BUSCA PELA CATEGORIA "Educação"

Ministério da Saúde, CNPq e Fundação Gates investirão US$ 2,5 mi em pesquisas no Brasil

  • Ministério da saúde
  • 01 Dez 2018
  • 16:19h

O Ministério da Saúde, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação Gates, irá investir US$ 2,5 milhões em 25 pesquisas brasileiras que objetivam melhorar a Saúde Materno-Infantil no Brasil e a Resistência aos Antimicrobianos. A ação é fruto do Grand Challenges Explorations (GCE), grupo que financia ideias e soluções inovadoras em todo o mundo, voltada apenas para pesquisadores brasileiros. Cada projeto receberá 100 mil dólares para desenvolver suas ideias em 18 meses. A expectativa é que eles auxiliem gestores a definir melhores políticas públicas nestas duas áreas. Para o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde, Marco Fireman, a parceria permitirá que o Ministério da Saúde elabore ações para aprimorar a saúde pública. “O SUS é o maior sistema público de saúde do mundo e atende um país diverso e de dimensões continentais. Essa é uma parceria estratégica porque nos permite compreender os perfis da nossa população e alimentar os nossos bancos de dados, o que colabora para uma melhor orientação das políticas públicas. Além disso, apresenta soluções reais e a baixo custo que possam, de fato, ser implementadas”, afirma Marco Fireman. Dentre as 25 ideias selecionadas pelo edital, está a criação de um sistema sustentável e de baixo custo para remover bactérias resistentes a antibióticos de esgotos e efluentes. Um outro projeto envolve o cruzamento de indicadores de saúde com informações sobre poluição do ar para identificar possíveis impactos das emissões na saúde de gestantes e crianças. Desde 2007, o Grand Challenges Explorations (GCE) financia ideias e soluções inovadoras do mundo inteiro para grandes desafios em saúde, desenvolvimento e agricultura. Entre eles, por exemplo, estão a nova geração da camisinha e inovações para garantir o transporte de vacinas nas áreas mais remotas do planeta. Desde 2009, 14 brasileiros foram apoiados por essas chamadas abertas a inovadores do mundo todo. Esse primeiro grupo GCE é um dos resultados da parceria entre o Ministério da Saúde, da Fundação Gates e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) firmada em 2011 e renovada em 2017. Pelo acordo, ambas as partes investem igualmente em projetos de pesquisa. Além do financiamento de 100 mil dólares da Fundação Gates, os brasileiros ainda podem receber um adicional de 25% a 50% do valor total de 17 Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) de seus estados. No Brasil, uma parceria com as FAPs garante aporte adicional de 25.000 a 50.000 dólares a inovadores de seus estados que tiverem suas ideias selecionadas pelo programa.

Ano letivo nas escolas estaduais terminam em 12 de dezembro; nas municipais, aulas vão até 19 ou 27/12

  • 30 Nov 2018
  • 09:09h

Foto: Secretaria de Educação da Bahia/Divulgação

Os estudantes dos colégios estaduais e municipais já sabem a data de encerramento do ano letivo de 2018.Segundo informações da Secretaria de Educação do Estado, o fim das aulas está agendado para 12 de dezembro. Entretanto, os alunos que precisarem fazer recuperação terão aula até o dia 28 de dezembro.Já a Secretaria de Educação de Salvador informou que as aulas dos colégios onde não houve greve irão até o dia 19 de dezembro. Já n unidades onde houve greve, a conclusão do ano letivo será no dia 27 de dezembro.De acordo com a Secretaria de Educação da Bahia, o ano letivo de 2019 dos alunos da rede estadual começa no dia 11 de fevereiro. 

