BUSCA PELA CATEGORIA "Educação"

Conquista: estudantes estariam fazendo saudação nazista dentro de colégio

  • Informações do Blog do Giordando Lima
  • 24 Mai 2019
  • 07:19h

(Foto: Ilustrativa

Poderia ser apenas mais uma foto inofensiva, em que jovens trolam outros com uma brincadeira do momento. Poderia ser um beijo e shalow now ou até, não tanto inofensiva, mas muito comum, a expressão de alegria em uma festa de camisa, com garrafas long neck de cerveja nas mãos. Mas, não, os rapazes, aparentemente menores de idade, estavam em uma sala de aula e ao invés de uma camisa de festa, vestiam farda de um colégio particular da cidade. E não jogavam beijo ou se davam um abraço festivo, estavam com os braços esticados, imitando a saudação nazista, e um deles tinha uma faixa branca enrolada no braço direito onde aparece desenhado o símbolo do nazismo, a suástica. A imagem foi postada em uma rede social e causou indignação, principalmente da Comunidade de Estudos Judaicos de Vitória da Conquista, que, no dia 15 deste mês, ofendida, fez uma nota de repúdio, que fez circular pelo WhatsApp, e levou sua indignação ao conhecimento da escola e do Ministério Público. Na nota, a entidade condena a apologia ao nazismo praticada dentro do colégio e lembra que o nazismo foi o “regime que dizimou milhões de judeus, ciganos, homossexuais, deficiente físicos, entre outros grupos minoritários, o que, por si só, causa absoluta indignação, ainda mais vindo de dois jovens estudantes em um ambiente conhecido como ‘casa do saber’ – escola”. Também a Clínica de Direitos Humanos (CDH), coordenada pela professora Luciana Silva, vinculada ao Departamento de Ciências Sociais Aplicadas (DCSA), com a participação de estudantes do curso de Direito da Uesb, se solidarizou com a comunidade judaica e expressou seu repúdio “diante da postura dos dois estudantes de determinada escola da cidade, que postaram foto aparentemente fazendo apologia ao nazismo”. Apesar de usar o termo “aparentemente” em sua nota, a CDH/Uesb descreve a fotografia dizendo que na “imagem, dois jovens posam com a insígnia suástica e com os braços na posição de saudação típica do nazismo”. Na sequência, a CDH produziu e publicou em seu perfil no Instagram um vídeo educativo, como parte  da campanha “Lembrança do Holocausto: exija e defenda os seus Direitos Humanos”.

CCJ do Senado aprova PL que amplia Lei Maria da Penha para atender mulheres trans

  • Redação
  • 23 Mai 2019
  • 16:46h

(Foto: Reprodução)

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou um projeto de lei que coloca mulheres transgênero e transexuais sob proteção da Lei Maria da Penha. O colegiado votou o texto na tarde dessa quarta-feira (22), sob relatoria da senadora Rose de Freitas (Pode-ES), que apresentou parecer favorável. Segundo informações da Folha de S. Paulo, a parlamentar argumentou que é a hora de o tema avançar no Poder Legislativo, a fim de equiparar "em direito todos os transgêneros". O PL foi proposto pelo hoje ex-senador Jorge Viana (PT-AC), em 2017. Ao apresentar o texto no Senado, ele justificou que "o ordenamento jurídico deve acompanhar as transformações sociais". "Nesse contexto, entendemos que a Lei Maria da Penha deve ter o seu alcance ampliado, de modo a proteger não apenas as mulheres nascidas com o sexo feminino, mas também as pessoas que se identificam como sendo do gênero feminino, como é o caso de transexuais e transgêneros". De acordo com a publicação, a proposta de alteração na lei é simples: o artigo 2º da Lei Maria da Penha passa a informar que "toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, identidade de gênero, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas às oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social". Agora que foi aprovado na CCJ, o PL vai a plenário e, se não houver recursos, segue para apreciação na Câmara.

Daniel Almeida reúne deputados e reitores das Universidades Estaduais

  • Assessoria Parlamentar
  • 23 Mai 2019
  • 11:50h

(Foto: Divulgação)

Acontece nesta sexta-feira (24), às 8h30, na sede da Universidade Estadual da Bahia, um café da manhã com parlamentares baianos e reitores (as) das Universidades Estaduais. A iniciativa, proposta do deputado federal e coordenador da bancada da Bahia, Daniel Almeida (PCdoB/BA), visa promover um espaço de diálogo entre parlamentares e representantes da comunidade acadêmica para tratar principais temas que envolvem a área de educação no estado.  “Estamos enfrentando muitos embates que envolvem a educação brasileira e não podemos nos furtar de fazer essa importante discussão. A nossa ideia é fortalecer o compromisso com as pautas que envolvem a área, que exerce um papel fundamental na formação dos cidadãos. Com isso, reafirmamos a mobilização que acontece em todo o país em torno de uma educação pública de qualidade”, justificou Daniel.  Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) estão paralisados desde o dia 9 de abril e cerca de 50 mil estudantes estão sem aula.

