BUSCA PELA CATEGORIA "Educação"

Sisu, Prouni e Fies: veja datas para o 1º semestre de 2020

  • G1
  • 27 Dez 2019
  • 15:04h

(Foto: Reprodução)

Os candidatos que fizeram a edição 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderão ver o resultado em 17 de janeiro de 2020. Com as notas em mãos, os estudantes devem ficar atentos aos cronogramas do primeiro semestre do Sisu, do Prouni e do Fies, que já foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC). O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é o sistema do MEC que reúne centenas de milhares de vagas de graduação em universidades públicas brasileiras. Para participar do Sisu em 2020, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, e não ter tirado nota zero na prova de redação. Cronograma do Sisu 2020:

  • Abertura das inscrições: 21 de janeiro
  • Fim das inscrições: 23h59 de 24 de janeiro
  • Resultado: 28 de janeiro

    O Programa Universidade Para Todos (Prouni) oferece bolsas de estudo parciais (que cobrem 50% da mensalidade) e integrais em universidades privadas em cursos de graduação e de cursos sequenciais de formação específica. O programa tem dois critérios de avaliação: desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a avaliação da renda familiar.

    Cronograma do Prouni 2020: 

  • Início das inscrições: 28 de janeiro de 2019
  • Fim das inscrições: 31 de janeiro de 2019 (às 23h59)
  • Primeira chamada: 4 de fevereiro de 2019
  • Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 4 a 11 de fevereiro de 2019
  • Segunda chamada: 18 de fevereiro de 2019
  • Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 18 a 28 de fevereiro de 2019
  • Adesão à lista de espera: 6 a 9 de março de 2020
  •  

  • O Programa de financiamento Estudantil (Fies) é um programa de financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas e, atualmente, possui duas categorias: a primeira, oferece vagas com juros zero para os estudantes com renda mensal familiar de até três salários mínimos. Já a segunda, chamada P-Fies, é direcionada para os estudantes com renda mensal familiar de até cinco salários mínimos. Cronograma do Fies 2020:

  • Inscrições: 5 a 12 de fevereiro
  • Pré-seleção: 26 de fevereiro
  • Chamada da lista de espera: 26 de fevereiro a 31 de março

MEC diz que vai testar projeto de educação integral no ensino fundamental

  • G1
  • 27 Dez 2019
  • 13:11h

(Foto: Reprodução)

O Ministério da Educação pretende, em 2020, elaborar um projeto-piloto de implantação de ensino integral com turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental de 40 escolas. Segundo nota divulgada no site oficial do MEC nesta quinta-feira (26), o secretário de Educação Básica, Janio Macedo, afirmou que a proposta é trabalhar com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) "para desenvolver um programa que será lançado oficialmente em 2021". Um dos objetivos é combater a evasão escolar. "Se analisarmos o nosso percurso educacional, vamos verificar que, do 5º ano para o 6º ano do ensino fundamental e do 9º ano para a 1º série do ensino médio, perdemos muitos estudantes. Seja por abandono ou repetência", explicou ele. Para o ensino médio, o secretário disse que o programa Ensino Médio em Tempo Integral deve ser ampliado para 500 novas escolas e 40 mil novas vagas, chegando a um total de 1.527. No início do ano, 9,5% das matrículas no ensino médio eram em tempo integral.

 

67% dos brasileiros apoiam educação gratuita a todos na universidade, diz Datafolha

  • G1
  • 23 Dez 2019
  • 11:06h

(Foto: Reprodução)

Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (22) pelo jornal "Folha de S.Paulo" mostra que para 67% dos brasileiros o governo deve oferecer educação gratuita no ensino superior a todos os brasileiros. O levantamento mostra ainda que 70% dos entrevistados acreditam que a educação deve ser gratuita nas creches. No ensino fundamental e médio, 79% compartilham a opinião. A pesquisa foi realizada com 2.948 entrevistados em todo o Brasil nos dias 5 e 6 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais. A proporção dos que consideram que o Estado só deve oferecer educação a quem não pode pagar é de 18% no nível fundamental e médio, 28% nas creches e 29% no ensino superior. Segundo a Folha, o apoio à oferta de educação gratuita é majoritário para todos os níveis de ensino e em todos os recortes do levantamento: por cor, gênero, escolaridade, idade, ocupação, região, religião, renda, porte do município, partido de preferência, avaliação do governo Jair Bolsonaro, confiança no presidente e autoclassificação política. A pesquisa apontou ainda que a maioria dos entrevistados que aprovam o governo de Bolsonaro acredita que o governo deve oferecer ensino superior a todos e não só a quem pode pagar. O mesmo se dá entre os que se classificam à direita do espectro político: 61%. Dos que se classificam à esquerda, o percentual é de 67%. Já quem se autodefine como centro-esquerda e de centro totalizam 73%.

Fies exigirá 400 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio

  • Bahia Notícias
  • 22 Dez 2019
  • 15:09h

(Foto: Pexels)

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) vai começar a exigir nota mínima de 400 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Esta foi uma das mudanças aprovadas pelo Comitê Gestor do Fies. Além disso, a partir de 2021, o programa poderá ter uma redução na oferta de vagas financiadas pelo governo federal. Até então, não havia a exigência de uma nota mínima na redação do Enem, era necessário apenas não ter zerado a prova, mesmo critério usado para seleção de estudantes para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferta vagas em universidades públicas, e para o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior, de acordo com a Agência Brasil. Agora, além da nota mínima na redação, continua valendo a regra de nota média mínima de 450 pontos nas provas objetivas do Enem. Ficou também mais difícil mudar de curso dentro da instituição de ensino. Agora, para serem transferidos, os estudantes beneficiados pelo Fies precisam ter resultado igual ou superior à nota de corte do curso de destino desejado. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), as mudanças foram feitas para garantir “a meritocracia como base para formar profissionais ainda mais qualificados”.

Resultados do Enem 2019 serão divulgados em 17 janeiro, diz Inep

  • G1
  • 18 Dez 2019
  • 18:06h

(Foto: Ana Carolina Moreno/G1)

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 serão divulgadas em 17 de janeiro de 2020, informou nesta quarta-feira (18) o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Para acessar, os candidatos que fizeram o exame deverão acessar a Página do Participante, incluir o CPF e a senha cadastrada. A nota do Enem só pode ser consultada individualmente. Participantes que fizeram a prova como “treineiro”, ou seja, aqueles que ainda não concluíram o ensino médio, terão que esperar até março do ano que vem para acessar o boletim individual. Com a nota do Enem 2019, os candidatos poderão se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020. A inscrição é feita pelo site do programa, mas o prazo ainda não foi anunciado pelo Inep. Pode fazer a inscrição no Sisu, no primeiro semestre de 2020, o estudante que participou do Enem de 2019 e obteve nota na redação diferente de zero. O candidato poderá, durante a inscrição, escolher até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu. Além do Sisu, as notas do Enem podem ser usadas pelos candidatos no Programa Universidade para Todos (ProUni), Financiamento Estudantil (Fies), e em 41 universidades de Portugal.

 

 

Um ano após eleição, nova reitora do IFBA ainda não tomou posse e Procuradoria pede explicação a ministro da educação

  • G1
  • 17 Dez 2019
  • 18:02h

(Foto: IFBA)