Começa nesta quinta-feira (29) pré-matrícula da rede estadual para estudantes com deficiência

  • 29 Nov 2018
  • 11:05h

Foto: Suami Dias/GOVBA

Começa nesta quinta-feira (29) a pré-matrícula da rede estadual de ensino para estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e/ou altas habilidades/superdotação. A inscrição é feita no site da Secretaria da Educação da Bahia. O autoatendimento estará disponível entre as 8h da quinta-feira e as 20h da sexta (30). Na pré-matrícula deve ser informado o tipo de deficiência que o estudante possui, com ou sem diagnóstico comprovado, e preenchidos todos os campos do sistema. Para efetivação da matrícula, a documentação dos estudantes inscritos terá que ser entregue na unidade escolar indicada no cadastro, no dia 31 de janeiro de 2019.

Documentação

Tanto para a pré-matrícula quanto para a matrícula será preciso apresentar na unidade escolar os seguintes documentos:

  • Original do Histórico Escolar
  • Original e cópia da Cédula de Identidade ou Certidão de Registro Civil
  • Original e cópia do CPF
  • Original e cópia legível com data recente do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU, cartão de crédito ou TV por assinatura)
  • Original e cópia da carteira de vacinação

Bahia receberá R$ 19 milhões do MEC para a expansão do Ensino Médio em Tempo Integral

  • Jade Coelho
  • 28 Nov 2018
  • 20:05h

(Foto: Divulgação)

A Bahia vai receber R$ 19,65 milhões do Ministério da Educação para a expansão e qualificação das unidades de Ensino Médio em Tempo Integral (EMTI). A verba será repassada através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A autorização do repasse foi feita nesta semana pelo MEC, no valor total de R$ 420,79 milhões para que os estados brasileiros com instituições públicas que fizeram adesões ao Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral nos anos de 2016 e 2017.“A escola em tempo integral é uma necessidade dos dias atuais. Não só pela qualidade do ensino e a complementaridade das atividades no contra turno, mas, principalmente pela possibilidade que dá aos pais e mães de família de poder sair pra trabalhar, sabendo que seus filhos estão sendo bem cuidados e recebendo educação de qualidade”, defendeu o presidente do FNDE, Silvio Pinheiro, ao garantir que o Fundo fará o pagamento do valor ainda nesta semana.De acordo com o MEC, as transferências terão como primeiro destino às secretarias estaduais e distrital de educação. O valor repassado deverá ser usado pelas unidades de ensino participantes em ações de manutenção e desenvolvimento do ensino, como remuneração e aperfeiçoamento dos docentes; construção, ampliação e conservação de instalações escolares; realização de atividades educacionais; aquisição de material didático e oferta de transporte escolar.

Capes recebe 84 denúncias com suspeitas de mestrados e doutorados irregulares em 2018

  • 28 Nov 2018
  • 12:21h

Foto: TV Globo/Reprodução

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) recebeu, em 2018, 84 denúncias ou demandas sobre cursos de mestrado e doutorado suspeitos de irregulares no país. As denúncias são reclamações embasadas com dados das entidades e dos cursos sob suspeita. As demandas são consultas sobre irregularidades nestas pós-graduações. De acordo com a instituição, os casos foram encaminhados para o Ministério Público apurar e, se confirmadas, os responsáveis deverão ser punidos. A entidade alerta que os cursos de pós-graduação strictu sensu irregulares não dão uma formação reconhecida aos estudantes e, por isso, o diploma não é válido. Para ser reconhecido, um curso de pós-graduação precisa ser aprovado por meio da Avaliação de Propostas de Cursos Novos (APCN). A relação dos cursos regulares pode ser pesquisada no portal da Capes: http://www.capes.gov.br/cursos-recomendados. "Para o indivíduo que recebe essa formação [irregular], o prejuízo dele, além do financeiro, é ser enganado por um sistema que não é válido", diz Sonia Báo, diretora de avaliação da Capes. Segundo a Capes, a partir dos anos 2000 a oferta de formações strictu sensu cresceram em todo o país e abriram um caminho para a especialização e também para golpes. "Municípios e estados passaram a colocar como progressão de carreira a necessidade de que seus professores e profissionais tivessem títulos de mestrado para poder progredir. Isso foi muito bom, por um lado, porque qualifica melhor", afirma Sergio Avellar, coordenador geral de Normas e Estudos da Diretoria de Avaliação da Capes. "Mas o lado ruim desta história é que abriu-se a oportunidade para pessoas mal intencionadas, aproveitando-se da falta de informação do público [que] não têm acesso à informação qualificada para saber quais são os cursos realmente regulares, com validade nacional", diz Avellar.Neste mês de novembro, a Capes começou uma campanha nas redes sociais para alertar a população sobre os riscos de uma formação irregular e para esclarecer como o estudante pode checar se ao curso é válido.

