BUSCA PELA CATEGORIA "Política"

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad decidirão eleição para presidente no segundo turno

  • 07 Out 2018
  • 21:47h

Os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) decidirão no segundo turno quem será o presidente do Brasil pelos próximos quatro anos, segundo os dados de apuração do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgados na noite deste domingo (7). Bolsonaro e Haddad disputam a Presidência pela primeira vez e foram os dois mais votados entre os 13 postulantes ao Palácio do Planalto. Esta é a oitava eleição presidencial por meio do voto direto desde a redemocratização, no fim da década de 1980. O vencedor governará o Brasil de 1º de janeiro 2019 a 31 de dezembro de 2022. O resultado do primeiro turno quebrou a polarização entre PT e PSDB na eleição presidencial. Nas últimas seis eleições, os dois primeiros colocados foram dos dois partidos, e houve duas vitórias do PSDB (1994 e 1998) e quatro do PT (2002, 2006, 2010 e 2014).

Presidente do TSE garante que eleitores podem confiar nas urnas eletrônicas

  • 07 Out 2018
  • 10:09h

A presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, disse neste sábado (6) que os eleitores podem confiar no sistema de votação do país."O recado que eu passo aos brasileiros é que amanhã teremos eleições em clima de tranquilidade, com confiança em nosso sistema eletrônico de votação e de transmissão de dados", afirmou, após uma cerimônia para a verificação de assinaturas eletrônicas do software das urnas. "O evento de hoje é mais uma etapa na linha da absoluta transparência do sistema eleitoral vigorante no país. Com minha palavra de confiança: Confiança, esperança e o desejo de um excelente voto a todos", disse Rosa. O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também participaram do evento no TSE, além de ministros da corte. Líder nas pesquisas de intenção de votos, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) tem contestado a legitimidade das urnas eletrônicas nos últimos meses. O PSL está organizando uma grupo de voluntários para fiscalizar o resultado da eleição no domingo.

Lula escreve carta ao povo brasileiro pedindo voto em Haddad como presente de aniversário

  • Bahia Notícias
  • 06 Out 2018
  • 19:10h

Foto: Reprodução / Twitter

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva escreveu um bilhete que foi divulgado por sua assessoria através das redes sociais. Na mensagem, Lula fala do seu aniversário e pede como presente o voto no candidato à presidência da República Fernando Haddad (PT). Dia 6 de outubro é o meu aniversário oficial. Espero ganhar de presente no dia 7 de outubro o voto do povo brasileiro no Haddad", diz o bilhete escrito a mão. Neste domingo (7), Lula completa seis meses de encarceramento em Curitiba, de um total de 12 anos e um mês de sentença. O ex-presidente está impedido de votar pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná.

Google faz parceria com TSE para tirar dúvidas de eleitores

  • 06 Out 2018
  • 09:05h

O Google fechou uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tirar dúvidas dos eleitores antes da votação deste domingo (7). Além disso, a ferramenta de buscas também vai proporcionar informações sobre a apuração dos resultados. Quando for feita a busca "Como votar?", o Google vai apresentar uma caixa especial de informações elaborada a partir da consultoria do tribunal. Nessa página, serão informados quais documentos são necessários, como votar na urna eletrônica, qual a ordem de voto na urna e qual o horário da votação. Com a busca “resultado eleições 2018” ou “apuração eleições 2018” será aberta uma caixa no topo da página com os números atualizados. O sistema funciona de modo semelhante para responder consultas com o nome dos candidatos a presidente ou dos partidos.

Intenção de voto: Bolsonaro cresce entre mais ricos e Haddad entre mais pobres, diz Ibope

  • Uol
  • 05 Out 2018
  • 09:05h

Dados do Ibope apontam para a diferença de classe social no crescimento das intenções de voto dos candidatos à presidência República. A pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (3) mostrou um crescimento do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) entre a população que ganha mais de cinco salários. Enquanto o candidato Fernando Haddad (PT), em segundo lugar na pesquisa, apresentou crescimento na parcela mais pobre da população. Conforme o levantamento, o petista cresceu sete pontos percentuais e passou de 26% para 33% entre os que declararam renda de até 1 salário mínimo. Já o ex-capitão manteve os 19% do último levantamento. Entre o eleitorado com renda entre 1 e 2 salários, Haddad se manteve com 24% e Bolsonaro oscilou de 29% para 27%, dentro da margem de erro. Entre as pessoas com renda até cinco salários, Haddad subiu quatro pontos, e passou de 16% para 20%. O candidato do PSL manteve 39%. Em relação aos eleitores que declararam renda acima de cinco salários, Bolsonaro cresceu cinco pontos e passou de 46% para 51%. Já Haddad caiu seis pontos e passou de 17% para 11%.

