BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

Assessor de Bolsonaro faz relação do incêndio em Notre Dame com 'destruição do Ocidente'

  • Redação
  • 16 Abr 2019
  • 06:04h

(Foto: Reprodução)

Logo após o início do incêndio na catedral de Notre Dame, em Paris, Felipe Martins, que é assessor especial para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro, utilizou o Twitter para publicar um versículo de Lucas: " E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão". Questionado pelo Jornal Globo, respondeu que é um alerta de que o " Ocidente está sendo destruído", e que "é preciso dar mais atenção e ter mais cuidado com a nossa civilização". Além do assessor, o ministro das Relações Exteriores, Enersto Araújo, têm afirmado em textos e declarações que a civilização judaico-cristâ está sob ameaça do dito "globalismo".

Vídeo: Incêndio atinge a Catedral de Notre-Dame, em Paris

  • G1
  • 15 Abr 2019
  • 15:21h

Um grande incêndio atingiu a catedral de Notre-Dame, em Paris, nesta segunda-feira (15), um importante símbolo da cidade. O fogo foi relatado primeiro por usuários em redes sociais. Não está claro ainda o que o causou, mas pode estar relacionado a uma obra que vinha sendo feita no telhado. A emissora France 2 disse que a polícia está tratando o caso como um acidente. Não há relatos de feridos até o momento. "Um incêndio terrível está acontecendo na Catedral de Notre-Dame. Os bombeiros de Paris estão tentando dominar as chamas (...) Peço a todos que respeitem o perímetro de segurança", escreveu a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, no Twitter. A polícia isolou a área e está retirando os turistas que havia dentro da catedral.

'Não quero ser o único', diz primeira pessoa do mundo curada do HIV

  • Folha de S. Paulo
  • 15 Abr 2019
  • 10:07h

Há 12 anos ele se tornou o “paciente de Berlim”, a primeira pessoa do mundo curada do vírus HIV após passar por um transplante de medula óssea para tratar de uma leucemia. As células vieram de um doador que possuía um gene hereditário pouco comum, associado à redução do risco de contrair o HIV. Em 2010, o americano Timothy Ray Brown, 53, revelou sua identidade ao mundo e desde então se tornou um ativista da causa, não só doando suas células para pesquisas clínicas como também se dedicando a ajudar grupos de pacientes que vivem com HIV e de pessoas que perderam entes queridos para a Aids. Ele conta que, às vezes, ainda se sente culpado. “Não só sobrevivi ao HIV como estou curado, enquanto muitas pessoas já morreram. Não quero ser o único curado”, disse ele, em entrevista à Folha na última quinta (11), um dia antes de palestrar em evento médico sobre o HIV na USP, em São Paulo.O desejo pode ter sido realizado. No mês passado, a revista Nature revelou o caso de um paciente de Londres que está livre do HIV há mais de um ano, após ter passado por transplante de medula. Os pesquisadores, porém, tratam o caso, por cautela, como “remissão a longo prazo”. “Até agora, essa era uma família [de curados do HIV] muito solitária, apenas eu. Estou muito feliz de ter novos irmãos”, afirma Brown, que visita o Brasil pela primeira vez. Mas esse caminho para a cura é considerado pouco realista pela ciência. Ambos os casos resultaram de transplantes de medula óssea em pacientes infectados, que foram destinados a tratar o câncer nos doentes, não o HIV. Hoje existem drogas muito eficazes para controlar a infecção, enquanto os transplantes são arriscados, com efeitos colaterais severos. 

Mãe dá à luz bebê em cima de uma árvore durante passagem de ciclone em Moçambique

