BUSCA PELA CATEGORIA "Educação"

Rui Costa explica sobre retorno das aulas na rede estadual, que será no dia 15 de março

  • Redação
  • 24 Fev 2021
  • 06:53h

(Foto: Reprodução)

O início do ano letivo 2020/2021 na rede estadual de ensino está programado para o próximo dia 15 de março, de forma 100% remota. O planejamento foi anunciado pelo governador Rui Costa e pelo secretário da Educação, Jerônimo Rodrigues, durante o Papo Correria desta terça-feira (23). A volta do ensino no modo presencial não tem data prevista e está condicionada aos parâmetros sanitários relacionados à Covid 19 no estado. O governador destacou que o início das aulas com atividades remotas irá contemplar todos os alunos da rede estadual. O planejamento da Secretaria da Educação do Estado indica a realização dos dois anos letivos, de 2020 e 2021, até o dia 29 de dezembro, com 1.500 horas aula. Serão três fases de atividades escolares. Após a etapa 100% remota, será a vez da fase híbrida, com três dias da semana de aulas remotas e outros três de aulas presenciais e, por fim, a retomada das aulas 100% presenciais.

Escolas particulares descartam retomar via judicial para viabilizar volta às aulas na Bahia

  • Mari Leal
  • 19 Fev 2021
  • 08:07h

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia (Sinepe-BA) descarta qualquer possibilidade de voltar a utilizar a via judicial para a retomada das atividades escolares presenciais nas unidades de ensino vinculadas à entidade. A confirmação foi feita nesta quinta-feira (18) por Jorge Tadeu Pinheiro Coelho, presidente da entidade representativa. 

Segundo Coelho, a entidade e sua diretoria voltam a se dedicar à via dos debates e esclarecimentos à população, baseado no contato com as representações políticas. A mudança de postura do sindicato ocorre após o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) derrubar uma liminar que autorizava o retorno das aulas presenciais na capital baiana, cuja provocação à Justiça havia sido feita pelo Sinepe-Ba. 

No último domingo (14), uma decisão assinada pela juíza Juliana de Castro, da 6ª Vara da Fazenda Pública de Salvador, determinava a “suspensão do inciso I do art 1º do Decreto Municipal n. 33.506, de 5 fevereiro de 2021, e o Decreto Estadual n. 20.205, de 5 de fevereiro de 2021 no que toca a suspensão das aulas por sua inconstitucionalidade em razão da violação dos princípios da razoabilidade, proporcionalidade e motivação”.  

A previsão do sindicato era de que as unidades particulares de ensino da capital retornassem às atividades já na terça-feira (16), porém na segunda (15) a liminar foi derrubada. Na ocasião, também foi tornada sem efeito outra decisão judicial que autorizava a retomada das aulas na rede pública de ensino até o dia 1° de março.. 

Nesta quarta-feira (18), o governador Rui Costa apresentou ao Ministério Público Estadual, à Defensoria Pública e ao Tribunal de Justiça da Bahia os indicadores de saúde necessários para a volta às aulas presenciais na Bahia. 

“Para que o retorno das atividades escolares possa acontecer de forma segura para os profissionais de saúde, alunos e seus familiares, três indicadores necessários para o controle da pandemia de Covid-19 precisam ser reduzidos, são eles: o número de casos ativos, o número de óbitos e as taxas de ocupação de leitos e pessoas aguardando por leitos”, explicou Rui Costa. 

O retorno das atividades escolares na Bahia tem sido tema de intensos debates, os quais contam com a presença de representantes das mais diversas instâncias políticas, educacionais e sanitárias. Em março a Bahia completará um ano desde a interrupção das atividades. No entanto, algumas semanas, nos bastidores, havia pretensão para o retorno ao menos na segunda quinzena do próximo mês, mas o agravamento da pandemia tem afastado ainda mais as probabilidades. 

