BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

Baiana morre em ataque terrorista na França; Rui e Neto lamentam

  • Paloma Teixeira
  • 30 Out 2020
  • 08:06h

Natural de Salvador, vítima tinha 44 anos e morava no país há 30 | Foto: reprodução/redes sociais

Um ataque terrorista com faca na Basílica de Notre-Dame, em Nice, no sul da França, nesta quinta-feira (29), deixou três pessoas mortas. Uma das vítimas era a baiana Simone Barreto Silva, que deixou Salvador há 30 anos para morar no país. Ela tinha 44 anos e deixou três filhos.

Além dela, a polícia também encontrou o corpo de uma mulher de 60 anos, que estava com a cabeça quase separada do pescoço, e ainda um homem de 55 anos. O sacristão da basílica foi identificado como Vincent e ele também quase foi decapitado.

De acordo com o prefeito de Nice, Christian Estrosi, o suspeito teria gritado diversas vezes “Allahu Akbar” (que significa Deus é grande) antes de ser baleado e detido. Ele é de origem tunisiana e havia se mudado para a França há pouco tempo.

Nas redes sociais, o governador Rui Costa (PT) e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), lamentaram o atentado e manifestaram solidariedade à família de Simone.

“Triste e indignado. Atentado terrorista na França matou Simone Barreto, baiana de Salvador. Ataque covarde contra a liberdade. Que Deus conforte familiares e amigos de Simone e das outras vítimas deste crime bárbaro. Solidariedade à França e ao mundo que defende o amor e a paz”, disse o governador.

“Fica a nossa imensa consternação diante desse crime bárbaro, condenado por todos os líderes mundiais, com os quais nos uniremos agora, na certeza de que o bom senso, a razão e a lucidez irão subjugar a irracionalidade, o fanatismo e a intolerância religiosa”, afirmou o prefeito.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), também prestou condolências pela morte de Simone e “bem como aos das demais vítimas, e estende sua solidariedade ao povo e governo franceses”.

Triste e indignado. Atentado terrorista na França matou Simone Barreto, baiana de Salvador. Ataque covarde contra a liberdade. Que Deus conforte familiares e amigos de Simone e das outras vítimas deste crime bárbaro. Solidariedade à França e ao mundo que defende o amor e a paz.

— Rui Costa (@costa_rui) October 30, 2020

Fica a nossa imensa consternação diante desse crime bárbaro, condenado por todos os líderes mundiais, com os quais nos uniremos agora, na certeza de que o bom senso, a razão e a lucidez irão subjugar a irracionalidade, o fanatismo e a intolerância religiosa.

— ACM Neto (@acmneto_) October 30, 2020

Vacina contra Covid-19 não deve ser obrigatória na maior parte do mundo

  • por Folhapress
  • 26 Out 2020
  • 21:03h

Foto: Reprodução / Agência Brasil

Após sete meses de pandemia, não há notícia de que algum país tenha declarado oficialmente que tornará obrigatória a aguardada vacina contra o coronavírus, que está sendo desenvolvida por 137 fabricantes.

Por ora, em boa parte dos lugares, a discussão sobre uma eventual obrigatoriedade da imunização tem sido vaga, especulativa e conceitual -o que pode, obviamente, mudar quando a vacina estiver disponível.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, foi o que chegou mais perto: ainda em agosto, ele chegou a dizer que faria a vacina "ser tão obrigatória quanto possível". Mas voltou atrás horas depois, diante de uma torrente de reações negativas por parte da população.

Os vizinhos da Nova Zelândia fizeram circular uma informação de que a imunização seria imposta no país, mas a primeira-ministra, Jacinda Ardern, correu para confirmar que tratava-se de fake news.

Na Malásia, a imprensa especulou que o governo tornaria a vacina obrigatória, mas o ministro da saúde desconversou em mais de uma ocasião quando foi perguntado sobre isso.

Mesmo na Rússia, onde a Sputnik-V já está sendo distribuída, a vacina é obrigatória apenas para os militares. Também em agosto, enquanto o imunizante ainda estava em fase de testes, o governo de Vladimir Putin pressionou professores e médicos a serem imunizados, visando preparar as escolas para a reabertura no início de setembro.

 

Um sindicato de professores, no entanto, fez campanha contra a coação, levantando 1.400 assinaturas em um abaixo-assinado.