A um dia do fim do prazo, 35,9% dos inscritos do Enem tiveram pagamento confirmado

  • Redação
  • 22 Mai 2019
  • 16:52h

(Divulgação)

Apenas 35,94%, dos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tiveram o pagamento confirmado no banco até a manhã desta quarta-feira (22), de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC). A porcentagem corresponde ao número de 6.384.957 inscritos para a edição 2019 do exame. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), contudo, esse número é semelhante aos dos outros anos. As inscrições para o Enem terminaram na última sexta-feira (17), mas os inscritos têm até esta quinta-feira (23) para pagar a taxa de R$ 85. O número final de inscritos será divulgado pelo MEC na próxima terça-feira (28). Vale lembrar que as pessoas com direito à isenção da taxa, e que concluíram a inscrição no prazo, já tem participação garantida no exame. As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de dezembro, dois domingos.

Estudantes da Uefs interditam BR em protesto contra bloqueio de verbas

  • Redação
  • 22 Mai 2019
  • 15:29h

Foto: Ney Silva / Acorda Cidade

Um protesto de estudantes da Uefs [Universidade Estadual de Feira de Santana] criticou os bloqueios de verbas dos governos federal e estadual nesta quarta-feira (22). Munidos de cartazes, os estudantes queimaram pneus e interditaram um trecho da BR-116 Norte [sentido feira-Serrinha]. Segundo o Acorda Cidade, cerca de 80 estudantes participaram do protesto. Os estudantes levaram um caixão para mostrar a morte simbólica da educação conduzida pelos governos. Professores das universidades estaduais em greve também marcaram presença no protesto. Um engarrafamento chegou a ser gerado devido à interrupção do tráfego na via. A manifestação foi encerrada por volta das 10h.

Discutir o financiamento das universidades públicas é um mal necessário

  • por Fernando Duarte
  • 22 Mai 2019
  • 13:39h

(Foto: Brumado Urgente Conteúdo)

A discussão sobre o financiamento das universidades públicas é urgente. Não apenas por conta dos recentes contingenciamentos vividos pelas instituições federais, determinados pelo governo Jair Bolsonaro. Há muito tempo se posterga no Brasil um debate sério sobre outras formas de financiamento das universidades, tal qual acontecem em outros países no mundo. E quando alguém com voz fala sobre o tema, como aconteceu com o governador Rui Costa ao defender que se discuta a cobrança de mensalidade a depender da faixa de renda, é alvo de críticas. Não é novidade que uma parcela da esquerda brasileira vive em um mundo de fantasia. Tanto que essa parcela contribuiu de maneira incisiva – ainda que indireta – para que o conservadorismo extremo tomasse corpo e chegasse ao Palácio do Planalto. Porém sugerir que o debate sobre financiamento das universidades públicas é o mesmo que privatizá-las chega a ser um insulto à inteligência alheia. É um erro achar que cabe ao Estado brasileiro bancar as benesses da elite apenas sob a ótica de que a universidade pública deve ser universal. São duas coisas distintas, mas jogadas em um mesmo bolo.

O governador baiano sabia que sua fala seria polêmica. Tanto que hesitou quando foi questionado em um primeiro momento sobre outras formas de financiamento. Dando um contexto prévio, Rui falou inicialmente sobre a necessidade de uma maior participação da sociedade civil nos conselhos deliberativos das universidades. Sob a justificativa da autonomia universitária, instituições de ensino decidem gastos sem a fiscalização de quem banca seus custos. O exemplo dado pelo governador surgiu de uma universidade que decidiu dobrar gastos com segurança e ninguém pode questionar o poder discricionário do reitor. Não havia nada de ilegal, porém o valor na rubrica segurança poderia ter tido outro direcionamento. Outro ponto abordado por Rui foi o financiamento privado do desenvolvimento de pesquisas pelas universidades. Ele trouxe o exemplo de um túnel de vento da Universidade de Madrid, contratado por construtoras e empresas de design para verificar a viabilidade de seus projetos. De acordo com o governador, a instituição espanhola, mesmo pública, ganha milhões a partir desse equipamento. Tente fazer algo similar por essas bandas. À época em que estudava na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia sobraram críticas a um professor que conseguiu um laboratório para estudar o mercado online por meio de uma parceria com uma agência de publicidade. Por fim, após uma provocação de um repórter, Rui falou o que muita gente pensa: enquanto abastados que gastam rios de dinheiro no ensino básico por causa do sucateamento da educação pública entram nas universidades sem pagar nada, quem deveria ter acesso gratuito ao ensino superior acaba fora por causa do mesmo sucateamento da educação pública. É o círculo vicioso que o sistema de cotas propõe diminuir. Rui pode até se afastar mais das bandeiras do PT quando assume posições assim. No entanto, ao se aproximar de uma posição mais central, o governador baiano consegue transitar bem por campos até então desconhecidos por correligionários. É estratégico. Mas também é uma voz importante para puxar um debate relevante como o financiamento das universidades públicas. Basta saber até que ponto vão deixar ele falar.

