BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

Brasileira presa nas Filipinas por tráfico diz: 'Não vou ficar aqui 40 anos'

  • 06 Mar 2017
  • 19:07h

Há quase cinco meses, a brasileira Yasmin Fernandes está presa nas Filipinas acusada de tráfico de drogas. Os correspondentes internacionais do Fantástico no Japão Marcio Gomes, Mariana Aldano e Luciano Tsuda foram até a capital, Manila, conversar com a goiana, de 20 anos. Eles também mostram a dura realidade do país desde a posse de um presidente que declarou guerra total às drogas e lidera uma política de extermínio a traficantes e até mesmo usuários. Yasmin foi presa em 15 de outubro de 2016, ao desembarcar no aeroporto Ninoy Aquino, em Manila. Saía de São Paulo, num voo que fez escala em Dubai, nos Emirados Árabes, antes de chegar às Filipinas, país formado por diversas ilhas ao sul da China. Na mala, foram encontrados 5,8 kg de cocaína, escondidos num forro acolchoado. O policial que participou da ação conta que Yasmin ficou surpresa quando foi abordada. Veja na reportagem.

Papa pede a jovens que tratem a Bíblia como fazem com celulares

  • iBahia
  • 05 Mar 2017
  • 19:05h

(Foto: Reprodução)

O papa Francisco pediu neste domingo que as pessoas carreguem e leiam a Bíblia com tanta dedicação quanto o fazem com seus celulares. Falando a peregrinos na Praça São Pedro, sob forte chuva, o papa, de 80 anos, perguntou: - o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como fazemos com nossos celulares?Ele ainda continuou: - Se voltássemos para recuperá-la quando a esquecêssemos? Se a carregássemos conosco sempre, mesmo em uma pequena versão de bolso? Se lêssemos as mensagens de Deus na Bíblia como lemos mensagens em nossos celulares?Francisco considerou a comparação "paradoxal" e disse que deveria ser uma fonte de reflexão, acrescentando que a leitura da Bíblia ajudaria as pessoas a resistirem às tentações diárias.

'HIVitoriosa': Por que uma jovem de 22 anos revelou ter HIV no Twitter

  • G1
  • 01 Mar 2017
  • 10:11h

'Sou a primeira pessoa do lugar onde eu nasci a dar um passo a frente e falar abertamente sobre minha condição', diz a jovem sul-africana diagnosticada com HIV (Foto: Reprodução/Twitter/Saidy Brown)

Quando descobri que tinha HIV, aos 14 anos, não pensei que viveria até os 18. Agora, estou completando 22 anos." Desde que a sul-africana Saidy Brown tuitou estas palavras, na última sexta-feira, milhares de pessoas compartilharam sua mensagem de esperança, muitas delas elogiando sua coragem de falar em público sobre a experiência com o vírus. A ativista, que se descreve como uma 'HIVitoriosa' em seu perfil no Twitter, conversou com a BBC sobre a enorme reação à sua publicação. Também explicou por que demorou tanto tempo para ser diagnosticada e comentou os desafios que uma pessoa com o vírus enfrenta para namorar.

Por que tuitar?

"Eu sempre falei sobre a minha condição. Comecei a conversar sobre o fato de ser HIV-positivo quando tinha 18 anos. Normalmente, uso o Facebook para falar com as pessoas sobre HIV e Aids", explicou. "Mas eu sentia uma vontade urgente de publicar isso no Twitter, para que não estivesse limitada apenas aos meus amigos do Facebook. Eu precisava que o mundo entrasse nas conversas sobre o vírus." "A resposta tem sido ótima. Houve pessoas que vieram até mim e contaram suas histórias. Eu gosto disso", disse. "Gosto de iniciar debates sobre HIV. Não acredito que isso deva ser tratado como um tema 'não-falado'. Eu quero que conversemos a respeito, porque, quando falamos, conseguimos desestigmatizar o assunto." Saidy Brown prossegue: "Há pessoas que se opõem, mas eu nem respondo. Eu apenas as deixo falando." "Quando era mais nova, morria de medo de como as pessoas me perceberiam", afirmou Brown à BBC. "Mas agora eu cresci e as opiniões das pessoas não me afetam. Acho que fiquei mais forte emocionalmente. Quando vejo esses comentários (negativos) e tal, eles realmente não me derrubam."