Um ano após vencer a eleição, a nova reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), Luzia Mota, ainda não tomou posse do cargo. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), que integra o Ministério Público Federal (MPF), encaminhou, na segunda-feira (16), um pedido de informações ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, para que ele apresente os motivos da não realização da posse da professora. Segundo informações da PFDC, o processo eleitoral que elegeu Luzia Mota como reitora do IFBA no período de 2019 a 2023 foi realizado em 13 de dezembro de 2018. A docente foi eleita com 32,2% dos votos válidos. O ofício encaminhado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão estabelece um prazo de cinco dias para que o ministro da Educação apresente as informações solicitadas. Ao G1, o Ministério da Educação (MEC) informou que o processo para nomeação da reitora Luzia Mota está em andamento. Após a eleição, de acordo com o MEC, foram encontradas "inconsistências no rito eleitoral", o que impediu a nomeação até que fossem sanadas. O processo está seguindo os trâmites legais, segundo o MEC. Entretanto, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão informou que o pedido de suspensão temporária do processo, determinado pelo secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Ariosto Antunes Culau, é uma decisão "ilegal e imoral" porque eles acreditam que a propositura de uma ação judicial, sem liminar, não tem o direito de paralisar a atividade administrativa do IFBA. Ainda segundo o PFDC, a Lei 11.892/2008 - que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - não prevê a possibilidade de designação de reitor pro tempore. A procuradoria afirma que existe um decreto que admite a possibilidade da desocupação do cargo se o pedido for feito antes do término do mandado do reitor. O G1 entrou em contato com o IFBA, mas até a última atualização desta reportagem não recebeu o posicionamento.

MEC usou dados falsos para fechar TV Escola, diz direção em nota

  • UOL
  • 16 Dez 2019
  • 08:09h

(Foto: Reprodução)

A decisão do Ministério da Educação (MEC) de não renovar o contrato da TV Escola pegou mal até entre os eleitores de Jair Bolsonaro e os seguidores de Olavo de Carvalho que apoiavam o ministro Abraham Weintraub. E, segundo a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), que geria a TV Escola até ser "despejada" do prédio do MEC nesta semana, foi justificada com argumentos orçamentários duvidosos: "O MEC misturou números para confundir o povo brasileiro", acusa a Roquette Pinto, que ressalta estar alinhada à política educacional do governo Bolsonaro. Nota divulgada pela Roquette Pinto nesse sábado (14), um dia depois de Weintraub bater-boca com seguidores bolsonaristas no Twitter, diz que "a proposta de um novo contrato com a ACERP previa um investimento ao redor de R$ 70 milhões por ano na TV Escola, muito próximo do valor previsto para 2019, quantia essa que compromete apenas 0,06% do orçamento do MEC previsto para este ano, segundo o Portal da Transparência".  "Os conselheiros do Ministério, em uma reunião no mês de novembro, votaram a favor da renovação com esse mesmo valor", acrescenta a associação, que ainda afirmou: "Importante destacar que o MEC, com orçamento de R$ 148 bilhões, lança, no início de dezembro, o programa de Literacia Familiar, uma das principais e únicas entregas da equipe ministerial atual. A produção dos vídeos foi feita pela TV ESCOLA, sem custo extra ao ministério, o que é mais uma vantagem do modelo de Organização Social". Weintraub, por sua vez, disse no Twitter que esse valor de R$ 70 milhões/ano só seria obtido se o contrato com a Roquette Pinto fosse reduzido pela metade. "Deixo claro: defendo reduzir o Estado. Já pagamos muito imposto. O contrato, caindo pela metade, era de R$ 350 milhões por 5 anos. Tem coisa melhor a fazer com esse dinheiro. O dia que não tiver, corte-se impostos", escreveu o ministro ao tentar justificar a não renovação do contrato da TV Escola em uma discussão nas redes sociais.

Weintraub diz que sua gestão abriu cinco universidades federais, mas instituições são fruto do governo Temer

  • UOL
  • 14 Dez 2019
  • 12:08h

(Foto: Reprodução)

Replay Não passou despercebida a fala de Abraham Weintraub (Educação), na quinta (12), de que a sua gestão abriu cinco universidades federais em 2019, nas suas palavras, “a maior expansão em décadas”. Meu ex Expectadores, porém, lembram que as instituições citadas –Jataí (GO), Catalão (GO), Agreste de Pernambuco, Rondonópolis (MT) e Delta do Parnaíba (PI)– foram criadas por leis aprovadas em 2018, no governo Michel Temer.