  • 05 Abr 2019
  • 13:14h

Foto: © UNICEF Moçambique/2019/Javier Rodriguez

Em meio à destruição causada pelo ciclone Idai no sudeste da África, que matou centenas de pessoas em três países, uma história impressionou os representantes da Unicef na região. Uma mãe deu à luz um bebê em cima de uma árvore no centro de Moçambique, país mais afetado pelos estragos da tempestade.A mulher, identificada apenas como Amélia, relatou à Unicef que estava em casa com o outro filho, de 2 anos, quando começou uma enchente. Eles viviam no vilarejo de Dombe, no centro de Moçambique, devastado em decorrência das cheias causadas pelo ciclone que passou entre 14 e 15 de março pelo país. "Sem aviso, a água começou a entrar dentro da casa, e eu não tive outra opção a não ser subir numa mangueira próxima à minha casa", relatou Amélia. Entre os galhos, a mulher começou a sentir as contrações e, ali mesmo, nasceu a bebê Sara. "Eu não tinha ninguém por perto para me ajudar. Estava sozinha com ela e meu filho", contou a mãe. O drama da família apenas começava: o nível da água demorou a descer. Sem escolha, eles esperaram por socorro por dois dias de cima da árvore. "Mais tarde, os vizinhos me ajudaram a descer e chegamos a um lugar seguro", disse Amélia.De acordo com a Unicef, a mãe e o bebê "aparentam se encontrar bem de saúde". A família recebe assistência médica e de saúde em um centro para pessoas afetadas pelo ciclone, onde há outras mães.

Pela 1ª vez, mundo tem mais avós do que netos

  • 03 Abr 2019
  • 18:29h

Foto: Dalton Soares/TV Bahia

Pela primeira vez na história, há mais idosos no mundo do que crianças pequenas, informou a ONU. São 705 milhões de pessoas acima de 65 anos contra 680 milhões entre zero e quatro anos. As estimativas apontam para um crescente desequilíbrio entre os mais velhos e os mais jovens até 2050 - haverá duas pessoas com mais de 65 anos para cada uma entre zero e quatro anos. Essa desproporção simboliza uma tendência que os demógrafos vêm acompanhando há décadas: na maioria dos países, estamos vivendo mais e tendo cada vez menos filhos. Mas como isso pode nos afetar? E como já está nos afetando?

Redução da natalidade

Christopher Murray, diretor do Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, diz à BBC: "Caminhos para uma sociedade com poucas crianças e muitos idosos e isso representa um desafio". Murray também é autor de um artigo de 2018 no qual sugeriu que quase metade de todos os países do mundo está enfrentando uma "redução da natalidade" - o que significa que há crianças insuficientes para manter o ritmo de crescimento populacional. "Pense em todas as profundas consequências sociais e econômicas de uma sociedade com mais avós do que netos", acrescenta. Em 1960, a taxa mundial de fecundidade era de quase cinco filhos por mulher, segundo o Banco Mundial. Quase 60 anos depois, caiu para apenas 2,4. Ao mesmo tempo, os avanços socioeconômicos beneficiaram quem nasceu nesse período. Em 1960, as pessoas viviam em média pouco mais de 52 anos; a expectativa de vida atual atingiu 72 anos em 2017. Isso significa que estamos todos vivendo mais e demandando cada vez mais recursos à medida que envelhecemos, aumentando a pressão sobre os sistemas de saúde e previdenciário, por exemplo.

Sujeira em hospitais mata mais de 900.000 recém-nascidos ao ano, aponta relatório da OMS e Unicef

  • 03 Abr 2019
  • 13:10h

Foto: reprodução / Unicef

Mais de 900.000 recém-nascidos morrem a cada ano por causas vinculadas às más condições higiênicas dos hospitais e centros médicos onde nascem, segundo relatórios publicados conjuntamente nesta quarta-feira (3) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).Um dos documentos afirma que cerca de um milhão de recém-nascidos ou suas mães morrem após o parto, embora, segundo tenha declarado em entrevista coletiva o coordenador da OMS, Bruce Gordon, mais de 90% das vítimas nestes casos são crianças. Os relatórios que estudam as condições de centros sanitários de todo o mundo indicam que uma de cada quatro instalações médicas não tem água corrente ou sofre com acesso limitado a ela, o que afeta o atendimento de dois bilhões de pessoas. Um de cada cinco centros estudados carece de banheiros adequados, o que afeta 1,5 bilhão de pessoas, e 16% (um de cada seis) não tem serviços básicos para que médicos e pacientes possam lavar as mãos. Os indicadores analisados são cruciais para prevenir as infecções e oferecer um cuidado médico de qualidade, especialmente no parto, uma vez que cálculos indicam que 17 milhões de mulheres nos países menos desenvolvidos dão a luz a cada ano em instalações sem as condições higiênicas e sanitárias adequadas. A cada dia morrem 7.000 recém-nascidos, e as infecções são a causa de 26% dessas mortes, assim como de 11% dos óbitos de mães no parto, segundo os dados divulgados. "Cada nascimento deveria estar em mãos seguras, lavadas com água e sabão, usando equipamento esterilizado e em um entorno limpo", destacou em comunicado a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore. Já o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que "garantir que todos os centros sanitários tenham serviços básicos de água, banheiro e higiene é essencial para conseguir um mundo mais saudável, seguro e justo".