CONTINUE LENDO

Multimilionário diz que doará empresa de R$ 270 milhões quando morrer

  • 01 Mar 2017
  • 09:04h

Multimilionário quer garantir que sua empresa não seja vendida nem saia do Reino Unido (Foto: BBC)

O Empresário multimilionário John Elliott deixa poucas dúvidas em relação ao seu patriotismo econômico assim que se aproxima de sua fábrica no nordeste da Inglaterra a bordo de seu Jaguar. "Olhe para esta área. Ela produziu o primeiro motor a vapor do mundo para uma locomotiva. E agora os japoneses, Hitachi, estão produzindo nossos trens", diz, com desdém, enquanto dirige. O homem sem papas na língua, de 73 anos, é o fundador e chefe de fabricação e negócios da Ebac. Criada em 1972 para fabricar desumidificadores de ar, no ano passado a empresa começou a produzir a primeira máquina de lavar roupas projetada e construída no Reino Unido em 40 anos. A sede da Ebac fica na cidade de Newton Aycliffe, a alguns quilômetros de onde Elliott nasceu - e ele garante que vai permanecer lá para sempre. Ao invés de suas duas filhas herdarem o negócio e a fortuna de Elliot, avaliada em cerca de 70 milhões de libras (R$ 270 milhões) quando ele morrer, tudo irá para a Fundação Ebac. 

"A fundação significa que a empresa nunca será vendida. Eu nunca senti que era minha para vender", diz o milionário. Nos termos da fundação, a Ebac deve manter toda a produção em Newton Aycliffe e usar todo o lucro excedente ​​para ajudar grupos da comunidade, como o clube de futebol local.Elliott, que ainda atua na empresa e é um dos quatro administradores atuais da fundação, diz que suas filhas, que também trabalham para o negócio, estão felizes com o arranjo. Ele também está especialmente determinado a impedir a ida da Ebac para o exterior. "Nós poderíamos ganhar mais dinheiro se começássemos a fabricar nossos produtos na Polônia", eu disse. "Mas, pessoalmente, eu preferia ter um lucro menor e ajudar a economia do Reino Unido a ter um lucro maior e desvalorizar a economia do Reino Unido."

CONTINUE LENDO

Herdeiro da Samsung é indiciado por corrupção

  • 28 Fev 2017
  • 16:11h

'Eu peço desculpas ao povo sul-coreano por não mostrar um lado melhor', disse o chefe da Samsung, Jay Y. Lee (centro) (Foto: Cho Seong-joon/Reuters)

Herdeiro do grupo Samsung e outros quatro executivos da empresa foram oficialmente indiciados nesta terça-feira (28) por corrupção, no âmbito do escândalo político que abala a Coreia do Sul há vários meses, um novo golpe para a maior fabricante mundial de smartphones. O indiciamento significa de maneira quase certa que Lee Jae-Yong será levado, ao lado dos quatro executivos, a um tribunal, o que provoca novas inquietações ao conglomerado sul-coreano, que recentemente se viu obrigado a retirar do mercado, por falhas, um novo modelo de smartphone. Lee, 48 anos, foi acusado por "corrupção, utilização indevida de bens públicos, ocultação de ativos no exterior e perjúrio", declarou Lee Kyu-Chul, porta-voz da equipe especial que investiga o caso, que provocou o impeachment da presidente do país, Park Geun-Hye.

Lee Jae-Yong é o vice-presidente da Samsung Electronics, filho do presidente do grupo e neto do fundador. No dia 17 de de fevereiro foi decretada sua detenção provisória. Três dos cinco indiciados pediram demissão, mas não o herdeiro do grupo, informou a Samsung, o principal conglomerado do país, que representa 20% do PIB sul-coreano. A Samsung anunciou ainda o "desmantelamento" do Escritório de Estratégias Futuras, que supervisiona todas as decisões importantes da empresa, como parte de um "programa de reformas" que prevê maior independência para cada departamento da empresa. A empresa também decidiu acabar com o poderoso departamento responsável por fazer lobby junto ao governo. Além disso, afirma que deseja tornar a política de doações mais transparente. "Resta saber se é uma nova medida cosmética para desviar a atenção das críticas da opinião pública", afirmou Chung Sun-Sup, diretor do chaebol.com, site que monitora o comportamento das empresas. No passado, recordou o analista à AFP, "a Samsung acabou com departamentos de controle do grupo quando foi descoberto que não cumpriam a lei, mas depois os criou novamente com outro nome". Lee se tornou o principal executivo da Samsung após uma crise cardíaca de seu pai em 2014. A família Lee "deve continuar exercendo seu poder e sua influência em todo o grupo", afirmou Sun-Sup.