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 35%; Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 8%; Marina, 4%

  • 05 Out 2018
  • 07:05h

O Datafolha divulgou nesta quinta-feira (4) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 10.930 eleitores nesta quarta-feira (3) e na quinta (4). Segundo o Datafolha, Jair Bolsonaro, do PSL, manteve o crescimento e atingiu 35%. Fernando Haddad, do PT, ficou estável. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos. Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

Acima, nos votos totais, são considerados os votos brancos e nulos e o percentual dos eleitores que se declaram indecisos.

 

Bolsonaro vai aparecer na Record na mesma hora do debate na Globo

  • Bahia Notícias
  • 04 Out 2018
  • 20:35h

O candidato a presidente pelo PSL, Jair Bolsonaro, vai aparecer na TV Record durante o debate entre seus concorrentes ao Palácio do Planalto, que será realizado pela TV Globo nesta quinta-feira (4). Segundo informações do jornalista Ancelmo Gois, Bolsonaro gravou uma entrevista para a Record que vai ao ar durante a noite. Bolsonaro desistiu de ir ao debate nesta quarta (3) por conta de uma recomendação dos médicos que o operaram no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. "Nós contraindicamos participação em debates ou em qualquer atividade que pudesse cansá-lo ou obrigá-lo a falar por mais de dez minutos", disse o cirurgião Antônio Luiz Bonsucesso Macedo.

Presidenciáveis participam hoje do último debate antes do 1º turno

  • 04 Out 2018
  • 14:52h

Participam do debate 7 candidatos: Alvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede). O candidato Jair Bolsonaro (PSL) decidiu não participar do debate após avaliação médica. A Globo realiza nesta quinta-feira (4), depois da novela "Segundo Sol", o debate entre candidatos à Presidência da República. Mediado pelo jornalista William Bonner, o debate será realizado nos estúdios da emissora no Rio de Janeiro. Dividido em 4 blocos, este será o último debate entre os candidatos antes da votação em primeiro turno das eleições, no próximo domingo (7). 

Bolsonaro e Haddad devem disputar segundo turno, diz Ibope

  • 04 Out 2018
  • 10:11h

A quatro dias da eleição, uma nova pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (3) indicou que Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) devem disputar o segundo turno das eleições presidenciais. Enquanto o candidato do PSL à Presidência aparece com 32% das intenções de voto no mais recente estudo, Fernando Haddad aparece na sequência com 23%. Os candidatos Ciro Gomes (PDT, 10%) Geraldo Alckmin (PSDB, 7%) e Marina Silva (Rede, 4%) aparecem nas outras colocações. 

E-título: saiba como baixar o título digital para votar nestas eleições

  • 04 Out 2018
  • 08:09h

Os eleitores que forem votar no próximo domingo (7) poderão usar o e-título, aplicativo de celular que traz a versão digital do título de eleitor impresso. O e-titulo contém as informações sobre a situação do eleitor e local de votação, e pode até substituir o documento com foto, para aquele eleitor que já fez o recadastramento biométrico. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o aplicativo está disponível para os aparelhos de celular e tablets que utilizam os sistemas operacionais iOS (iPhone) e Android. Ao baixar o aplicativo e realizar a busca com o número do título de eleitor, o cidadão poderá ter acesso a informações sobre a zona eleitoral em que votará e sua situação cadastral em tempo real. Conforme estatísticas do TSE, até agora só 6.319.161 eleitores baixaram o e-título, o que representa 4,3% do eleitorado.

Quem pode usar

Se o eleitor já tiver feito o recadastramento biométrico (cadastro das impressões digitais) junto à Justiça Eleitoral, a versão do e-título virá acompanhada da foto do eleitor. Assim, não é preciso levar documento com foto nem título de eleitor. Caso o eleitor ainda não tenha feito o recadastramento biométrico, a versão do e-título não terá foto. Nesse caso, o eleitor não precisa levar o título, mas está obrigado a levar outro documento oficial com foto para se identificar ao mesário durante a votação. O título de eleitor impresso continua valendo, mas ele exige a apresentação de um documento com foto (como RG ou carteira de motorista) para que a votação seja realizada.