O próprio Putin foi vacinado e ofereceu imunização gratuita aos funcionários da Organização das Nações Unidas em seu discurso na Assembleia Geral da entidade, em setembro.

No país mais atingido pela crise sanitária no mundo, em que o presidente Donald Trump promete que vacina está disponível nas próximas semanas, tomá-la ou não também deverá ser uma decisão pessoal -não há leis federais nos EUA que obriguem ninguém a se vacinar, e uma eventual obrigatoriedade nacional ficaria a critério do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças).

Alguns estados americanos, no entanto, exigem que sejam vacinados contra doenças transmissíveis as crianças em idade escolar, os profissionais de saúde e os pacientes e residentes em instalações de saúde.

No Brasil, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou a decretar que a vacinação contra o coronavírus no estado seria obrigatória. Três dias depois, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores que a vacina "não será obrigatória e ponto final".

Os principais países da Europa também não devem tornar compulsória uma futura vacina contra a Covid-19, segundo as autoridades de saúde. A maioria deles adota como política recomendação e campanhas de informação para que cada cidadão tome sua decisão. Em alguns, a lei não permite vacinação obrigatória.

A Alemanha, que tem a maior população da União Europeia -82,2 milhões de habitantes-, não adota vacina obrigatórias.

Segundo o Ministério da Saúde, o Comitê Permanente de Vacinação do Instituto Robert Koch está discutindo que categorias serão vacinadas primeiro, e em que ordem.

O país, que tem o mais amplo e um dos melhores sistemas hospitalares da União Europeia, registra também um desempenho melhor que o dos vizinhos no combate à Covid-19.

Desde o começo da pandemia, foram 119 mortos por 1 milhão de habitantes, enquanto a França tem 508, a Itália 610, o Reino Unido, 663 e a Espanha, 732 mortos por 1 milhão de habitantes.

O Reino Unido, segundo país europeu mais populoso, com 66,7 milhões e habitantes, também não adota a vacinação obrigatória. "A ciência deixa claro que as vacinas salvam milhões de vidas e previnem inúmeros casos de doenças, mas operamos pelo sistema de consentimento informado", afirmou o governo britânico.

Segundo o Departamento de Saúde e Assistência Social, "é responsabilidade de todos buscar orientação do sistema público de saúde para obter informações corretas e fazer sua escolha".

O governo disse que, para isso, fornece orientações clínicas sobre todas as vacinas, destacando para quem são adequadas e quais as contra-indicações. "O histórico clínico de um indivíduo e as circunstâncias pessoais são levados em consideração antes de qualquer vacina ser oferecida", disse o departamento.

Na França, a Alta Autoridade de Saúde publicou em julho recomendações para a futura vacinação contra Covid-19, que projeta quatro cenários possíveis.

Em todos eles, os profissionais de saúde e serviço social, idosos e outras pessoas com maior risco de desenvolver formas grave da doença, que levam a hospitalização e morte, serão prioritárias quando houver uma vacina.

Com 63,8 milhões de habitantes, segunda maior população da União Europeia, a França é um dos poucos integrantes do bloco que exige a aplicação de algumas vacinas, de acordo com levantamento da ECDC (agência europeia de doenças transmissíveis).

Dentre os maiores membros da UE, a França é o único em que é compulsória a vacina contra pneumonia (peumoccocus) em crianças. Dos 27 países da União Europeia, só 7 adotam essa regra.

Nenhum dos grandes países obriga a vacinação contra gripe.

Mesmo em casos de vacinas comprovadas contra doenças que podem matar crianças, como sarampo, a maioria dos governos europeus prefere a recomendação incisiva e campanhas de informação.

Optam pela obrigatoriedade a Itália e a França, que, no entanto, diz que ainda é prematuro para discutir qual será a exigência em relação ao coronavírus.

Qualquer decisão sobre vacinação, segundo o governo francês, "será baseada em dados científicos de ensaios clínicos".

Itália, em que algumas vacinas infantis são exigidas, e Espanha não informaram sobre seus planos para a imunização contra a Covid-19.

Já em Portugal, a atual legislação não permite vacinas obrigatórias. O princípio, previsto na Lei de Bases da Saúde e no Código Penal, é o do "consentimento informado": cada cidadão tem a palavra final sobre o que entra no seu corpo.