Atualmente, o estado vive um cenário semelhante ao mês de agosto do ano passado, no que se refere ao número de casos ativos e óbitos, porém o sistema de saúde está pressionado pela tendência de agravamento dos casos. A Secretaria de Saúde estadual tem emitido alerta diariamente. Também já foi confirmada na Bahia a transmissão comunitária da variante da Covid-19 identificada no Reino Unido, que possui transmissão acelerada e propensão a quadros mais críticos da doença (reveja). 

Dentre as diversas discussões ocorridas nas últimas semanas um dos grandes desafios postos em pauta era a elaboração de uma decisão comum, que contemplasse as instituições públicas e privadas, evitando o aprofundamento de desigualdades entre as modalidades de oferta de ensino.  

De acordo com último boletim atualizado pela Sesab, a Bahia registra, atualmente, o maior número de casos ativos da Covid-19 desde julho. São 16.287 ocorrências com possibilidade de transmissão. Nesta quinta-feira foram registradas 67 mortes, ocorridas em diversas datas. O número se mantém acima de 60 há uma semana. 

SEC destaca protocolo unificado de volta às aulas em audiência pública na AL-BA

  • Redação
  • 17 Fev 2021
  • 18:18h

Participaram da audiência, dentre outras autoridades, os secretários estaduais da Educação, Jerônimo Rodrigues, e da Saúde, Fábio Vilas-Boas. (Foto: Divulgação / Sesab)

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC-BA) apresentou, na terça-feira (16), em audiência pública virtual promovida pela Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), a proposta do protocolo para a volta às aulas. A audiência pública foi promovida pela Comissão da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviço Público da AL-BA. Participaram da audiência, dentre outras autoridades, os secretários estaduais da Educação, Jerônimo Rodrigues, e da Saúde (Sesab), Fábio Vilas-Boas.Jerônimo Rodrigues destacou a frente de trabalho formada pelo Governo do Estado para um protocolo unificado, que além da SEC e da Sesab, é composto por diferentes sujeitos da Educação, a exemplo da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime); União dos Municípios da Bahia (UPB); Fórum Estadual de Educação da Bahia (FEEBA); da Secretaria Municipal de Educação de Salvador; e a própria AL-BA; e terá o envolvimento de órgãos controladores como a Defensoria Pública do Estado (DPE-BA) e o Ministério Público Estadual (MP-BA). Dentre os pontos apresentados pelo secretário Jerônimo Rodrigues estão os de biossegurança e o pedagógico. Do que já foi pactuado no protocolo conjunto, estão regras de higienização, distanciamento social e a obrigatoriedade do uso da máscara. Também será obrigatória a aferição de temperatura para acesso ao ambiente escolar e a adequação dos ambientes para evitar aglomeração. Nas salas de aulas, por exemplo, haverá distanciamento seguro entre as carteiras e cada estudante precisará levar seu recipiente para beber água. Pelo pedagógico, Jerônimo Rodrigues discorreu sobre o ensino híbrido, em que o estudante passará parte do tempo na escola e parte em casa, com atividades complementares. Os protocolos em discussão abordam ainda questões como transporte escolar, alimentação e carga horária, dentre outras. As matrículas serão renovadas automaticamente para os estudantes da rede estadual de ensino.

Rui apresenta parâmetros para volta às aulas a membros do sistema jurídico baiano

  • 17 Fev 2021
  • 14:10h

Governador se reuniu em videoconferência com representantes do Ministério Público Estadual (MP-BA), da Defensoria Pública e do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA)

Os indicadores de saúde necessários para a volta às aulas presenciais na Bahia foram apresentados pelo governador Rui Costa a representantes do Ministério Público Estadual (MP-BA), da Defensoria Pública e do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) durante reunião por videoconferência, nesta quarta-feira (17).