'Novo Einstein': conheça a rotina do menino de nove anos que vai se formar em engenharia elétrica

  • G1
  • 09 Dez 2019
  • 08:09h

(Foto: Reprodução)

O coração derretido com o cachorro, os olhos vidrados no videogame e o bocão aberto diante de um cheeseburger podem até enganar. Quem vê o jovem Laurent em casa poderia pensar que ele é um menino comum de nove anos. Mas o garoto superdotado está prestes a ser formar em engenharia elétrica em uma universidade holandesa. Sim, aos nove anos. No teste mais usado para se medir inteligência, chamado "QI", um resultado entre 90 e 109 mostra uma inteligência normal. Laurent marcou 145. A mãe, Lydia, conta que custou a perceber a inteligência do filho: "Os avós sempre falavam que ele era especial, muito inteligente… Mas achamos que avós são sempre babões e não levamos muito a sério." Laurent agora se prepara para entregar o trabalho de conclusão de curso. Assista à reportagem para entender melhor a história do 'novo Einstein'.

Países 'top' no ensino valorizam professor e igualdade entre alunos

  • G1
  • 06 Dez 2019
  • 09:04h

(Foto: Reprodução)

Os países que lideram o ranking mundial da educação, de acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), investem na valorização de professores e em ações para diminuir a desigualdade entre alunos e escolas. A análise é da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), responsável pelo teste. E as estratégias, se replicadas por aqui, poderiam ajudar o Brasil a melhorar o índice nacional, avalia Camila de Moraes, analista de educação da entidade. "Países têm estratégias diferentes para melhorar seus sistemas de educação. Porém, podemos observar alguns pontos em comum entre os países com melhor desempenho no Pisa, entre eles estão uma maior equidade entre alunos e escolas de níveis socioeconômicos diferentes e a valorização da carreira docente." – Camila de Moraes, da OCDE. O Pisa é aplicado a cada três anos e avalia a aprendizagem em leitura, matemática e ciência. Os resultados do Pisa 2018 para o Brasil indicam que 68% dos estudantes de 15 anos não sabem o básico de matemática; 55,3% apresentam baixo desempenho em ciência e 50,1% têm baixo desempenho em leitura.

Brasil cai em ranking mundial de educação em matemática e ciências; e fica estagnado em leitura

  • G1
  • 03 Dez 2019
  • 13:04h

O Brasil não conseguiu registrar avanços significativos no desempenho dos estudantes em leitura, em matemática e em ciências no mais importante ranking mundial de educação. O resultado do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês) divulgado nesta terça-feira (3) aponta ligeiro aumento da nota média, mas os estudantes brasileiros seguem entre os últimos 10 colocados na prova de matemática. O exame, cujas provas foram aplicadas no ano passado, é realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os resultados negativos para a educação brasileira foram verificados mesmo com a expansão da lista dos países participantes, que passaram de 70 para 80. Em leitura, o Brasil conseguiu manter sua posição de 2015, mas ainda está atrás de mais de 50 países e regiões econômicas. Já em ciência, o país caiu algumas posições, para uma colocação abaixo de pelo menos 65 participantes.

MEC lança aplicativo para carteirinha de estudante digital

  • G1
  • 25 Nov 2019
  • 14:05h

(Foto: Reprodução)

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta segunda-feira(25) o lançamento do aplicativo de celular em que será possível emitir a carteirinha estudantil digital. O ID Estudantil é gratuito e garante ao aluno o direito ao benefício de meia entrada em shows, teatro e outros eventos culturais. Segundo o MEC, 57,9 milhões de estudantes brasileiros serão beneficiados com o programa. Durante o lançamento, o ministro da Educação destacou que o programa digital irá garantir uma economia superior a R$ 1 bilhão. “Dependendo, o valor pode chegar a 2 bilhões. Com isso, a gente espera gerar um ganho maior para a comunidade”, afirmou Abraham Weintraub. Atualmente, uma lei de 2013 prevê que a carteirinha seja emitida por entidades como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). Atualmente, ambas cobram R$ 35 pela carteira, além do frete. Esse serviço é uma das principais fontes de recursos das entidades e já foi criticado pelo ministro da Educação. No atual sistema, a UNE fica com 20% do valor (R$ 7), e a Ubes, com 25% (R$ 10,50). Os alunos que quiserem manter a carteirinha tradicional poderão solicitá-las junto às instituições e pagar o valor pedido.