Jovem morre após ter parasitas descobertos em seu cérebro

  • 28 Mar 2019
  • 20:16h

Foto: ESIC Medical College and Hospital

Um jovem de 18 anos morreu após ter parasitas em seu cérebro, de acordo com um estudo de caso publicado no "New England Journal of Medicine".Os médicos do ESIC Medical College e Hospital de Faridabad relataram que o paciente, que apareceu no pronto-socorro com inchaço no olho direito, estava tendo convulsões tônico-clônicas, que causam músculos endurecidos e perda de consciência. Seus pais disseram que seu filho sentiu dor na virilha direita por uma semana. Um exame físico revelou que ele tinha confusão mental e sensibilidade no testículo direito. O diagnóstico foi neurocisticercose, uma doença parasitária do cérebro causada quando alguém engole ovos de tênia que passaram nas fezes de alguém que tem uma tênia intestinal. As larvas rastejam para fora dos ovos e para os tecidos musculares e cerebrais, onde formam cistos. O problema só foi identificado depois que a equipe médica realizou uma ressonância magnética e viu danos causados ??por cistos em seu córtex cerebral, bem como no tronco cerebral, incluindo o cerebelo, que fica na parte de trás do cérebro, acima da medula espinhal. Os médicos também descobriram cistos no olho direito e no testículo direito do paciente. Por causa do número e localização dos cistos, seus médicos decidiram não tratar o jovem com medicamentos antiparasitários. Estes podem agravar o sangramento cerebral e inflamação, levando à perda de visão. Em vez disso, o paciente recebeu um medicamento anti-inflamatório, chamado dexametasona, além de medicamentos antiepilépticos. Duas semanas após sua chegada ao pronto-socorro, o paciente morreu.

Cruzeiro fica à deriva no mar da Noruega; equipes trabalham no resgate de 1,3 mil

  • 24 Mar 2019
  • 07:10h

Foto: Frank Einar Vatne/NTB Scanpix/Reuters

Um navio de cruzeiro teve uma falha mecânica em meio a fortes ventos perto do litoral da Noruega, e 1,3 mil passageiros estão sendo retirados da embarcação, disseram a polícia norueguesa e equipes de resgate neste sábado (23).Por volta das 16h30 (11h30 de Brasília), uma centena de pessoas foram evacuadas e não havia informações sobre feridos. Quatro helicópteros participam da operação, informou centro de resgate.O serviço de resgate marítimo disse que o navio Viking Sky estava à deriva em direção à costa, e que a embarcação fez sinal de resgate.O incidente ocorreu por volta da 14h (9h de Brasília) a algumas milhas marítimas da costa da região de Møre og Romsdal (no oeste da Noruega), uma região onde já ocorreram vários naufrágios. Outros barcos foram para a área e foi aberto um centro de acolhida em terra para os passageiros. O navio pertence à empresa Viking Ocean Cruises, do grupo Viking Cruises, fundado pelo bilionário norueguês Torstein Hagen. De acordo com o site da companhia, a capacidade da embarcação é de 930 pessoas. Helicópteros e barcos se dirigiram ao local para o resgate, e instalações para receber os passageiros foram montadas em terra firme, informaram autoridades. A escritora Alexus Sheppard, que está a bordo, postou no Twitter um vídeo de dentro do navio, no qual passageiros aparecem sentados em um salão e algumas pessoas que estão em pé tentam se segurar enquanto móveis escorregam com o balanço do mar. 