Lula vai ao STF para tentar garantir direito de conceder entrevistas

  • Terra
  • 04 Out 2018
  • 07:03h

Os deputados federais petistas Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram nesta quarta-feira com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar garantir o direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conceder entrevistas mesmo estando preso e cumprindo pena desde abril após condenação no processo do tríplex do Guarujá (SP). Na noite da segunda-feira, o presidente do STF, Dias Toffoli, decidiu manter a proibição de Lula a dar entrevistas na prisão, após uma sucessão de liminares a favor e contra a possibilidade de o petista falar com a imprensa. Inicialmente, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski tinha aceitado pedido para concessão de entrevistas por Lula. Em seguida, em outra ação, o colega do STF Luiz Fux se posicionou contra e, adiante, Lewandowski reafirmou sua decisão inicial. Por último, Toffoli vetou manifestação do ex-presidente -- que poderia ocorrer às vésperas do primeiro turno das eleições, marcado para domingo. Na nova ação, os autores que representam legalmente o ex-presidente, alegaram que Lula permanece com todos os seus direitos políticos e que ele está sendo alvo de uma perseguição política e pessoal. Lula teve o registro de candidatura a presidente barrado pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa. "Ao ser submetido a uma mordaça, o requerente deixa de ser um simples preso, e se revela um sequestrado em Curitiba, uma situação de efetiva incomunicabilidade em um país que é negado a liberdade de imprensa. A condenação criminal, mesmo que nos momentos atuais admita-se possuir efeitos imediatos, não pode servir como trampolim à censura prévia e ao tolhimento de todos os direitos fundamentais. O Brasil ainda é uma República e ainda está submetido a um ordenamento constitucional essencialmente social", afirmaram. A defesa citou ainda a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU de que o petista "não pode ser censurado". "O impedimento de livre manifestação do pensamento imposto a Luiz Inácio Lula da Silva é comparável à censura prévia efetivada pelo país no sombrio período de 21 anos da ditadura civil-militar", criticou.

Pesquisa Ibope para presidente: Bolsonaro, 32%; Haddad, 23%; Ciro, 10%; Alckmin, 7%; Marina, 4%

  • 03 Out 2018
  • 20:01h

O Ibope divulgou nesta quarta-feira (3) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 3.010 eleitores na segunda-feira (1) e na terça-feira (2). O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos. Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

Acima, nos votos totais, são considerados os votos brancos e nulos e o percentual dos eleitores que se declaram indecisos.

 

Novidade nestas eleições, 'vaquinha' eleitoral arrecada R$ 11 milhões a candidatos

  • 03 Out 2018
  • 19:14h

O financiamento coletivo, também chamado de "vaquinha", arrecadou R$ 11.359.919,32 a candidatos nestas eleições. Por enquanto, 1.490 candidatos declararam à Justiça Eleitoral ter recebido recursos dessa forma. Dentre eles, 10 dos 13 presidenciáveis informaram ter recebido R$ 2.263.454,13 por "vaquinha" eleitoral. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A arrecadação de recursos pela "vaquinha" está permitida desde 15 de maio deste ano, ainda no período pré-eleitoral. Segundo o TSE, por enquanto, 25 empresas de financiamento coletivo, habilitadas pelo órgão, coletaram o dinheiro a candidatos. O montante só foi liberado aos candidatos após a apresentação do registro de candidatura à Justiça Eleitoral, feita até 15 de agosto. As regras para o financiamento coletivo foram definidas pelo TSE em fevereiro deste ano. Na época, a resolução do TSE estabeleceu o limite de R$ 1.064,10 por doador pela modalidade "vaquinha". As doações acima desse valor devem ser feitas sem a "intermediação de terceiros". As doações eleitorais por empresas foram proibidas em setembro de 2015. Por enquanto, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi o que mais recebeu dinheiro por financiamento coletivo. Bolsonaro conseguiu R$ 1,1 milhão, segundo os dados do TSE. O ex-presidente Lula, que teve a candidatura indeferida, aparece em 2º lugar, com R$ 598,1 mil arrecadados. Ao G1, a candidatura de Fernando Haddad (PT), que substitui Lula na chapa, afirma que está "fazendo a tramitação junto ao TSE" para o dinheiro ser transferido para a campanha de Haddad. A assessoria diz também que a "vaquinha" de Haddad entrou no ar em 18 de setembro. A arrecadação do financiamento coletivo de Haddad, porém, ainda não foi informada ao TSE. Além de Haddad, apenas os candidatos a presidente Eymael (DC) e Henrique Meirelles (MDB) não declararam ao TSE, por enquanto, ter recebido dinheiro por financiamento coletivo. 

Polêmica: Após declarações a favor de Bolsonaro, ACM Neto abandona campanha de Zé Ronaldo

  • Bruno Luiz / Lucas Arraz
  • 03 Out 2018
  • 18:06h

Após José Ronaldo (DEM) declarar apoio a Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República , o coordenador de campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) e prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), resolveu suspender o apoio ao ex-prefeito de Feira de Santana que é candidato do seu partido ao governo da Bahia.  Contrário as declarações de Ronaldo de que votaria com Bolsonaro já no primeiro turno, Neto cancelou as atividades de campanha com o candidato e declarou que não irá aparecer em atos com o ex-prefeito. As atitudes são uma forma do presidente nacional do DEM demonstrar que não concordou com a atitude do seu candidato e também evitar desconforto com o candidato tucano ao Planalto.  Ao Bahia Notícias, ACM Neto já tinha reafirmado o seu compromisso de ir até o fim com Alckmin, principal opositor de Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018. A recomendação do prefeito também pede que os seus aliados sigam seus passos e deixem de acompanhar José Ronaldo.  Depois de muitos elogios, o candidato ao governo do Estado confirmou seu apoio a Bolsonaro já no primeiro turno da eleição presidencial, durante o debate desta terça-feira (2), na TV Bahia.