CONTINUE LENDO

Aduneb: professores mantêm greve após Rui jogar ‘combustível em fogueira’

  • Redação
  • 21 Mai 2019
  • 08:49h

Foto: Ascom / Aduneb

Professores da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) decidiram pela manutenção da greve, em assembleia realizada na segunda-feira (20), após declarações do governador Rui Costa (PT), que serviram como “combustível em uma fogueira” (veja aqui e aqui), conforme nota da Seção Sindical dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb). Segundo a entidade, a fala do governador, “além do desrespeito à categoria, demonstrou que o gestor não conhece a realidade das universidades estaduais baianas”. A Aduneb reconheceu os esforços do comando de greve e dos interlocutores do governo na negociação, mas considerou que os avanços conseguidos até então não são satisfatórios. Entre as reivindicações da categoria, estão um reajuste de 25,64% no salário base, com pagamento escalonado durante o atual governo, e o retorno imediato do artigo 22 do Estatuto do Magistério Superior, que permite carga horária mínima de 8h em sala de aula para atuação maior em atividades de pesquisa e extensão.

Rui defende discussão sobre cobrança de mensalidade em universidades públicas

  • Fernando Duarte / Lucas Arraz
  • 20 Mai 2019
  • 19:47h

(Foto: Divulgação)

O governador Rui Costa defendeu, em almoço com jornalistas nesta segunda-feira (20), uma maior discussão sobre a cobrança de mensalidade em universidades públicas do país para alunos de famílias “que têm condições”. Para o petista, o assunto ainda é um tabu que precisa ser discutido. “Uma família que pagou educação privada a vida inteira não tem condições de contribuir com a universidade? Qual o problema disso?”, perguntou o petista. O governador entende, no entanto, que a atual polarização política do país pode prejudicar o debate e criar atritos no próprio PT.  “Quem tem renda maior, deve pagar. Acho que deveria ser assim, mas isso é considerado um tabu. Ninguém é contra que rico pague universidade pública, mas teme que isso seja o início da privatização do ensino superior”, sinalizou Rui.

Exame para obtenção de diploma de primeiro e segundo grau abre inscrições nesta segunda (20)

  • Redação
  • 20 Mai 2019
  • 10:41h

(Divulgação)

Com o fim das inscrições para o Exame do Nacional do Ensino Médio (Enem), começa um novo processo de certificação. A partir desta segunda-feira (20), interessados em realizar o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) 2019 já podem se inscrever. As provas, que garantem um diploma de conclusão do primeiro ou do segundo grau para aqueles que não puderam concluir seus estudos na idade apropriada, será aplicada no dia 25 de agosto em 611 municípios do país. Para solicitar a certificação do ensino fundamental, é preciso ter pelo menos 15 anos. Já para pedir o diploma do ensino médio, a idade mínima exigida é de 18 anos. Em ambos os casos, a inscrição é gratuita e pode ser feita até o dia 31 de maio, pelo página oficial do Encceja no site (veja aqui) do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Neste ano, o destaque entre as novidades do exame é a acessibilidade: pela primeira vez, o edital tem uma versão na Língua Brasileira de Sinais (Libras). Além disso, o esquema de segurança durante a aplicação das provas será mais rígido. Por exemplo, todos os lanches serão revistados e quem deixar aparelhos eletrônicos emitirem sons durante o exame será eliminado. Um detalhe positivo é que quem atingir a nota máxima em pelo menos uma das áreas de conhecimento, vai receber uma declaração de proficiência naquele setor. Sendo assim, o candidato será dispensado de fazer uma nova prova sobre a área em questão, caso precise voltar a fazer o exame nas próximas edições.