Em agosto, a Diretoria-Geral da Saúde portuguesa havia levantado a possibilidade de vacinação compulsória como uma exceção num momento de pandemia, mas, segundo advogados do país, isso requer autorização do Legislativo.

Segundo o Ministério da Saúde, a agência nacional de medicamentos deve definir quem receberá as primeiras doses, quando um imunizante estiver disponível.

De acordo com a União Europeia, 12 dos 30 países do bloco e do Espaço Econômico Europeu exigem a vacinação de crianças contra algumas doenças, embora a lista varie.

Há membros com altas taxas de cobertura tanto entre os de vacinação voluntária quanto nos de compulsória. O melhor modelo, segundo a UE, depende de fatores como seus sistemas de saúde, sistemas jurídicos e normas culturais.

Entre as políticas de incentivo adotadas estão campanhas de conscientização, recompensas financeiras para pais ou profissionais de saúde e sanções financeiras ou negação de entrada na escola ou no jardim de infância para os que não se vacinaram, mesmo nos países com imunização voluntária.

A Organização Mundial da Saúde afirmou que prefere "demonstrar o benefício e a segurança das vacinas, para sua maior aceitação possível, em vez de impor requisitos obrigatórios".

Robin Nandy, chefe de Imunização do Unicef (agência da ONU para a infância) também considera inadequado relacionar vacinação compulsória a um aumento da cobertura vacinal.

Em crítica a pesquisa publicada na revista da Academia Americana de Pediatria, ele afirma que boas campanhas são o principal fator para as altas taxas de vacinação.

Mesmo em países como a Hungria, que prevê multas para a abstenção, o sucesso da imunização se deve a "enfermeiros pediátricos fazem visitas domiciliares aos novos pais, mantêm os filhos registrados e acompanham sua vacinação", escreve Nandy.

"Em nossa opinião, a vacinação obrigatória é uma política que não avalia nem procura aliviar as causas profundas da baixa cobertura vacinal", diz o diretor.

Documento da União Europeia observa também que multas e regras surtem pouco efeito sobre cidadãos que relutam em se vacinar: antivaxxers preferem pagar multas a seguir as recomendações.

CONTINUE LENDO

Vantagem de Biden sobre Trump cai 2 pontos percentuais em uma semana

  • por Bruno Benevides | Folhapress
  • 26 Out 2020
  • 19:37h

Foto: Reprodução / Yahoo Notícias

As pesquisas de opinião mais recentes sobre a eleição americana indicam que a vantagem que o candidato democrata, Joe Biden, tinha sobre seu rival republicano, o presidente Donald Trump, encolheu ao longo da última semana.Segundo a média ponderada dos levantamentos calculada pelo site especializado FiveThirtyEight, a diferença entre os dois é de 8,7 pontos percentuais na manhã desta segunda-feira (26).

O democrata aparece com 51,8% das intenções de votos em todo o país, contra 43,1% do republicano. Isso significa que Biden perdeu 2 pontos de vantagem em uma semana — no dia 19, ele tinha 10,7 pontos sobre Trump, a maior diferença entre os dois durante toda a campanha. Apesar disso, o ex-vice de Barack Obama segue como favorito na disputa. Sua vantagem sobre Trump atualmente é 3 pontos superior a que Hillary Clinton tinha sobre o rival há quatro anos.

 

Segundo o mesmo site, o democrata tem 87% de chance de ser eleito o próximo presidente americano —há uma semana, ele tinha 88%—, contra 12% do rival,

Há ainda 1% de chance de nenhum dos dois conquistarem a maioria no Colégio Eleitoral, nome dado sistema indireto que escolhe o presidente americano.

O peculiar sistema eleitoral americano é sempre um desafio para quem quer entender a disputa, já que o vencedor não é obrigatoriamente o candidato mais votado pela população.

Trump, por exemplo, perdeu para Hillary em 2016 no voto popular, mas venceu em um número suficiente de estados para ser eleito presidente no Colégio Eleitoral.

Novamente segundo o FiveThirtyEight, a chance do republicano ser reeleito mesmo se perder o voto popular atualmente é de 9% —a possibilidade do mesmo acontecer com Biden é menor que 1%.