“Para que o retorno das atividades escolares possa acontecer de forma segura para os profissionais de saúde, alunos e seus familiares, três indicadores necessários para o controle da pandemia de Covid-19 precisam ser reduzidos, são eles: o número de casos ativos, o número de óbitos e as taxas de ocupação de leitos e pessoas aguardando por leitos”, explicou o governador.

O governador lembrou que a Bahia está enfrentando um dos piores momentos desde o início da pandemia, com mais de 15 mil casos ativos e uma taxa de 74% de ocupação dos leitos de UTI dedicados para atender pacientes com casos mais graves da doença.

“É uma situação extremamente delicada que exige medidas enérgicas para conter avanço do vírus na Bahia. No momento ainda não é possível o retorno das aulas, mas com este diálogo estamos abrindo o caminho para que possamos voltar quando a pandemia estiver controlada. Neste momento, é extremamente importante que a população faça sua parte e evite aglomerações”

Para conter a transmissão acelerada da Covid-19 e das cepas identificadas na Bahia no último mês, o governador decretou que, a partir de sexta-feira (19), ficará restrita a circulação de pessoas nas ruas e o funcionamento de serviços não essenciais no período das 22h às 5h em quase toda a totalidade do território baiano, com exceção das regiões oeste, de Irecê e de Jacobina, que apresentam os três menores índices de ocupação de leitos de UTI para Covid-19. O decreto vale por sete dias.

Participaram da reunião a procuradora-geral de Justiça do Ministério Público, Norma Angélica; o defensor Público Geral, Rafson Saraiva Ximenes; o presidente do Tribunal de Justiça, Lourival Trindade; o procurador Geral do Estado, Paulo Moreno; além de membros da União dos Municípios da Bahia (UPB), prefeitos, técnicos das secretarias estaduais da Educação e da Saúde (Sesab) e outras autoridades.

Protocolo
Os parâmetros apresentados pelo governador fazem parte do protocolo unificado para a volta às aulas que contempla regras de higienização, distanciamento social e sobre a obrigatoriedade do uso da máscara. Também será obrigatória a aferição de temperatura para acesso ao ambiente escolar e a adequação dos ambientes para evitar aglomeração. Nas salas de aulas, haverá distanciamento seguro entre as carteiras e cada estudante precisará levar seu recipiente para beber água.

Além disso, o pacto prevê que o retorno irá ocorrer seguindo um modelo híbrido, em que as turmas serão divididas em 50%, com aulas em dias alternados. No dia em que o estudante não estiver na escola, ele terá material pedagógico digital e impresso para utilizar em casa.

Na terça-feira (16), o protocolo foi apresentado pela Secretaria da Educação do Estado, em audiência pública virtual promovida pela Assembleia Legislativa

Ifba fará seleção gratuita e por análise de histórico escolar em 2021

  • Redação
  • 15 Fev 2021
  • 16:32h

(Foto: Brumado Urgente Conteúdo)

Com a pandemia do coronavírus e a suspensão das atividades presenciais, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba) fará a seleção de seu processo seletivo para os cursos técnicos de forma gratuita, virtual e com base no histórico escolar dos estudantes. Conforme publicado pela instituição nesta segunda-feira (15), os editais oferecem 2.997 vagas para a Bahia.

As inscrições serão realizadas da próxima segunda (22) até o dia 16 de abril através do site http://www.selecao.ifba.edu.br (clique aqui). “O Ifba mesmo num contexto pandêmico está cumprindo com sua função social de oferecer vagas para os estudantes baianos e as estudantes baianas por meio da publicação do edital do Processo Seletivo. Estamos fazendo um grande esforço para garantir a realização desse processo para continuar dando oportunidade dos jovens entrarem na instituição. Essas mudanças são emergenciais, não são mudanças definitivas. O processo de 2021 é um processo emergencial e a opção pela análise do histórico escolar se dá pelo fato de sabermos que desse modo poderíamos fazer o processo remotamente e ao mesmo tempo poderíamos deixá-lo mais inclusivo, já que a análise de histórico é uma seleção processual, que leva em consideração a vida do estudante durante os últimos anos de estudo”, explica a reitora Luzia Mota.