Justin Carter, cantor de country, morre ao atirar em si mesmo por engano gravando clipe com arma

  • 22 Mar 2019
  • 07:11h

Foto: Reprodução/Facebook/JustinCarter

O cantor de country Justin Carter morreu após disparar acidentalmente contra si mesmo no sábado (16). Em entrevista à emissora de TV americana Fox News, a mãe de Carter, Cindy McClellan, disse que ele estava gravando um novo clipe em Houston, no Texas, quando tirou uma arma de seu bolso e "atirou em seu olho". A arma estava sendo usada no vídeo. Carter, que era considerado uma estrela em ascensão no country, morreu aos 35 anos. Um dos empresários disse que Justin "tinha muito potencial para ser um próximo Garth Brooks", citando a maior estrela do estilo. "Por favor, mantenha a família de Justin em suas orações e dê privacidade neste momento difícil. Justin não está mais conosco, ele foi embora. Sentiremos saudade de você, que sempre foi cheio de alegria, riso e amado por tantas pessoas em sua vida", disse a família nas redes sociais do cantor.

Brasil cai 16 posições em ranking global da felicidade em quatro anos

  • 21 Mar 2019
  • 16:07h

Foto: Ints Kalnins/Reuters

O Brasil caiu 16 posições no ranking global da felicidade entre 2015 e 2019, de acordo com o Relatório Mundial da Felicidade, elaborado pela empresa de pesquisas Gallup em parceria com a ONU. No ranking, divulgado nesta quarta-feira (20), o país ocupa a 32ª posição de 156 nações. A "nota" atribuída ao Brasil pelo ranking é de 6.300, a menor média do país desde 2014, quando o país tinha 6.849 pontos. Nas primeiras sete colocações estão apenas países europeus, com a Finlândia ocupando o primeiro lugar com nota 7.769. O primeiro país fora do continente a aparecer é a Nova Zelândia, na oitava posição.

Ranking da Felicidade - Primeiros Colocados

Colocação País Pontuação
Finlândia 7.769
Dinamarca 7.600
Noruega 7.554
Islândia 7.494
Holanda 7.488
Suíça 7.343
Suécia 7.343
Nova Zelândia 7.307
Canadá 7.278
10° Áustria 7.246

Para medir o nível de felicidade, o relatório leva em consideração uma "variedade de medidas de bem-estar subjetivas", além de variáveis que medem condições econômicas e sociais. Os seguintes pontos são considerados: PIB per capita, apoio social, vida saudável, expectativa de vida, liberdade, generosidade e ausência de corrupção. A conclusão geral apontada pelo relatório é de que a infelicidade aumentou em todo o mundo. Esse movimento é impulsionado pela desconfiança em líderes políticos e pelo uso intenso das redes sociais, apontam os analistas do estudo. Das dez últimas colocações, sete são de países africanos e três são países árabes localizados na Ásia Ocidental. Em último lugar, está o Sudão do Sul, com uma nota de 2.853.

Mundo: Ciclone mata mais de 150 em Moçambique e no Zimbábue

  • 18 Mar 2019
  • 14:42h

Foto: Déborah Nguyen/WFP/AFP

A passagem do ciclone Idai já deixou mais de 150 mortos em Moçambique e no Zimbábue, informou nesta segunda-feira (18) a agência Reuters, citando autoridades locais.O funcionário do Ministério da Informação do Zimbábue, Nick Mangwana, disse à Reuters que 89 mortes foram confirmadas no país. E em Moçambique a agência estatal de notícias fala em 68 mortos, o que somado, dá 157 mortes no total, nos dois países. A tragédia, no entanto, tende a chegar a números maiores, já que o canal local TVM já fala em 84 mortes em Moçambique, e o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, afirmou em entrevista para uma rádio estatal que o número de vítimas pode chegar a mil. Beira, a segunda maior cidade moçambicana, e seu arredores ficaram 90% danificados ou destruídos. "O alcance dos danos provocados pelo ciclone Idai é enorme e aterrorizante", afirmou a Federação Internacional da Cruz Vermelha (FICV) em um comunicado. Segundo a FIVC, pelo menos 55 das mortes foram registradas nessa cidade de 530 mil habitantes. O ciclone atingiu o centro de Moçambique na noite de quinta-feira (14) e avançou rumo ao Zimbábue e o Malawi, destruindo tudo em sua passagem: estradas, escolas, casas, lojas, hospitais e até mesmo uma represa. As fortes chuvas previstas para a região e o avanço das equipes de emergência pelas localidades atingidas devem elevar o número de vítimas, segundo a Cruz Vermelha. "A situação é terrível. Os meios de comunicação estão totalmente cortados e as estradas estão destruídas. Muitas localidades são inacessíveis", afirmou Jamie LeSueur, da FICV, citado no comunicado. "Nos contaram que situação pode ser pior fora da cidade. No domingo, uma represa cedeu e cortou a última estrada ainda acessível para seguir até a cidade", explicou LeSueur.