Assim, a chave para vencer a eleição é conquistar os chamados estados-pêndulo, que ora votam em republicanos, ora votam em democratas.

Biden está na frente na maioria deles, mas sua vantagem também caiu. É o caso da Pensilvânia, estado que tem a maior chance de decidir a eleição.

O democrata tem atualmente 5,6 pontos de vantagem sobre Trump ali -há 15 dias, a diferença era de 7,3 pontos.

O mesmo fenômeno ocorre em outros estados importantes, como o Arizona, a Flórida e a Carolina do Norte. Em todos, Biden viu sua vantagem se ampliar durante a primeira metade de outubro e, depois começar a cair.

CONTINUE LENDO

Papa Francisco defende união civil entre homossexuais

  • Raul Holderf Nascimento
  • 21 Out 2020
  • 15:39h

(Foto: Reprodução)

Desta vez, por causa de uma filme que entra em cartaz a partir de hoje, na Itália. Nele, o líder religioso diz que os homossexuais precisam ser protegidos por leis de união civil.

O documentário “Francesco” estreia em Roma nesta semana e nos Estados Unidos na semana que vem.

Para muitos, a declaração é a mais aberta que ele já teve até o momento sobre pautas LGBTIs.

“As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”, assegura.

“O que precisamos criar é uma lei de união civil. Dessa forma eles são legalmente contemplados. Eu defendi isso”, afirma o líder religioso, em outro trecho.

Apesar da posição mais progressista do Papa Francisco, a doutrina da Igreja sobre o tema permanece igual.

“Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta [aos homossexuais] como depravações graves, a Tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’. São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados”, trecho do Catecismo da Igreja Católica, número 2357.

Buscas no Google sobre transtornos mentais batem recorde na pandemia

  • Redação
  • 21 Set 2020
  • 10:18h

A expressão "como lidar" esteve presente entre as três perguntas mais buscadas em 2020 | Depressão (Foto: Igreja Plus)

Durante a pandemia da Covid-19 no Brasil, o número de buscas na internet por termos relacionados a transtornos mentais bateu recorde de 98%, em relação a média verificada nos anos anteriores, conforme dados obtidos com o Google pelo jornal O Estado de São Paulo. Recorde de interesse da última década, a pergunta “como lidar com a ansiedade?” obteve crescimento de 33% em relação a 2019. A expressão “como lidar” esteve presente entre as três perguntas mais buscadas em 2020, duas delas estão relacionadas a ansiedade e depressão. Outro questionamento dos brasileiros durante a pandemia que teve alta nas buscas foi sobre o significado de felicidade. Somente no mês de junho, a pergunta teve o maior volume de buscas dos últimos oito anos.

Serviço postal da Casa Branca intercepta correspondência com substância letal

  • 20 Set 2020
  • 07:38h

Foto: Joyce N. Boghosian / White House

Uma correspondência contendo a substância letal ricina e endereçada ao presidente Donald Trump, foi interceptada essa semana pelo serviço postal da Casa Branca. Segundo o G1, informações divulgadas pelo canal CNN revelaram que a carta, que tinha como origem o Canadá, passou por dois testes para atestar a presença da substância.   

Conforme apurado pelo jornal “The New York Times”, o envelope não chegou a ser levado para o centro de distribuição dentro da Casa Branca. Em contato com a agência Reuters, a polícia federal dos Estados Unidos garantiu que o caso não se configuraria como uma ameaça à segurança pública. As autoridades, no entanto, continuarão investigando.      Não é a primeira vez que uma carta contendo ricina é endereçada a um presidente norte-americano. Em 2013, uma correspondência semelhante tinha como destinatário o então presidente Barack Obama. Diante desses riscos, na sede de governo é feito um serviço de triagem para detecção de correspondências suspeitas. 