Possibilidade de Bolsonaro vencer no 1º turno é ‘muito pequena’ , diz diretora do Ibope

  • Estadão
  • 03 Out 2018
  • 15:07h

Diretora do Ibope.

Para a diretora executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari, responsável pelas pesquisas de opinião que indicam as chances de êxito de cada candidato, a probabilidade de uma vitória de Jair Bolsonaro (PSL) no primeiro turno das eleições 2018 é muito pequena, apesar de ele ter crescido no mais recente levantamento do instituto. Na pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 1.º, Bolsonaro apareceu com 31% das intenções de voto, quatro pontos a mais do que tinha cinco dias antes.

Quais as chances de uma eventual vitória de Bolsonaro já no primeiro turno?

Essa possibilidade existe. Mas é uma probabilidade muito pequena. Bolsonaro tem 38% de votos válidos, segundo nossa pesquisa mais recente. Ele teria de crescer 12 pontos porcentuais até o dia da8 ‘1/3 dos eleitores ainda não cita candidato. A eleição está aberta’, diz diretora do Ibope -, já que precisaria de 50% mais um. E não estamos vendo movimentação, pelo menos até a pesquisa de segunda-feira, de perda de votos dos demais candidatos. Isso reduz o espaço para crescer 12 pontos nessa semana. Se outros candidatos estivessem em curva descendente, o Ciro, o Alckmin, o próprio Haddad… Mas não é o que estamos vendo. Ciro está estável com 11% há muito tempo, Alckmin oscila em torno de 8% há muito tempo. Haveria espaço para movimentação entre os eleitores não convictos? Na pesquisa espontânea, ainda há um terço dos eleitores que não cita nenhum nome. Há 19% de indecisos e mais 14% que votam branco e nulo. Esses 33%, ao longo dessa última semana, podem tomar decisões diferenciadas, o que deixa a eleição ainda aberta.

De onde vieram os novos eleitores de Bolsonaro?

O que está diminuindo é a quantidade de eleitores indecisos. Esse crescimento do Bolsonaro vem muito daí. Gente que está votando branco e nulo pode ir para ele. A possibilidade de vitória no primeiro turno não é zero. Ela existe. Mas, com o resultado da pesquisa de ontem, essa probabilidade é pequena, porque o movimento teria de ser muito rápido e significativo. Para crescer 12 pontos, ele teria de tirar dos demais candidatos ou reduzir branco e nulo. Há quem veja a possibilidade de haver no quadro nacional uma repetição do que aconteceu com João Doria, que em 2016 surpreendeu ao vencer a Prefeitura de São Paulo já no primeiro turno. Essas movimentações mais rápidas em um município são mais fáceis de ocorrer que em um país com as dimensões do Brasil. Em um município há um universo pequeno, que se movimenta rápido. O Brasil inteiro se movimentar nessa velocidade? Pode acontecer, mas é mais difícil. Há uma diferença grande de intenção de votos em Bolsonaro entre quem acessa a internet e quem não acessa.  Há uma clivagem social forte. Eleitores com nível de escolaridade mais alta votam em maior proporção em Bolsonaro, assim como os eleitores com renda mais alta. São perfis antagônicos nessa polarização entre Bolsonaro e Haddad. Essa questão de acesso à internet está ligada a isso. O eleitor do Bolsonaro tem também uma militância espontânea nas redes sociais, é mais jovem, é muito mais ativo na internet.

Voltaremos a ter uma divisão geográfica na votação?

Sim, mas será diferente da divisão que ocorria nas disputas entre PT e PSDB. Antigamente tínhamos uma divisão geográfica mais acentuada. Agora Bolsonaro lidera em todas as regiões, exceto no Nordeste.

Por que Marina está em queda desde o início da campanha?

Isso também aconteceu com ela na eleição de 2014, quando entrou como candidata, substituindo Eduardo Campos. Ela entrou bem forte, quase alcançando Dilma Rousseff, e depois, ao longo da campanha, foi caindo. Na eleição de agora ela está em uma situação mais complicada ainda em termos de estrutura de campanha, de quantidade de deputados, estrutura partidária. O nome dela tinha um recall, mas, à medida que a campanha foi avançando, ela não conseguiu segurar aquele eleitorado, seja pela questão da polarização que se apresenta na eleição, seja por outros motivos.