‘Quem define gênero é a natureza’, diz futuro ministro da Educação

  • G1
  • 27 Nov 2018
  • 07:07h

Foto: Reprodução/RPC

O futuro ministro de Educação do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Ricardo Vélez Rodríguez, disse que “quem define gênero é a natureza”, ao justificar o motivo de discordar da discussão de gênero em sala de aula. Rodríguez falou com a imprensa, pela primeira vez, no início da noite desta segunda-feira (26), durante uma recepção em homenagem a ele, na universidade particular em Londrina, no norte do Paraná, onde trabalha. Ele mora na cidade com a família. Para o futuro ministro, a discussão de gênero é um pouco abstrata. "Olha, eu não concordo por uma razão muito simples: quem define gênero é a natureza. É o indivíduo. Então a discussão da educação de gênero me parece um pouco abstrata, um pouco geral", declarou. Ele citou o exemplo do Canadá, onde esteve em julho visitando parentes. Disse que o país decretou a educação de gênero por meio de uma lei federal, mas as províncias autônomas começaram a discutir o tema localmente e algumas, onde o governo é conservador, derrubaram a lei. “Então eu acredito que quando consultadas as pessoas onde moram, enxergando o indivíduo, a educação de gênero é um negócio que vem de cima para baixo, de uma forma vertical e não respeita muito as individualidades. A culminância da individualização qual é? A sexualidade. Então, se eu brigo com um indivíduo, vou brigar com a sexualidade e vou querer regulamentar a sociedade por decreto, o que não é bom. Eu acho que é um tiro fora do alvo”, afirmou.

Renovação de matrículas da rede estadual começou nesta segunda-feira e segue até 17 de dezembro

  • 26 Nov 2018
  • 16:18h

(Foto: Divulgação)

renovação da matrícula dos mais de 700 mil estudantes da rede estadual de ensino, que frequentaram regularmente o ano letivo 2018 na Bahia, começa nesta segunda-feira (26). De acordo com a Secretaria da Educação do Estado (SEC), a renovação pode ser feita até 17 de dezembro, através do sistema online, pelo Portal da Educação, ou presencialmente nas escolas. Para a renovação da matrícula, a unidade escolar entregará aos estudantes uma carta que deverá ser devolvida à secretaria escolar, mediante protocolo. Caso a carta não seja entregue, o aluno poderá perder a vaga na unidade escolar onde estudou em 2018. O calendário escolar do ano letivo de 2019 da rede estadual está previsto para começar no dia 11 de fevereiro e terminar no dia 16 de dezembro. Além da renovação de matrícula dos estudantes que já são da rede estadual, a SEC também informou as datas para admissão de outros estudantes. A pré-matrícula do estudante com necessidade educacional especial, ou seja, os alunos com deficiência, será realizada apenas via internet, nos dias 29 e 30 de novembro. Para a inscrição na pré-matrícula desses estudantes, todos os campos de cadastro devem ser preenchidos e a pré-matrícula só será efetivada após a entrega da documentação na unidade escolar indicada no cadastro, no dia 31 de janeiro de 2019. Já as demais matrículas, como para estudantes que querem transferência de unidade escolar, novos alunos ou oriundos da rede municipal, a matrícula será de 22 a 29 de janeiro. A SEC esclarece que, caso a escola em que o aluno esteja regularmente matriculado em 2018 não oferecer a série subsequente para 2019, o estudante receberá uma carta informativa com um código para fazer a matrícula pelo Portal da Educação, no dia 22 de janeiro de 2019. A SEC alerta que esta data é reservada à transferência de estudantes da rede estadual de ensino, que também poderá ser feita presencialmente em qualquer escola da rede estadual.