CONTINUE LENDO

Dia nublado decepciona quem tentou ver eclipse solar no Brasil

  • 26 Fev 2017
  • 19:11h

(Foto: Reprodução)

O dia nublado frustrou quem esperava observar o eclipse solar parcial no Brasil neste domingo (26). O fenômeno era esperado em algumas regiões do país entre 9h e 12h. No sul do Chile, Argentina, Angola e norte da Zâmbia, o eclipse seria anular (quando se vê toda a silhueta do Sol e apenas um anel de luz ao redor). Este foi o primeiro eclipse de 2017.O eclipse solar anular ocorre quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham. Mesmo quando estão alinhados perfeitamente, a Lua está muito longe da Terra para bloquear completamente a visão do Sol, e por isso perto do disco negro do satélite é possível ver um anel de luz do astro.Nas redes sociais, brasileiros que se prepararam para assistir ao eclipse fizeram piada com a situação postando fotos de nuvens. A manhã foi nublada em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Goiânia. Em Belo Horizonte, chovia por volta das 11h40, quando o eclipse deveria ser visível.

Visibilidade

Apesar do tempo ruim, as nuvens deram uma trégua em algumas regiões do país, permitindo a observação do fenômeno. O estudante Higor Martinez, de 19 anos, que tem um site de divulgação sobre astronomia, conseguiu fotografar o eclipse a partir de Santo André, na região metropolitana de São Paulo. Segundo ele, havia apenas algumas nuvens esparsas no céu no momento do eclipse.O eclipse também foi observado em cidades como Curitiba e Maringá. Em Porto Alegre, apesar das nuvens, o céu não estava totalmente encoberto, o que permitiu que o fenômeno fosse visto.

CONTINUE LENDO

Expectativa de vida vai alcançar os 90 anos em algumas décadas

  • iBahia
  • 25 Fev 2017
  • 07:11h

(Foto: Reprodução)

A expectativa de vida continuará aumentando nos países desenvolvidos e alcançará os 90 anos em 2030 para as mulheres de países como a Coreia do Sul, França e Espanha, revela um estudo publicado nesta quarta-feira. "Até pouco tempo atrás, muitos cientistas pensavam que a expectativa de vida nunca ultrapassaria os 90 anos", lembrou o professor Majid Ezzati, autor principal do estudo publicado na revista médica britânica "The Lancet". Após combinar 21 modelos matemáticos para prever a evolução da expectativa de vida em 35 países desenvolvidos, os pesquisadores chegaram à conclusão de que as mulheres sul-coreanas são suscetíveis de superar os 90 anos até 2030. A expectativa de vida de uma sul-coreana ao nascer em 2030 será de 90,8 anos, enquanto que a das espanholas será de 88,07 anos, a das francesas, 88,6 anos, e a das japonesas, 88,4 anos.

 A expectativa de vida também evoluirá para os homens, e a diferença em relação às mulheres (que são mais longevas) tenderá a se reduzir em 2030, exceto no México, onde aumentará ligeiramente, e no Chile, França e Grécia, onde ambos os sexos avançarão de forma similar. Os homens sul-coreanos terão uma esperança de vida de 84,1 anos, à frente de australianos e suíços, ambos com uma expectativa de 84 anos, enquanto a dos espanhóis será de 83,4 anos. Segundo as últimas estatísticas da Organização Mundial de Saúde (OMS), publicadas no ano passado, os três países com maior expectativa de vida para as mulheres em 2015 eram Japão (86,8 anos), Cingapura (86,1 anos) e Espanha (85,5 anos). No caso dos homens, eram Suíça (81,3 anos), Islândia (81,2) e Austrália (80,9). O dado vai melhorar claramente na Coreia do Sul, com uma alta de 6,6 anos para as mulheres, e de sete anos, para os homens entre 2010 e 2030. Esse país melhorou o acesso aos cuidados médicos e vem promovendo uma alimentação saudável entre crianças e adolescentes. Além disso, tem taxas de obesidade e de tabagismo entre as mulheres inferiores às da maioria dos países analisados, de acordo com os pesquisadores.