Equipe baiana vence maratona de programação da Agência Espacial Brasileira

  • Redação
  • 13 Set 2020
  • 08:19h

(Foto: Divulgação)

Formada pelos baianos de Vitória da Conquista, Gabriel de Paula Meira e Antonio Sena Meira, a equipe StrangerBots 404 venceu o Hackathon Espacial da Agência Espacial Brasileira (AEB), uma maratona de programação realizada entre 5 e 6 de setembro, com a participação de 93 grupos de diversos estados brasileiros. O segundo lugar ficou com a equipe RoverMP (GO), enquanto a IFSTARK (SE) garantiu a terceira colocação (clique aqui e veja o resultado completo).  Organizada pela AEB, autarquia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a maratona virtual consistiu em uma experiência científica de controlar um robô em simulação de transporte de materiais para uma base lunar e funcionou como atividade introdutória da 1ª Olimpíada Brasileira de Satélites do MCTI.  Os integrantes das três equipes terão seus nomes inscritos em um CubeSat (satélite miniaturizado) desenvolvido pela Universidade Federal do Maranhão que, após lançado, será utilizado como retransmissor de sinal para auxiliar na busca de embarcações perdidas no município de Raposa-MA.

Donald Trump anuncia proibição do TikTok nos Estados Unidos; será que o Brasil vai proibir também?

  • Redação
  • 01 Ago 2020
  • 09:49h

(Imagem Reprodução)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na sexta-feira (31) que vai proibir o uso do TikTok no país. As medidas que restringirão o uso da rede social devem ser anunciada neste sábado (1º). “No que diz respeito ao TikTok, estamos banindo-o dos Estados Unidos”, disse o presidente. De acordo com informações do G1, a declaração do presidente é uma reação à preocupação manifestada por autoridades americanas acerca da possibilidade de a plataforma ser usada como ferramenta para espionagem chinesa. Sem antecipar que medidas serão adotadas, Trump disse apenas que poderá usar poderes econômicos emergenciais ou uma ordem executiva parar banir o aplicativo da empresa ByteDance. O The Wall Street Journal e a agência Bloomberg já haviam informado ainda na sexta que Trump determinou a venda das operações americanas do TikTok diante da possibilidade de uso do serviço pela inteligência chinesa. Apesar de funcionários e membros do legislativo americano expressarem preocupação com o TikTok, a empresa responsável pelo aplicativo negou qualquer vínculo com o governo chinês.Nno Brasil ainda não há indícios de um possível bloqueio, mas há quem aposte que o  presidente Bolsonaro irá seguir Trump mais uma vez. É esperar para ver

Morre aos 104 anos Olivia de Havilland, atriz do clássico 'E O Vento Levou'

  • Bahia Notícias
  • 26 Jul 2020
  • 12:12h

Foto: Getty Images

 Morreu neste domingo (26), aos 104 anos, a atriz Olivia de Havilland, imortalizada pelo papel de Melania no filme “E O Vento Levou”, clássico hollywoodiano. Segundo o site da revista norte-americana Entertainment Weekly, a artista, que vivia em Paris, faleceu de causas naturais enquanto dormia.  
 
 Ela ganhou duas estatuetas de ouro do Oscar por sua performance como melhor atriz em "Lágrimas de Mãe" (1947 e "A Herdeira" (1950). Foi indicada outras três vezes, por "... E o Vento Levou" (1939), "A Porta de Ouro" (1941) e "Na Cova da Serpente" (1948).

 No clássico de 1939, ela interpretou Melanie, alvo da inveja da rebelde protagonista Scarlett O’Hara (Vivien Leigh), que cobiça o seu marido, Ashley (Leslie Howard).

 Além dos papéis marcantes na era de ouro do cinema, Olivia de Havilland ficou conhecida por derrubar o "studio system", esquema através do qual os grandes estúdios de Hollywood controlavam totalmente as carreiras dos atores, ditando quais papéis eles deveriam interpretar. 

 Insatisfeita com os filmes que a Warner Bros. a enviava, a atriz entrou com processo contra o estúdio em 1943 e venceu, se livrando do seu contrato e estabelecendo precedente para a ratificação de uma lei trabalhista que impede relações similares entre empregados e empregadores, conhecida até hoje como "Lei De Havilland".