As vagas disponíveis são para os cursos técnicos profissionais nas formas Integrada (Ensino Médio junto ao profissionalizante), Subsequente (profissionalizante para quem já terminou o Ensino Médio) e Concomitante (profissionalizante concomitantemente ao Ensino Médio de outra Instituição). Os estudantes poderão escolher até duas opções de curso de uma mesma forma no campus de sua escolha.

Quanto às notas, a análise será correspondente ao 6º, 7º e 8º ano do Ensino Fundamental para os Cursos Integrados e Concomitantes; e do 1º e 2º ano do Ensino Médio para os Cursos Subsequentes.

Para realizar a inscrição, o estudante interessado que ainda não tiver obtido o histórico escolar poderá, excepcionalmente, apresentar declaração de histórico escolar assinada pelo responsável pela escola, conforme modelo disponível no edital, ou “atestado escolar” onde constem as notas e o nome completo do candidato (em papel timbrado, carimbado e assinado pelo responsável da escola) ou o conjunto dos boletins (em papel timbrado, carimbado e assinado pela escola). No entanto, no momento da matrícula, o histórico será obrigatório.

É importante ressaltar que o Ifba reservará 50% das vagas para candidatos que estudaram em escola pública, com critérios socioeconômicos (subdivididos entre renda bruta familiar igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo per capita e renda bruta familiar superior a 1,5 salário-mínimo per capita) e étnico-raciais (candidatos que se autodeclarem pretos, pardos ou indígenas). Também há reserva de vagas para candidatos com deficiência. 

Volta às aulas presenciais: especialistas em educação precisam ser ouvidos

  • Pesquisadora Lara Marin
  • 10 Fev 2021
  • 18:20h

(Foto: Reprodução)

O debate sobre o retorno às aulas presenciais no meio da segunda onda da pandemia no Brasil continua presente e rodeado de opiniões de especialistas em saúde, governantes e familiares. Mas não temos ouvido quem mais conhece as escolas: professores e demais especialistas em educação.

Esses profissionais têm mostrado que não há condições reais de segurança sanitária para a comunidade escolar e temem que essa responsabilidade recaia sobre seus ombros, deixando de ser professores para se tornar fiscais de máscara e distanciamento social.

As equipes pedagógicas não deixaram de se preocupar com seus estudantes um dia sequer. Adaptaram bruscamente seu modo de trabalhar até encontrarem um funcionamento para o ensino remoto, o qual será trocado pelo ensino híbrido, forçando professores a operar com planejamentos em constante transformação, feitos às pressas, e a temer que a tão almejada qualidade da educação fique de lado por uma questão que não é só escolar, mas também social e de saúde.

Não há dúvidas do quanto crianças, jovens e suas famílias têm sofrido durante este período pandêmico. A escola é a instituição que mais sabe disso e opera junto à comunidade para que seus alunos continuem estudando. Portanto, também deveria ter voz nesta decisão tão delicada, mas se sente calada por decretos e abaixo-assinados daqueles que não vivem o funcionamento diário dessa instituição. 

Outros profissionais temem a reabertura das escolas no momento em que o número de infectados e mortos pela pandemia só aumenta. Especialistas demonstram cientificamente o risco de se manter pessoas em um mesmo ambiente por muito tempo, alertam para a grande quantidade de contatos cruzados, para o aumento da circulação de pessoas na cidade e lembram que a vacina está aí e também deveria ser oferecida como prioridade para agentes educacionais.

É claro que a escola é uma das instituições mais fundamentais para o crescimento humano e social. Assim também pensam os profissionais da educação, que estão preocupados não só com o risco de contágio, mas também com a qualidade do ensino. É justamente por isso que o governo deve ouvir e legitimar o que dizem essas pessoas: para que as escolas não sejam a única instituição responsável pelas dificuldades sociais de seus alunos, e que outros órgãos possam atuar no apoio de que muitas famílias necessitam para a continuidade do aprendizado, como redes de amparo social, equipamentos eletrônicos, acesso ao mundo virtual, merendas e materiais escolares.