UFSB vai reduzir investimento em pesquisa para pagar água e energia

  • Redação
  • 18 Mai 2019
  • 08:15h

Foto: Mateus Pereira/Secom

A Universidade Federal do Sudoeste da Bahia teve o maior percentual de bloqueio orçamentário do Ministério Público e terá agora que reduzir investimentos em pesquisa e extensão para poder efetuar o pagamento de contas de energia e água. Segundo a instituição, o corte “ameaça, pela inviabilização iminente, serviços básicos e cumprimento de contratos de serviços”. O chamado orçamento discricionário, referente aos recursos que a gestão da universidade pode decidir como utilizar a partir de suas demandas próprias, é de R$ 31.529.663,00 para a UFSB em 2019. Desse total, que inclui tudo o que pode ser aplicado em termos de custeio e investimento, foram bloqueados R$ 17.014.631,00, o que equivale ao percentual de 54% — não fazem parte do orçamento discricionário o pagamento de salários, encargos trabalhistas, aposentadorias e pensões. Os bloqueios orçamentários sobre as despesas não obrigatórias variam de 15,82%, na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), a 54%, na UFSB, segundo dados da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes). A média era de 29,74%, segundo a associação. Além da UFSB, os bloqueios orçamentários atingem a Universidade Federal da Bahia (Ufba), a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Ufrb), a Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano) e o Instituto Federal da Bahia (IFBA).

Universidade do Sul da Bahia é instituição com maior corte de verbas do MEC

  • Redação
  • 17 Mai 2019
  • 10:26h

(Foto: Reprodução)

A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) foi a instituição superior que sofreu o maior corte anunciado pelo governo federal. A entidade sofrerá bloqueio de 53,96%, segundo levantamento da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Em nota nesta quinta-feira (16), a UFSB informou que dos R$ 31.529.663 referente ao orçamento discricionário de 2019, R$ 17.014.631 foram bloqueados. No comunicado, a universidade disse que busca dialogar com o Ministério da Educação (MEC) sobre "os impactos e suas implicações na continuidade das atividades institucionais". A instituição conta com cerca de 4,5 mil estudantes. Depois da UFSB, a universidade federal que mais sofreu corte de verbas foi a Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB). Foram 36,5% de bloqueio de verbas. Em terceiro, com corte de 31,98%, está a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Estudantes têm até esta sexta para se inscrever no Enem 2019

  • Redação
  • 17 Mai 2019
  • 09:15h

(Divulgação)

Nesta sexta-feira (17) é o último dia para os estudantes se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. As inscrições podem ser feitas pela internet, na Página do Participante, até as 23h59.

A dica do Ministério da Educação é não deixar para se inscrever na última hora, pois são comuns os picos de acesso ao sistema de inscrição nos últimos minutos.

Também termina hoje o prazo para solicitar atendimento especializado e específico e para alterar dados cadastrais, município de provas e opção de língua estrangeira. No dia 22 será divulgado o resultado do pedido de atendimento especializado e específico.

Taxa de Inscrição

A taxa de inscrição para o Enem é de R$ 85. Quem não tem isenção deve fazer o pagamento, até o dia 23 de maio, em agências bancárias, casas lotéricas e Correios.

Provas

O Enem será aplicado em dois domingos, nos dias 3 e 10 de novembro. No primeiro dia de prova, os participantes responderão a questões de linguagens e ciências humanas e farão a prova de redação. Para isso, terão 5 horas e 30 minutos. No segundo dia, os estudantes terão 5 horas para resolver as provas de ciências da natureza e matemática.

Os gabaritos das provas serão divulgados até o dia 13 de novembro. O resultado sairá em data a ser divulgada posteriormente.

As notas do Enem podem ser usadas para ingressar em instituição pública pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Decreto de Bolsonaro sobre nomeações preocupa dirigentes universitários

  • FolhaPress
  • 17 Mai 2019
  • 07:06h

(Foto: Reprodução)

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), publicado nesta quarta-feira (15), deixou preocupados dirigentes das universidades federais, que viram no texto a possibilidade de o governo interferir diretamente nas nomeações de cargos para segundo, terceiro e quarto escalões das instituições. O texto foi publicado na edição de quarta do Diário Oficial da União, mas só entrará em vigor no próximo dia 25 de junho. Entre as alterações feitas pelo decreto estão a transferência da avaliação de escolha de "dirigente máximo de instituição federal de ensino superior", ou seja, de reitores das federais, da Casa Civil para a Secretaria de Governo.  

Atualmente, as indicações apenas dos reitores das federais são encaminhadas pelas instituições ao MEC (Ministério da Educação) e depois para a Casa Civil, que dá a validação final para o nome do escolhido.Na visão de dirigentes universitários ouvidos pela reportagem, o novo texto pode submeter ao crivo do governo também as escolhas da equipe de confiança dentro das universidades, como pró-reitores e diretores de faculdades ou centros de ensino. O texto também fala da dispensa dos profissionais desses cargos.