A emocionante mensagem que uma mãe escondeu nos sapatos de casamento da filha antes de morrer

  • 17 Mar 2019
  • 18:13h

Foto: @laceandloveshoes/ BBC

"Fiquei em pedaços", resumiu Emma, uma noiva que encontrou uma mensagem póstuma escondida em seus sapatos de casamento escrita por sua mãe, que morreu dois anos antes da cerimônia.Sua mãe foi diagnosticada com câncer terminal um mês depois de a filha ter noivado, em 2016. No ano seguinte, ela morreu em decorrência da doença no pulmão. Dois anos depois, mais especificamente na semana passada, Emma recebeu seus sapatos de noiva. E descobriu que sua mãe havia pago secretamente seu calçado e deixado uma mensagem nas solas. "Queria que você recebesse um presente meu no dia do seu casamento. Seus sapatos de casamento são meu presente para você. Espero que você tenha um dia mágico. Muito amor e abraços, Mamãe. xxxx (abreviação de beijos em inglês)".

'Choque absoluto'

Moradora de Leicestershire, na Inglaterra, Emma deve se casar com o noivo Richard em agosto. "É tão difícil planejar um casamento sem ter minha mãe comigo. Choro muito". Em post no sábado, ela, que tem 38 anos, disse que seu noivo sabia da surpresa póstuma. "Foi apenas um choque absoluto. Peguei o único sapato e vi parte da mensagem e não conseguia pensar em quem seria." Ao ver a assinatura da mãe, começou a chorar: "Eu estava absolutamente em pedaços. Não conseguia respirar, não conseguia falar". Segundo ela, sua mãe recebeu uma estimativa de vida entre um e dois anos e passou a escrever cartas para membros da família, mas não deixou nenhuma para a filha. "Ela ficou sem tempo... Por isso essa mensagem é tão especial para mim." Ao compartilhar sua história no Facebook, Emma passou a receber muitas mensagens de apoio. Amanda Weise, que dirige a loja online Lace and Love, que personaliza os sapatos, disse que esse é "provavelmente o par de sapatos com mais emoção que eu vou fazer". "Espero que isso dê a ela um pouco de conforto no dia do casamento. Imagino que será como caminhar pelo corredor com a mãe dela", disse. Weise relata ter sido contatada pela mãe de Emma algumas semanas depois da encomenda feita pela filha. "A mãe dela me mandou um e-mail e disse que queria pagar pelos sapatos. Eu disse: 'bem, ela já pagou metade'. Ela disse: 'posso pagar por tudo e depois devolver o dinheiro quando ela pegar os sapatos? ' "Eu sabia de que ela estava com uma doença terminal à época. Acho que Emma estava esperando que a mãe fosse ao casamento. Mas pela mensagem que escreveu, ela já previa que seria depois que partisse."