Escolas pedem CPF de alunos após novo sistema de ministério

  • G1
  • 20 Nov 2019
  • 11:05h

( Foto: Reprodução/MEC)

Um novo sistema do Ministério da Educação, criado em setembro por meio de medida provisória, fez com que escolas privadas de educação básica passassem a solicitar o CPF de seus estudantes. Batizado de Sistema Educacional Brasileiro (SEB), o programa já tem um site oficial (http://seb.inep.gov.br/). "Conhecer o perfil dos estudantes e das instituições brasileiras nos ajuda a investir em suas trajetórias", diz o MEC na página inicial do site. Uma das funções do SEB será permitir a criação da carteirinha de estudante digital, emitida pelo governo (veja mais abaixo). Segundo as regras do sistema, que foram publicadas pela primeira vez em 18 de outubro, mas sofreram alterações em 1º de novembro, o MEC será o "gestor dos dados", enquanto o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) ficará com a função de "custodiante de dados". O SEB foi regulamentado em outubro, mas foi criado em setembro quando o governo federal publicou uma medida provisória alterando a lei da meia entrada para estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens carentes em eventos culturais. Isso quer dizer que, caso ela não seja convertida em lei no Congresso Nacional dentro de um determinado período, ela perde a validade. Segundo a Câmara dos Deputados, a validade dessa MP em específico termina em 16 de fevereiro. Abrangência e obrigatoriedade. O G1 entrou em contato com o Ministério da Educação (MEC) e aguarda resposta para dúvidas como: os pais são obrigados a fornecer o CPF dos filhos para as escolas? As instituições sofrerão punições e têm prazo para enviar essas informações? Os alunos que não informarem os CPFs podem ter limitação no acesso a algum serviço do MEC?

Inep anula questão do Enem 2019 por causa de repetição

  • G1
  • 19 Nov 2019
  • 13:10h

( Foto: Reprodução/Inep)

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou, na manhã desta terça-feira (19), a anulação de uma questão da prova de ciências humanas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 (veja acima). Segundo o instituto, por causa da metodologia do Enem, a Teoria de Resposta ao Item (TRI), "a anulação de um item, ou mesmo a aplicação de provas com itens diferentes, não compromete o processo de estimação da nota das participantes". Segundo o Inep, a questão não tem problemas no enunciado ou nas alternativas; o motivo da anulação foi o fato de ela já ter aparecido no Enem 2018, no chamado Caderno de Questões Braille e Ledor. "O caderno Ledor é preparado para os aplicadores que atuam como ledores para os participantes que, por algum motivo, solicitam auxílio para a leitura da prova como recurso de acessibilidade", explicou a autarquia. Esse atendimento específico para candidatos com deficiência pode fazer com que algumas questões do caderno de provas desses candidatos sejam diferentes dos demais candidatos. O Inep diz que isso acontece quando é preciso substituir uma questão com recursos visuais, como os gráficos e as imagens, por outras, já que o trabalho de descrição desses recursos tornaria a questão difícil demais para a compreensão dos participantes com deficiência.

Programa Mais Futuro abre inscrições para pedido de auxílio permanência para estudantes universitários

  • G1
  • 16 Nov 2019
  • 11:06h

(Foto: Reprodução)

A Secretaria da Educação do Estado (SEC) abriu, na sexta-feira (15), as inscrições do Mais Futuro, projeto que garante auxílio permanência aos estudantes das quatro universidades estaduais (Uneb, Uefs, Uesc e Uesb). A iniciativa beneficia estudantes em condições de vulnerabilidade socioeconômica e inscritos no CadÚnico, para que possam permanecer nas universidades e concluir suas graduações. O programa também oferece oportunidades de estágio no setor público. As inscrições segue até o dia 27 de novembro pelo Portal da Educação.