Domínio Mundial: EUA determinam fechamento de consulado chinês; Pequim prepara retaliação

  • Redação
  • 22 Jul 2020
  • 13:12h

Governo norte-americana diz que decisão é para proteção de propriedade intelectual; país asiático vê provocação política | Foto: Reprodução

O governo dos Estados Unidos determinou o fechamento do consulado da China em Houston, no estado do Texas, em meio à escalada de tensões entre os dois países. A ordem foi dada nesta quarta-feira (22), segundo informações do jornal Folha de S. Paulo. De acordo com a publicação, o Departamento de Estado americano disse que a medida é uma resposta a uma série de ações feitas por Pequim que violaram a soberania dos EUA. Segundo o comunicado da pasta, o objetivo é “proteger a propriedade intelectual americana e as informações privadas dos americanos”. Autoridades chinesas condenaram o fechamento do consulado, classificado pelos diplomatas como uma “provocação política que viola gravemente o direito internacional”. “A China condena esta decisão escandalosa e injustificada”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin. Ele pediu que Washington recue na medida e prometeu uma retaliação caso isso não aconteça

Donald Trump aparece em público usando máscara pela primeira vez

  • Bahia Notícias
  • 12 Jul 2020
  • 14:49h

Foto: Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apareceu em público usando máscara pela primeira vez neste sábado (11). Cedendo à forte pressão para dar exemplo de saúde em meio ao avanço da pandemia do coronavírus no país, o mandatário americano percorreu os corredores do hospital militar Walter Reed, localizado nos arredores de Washington, usando o item na cor preta. Ele visitou veteranos feridos.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, os EUA registram mais de 3,2 milhões de infectados pela Covid-19, com quase 135 mil de pessoas mortas. O balanço foi atualizado na noite deste sábado. É o país mais afetado pela doença no mundo.

Febre nas redes sociais, FaceApp é investigado pelo FBI por roubo de dados

  • Bianca Andrade
  • 15 Jun 2020
  • 17:29h

(Foto: Reprodução)

Em tempos de isolamento social, a internet vem sendo o espaço ideal para matar o tédio e passar o tempo ocioso. Com isso, o aplicativo FaceApp voltou a ser febre nas redes sociais. A brincadeira com o aplicativo faz com que homens se transformem em mulheres e vice-versa, além de envelhecer algumas imagens. Diversos famosos se renderam ao aplicativo e compartilharam as imagens em suas redes sociais. Mas é necessário manter o alerta ligado com a plataforma. Criado pela empresa russa Wireless Lab, o aplicativo foi acusado de roubar dados pessoais dos usuários, chegou a ser investigado pelo FBI e no Brasil recebeu uma notificação do Procon. O “roubo” acontece ao aceitar os termos de uso da plataforma e autorizar o app a coletar e utilizar de algumas das suas informações pessoais, como dados de navegação e fotos. O acesso a todas esses dados é informado pela própria plataforma em sua política de privacidade.

 

“Usamos ferramentas de análise de terceiros para nos ajudar a medir o tráfego e as tendências de uso do serviço. Estas ferramentas reúnem informação enviada pelo seu dispositivo ou pelo nosso serviço, incluindo as páginas web que visita, add-ons, e outra informação que nos ajude a melhorar o serviço. Reunimos e usamos esta informação analítica juntamente com informação analítica de outros utilizadores, para que não possa ser usada para identificar qualquer utilizador individual em particular”.

Para quem ficou com medo e deseja remover seus dados da plataforma é necessário entrar na aba de “Configurações” do aplicativo, clicar em “Suporte”, selecionar “Reportar erros e enviar logs” e fazer sua solicitação. Ou então simplesmente desativar as permissões de acesso nas configurações do seu Smartphone.

Alguns especialistas em tecnologia, no entanto, tranquilizam os usuários do aplicativo. Todas as informações fornecidas para o FaceApp já estão disponíveis em outras redes sociais como Facebook, Twitter, LinkedIn além de outros aplicativos como o WhatsApp e Instagram.

O advogado Michael Bradley disse em entrevista ao ABC News que a atenção precisa ser redobrada assim como qualquer outro aplicativo que a pessoa use. “Qualquer um que tenha colocado seu rosto [em uma plataforma] online com seu nome e outros dados de identificação – por exemplo, qualquer pessoa com um perfil de rede social ou site – já está muito vulnerável a ser capturado digitalmente para futuros usos de reconhecimento facial”, alertou Bradley que garante que o perigo do FaceApp não é muito grande.

Além da polêmica com os dados, a inteligência artificial do aplicativo foi acusada de racismo ao embranquecer pessoas negras a partir de um filtro de embelezamento para tornar a selfie do usuário “mais sexy”. Os desenvolvedores da plataforma chegaram a se desculpar publicamente pelo ocorrido.

