foto: Miguel Ângelo I CNI

As simulações de segundo turno trazem más notícias para Bolsonaro. Se nas duas semanas seguintes ao ataque de Juiz de Fora ele viu seu desempenho melhorar nos embates com os principais adversários, agora ele perde para todos com uma curva desfavorável. Ciro ampliou a vantagem sobre o deputado, que batia por 45% a 39% na pesquisa anterior, derrotando-o por 48% a 38%. O pedetista segue sendo o único a vencer todos os embates nas simulações de segundo turno. Haddad saiu do empate em 41% e supera Bolsonaro por 45% a 39%, melhorando também seu desempenho contra o PSDB: empata com Alckmin em 39%, o que dificultará a ideia tucana de vender o candidato como alguém que venceria o PT com certeza no segundo turno. Questionados sobre mudança de voto, 18% dos apoiadores do tucano optariam pelo capitão. A raiz da dificuldade de Bolsonaro é sua rejeição, que paradoxalmente é a principal fraqueza também de Haddad, hoje seu principal oponente. Ambos os candidatos são os que registram a maior taxa de "não voto de jeito algum" da pesquisa. O deputado subiu de 43% para 46% e o petista, de 29% para 32%, confirmando o caráter plebiscitário e polarizado da disputa. Isso também se nota na convicção de seus eleitores, superior à dos outros candidatos: 79% dos bolsonaristas e 78% dos pró-Haddad dizem não mudar de opção. A rejeição ao candidato do PSL segue forte entre as mulheres, objeto da campanha #elenão. O rejeitam 52% das eleitoras. Na pergunta estimulada, seu eleitorado feminino é de apenas 21%, contra os 37% que alcança entre homens. Jovens de 16 a 24 anos (55%) e os mais pobres (52%) são outros grupos que lideram a tendência de descartar o voto nele. Já Haddad é mais rejeitado pelos eleitores que ganham mais de dez salários mínimos (59%), com nível superior (48%) e do sexo masculino (39%). A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR-08687/2018. O nível de confiança é de 95%.

Vice de Bolsonaro, Mourão critica 13º salário e adicional de férias

  • Uol
  • 27 Set 2018
  • 17:10h

O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) fez críticas ao pagamento de 13º salário e ao adicional de férias ao trabalhador durante palestra a empresários no interior do Rio Grande do Sul. Convidado da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Uruguaiana, Mourão prometeu, a uma plateia composta por empresários e representantes de associações e sindicatos patronais, a realização de reformas tributária e trabalhista em um eventual governo Bolsonaro. O capitão da reserva lidera as últimas pesquisas de intenção de votos à Presidência. Ao se referir especificamente à reforma trabalhista pretendida, Mourão classificou como "jabuticabas" direitos trabalhistas que acabam onerando, segundo ele, os patrões, e elencou entre elas o 13º salario –garantido pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), em legislação de 1943. "Temos algumas jabuticabas que a gente sabe que é uma mochila nas costas de todo empresário. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Se a gente arrecada 12, como é que nós pagamos 13 [salários]?", definiu. "É complicado, e é o único lugar em que a pessoa entra em férias e ganha mais, é aqui no Brasil. São coisas nossas, a legislação que está aí, é sempre aquela visão dita social, mas com o chapéu dos outros, não é com o chapéu do governo", classificou.O vice de Bolsonaro defendeu a realização das duas reformas como forma de "priorizar gastos" e citou o responsável pelo programa econômico da campanha, Paulo Guedes. "Ele vem falando há oito meses no mercado... surgiu aquela história da CPMF. Vamos lembrar que é um imposto que anda em cascata, ela vai tributando em cascata. Agora: para que ocorra algum tipo de imposto dessa natureza, os outros [impostos] têm que ser baixados. Temos hoje em torno de R$ 192 bilhões de desonerações, ou seja, o pessoal que não paga imposto", reclamou Mourão. Na avaliação do general, "teremos que paulatinamente ir organizando isso [o fim da desoneração], não pode ser cortado da noite para o dia". Ele mencionou fechamento de "25 mil indústrias" e tributaristas "como o professor Marcos Cintra, gente que entende do assunto", que estão, segundo ele, "trabalhando no assunto". "A filosofia é uma só: temos que colocar todo mundo na base, todo mundo pagando, tem muita gente que não paga", disse. Sobre a reforma trabalhista, Mourão também fez questão de criticar o peso do imposto sindical "em cima da atividade produtiva". "É o maior custo que existe", classificou. A obrigatoriedade de recolhimento do imposto, entretanto, foi derrubada pelo governo de Michel Temer (MDB) no final do ano passado. A reportagem tentou entrar em contato com Mourão, mas ele não atendeu as ligações. Em suas redes sociais, a CDL de Uruguaiana destacou a declaração de Mourão sobre as reformas pretendidas, mas sem citar os posicionamentos dele a respeito dos benefícios trabalhistas. "General Mourão encerrou a sua fala destacando dois importantes temas, a implementação da reforma trabalhista, o que para o candidato é fundamental para modernização das relações entre o empregado e empregador, acompanhando as novas práticas mundiais. E a abertura comercial do país, que, de acordo com Mourão deve ser feito de forma gradual e segura, baseado em um programa estratégico agressivo de fomento as exportações brasileiras no mercado internacional", relatou a entidade. 

Filho de Bolsonaro será denunciado por publicação com suposta apologia à tortura

  • Bahia Notícias
  • 27 Set 2018
  • 15:11h

O vereador Carlos Bolsonaro, filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), será denunciado à Comissão de Ética da Câmara do Rio por apologia à tortura. A denúncia vai ser apresentada pela oposição, após o filho do presidenciável publicar nos stories de seu perfil no Instagram uma foto com simulação de tortura que mostra um homem ensanguentado, com os braços amarrados, um saco na cabeça e a hashtag #EleNão (leia aqui). A publicação foi encarada como uma resposta à campanha #EleNão, mobilização criada nas redes socais contra a candidatura de Bolsonaro. Na foto, Carlos escreveu também: "Sobre pais que choram no banheiro". A expressão é popularmente usada em alusão a pais desapontados com os filhos e que, em muitos dos casos e memes, teriam vergonha por terem filhos homossexuais.  Por causa da repercussão negativa nas redes, o vereador se pronunciou e atribuiu a postagem, na tarde desta quarta-feira (26), a Ronaldo Creative, um perfil fechado no Instagram que defende a arte como forma de protesto e participa da campanha #EleNão. A versão do vereador é que ele publicou apenas para criticar a manifestação do suposto artista (veja aqui).  O vereador do Rio de Janeiro, David Miranda (PSOL), anunciou que vai apresentar uma denúncia contra o vereador por quebra de decoro em razão da reprodução da imagem que simula a tortura. A bancada do PSOL na Casa também vai assinar a denúncia. O candidato à Presidência do PDT Ciro Gomes também criticou o vereador e cobrou providências das autoridades.  Nas redes sociais, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL) anunciou que também acionou o Ministério Público do Rio de Janeiro contra Carlos Bolsonaro. De acordo com ele, a publicação vai contra os direitos humanos.