CONTINUE LENDO

Prepare-se para o incrível eclipse do Sol deste domingo (26)

  • 24 Fev 2017
  • 19:10h

(Foto: Reprodução)

O domingo de Carnaval será acompanhado de um espetáculo a mais: um eclipse do Sol que poderá ser admirado de quase todas as regiões do país. Em algumas partes do globo como o sul do Chile, Argentina e África ele será total (quando a Lua encobre o Sol completamente), mas, aqui no Brasil, será parcial e uma meia-lua luminosa poderá ser vista no céu. O fenômeno deve atingir seu ponto máximo entre 11h e 12h30 e pode durar até 3 horas, dependendo da localização do observador. Estados mais ao sul terão uma visualização melhor do eclipse – mas isso não impede que outras regiões possam ver pelo menos uma parte da Lua encobrindo o Sol. Segundo o astrônomo Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apenas algumas partes do Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Rondônia e Pará não conseguirão ver nada. “De maneira geral, quanto mais ao sul do país, maior a fração do Sol que será encoberta pela Lua”, afirma. De acordo com ele, em alguns estados a sombra da Lua poderá ocultar até 70% do Sol.

O horário máximo do eclipse também varia de acordo com a posição de quem observa. “A sombra da Lua se desloca do Oeste para o Leste. Portanto, os territórios mais a Oeste verão o fenômeno antes do que as regiões mais próximas do oceano”, diz Rojas. Cidades que ficam perto das fronteiras com a Argentina e o Paraguai poderão observar o auge do eclipse por volta das 11h, enquanto em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília isso acontece um pouco mais tarde, em torno das 11h30. Os últimos a ver o eclipse serão os observadores da Paraíba e do Rio Grande do Norte, que só poderão admirá-lo perto das 12h30. “Vale a pena estar de prontidão pelo menos meia hora antes destes horários para acompanhar o desenrolar da fase máxima do eclipse parcial”, comenta o astrônomo.

CONTINUE LENDO

Nasa anuncia a descoberta de 7 planetas parecidos com a Terra

  • 23 Fev 2017
  • 18:08h

(Foto: Reprodução)

 A agência espacial norte-americana Nasa anunciou a descoberta de um sistema solar com sete planetas de tamanhos semelhantes ao da Terra. A pesquisa, publicada na revista Nature, foi coordenada pela Universidade belga de Liegi e descreve o que seria o maior sistema planetário já descoberto com semelhanças ao nosso. De acordo com o estudo, o sistema está localizado em zona habitável, apresenta condições climáticas adequadas, com temperaturas que vão de 0 a 100 graus, estruturas rochosas e a possibilidade de conservar água em estado líquido em sua superfície. O sistema de planetas batizado de Trappist-1 está localizado a cerca de 39 anos-luz (378 trilhões de quilômetros) da Terra, na Constelação de Aquário. Por estarem fora do nosso Sistema Solar, são conhecidos cientificamente como exoplanetas. De acordo a Nasa, a revelação pode ser uma peça importante no quebra-cabeças da busca por lugares habitáveis no universo e valeria até um Prêmio Nobel. 

"Nós temos descoberto muitos exoplanetas, que são planetas em outros sistemas solares, e a grande novidade dessa descoberta é que são planetas do tamanho da Terra, que estão orbitando uma estrela a 40 anos luz daqui. Pode ser que tenha água nesses planetas, e, se tiverem, sendo do tamanho da Terra, pode ser que sejam habitáveis, mas ainda há muito o que descobrir", disse Rosaly Lopes, cientista no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e gerente de Ciência Planetária, em Pasadena, Califórnia. Os dados da descoberta foram coletados com o telescópio infravermelho Spitzer. A equipe da agência espacial norte-americana mediu os tamanhos dos sete planetas e desenvolveu as primeiras estimativas das massas de seis deles. Em contraste ao Sol, a estrela Trappist-1 foi classificada como ultrafria. Os planetas estão próximos uns aos outros e poderiam ser vistos a olho nu de seus vizinhos. Segundo a Nasa, poderiam parecer maiores do que a lua no céu da Terra. Os estudos apontaram que o mesmo lado dos planetas estão sempre voltados para a estrela, causando dias ou noites permanentes. Isso significa que os planetas têm padrões de tempo completamente diferentes da Terra, como fortes ventos soprando do dia para noite e mudanças extremas de temperatura. Segundo a Nasa, os primeiros indícios de existência dos exoplanetas foram detectados em maio de 2016, pelo telescópio espacial Hubble. Os estudos sobre o novo sistema planetário serão reforçados com o lançamento do novo telescópio espacial James Webb, previsto para ocorrer em 2018. Com sensibilidade muito maior, o Webb poderá detectar informações químicas de água, metano, oxigênio, ozônio e outros componentes da atmosfera dos planetas. O novo telescópio também analisará as temperaturas dos globos e as pressões de sua superfície, fatores-chave na avaliação de sua capacidade de habitação.