“Nossas desculpas por este problema inquestionavelmente sério. É um efeito indesejável da rede neural do aplicativo, mas não é um comportamento que desejamos. Para resolver o problema, nós renomeamos o efeito para excluir qualquer conotação associada a ele. Também estamos trabalhando para encontrar uma solução definitiva”, declarou via nota.

CONTINUE LENDO

Mistérios sobre a possível morte de Kim Jong-un não foram ainda esclarecidos

  • Redação
  • 26 Abr 2020
  • 10:09h

A morte do "homem foguete" ainda não foi confirmada pela Coreia do Norte (Foto: Reprodução)

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, voltou a ser o foco das atenções do mundo nos últimos dias, depois de relatos conflitantes sobre o seu paradeiro. O sumiço dos compromissos públicos levantou especulações sobre sua real condição de saúde. No início da semana passada, um veículo de imprensa da Coreia do Sul noticiou que Kim estaria se recuperando de uma cirurgia no coração, feita no dia 12 de abril. Dias depois, os rumores sobre o seu estado de saúde, inclusive sobre uma possível morte, ganharam tração com a sua ausência foi notada em uma das mais importantes celebrações da Coreia do Norte: o aniversário do fundador do regime, e avô de Kim, Kim Il-Sung, em 15 de abril.

 

Há poucas informações pessoais disponíveis sobre o atual líder norte-coreano, mas acredita-se que tenha 36 anos e que tenha problemas de saúde em razão do cigarro e da obesidade.

Mas, afinal, o que está acontecendo na alta cúpula da Coreia do Norte, um dos países mais fechados e misteriosos do mundo? Para responder essa pergunta, EXAME reuniu alguns pontos. Veja abaixo:

Kim Jong-un está morto?

Antes de mais nada, vale lembrar que não há qualquer informação oficial sobre o assunto, mas sim especulações. Pelo menos até agora. A polêmica em torno da sua saúde está tão em alta, que até um site especializado em notícias de celebridades falou sobre o assunto, o americano TMZ. A nota diz que Kim estaria morto e cita veículos de imprensa da China e do Japão. O site, no entanto, deixou a observação de que não havia confirmado a veracidade da informação. No último sábado, a agência Reuters informou que a China enviou uma equipe médica para auxiliar nos cuidados com a saúde de Kim, mas não conseguiu determinar o que essa visita significaria para o estado de saúde do líder norte-coreano. Ainda no final da última semana, outro veículo de imprensa, baseado em Hong Kong, noticiou que ele estaria morto ou “em estado vegetativo”. Até o momento, no entanto, a imprensa norte-coreana, que é controlada pelo regime, continua sem se manifestar sobre o tema.

Quando Kim foi visto pela última vez?

A Yonhap, agência de notícias sul-coreana, que também atua na cobertura dos desdobramentos no vizinho do Norte, noticiou que a última aparição pública de Kim foi em 11 de abril. Na época, ele teria participado de uma reunião com a alta cúpula do governo. Há, ainda, imagens da imprensa oficial do país que mostram Kim visitando um local de exercício militar no dia 12 de abril. Vale notar, no entanto, que foi sua ausência nos eventos do dia 15 de abril que fizeram estourar as especulações sobre o seu estado de saúde. Outra evidência que contradiz os relatos sobre a saúde de Kim veio por meio do grupo de pesquisas 38 North, focado no monitoramento das atividades na Coreia do Norte. De acordo com os pesquisadores, o trem do líder norte-coreano foi detectado em uma região de resorts na costa do país, Wonsan, no início da última semana. Um oficial sul-coreano ouvido pelo grupo confirmou a presença dele no local.