Governo vai financiar 100 mil vagas do Financiamento Estudantil em 2019

  • Último Segundo
  • 24 Nov 2018
  • 13:07h

O Fundo de Financiamento Estudantil ( Fies ) deverá ofertar, em 2019, 100 mil vagas financiadas pelo governo. O número de vagas do Fies 2019 está em resolução publicada nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial da União. A oferta está condicionada à disponibilidade de R$ 500 milhões provenientes do orçamento do Ministério da Educação. A decisão sobre o Fies 2019 foi tomada pelo Comitê Gestor do Fundo de Financiamento Estudantil e consta no Plano Trienal do programa para o período de 2019 a 2021. Por meio do programa, estudantes podem obter financiamento com condições especiais no ensino superior privado seguindo determinados critérios. Entre eles, está a exigência de ter tirado pelo menos 450 pontos e não podem ter zerado a redação no Exame Nacional de Ensino Médio ( Enem ), em uma ou mais edições desde 2010. O  novo Fies foi anunciado no ano passado. O programa passou a ter uma modalidade financiada diretamente pela União, voltada para estudantes com renda familiar per capita mensal de até três salários mínimos, ou seja R$ 2.862, nos valores de 2018. Neste ano foram disponibilizadas também 100 mil vagas nessa modalidade.  As outras duas modalidades incluídas no P-Fies são financiadas com recursos de fundos constitucionais regionais e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O risco de crédito é assumido pelos bancos. Foram disponibilizadas, em 2018, 210 mil vagas. A partir do próximo ano, o P-Fies não terá um número definido de vagas, a oferta será condicionada à demanda. Outras mudanças no programa inclui ainda o fim do prazo de carência de 18 meses, após a conclusão do curso, para que o estudante comece pagar o financiamento. O estudante deverá iniciar o pagamento no mês seguinte ao término do curso, desde que esteja empregado. O prazo máximo para pagamento será de 14 anos. O dinheiro será descontado diretamente do salário do trabalhador que tiver emprego formal, por meio do eSocial, sistema já utilizado atualmente pelas empresas para pagar contribuições e prestar informações ao governo. Caso o estudante não tenha renda, o saldo devedor poderá ser quitado em prestações mensais equivalentes ao pagamento mínimo do financiamento. O mesmo critério será utilizado para o estudante que perder o emprego e para quem desistir do curso financiado. O MEC também ampliou o teto do programa e voltou a atender cursos com mensalidade de até R$ 7 mil . Para o Fies 2019 , a quantia financiável será de R$ 42.983.

Futuro ministro da Educação diz que provas do Enem são entendidas como 'instrumento de ideologização'