Precisamos ouvir com respeito e atenção o que os profissionais da educação dizem sobre as necessidades do ambiente que mais conhecem – a escola – e quais os riscos e possibilidades da reabertura neste momento, para que essa decisão deixe de ser uma pressão política e passe a ser técnica.

E que o governo invista de uma vez por todas na educação, vacinando seus profissionais, amparando e estruturando as escolas e acionando órgãos e medidas sociais para sustentá-las. Além, é claro, de apoiar as famílias, mantendo crianças e jovens saudáveis, em condições de estudar em um local salubre.

Governo envia à AL-BA projeto de lei para programa de monitoria estudantil

  • Redação
  • 04 Fev 2021
  • 16:36h

(Foto: Reprodução)

O Governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), nesta quinta-feira (4), o projeto de lei que institui o Programa Mais Estudo no âmbito das escolas da rede estadual de ensino. O programa tem o objetivo de estimular a participação dos estudantes em ações de auxílio e reforço de aprendizagem, especialmente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática.  Como parte do Mais Estudo, cada turma terá dois monitores, que serão selecionados dentre os estudantes do Ensino Médio, da Educação Profissional e do 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, a partir das notas obtidas no ano anterior ou no trimestre anterior ao da etapa de seleção. As atividades de monitoria ocorrerão no turno em que o estudante não estiver em atividade escolar. A bolsa de monitoria, no valor de R$ 100, será paga por período correspondente aos meses do ano letivo em cada edição do programa. O bom desempenho acadêmico e a regular frequência escolar são os critérios obrigatórios para concessão da bolsa aos monitores. Em 2019, na fase piloto do Mais Estudo, a Secretaria da Educação do Estado selecionou 10 mil alunos com bom desempenho em Língua Portuguesa e Matemática, que ganharam uma bolsa para ajudar os colegas com notas abaixo da média nessas disciplinas.

UESB abre inscrições para o curso de Pós Graduação em Gestão em Saúde para Brumado, Conquista e mais 4 municípios

  • Redação
  • 27 Jan 2021
  • 18:08h

(Foto: Brumado Urgente Conteúdo)

Estão abertas até o dia 31 de janeiro as inscrições gratuitas para o curso de Pós Graduação de Gestão em Saúde, ofertado pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), através do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), polo de Brumado. Ao todo, são 25 vagas na modalidade EAD. Além da UAB Brumado, também há 125 vagas disponíveis para Jacaraci, Jequié, Santa Maria da Vitória, Santana e Vitória da Conquista. Cada município com 25 vagas. • Clique aqui e confira o Edital de SeleçãoPara o curso de Especialização Gestão em Saúde, podem se inscrever profissionais da área de saúde com vínculo atual (efetivo ou temporário) nas instituições das redes públicas ou privadas localizadas, prioritarimente, nos municípios integrantes da região do Sudoeste Baiano. As matrizes curriculares do Curso tem a duração de 18 meses, dividido em 3 semestres. A carga horária total do curso é de 420 horas e distribuída em 03 módulos com atividades desenvolvidas na modalidade EAD, com elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). 

Inscrições para o Fies 2021 começam nesta terça-feira (26)

  • Agência Brasil
  • 26 Jan 2021
  • 07:20h

(Foto: Reprodução)

Começam nesta terça-feira (26) e vão até o dia 29 de janeiro as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) 2021. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), este ano o Fies vai oferecer 93 mil vagas 

As inscrições podem ser feitas no portal do Fies. O resultado da seleção será divulgado no dia 2 de fevereiro.

Em caso de pré-seleção para uma vaga na chamada única do Fies, o candidato terá o período de 3 a 5 de fevereiro de 2021 para complementar sua inscrição.