CONTINUE LENDO

Astrônomo russo afirma que asteroide vai se chocar com a Terra amanhã (16)

  • Correio 24 horas
  • 15 Fev 2017
  • 12:17h

(Foto: Reprodução)

O fim do mundo tem uma nova data: 16 de fevereiro. Pelo menos é o que garante o auto-proclamado astrônomo russo Dyomin Damir Zakharovich. O que motiva a previsão do russo é a passagem do asteroide 2016WF9, que foi descoberto pela Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) no ano passado.  De acordo com artigo publicado pelo tabloide inglês Daily Mail, o choque do objeto provocará um gigantesco tsunami e levará a extinção da vida no nosso planeta. A rocha, que tem cerca de 1km de diâmetro, no entanto, deve passar a 51 milhões de quilômetros de distância da Terra. Segundo a Nasa, o astro não apresentar risco ao planeta.  Mas o astrônomo e teórico afirmou no artigo ao jornal que a agência está ocultando a informação. A Nasa, em comunicado à imprensa, informou que a trajetória do objeto é conhecida e que não oferece risco para o planeta pelos próximos milhares de ano.

Jovem de 19 anos raspa cabelo e finge câncer para arrecadar dinheiro

  • 06 Fev 2017
  • 15:15h

(Foto: Reprodução)

Um jovem de 19 anos raspou a cabeça para reforçar a história de que estaria com câncer. Eli Stewart teria inventado a doença para arrecadar dinheiro. A acusação, de acordo com o blog Page Not Found, é da Clutha Trust, uma entidade beneficente de Glasgow (Escócia). "Esse cara apareceu na Clutha um ano atrás e disse que estava em estado terminal e que tinha seis meses de vida. Ele começou falando em câncer, depois em epilepsia e transplante de coração. Isso disparou o meu alarme", lembrou Alan Crossan, fundador da entidade, ao Daily Record. Eli chegou a posar com o cabelo raspado em um hospital, dando a entender que estava passando por um tratamento. O jovem ganhou um violão de R$ 4 mil e passagens para Belfast, na Irlanda do Norte.

Menino nigeriano que comoveu o mundo vai à escola pela primeira vez

  • 04 Fev 2017
  • 20:36h

(Foto: Reprodução)

Um menino nigeriano que comoveu o mundo há um ano está completamente saudável e dando um passo importante em sua vida: vai começar a estudar. O pequeno Hope, de 2 anos, foi abandonado pelos pais porque eles acreditavam que o menino era um bruxo e, então, resgatado por uma organização não-governamental. Uma foto dele com Anja Ringgren Lovén, a diretora da organização, comoveu o mundo, ajudando a arrecadar mais de 1 milhão de dólares em doações.  Hope foi encontrado nas ruas por Anja, uma mulher dinamarquesa que vive na África, em janeiro de 2016. Há quase um ano ela postou a foto do menino e, agora, publicou uma nova para mostrar como ele está recuperado. “No 30 de janeiro de 2016 eu estava em uma missão de resgate com David Emmanuel Umem, Nsidibe Orok e nossa equipe nigeriana. Uma missão de resgate que viralizou, e exatamente um ano atrás, o mundo veio a conhecer um garotinho chamado Hope. Esta semana Hope começará na escola”, escreveu Anja. Segundo o jornal “Daily Mail”, o menino passou oito meses morando sozinho nas ruas. Quando Hope chegou ao hospital, ele recebeu medicação para remover os vermes do estômago e transfusões diárias de sangue. Apenas oito semanas, Hope estava irreconhecível ao ganhar peso e brincar com outras crianças. Nas redes sociais, Anja compartilha vídeos e fotos do menino brincando com as outras crianças do abrigo.