  • G1
  • 23 Nov 2018
  • 12:08h

Futuro ministro da Educação de Jair Bolsonaro, Ricardo Velez Rodriguez escreveu no início de novembro que o órgão responsável pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) entende as provas "mais como instrumentos de ideologização do que como meios sensatos para auferir a capacitação dos jovens no sistema de ensino."Rodriguez foi anunciado para o posto nesta quinta-feira (22). Nascido na Colômbia e naturalizado brasileiro em 1997, ele é autor de mais de 30 obras e professor emérito da Escola de Comando do Estado Maior do Exército.O professor é mestre em pensamento brasileiro pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ); doutor em pensamento luso-brasileiro pela Universidade Gama Filho; e pós-doutor pelo Centro de Pesquisas Políticas Raymond Aron.A declaração sobre o Enem foi publicada em 7 de novembro no blog mantido pelo futuro ministro, data em que, segundo ele, o filósofo Olavo de Carvalho o indicou a Bolsonaro como uma das opções para comandar o Ministério da Educação.No texto, o futuro ministro propõe mudanças na pasta, com o objetivo "enquadrar o MEC no contexto da valorização da educação para a vida e a cidadania a partir dos municípios, que é onde os cidadãos realmente vivem."Para Rodriguez, os brasileiros se tornaram "reféns" de um sistema de ensino "alheio às suas vidas" e "afinado" com uma tentativa de impor a "doutrinação de índole cietificista e esquistada na ideologia marxista".O Enem é aplicado no Brasil desde 1998. Ao longo do tempo, passou a ser usado para certificação do ensino médio, seleção de bolsas de estudo e critério de acesso às universidades federais.De acordo com o MEC, 1.434 instituições de ensino superior adotam o Enem como critério de entrada, via Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e Programa Universidade Para Todos (ProUni). Outras 35 instituições de Portugal também usam as notas do Enem para avaliar candidatos e o desempenho do estudante no Enem é usada para inscrição no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Em 2018, o a prova teve 5,5 milhões de inscritos.Na edição de 2018, o Enem provocou polêmica ao citar o pajubá, dialeto associado a gays, drags e travestis, em uma das questões da prova de linguagens, aplicada em 4 de novembro. O estudante precisava ler um texto curto que citava o tema, interpretar por quê ele é considerado dialeto e escolher uma resposta entre cinco alternativas. Após o episódio, Bolsonaro disse que olharia a prova antes de ser impressa para os candidatos. "Podem ter certeza e ficar tranquilos. Não vai ter questão desta forma ano que vem, porque nós vamos tomar conhecimento da prova antes. Não vai ter isso daí", afirmou o presidente eleito.

Bolsonaro anuncia Ricardo Velez Rodriguez como ministro da Educação

  • 23 Nov 2018
  • 07:07h

Foto: Reprodução / YouTube

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (22) pelo Twitter o professor e filósofo Ricardo Velez Rodriguez como futuro ministro da Educação. Nascido na Colômbia, o futuro ministro é autor de mais de 30 obras e atualmente é professor emérito da Escola de Comando do Estado Maior do Exército. Rodriguez é mestre em pensamento brasileiro pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ); doutor em pensamento luso-brasileiro pela Universidade Gama Filho; e pós-doutor pelo Centro de Pesquisas Políticas Raymond Aron. Nos últimos dias, chegaram a circular os nomes de Guilherme Schelb (procurador da República) e de Mozart Ramos (diretor do Instituto Ayrton Senna) para o Ministério da Educação. Segundo Bolsonaro, a escolha para a pasta seria de um "bom nome técnico".

Enem vai mudar e terá dias de prova geral e específica, afirma ministro da Educação

  • 20 Nov 2018
  • 16:09h

O Ministério da Educação (MEC) afirmou nesta terça-feira (20) que, a partir de 2021, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deverá ter um dia de prova para avaliar conhecimentos específicos, de acordo com opção feita pelo aluno. O teste continuará dividido em dois dias: no primeiro, os alunos respondem a perguntas gerais, referentes à Base Nacional Curricular. Já no segundo, serão avaliados os chamados "itinerários formativos". "O Enem 2019 não terá mudanças significativas. Provavelmente, em 2020 ainda teremos o Enem no mesmo formato. De 2021 pra frente teremos a mudança. A diretriz aponta qual será o caminho. Hoje, os alunos fazem a prova das mesmas áreas do mesmo jeito", afirmou o ministro Rossieli Soares. "A diferença será que a prova vai ser feita, no primeiro dia, conforme a Base Nacional Curricular. No segundo dia, será com uma área escolhida do conhecimento, conforme os referenciais dos itinerários", afirmou o ministro da Educação. Ele pontuou, ainda, que "certamente" serão oferecidas quatro provas específicas, referentes às quatro áreas do conhecimento, mas não descartou a possibilidade de que o itinerário de ensino profissionalizante também entre no Enem. "Não há nada que impeça. Ainda vamos dar sequência nesse aprofundamento, mas tem uma equipe pensando nisso", afirmou. Soares diz que as mudanças no Enem devem demorar porque ainda é necessário aprovar a Base Curricular — e só então será possível começar a construir o banco de itens [de questões]. Ao falar do novo formato, o ministro da Educação, Rossieli Soares, não esclareceu em que momento o aluno irá optar pelo itinerário formativo — se na inscrição ou antes, por exemplo.