Quem não for pré-selecionado vai automaticamente para a lista de espera. A convocação por meio da lista de espera ocorrerá de 3 de fevereiro até 18 de março de 2021.

Pelo regulamento do programa, os candidatos pré-selecionados na lista de espera deverão complementar a inscrição no prazo de três dias úteis, contados do dia subsequente ao da divulgação de sua pré-seleção no FiesSeleção.

Criado em 1999, o Fies tem como meta facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Pode se inscrever no processo seletivo do Fies o candidato que participou do Enem, a partir da edição de 2010, e tenha obtido média aritmética nas provas igual ou superior a 450 pontos e nota superior a 0 na redação.

Também é necessário ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até três salários mínimos.

O programa é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies tem regras específicas e funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

Fies segundo semestre

Na segunda (25), o MEC publicou, no Diário Oficial da União, as regras para o processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) referente ao segundo semestre de 2021. O cronograma de seleção, entretanto, ainda será publicado em edital específico.

A portaria dessa segunda-feira trata dos procedimentos e regras de oferta de vagas pelas instituições de educação superior, seleção das vagas a serem ofertadas, inscrição dos candidatos, classificação e pré-seleção dos candidatos, complementação da inscrição pelos candidatos pré-selecionados e redistribuição das vagas entre os grupos de preferência.

Incerteza sobre volta às aulas derruba vendas de materiais escolares e afeta contratação temporária

  • Sudoeste Digital
  • 25 Jan 2021
  • 17:21h

(Foto: Reprodução)

A pandemia do coronavírus e a incerteza sobre a volta às aulas presenciais em Vitória da Conquista fizeram com que as vendas de materiais escolares nas papelarias da cidade, no fim do ano passado e nesse início de 2021, caíssem até 70%.

Um comerciante do setor, que prefere não se identificar, sustenta que as vendas em livrarias e papelarias sofreram uma queda de mais de 70% em dezembro do ano passado e em janeiro deste, se comparadas ao mesmo período de anos anteriores. A queda, segundo o comerciante, atingiu, principalmente, materiais como mochilas, estojos e cadernos.

Entre dezembro de um ano e fevereiro do seguinte é que começa as vendas da volta às aulas. Sem a definição sobre data e modelo da volta às aulas, além da possibilidade dos pais reaproveitarem os materiais escolares, a procura por esses produtos diminuiu muito. 

"Nossas vendas giravam em torno de 20 a 30 listas de materiais de escolas particulares por dia nessa época do ano e, dessa vez, estamos vendendo apenas 1 a 3 listas por dia”, disse.

Por causa disso as papelarias e livrarias de Conquista retraíram as compras e não fizeram as aquisições de reposição de materiais escolares para esse ano. A grande maioria está trabalhando com o estoque que já havia.

“A queda maior tem sido nas vendas de materiais de uso coletivo, então eu acredito que só teremos uma reviravolta positiva no segundo semestre deste ano, assim que as aulas presenciais forem voltando”, frisou.

Também segundo o comerciante, além da queda nas vendas a contratação de funcionários extras para esse período também foi afetada. Algumas papelarias reduziram o quadro efetivo e quase não houve contratação temporária.

Enem: 2,5 milhões de alunos são esperados no segundo dia de provas, neste domingo

  • Redação
  • 24 Jan 2021
  • 08:07h

(Foto: Reprodução)