Inundações matam 58 e deixam mais de 4 mil desalojados na Indonésia

  • 17 Mar 2019
  • 11:18h

Foto: Basarnas via AP

As inundações provocadas pelas fortes chuvas que atingiram a província indonésia de Papua, no leste do país, deixaram 58 mortos, cerca de 70 feridos e 4.150 desalojados, de acordo com balanço atualizado neste domingo (17). "O número de vítimas e o impacto do desastre provavelmente vão aumentar à medida que as equipes de resgate avançarem para outras áreas afetadas", declarou o porta-voz da agência de gerenciamento de desastres, Sutopo Purwo Nugroho, segundo a AFP. Pontes, estradas e dezenas de casas ficaram danificadas pelas enchentes que atingiram Sentani, a cerca de 20 km da capital provincial de Jayapura, no sábado (16). A água também invadiu os hospitais. "As equipes de socorro estão retirando moradores de algumas regiões, mas não chegaram a todas as áreas afetadas em razão das árvores caídas, pedras e lama" que bloqueiam as vias de comunicação, detalhou. No aeroporto de Jayapura permanece aberto, mas um pequeno avião aparentemente ficou danificado pela enchente. O governo decretou estado de emergência durante 14 dias, indicou o chefe da polícia Victor Dean Mackbon.

Sobe para 50 número de mortos em ataques a mesquitas na Nova Zelândia

  • 17 Mar 2019
  • 09:08h

Foto: Mark Baker/ AP

O comissário de polícia da Nova Zelândia Mike Bush afirmou, na manhã deste domingo (17), tarde de sábado (16) no Brasil, que o número de mortos nos ataques a mesquitas em Christchurch, na ilha sul da Nova Zelândia, aumentou para 50.A polícia afirmou que o balanço de mortos aumentou depois que uma nova vítima fatal foi encontrada no processo de remoção de corpos das duas mesquitas, que só terminou na noite de sábado. Outras 48 pessoas foram feridas, sendo que 20 delas se encontravam em estado grave na sexta (15)."É com tristeza que eu aviso que o número de pessoas que morreram nesse evento subiu agora para 50. Na última noite, conseguimos retirar todas as vítimas de ambas as cenas. Ao fazer isso, nós conseguimos localizar uma nova vítima", afirmou Bush em uma entrevista para jornalistas, segundo a agência Reuters.Além disso, Bush explicou que, dos três detidos na sexta em relação ao atentado, dois foram liberados por não estarem conectados ao caso."No momento, só uma pessoa foi acusada em relação a esses ataques", afirmou o comissário da polícia neozelandesa.Entre as vítimas estão homens, mulheres e crianças. Os nomes ainda não foram divulgados oficialmente por autoridades neozelandesas, mas famílias confirmam alguns deles à imprensa desde a sexta. Segundo a agência EFE, o comissário afirmou neste domingo que a polícia, além de investigar o caso, também está atuando para identificar as vítimas, para que elas possam ser enterradas o mais rápido possível. Ele reconheceu a frustração entre os familiares que querem realizar os funerais de acordo com seus costumes."Não compartilharemos informação [sobre os mortos] até que eles estejam formalmente identificados", disse Mike Bush.

 

Ataques simultâneos a 2 mesquitas deixam 49 mortos e 48 feridos na Nova Zelândia

  • 15 Mar 2019
  • 10:04h

Foto: Mark Baker/ AP

Ataques a tiros simultâneos contra duas mesquitas na cidade de Christchurch, na ilha sul da Nova Zelândia, deixaram 49 mortos e 48 feridos nesta sexta-feira (15). As autoridades ainda não divulgaram as identidades das vítimas e dos assassinos.

Resumo

  • Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixaram 49 mortos
  • 48 pessoas ficaram feridas, sendo 12 em estado grave
  • 4 pessoas foram presas
  • A polícia não informou a identidade dos suspeitos e das vítimas
  • Numa das mesquitas, um homem armado com rifle automáticodisparou contra a multidão
  • Usando uma câmera no capacete, o assassino filmou e transmitiu ao vivo o massacre
  • O Facebook eliminou as contas do criminoso e trabalha para remover cópias do vídeo
  • Na rede, o homem se identificou como um australiano de 28 anos, defensor da extrema-direita e contrário à imigração

Os alvos dos ataques foram as mesquitas de Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley, e de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, reunidas para as tradicionais orações do meio-dia de sexta-feira. Os detidos são três homens (um deles seria australiano) e uma mulher. A polícia local informou, porém, que não está descartada a hipótese de que outros criminosos estejam envolvidos e foragidos. Nenhum dos suspeitos sob custódia estava em listas de observação da polícia.