Começa na próxima semana a renovação de matrícula na rede estadual de ensino

  • Ascom I Educação
  • 20 Nov 2018
  • 08:13h

(Foto: Divulgação)

Começa na próxima segunda-feira (26) e segue até o dia 17 de dezembro, o período de renovação da matrícula para os estudantes da rede estadual de ensino do estudante que frequentaram regularmente o ano letivo 2018. A renovação poderá ser feita presencialmente nas escolas e, também, pelo sistema online da Secretaria da Educação do Estado, que estará disponível no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br). Para renovar a matrícula, a unidade escolar entregará aos estudantes uma carta de renovação, que deverá ser devolvida, obrigatoriamente, à Secretaria Escolar, mediante protocolo, sob pena de o aluno perder a vaga na unidade escolar onde estudou em 2018. Quando a escola em que o aluno está regularmente matriculado em 2018 não oferecer a série subsequente para o ano letivo de 2019, o estudante receberá uma carta informativa com um código para fazer sua matrícula pela internet, no dia 22 de janeiro de 2019. Esta data é reservada à transferência de estudantes da rede estadual de ensino, que também poderá ser feita presencialmente em qualquer escola da rede estadual.

Educação Inclusiva - A pré-matrícula do estudante com necessidade educacional especial, ou seja, aquele aluno com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e/ou altas habilidades/superdotação, com ou sem diagnóstico comprovado, será realizada apenas via internet, nos dias 29 e 30 de novembro.  Para a inscrição na pré-matrícula, todos os campos de cadastro devem ser preenchidos. O estudante inscrito na pré-matrícula terá sua matrícula efetivada, somente, após a entrega da documentação na unidade escolar indicada no cadastro, no dia 31 de janeiro de 2019. Já o calendário de matrícula para o ano letivo de 2019 será de 22 a 29 de janeiro de 2019. Uma novidade é que a apresentação do cartão de vacina dos estudantes até 18 anos de idade se tornará obrigatório no ato da matrícula, mesmo não se tornando impedimento para que o ato aconteça. O calendário escolar do ano letivo de 2019 começará no dia 11 de fevereiro e termina no dia 16 de dezembro. Os Núcleos Territoriais de Educação (NTE) poderão apresentar à Secretaria da Educação do Estado um calendário Escolar diferenciado e que considere as peculiaridades locais, inclusive climáticas, culturais e econômicas das regiões. O mesmo pode acontecer com as escolas indígenas, quilombolas e do campo, considerando as atividades produtivas e socioculturais das suas comunidades. Em ambos os casos, o ano letivo terá carga horária mínima anual de 800  horas, distribuídas em 200 dias de efetivo trabalho escolar, excluído o tempo reservado a avaliação final.

Renovação do Fies é prorrogada

  • 16 Nov 2018
  • 18:14h

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) prorrogou para o dia 23 de novembro o prazo para renovação semestral dos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do 2º semestre de 2018. A portaria foi publicada nesta sexta (16) no Diário Oficial da União.A nova regra vale para os contratos simplificados e não simplificados.Também foi prorrogado para 23 de novembro o prazo para a transferência integral de curso ou de instituição de ensino, e o prazo para soliticar a dilatação do período de utilização do financiamento referente ao 2º semestre de 2018. Os aditamentos dos contratos deverão ser feitos pelo sistema SisFies.