CONTINUE LENDO

Páscoa une cristãos durante a pandemia de coronavírus

  • 12 Abr 2020
  • 08:30h

Mesmo respeitando o isolamento social por causa da expansão da covid-19, fiéis participam hoje da celebração pascal em suas casas | Foto: Divulgação

A relação direta entre a pandemia do novo coronavírus que atinge o mundo e o momento da instituição da Eucaristia por Jesus na Última Ceia com os apóstolos e mais a Via Crucis e a Páscoa (ressurreição) tem um significado profundo, como observa Dom Alberto Taveira Corrêa. “Toda a vida cristã se baseia no mistério pascal, passar da morte para a vida, na Ressurreição de Cristo. Tudo o que vivemos deve e pode ser acolhido transformando dor em amor. Assim, maiores desafios nos fazem abraçar tudo como Cruz, oportunidade para um amor maior, na esperança do dia luminoso que virá de novo, como experimenta a Igreja na Páscoa de Jesus. Nos dias desafiadores diante do novo coronavírus, o arcebispo metropolitano mantém a postura do cristão consciente de que os obstáculos serão superados. “Estamos vendo imensa criatividade, solidariedade, caridade. Parece que, como ouvi um comentário, foi necessário um vírus, inimigo invisível, para acordar a humanidade. Espero que o mundo fique diferente para melhor quando tudo passar”, enfatiza. Acerca de sua mensagem de Páscoa, dom Alberto destacou o texto que redigiu nesse sentido: “Cantai, cristãos, afinal: Salve ó vítima Pascal! Cordeiro inocente, o Cristo abriu-nos do Pai o aprisco. Por toda ovelha imolado, do mundo lava o pecado. Duelam forte e mais forte: é a vida que enfrenta a morte. O rei da vida, cativo, é morto, mas reina vivo! Responde, pois, ó Maria: no teu caminho o que havia? Vi Cristo ressuscitado, o túmulo abandonado. Os anjos da cor do sol, dobrado ao chão o lençol. O Cristo, que leva aos céus, caminha à frente dos seus! Ressuscitou de verdade! Ó Cristo rei, piedade!” (Sequência do Domingo de Páscoa). “O duelo continua, no correr na história, mas é certa a vitória da vida, na força do Cristo ressuscitado. Santa e verdadeira Páscoa, com aquele que reina vivo! Aleluia!”, arremata.

Número de mortos da Itália salta 25% em um dia e chega a 1.809

  • G1
  • 15 Mar 2020
  • 17:19h

País registrou 368 novas mortes neste domingo (15). O número de casos positivos aumentou para 24.747, com 3.590 novos casos. | Foto: Manuel Silvestri/Reuters

A Itália registrou 368 novas mortes relacionadas com o novo coronavírus em 24 horas, o que eleva o número de vítimas fatais a 1.809 no país, o mais afetado da Europa, segundo um balanço divulgado neste domingo (15) pela Proteção Civil. Como no sábado (14), o número de infectados também aumentou, com 3.590 novos casos em 24 horas, quase 100 a mais que o aumento do dia anterior, elevando o total a quase 25.000. A região de Milão, na Lombardia (norte), continua sendo a mais afetada, com 1.218 mortos e 13.272 casos. O chefe do instituto nacional de saúde da Itália, Silvio Brusaferro, disse que não se sabe se a Itália está atingindo seu pico e pode começar a ver o número de novos casos diminuir. A Europa tenta estabelecer medidas de proteção ante o avanço da pandemia do novo coronavírus, que já causou 2 mil mortes no continente. O vírus começa a derrubar o princípio de uma União Europeia quase sem fronteiras: as autoridades da Alemanha decidiram fechar a partir de segunda-feira (16) as fronteiras do país com a França, Suíça e Áustria. Paris também anunciou um reforço nos controles da fronteira com a Alemanha, mas sem o fechamento parcial como decidiu o governo do país vizinho. A pandemia superou a barreira de 6 mil mortes e 160 mil infectados em todo o mundo, segundo contagem de agências internacionais. Mas, apesar dos temores, os franceses comparecem neste domingo às urnas para eleições municipais. A participação era visivelmente baixa às 17h (13h em Brasília): 38,77% contra 54,72% no primeiro turno em 2014, data das últimas municipais. A votação foi ofuscada pelo coronavírus, que já infectou 4.499 pessoas e deixou 91 mortos no país. A Espanha – segundo país mais afetado da Europa, atrás da Itália – registra 288 mortes, 100 a mais que no sábado, e 7.753 infectados, 2 mil pessoas a mais que na véspera. O primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez, anunciou no sábado à noite sérias restrições aos 46 milhões de habitantes, que só poderão sair de suas casas para comprar alimentos ou remédios, comparecer a centros médicos, para seguir até o trabalho ou para cuidar de pessoas dependentes (crianças, idosos e pessoas com necessidades especiais).