Dois milhões e meio de estudantes devem fazer neste domingo (24) as provas do segundo dia do Enem. No último domingo (17), mais de 50% dos inscritos faltaram ao exame. É assim que a Gabriela fica na véspera de prova. Ela quer ser médica, estudou bastante, mas pra enfrentar as noventa questões de matemática e ciências da natureza no domingo, a estratégia dela é respirar. "Eu não fico muito focada na prova, porque nesse dia pré-prova vvem as perguntas, será que eu estudei o suficiente, será que vai cair o tudo o que eu que eu sei?" , conta Gabriela. Os portões serão abertos às 11h30 e fecham às 13h, meia hora antes do início da prova. Além dos itens obrigatórios de todo ano, como caneta e documento com foto, o estudante também precisa estar de máscara, de acordo com o G1. "É bom que ele fique atento aos horários, chegue lá realmente mais cedo, os portões estão abrindo meia hora mais cedo, se ele já teve algum tipo de problema no primeiro dia, ficar ainda mais atento, chegar com calma, se estabelecer no seu local e respeitar todas as regras que são pedidas", diz Junio Santos, professor. A abstenção foi alta na primeira etapa, cerca de 50%, e mesmo assim alguns estudantes não conseguiram fazer o exame por causa da superlotação em pelo menos 11 locais no Brasil. Os candidatos que foram barrados têm duas alternativas: podem fazer as provas neste domingo e pedir a reaplicação da primeira etapa ou não comparecer e solicitar a reaplicação das duas provas. Quem faltou no primeiro dia e não se justificou, está eliminado. Os pedidos de reaplicação podem ser feitos no site do Inep a partir de segunda-feira (25). O prazo é até o dia 29 de janeiro. Isso também vale para quem apresentar sintomas de Covid neste sábado ou no domingo. Essas provas estão marcadas para os dias 23 e 24 de fevereiro. Na mesma data será aplicado o exame para os candidatos do Amazonas e de duas cidades de Rondônia. Para a Marilene deu tudo certo no domingo passado e a torcida é grande para que as provas deste domingo sejam mais um passo para realização de um sonho antigo. "Eu tive minha filha muito nova, eu tive minha filha com 18 anos, aí meu ex-marido não deixava eu estudar. Tinha 48 anos que eu não estudava. Todas as etapas que eu tô passando, é uma conquista muito grande, então o coração só fica feliz", conta a aposentada Marilene Abreu.

Estigma das doenças mentais no Brasil é tema da redação do Enem

  • Agência Brasil
  • 18 Jan 2021
  • 08:21h

Aplicação da versão impressa do Enem teve início hoje e a segunda prova será no próximo domingo (24) | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desta edição é O Estigma Associado às Doenças Mentais na Sociedade Brasileira, conforme divulgou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os candidatos têm até as 19h para concluir as primeiras provas, aplicadas neste domingo (17).

A aplicação da versão impressa do Enem teve início hoje e a segunda prova será no próximo domingo (24). A prova de hoje começou a ser aplicada as 13h30 e os estudantes terão até as 19h para terminá-la.

Neste domingo, os participantes fazem as provas objetivas de linguagens e ciências humanas, com 45 questões cada, além da redação.

Correção

As redações do Enem são avaliadas em cinco competências, cada uma vale 200 pontos: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa; compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Cada prova passa por dois corretores. Caso haja uma diferença de mais de 100 pontos em relação à nota total da prova ou de mais de 80 pontos em relação a alguma das competências, o texto passa, então, por um terceiro corretor. Se a diferença persistir, a prova é avaliada por uma banca composta por três professores, que atribuirá a nota final do participante.

Confira os temas das redações de anos anteriores:

  • Enem 2009: O indivíduo frente à ética nacional
  • Enem 2010: O trabalho na construção da dignidade humana
  • Enem 2011: Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado
  • Enem 2012: O movimento imigratório para o Brasil no século XXI
  • Enem 2013: Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil
  • Enem 2014: Publicidade infantil em questão no Brasil
  • Enem 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira
  • Enem 2016: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil e Caminhos para combater o racismo no Brasil – Neste ano houve duas aplicações regulares do exame.
  • Enem 2017: Desafios para formação educacional de surdos no Brasil
  • Enem 2018: Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet
  • Enem 2019: Democratização do acesso ao cinema no Brasil

Enem

O Enem avalia o desempenho escolar ao final da educação básica. A estrutura do exame conta com uma redação e questões das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias. O Enem Digital 2020 será aplicado nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. No total, considerando as duas versões (impressa e digital), o Inep confirmou 5.783.357 inscrições para o Enem 2020.