N° de professores de creches com ensino superior sobe de 11% para 66% em 17 anos

  • 15 Nov 2018
  • 15:11h

Foto: Marcelo Brandt/G1

Em 17 anos, a formação dos professores que trabalham nas creches brasileiras mudou radicalmente. O mais comum, em 2000, era encontrar docentes que tinham estudado até o ensino médio, sem fazer uma graduação – caso de 66,4% deles. Cerca de 9% não tinham nem terminado o ensino fundamental. Em 2017, ano do último Censo Escolar, a situação se inverteu: 66,3% dos professores têm diploma de ensino superior. Um terço do total fez, inclusive, algum tipo de especialização. Segundo estudiosos consultados pelo G1, os dados do Censo, divulgados anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), comprovam uma mudança na forma como a creche é vista: não é um local onde bebês e crianças de 0 a 3 anos recebem apenas cuidados básicos. É mais do que isso: está no sistema educacional e tem funções pedagógicas importantes.Consequentemente, passa a exigir profissionais capacitados. “A creche promove a possibilidade de um desenvolvimento saudável. Precisa de um programa pedagógico e de boa formação de professores”, diz Beatriz Abuchaim, da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. “Ali, a criança vai conhecer o mundo, aprender a se relacionar com pessoas da mesma idade que ela e desenvolver questões cognitivas, como a expressão verbal”, diz. Cristina Nogueira, coordenadora do curso de pedagogia no Instituto Singularidades (SP), também reforça a mudança de perspectiva em relação à creche. “Ela nasceu como uma instituição de assistencialismo, para ajudar os pais. Depois, com estudos na sociologia, na pedagogia e na psicologia do desenvolvimento, a creche passou a ir além dos cuidados – e a aprendizagem e o bem-estar começaram a ser valorizados nessa fase”, explica. Apesar dos avanços, há desafios: existem faculdades de pedagogia de curta duração e sem experiências práticas. Os profissionais formados ainda se deparam com salários baixos, salas de aula superlotadas e falta de infraestrutura em determinadas instituições de ensino. A seguir, especialistas analisam os avanços e os obstáculos para os professores que atuam nessa etapa de ensino.

Renovação de matrículas da rede estadual serão realizadas de 26 de novembro a 17 de dezembro; confira calendário

  • 15 Nov 2018
  • 13:14h

Foto: Claudionor Junior

A renovação da matrícula dos estudantes da rede estadual de ensino que frequentaram regularmente o ano letivo 2018 na Bahia será realizada de 26 de novembro a 17 de dezembro de 2018. A informação é da Secretaria da Educação do Estado (SEC), que divulgou nesta quarta-feira (14) a portaria que regulamenta todos os procedimentos de matrícula.Conforme a SEC, a renovação poderá ser feita presencialmente, nas escolas, ou através do sistema online, pelo Portal da Educação. Para a renovação da matrícula, a unidade escolar entregará aos estudantes uma carta que deverá ser devolvida à secretaria escolar, mediante protocolo. Caso a carta não seja entregue, o aluno poderá perder a vaga na unidade escolar onde estudou em 2018. A novidade deste ano, conforme informou a secretaria, é que a apresentação do cartão de vacina dos estudantes até 18 anos de idade se tornará obrigatório no ato da matrícula.O calendário escolar do ano letivo de 2019 da rede estadual está previsto para começar no dia 11 de fevereiro e terminar no dia 16 de dezembro. Conforme portaria publicada no Diário Oficial, os Núcleos Territoriais de Educação (NTE) poderão apresentar à Secretaria da Educação do Estado um calendário escolar diferenciado e que considere as peculiaridades locais, inclusive climáticas, culturais e econômicas das regiões. O mesmo pode acontecer com as escolas indígenas, quilombolas e do campo, considerando as atividades produtivas e socioculturais das suas comunidades. Em ambos os casos, o ano letivo terá carga horária mínima de 800 horas, distribuídas em 200 dias de efetivo trabalho escolar, excluído o tempo reservado à avaliação final.