Remédio que imita anticorpos de tubarão é nova esperança contra doença incurável

  • G1/Bem Estar
  • 04 Fev 2017
  • 18:19h

Foto: Rede Globo

Cientistas australianos desenvolveram um remédio que, ao imitar o sistema imunológico dos tubarões, pode ajudar a combater uma doença incurável de pulmão. A pneumonia intersticial idiopática ou fibrose pulmonar idiopática (FPI) cicatriza o tecido pulmonar e faz com que o órgão perca sua elasticidade, levando a cada vez mais dificuldades para respirar. O mal mata mais de 5 mil pessoas por ano só no Reino Unido, de acordo com a Fundação Britânica do Pulmão. No Brasil, não há informações oficiais sobre o número de casos, mas a estimativa é que entre 13 mil e 18 mil pessoas tenham a doença - um dos grandes problemas para não haver registro dela é justamente a falta de diagnósticos, já que o problema se confunde com infecções corriqueiras por causa de seus sintomas comuns (especialmente em fumantes), que são principalmente cansaço e falta de fôlego. O que os pesquisadores esperam agora é que esse novo remédio inspirado em anticorpos encontrados no sangue de tubarões possa começar a ser testado no ano que vem. A droga se chama AD-115 e foi desenvolvida na Universidade La Trobe, de Melbourne, na Austrália por cientistas e pela empresa de biotecnologia AdAlta. Os testes iniciais tiveram como alvo as células causadoras da fibrose, criando uma proteína humana que imitava os anticorpos encontrados nos tubarões, conforme explicou Mick Foley, do Instituto de Ciência Molecular de La Trobe.

Instagram vai permitir publicação de dez fotos de uma só vez

  • Veja
  • 02 Fev 2017
  • 20:13h

(Foto: Reprodução)

Os usuários da rede social de fotos e vídeos Instagram poderão em breve publicar várias imagens em um único post. De acordo com o portal The Verge, o recurso permite que os usuários publiquem até dez imagens ou vídeos simultaneamente. O novo recurso faz parte da versão beta do aplicativo, ainda não está disponível para download, e que está sendo testada pelos desenvolvedores. Atualmente, apenas anunciantes conseguem publicar várias fotos em uma única postagem. De acordo com o portal, a função seria uma grande ajuda para os usuários que vivem da rede social, os “instagrammers”, que querem postar várias imagens do mesmo evento. A novidade também deve permitir um trabalho “bastante interessante” nas publicações, já que a disposição das imagens na horizontal possibilitam intervenções criativas, segundo o site. Em vez de apenas tocar em uma foto, é preciso pressioná-la longamente. A partir daí, uma mensagem instrui o usuário a selecionar até dez imagens ou vídeos. E possível aplicar um único filtro a todas as fotos ou aplicá-los individualmente antes de serem publicados em uma única galeria. Depois de publicada a galeria, os seguidores podem visualizar as fotos contidas nela ao passar as imagens para o lado com o dedo.

 

Europa celebra o Dia da Memória pelas Vítimas do Holocausto

  • Correio 24 horas
  • 27 Jan 2017
  • 15:14h

(Foto: Reprodução)

No dia 27 de janeiro de 1945, as tropas do Exército soviético destruíram a entrada do campo de concentração de Auschwitz, na atual Polônia, e, desde então, a Europa faz uma série de celebrações para lembrar os horrores do Holocausto nazista. O Dia da Memória pelas Vítimas do Holocausto contará com uma celebração em um dos locais das atrocidades da Segunda Guerra Mundial, o campo de concentração de Auschwitz, mas a Itália também lembra o episódio com eventos e mostras fotográficas sobre o tema. "Recordar é o antídoto mais forte contra o esquecimento e a indiferença e o instrumento mais importante para traçar uma nova estrada”, disse a prefeita de Roma, Virginia Raggi, durante uma celebração com estudantes de escolas da capital italiana. Há cerimônias ainda em Florença, Veneza e Milão. Em Roma, uma mostra que lembra o sofrimento das pessoas nos campos de concentração nazistas e a vida dos sobreviventes, feita pelo fotógrafo Simone Gosso, também está ocorrendo na capital. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, divulgou uma mensagem pelos 72 anos do fim dos campos de concentração e lembrou que “nesses tempos desafiadores, a memória não é apenas uma lembrança do passado, mas é o compasso para não repetir os mesmos erros no futuro, sem cair nas mesmas armadilhas que fizeram com que permitíssemos que a discriminação e o ódio se espalhassem”.