Em reunião com secretário de Educação, pais pedem volta às aulas em Salvador

  • Redação
  • 15 Jan 2021
  • 15:02h

(Foto: Divulgação)

Um grupo de pais de alunos pediu ao secretário de Educação de Salvador, Marcelo Oliveira, a retomada das aulas no início de fevereiro. O apelo foi feito em encontro nesta sexta-feira (15). Uma das participantes da reunião foi a pneumologista  Larissa Voss Sadigursky, que é favorável à retomada das atividades. "As crianças não são vilãs”, afirma a médica. Apesar do encontro, não houve garantia oficial de volta às aulas presenciais por parte do secretário. A reunião foi intermediada pelo vereador Duda Sanches (DEM), vice-presidente da Câmara de Vereadores de Salvador. Ele defendeu que as aulas sejam reiniciadas, com cuidado e respeito a rígidos protocolos. "Precisamos voltar o quanto antes. Jovens há quase um ano fora das escolas estão virando soldados da violência. Pais e mães perdendo emprego por ter que ficar em casa para cuidar dos filhos. Além de tudo isso, estamos atrasando intelectualmente toda uma geração", defendeu.

Prefeito de Itaberaba visita Escolas de Tempo Integral de Brumado, referência de ensino em todo país

  • Divulgação
  • 15 Jan 2021
  • 11:08h

(Foto: Divulgação)

Na última terça-feira (12), o prefeito da cidade de Itaberaba, Ricardo Mascarenhas, juntamente com a sua equipe de governo, visitou o município de Brumado para conhecer de perto a estrutura das Escolas de Tempo Integral (ETIs). O modelo implantado pelo prefeito Eduardo Lima Vasconcelos é referência de ensino em todo Estado da Bahia e também no país. Na oportunidade, o gestor apresentou à equipe o modelo educacional, administrativo e pedagógico das escolas municipais, que funcionam 100% em tempo integral. Mascarenhas destacou que, nos próximos quatro anos, pretende tornar Itaberaba refere?ncia educacional em toda a Bahia e, para isso, conhecer um modelo de sucesso, como é o caso de Brumado, reconhecido e premiado pela universalização do atendimento de tempo integral em sua rede de ensino, é fundamental. “Foi uma experiência massa! Saimos de lá com muitas ideias, projetos e ainda mais vontade de continuar transformando para melhor a nossa rede de ensino. Parabéns pelos avanços conquistados e obrigado pela atenção, prefeito Eduardo Vasconcelos”, escreveu Mascarenhas em suas redes sociais.

Secretaria de Educação da Bahia faz novo pedido de adiamento do Enem ao Inep

  • BN
  • 14 Jan 2021
  • 09:43h

(Imagem: Reprodução)

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) fez um novo pedido de adiamento da aplicação da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesta quarta-feira (14) a pasta enviou um ofício ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC) e responsável pelo exame. O documento foi assinado pelo secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues. “A reiteração deste pedido se baseia no direito à vida, visto como paradigma técnico para as operações que envolvem escolas, governos, famílias e formação de pessoas. Por isso mesmo qualquer ato, evento ou episódio deve ser levado em conta esse direito essencial”, diz trecho do documento. Entre os argumentos citados pela SEC no pedido está o aumento do risco de contaminação pela Covid-19 levando em conta o deslocamento de estudantes de mais de 256 municípios, do total de 417 municípios da Bahia, para os 161 onde serão aplicadas as provas. A secretaria ainda cita o contato entre participantes nos minutos que antecedem o início das provas; as salas que terão um número de estudantes que não vai permitir o distanciamento necessário; associada ao receio de contaminação das diversas famílias  e estudantes.