A partir do novo decreto, as escolhas de pró-reitores ou de diretores de centros de ensino podem ser submetidas ao crivo do ministro-chefe da Secretaria de Governo. Preocupados com uma possível violação de suas autonomias, as procuradorias de institutos federais de educação já analisaram o teor do texto e consideraram que fere a autonomia das instituições.

Reitores ouvidos pela reportagem, que pediram anonimato por medo de represália, dizem que o decreto é preocupante porque poder resultar em pessoas nomeadas pelo Planalto sem afinidade com reitor e comprometer a administração da instituição. O Conif (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica) encaminhou pedido de esclarecimentos para o MEC. 

Universidades consultadas pela reportagem informaram que encaminharam o decreto para análise de suas procuradorias para uma avaliação jurídica e técnica. A Andifes (entidade que representa os reitores das universidades federais) informou que também analisa o conteúdo.

Pelo texto do decreto, o ministro titular da pasta, hoje ocupada pelo general Carlos Alberto dos Santos Cruz, poderá "decidir pela conveniência e oportunidade administrativa quanto à liberação ou não das indicações submetidas à sua avaliação". O prazo máximo para essa tomada de decisão é de dez dias úteis após análise feita pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República.

Se o prazo for excedido e não houver manifestação da Secretaria de Governo, "a indicação será considerada aprovada". A Casa Civil, responsável pela publicação do texto, nega que tenha havido a alteração da competência do presidente da República para nomeação dos reitores.

"Em relação aos demais cargos, o decreto faculta aos dirigentes das universidades e institutos federais de ensino a possibilidade de submeter os indicados à verificação de vida pregressa com base nas informações a serem registradas pelos órgãos de consulta, a saber, Abin e CGU, para auxiliar no processo de escolha dos nomes que irão o compor o quadro funcional de cargos em comissão e funções de confiança da instituição", disse a pasta por meio de nota divulgada na noite desta quinta-feira (16).

"A submissão ao fluxo proposto pelo decreto é uma opção, que em nada interfere na autonomia das instituições de ensino, mas apenas disponibiliza um instrumento útil à decisão da autoridade", afirma a Casa Civil.

Mais cedo, o secretário executivo do  MEC, Antonio Paulo Vogel, disse que o decreto instituiu uma prática já consolidada. As universidades questionam o fato de não estar muito claro a quem é delegado o poder de nomeações por parte do presidente da República e disseram que aguardam outras normativas até que o texto entre em vigor, daqui a mais de um mês.

Gera dúvidas ainda o fato de haver no decreto um trecho que diz que "a existência de delegação não afasta a possibilidade de o ato [de nomeação ou de exoneração] ser realizado pelo presidente da República." O decreto foi publicado no mesmo dia em que estudantes e professores organizaram protestos em pelo menos 170 cidades brasileiras contestando o bloqueio de verbas para a Educação, que paralisou bolsas de pesquisa e outros recursos para universidades e instituições de ensino.

A oposição ao governo vê no texto um ato de retaliação às manifestações e partidos como PSB e PSOL protocolaram decretos legislativos no Congresso para suspender o ato do Executivo.

CONTINUE LENDO

Emoção e alegria dominam as homenagens às mães da Escola Élcio José Trigueiro

  • Ascom | CMB
  • 16 Mai 2019
  • 19:42h

(Divulgação)

Neste ano de 2019 as homenagens às mães feitas nas escolas de Rede Municipal de Ensino de Brumado foram marcantes e estreitaram ainda mais a relação entre professores, funcionários pais e alunos. Uma das mais marcantes foi a da Escola Municipal Élcio José Trigueiro, que fez uma programação diferenciada levando os alunos e as mães para uma sessão especial de cinema no Cine Premier. Foi uma tarde cultural e de muita alegria, onde todos se emocionaram muito com o filme “A vida é uma festa”. A satisfação em cada sorriso deu o tom final à sessão, onde, mães e filhos abraçados e felizes celebraram a grandiosidade da maternidade. A direção da escola fez questão de agradecer à Secretaria de Educação, que concedeu esse momento único e especial, à altura do que as mães mereciam e esperavam.

Obras da Creche da Lagoa Funda estão em ritmo acelerado e inauguração pode acontecer ainda este ano

  • Ascom | PMB
  • 15 Mai 2019
  • 16:14h

As obras da Creche da Lagoa Funda estão bem adiantadas (Foto: Youtube)

As creches ocupam um lugar importante na formação da base educacional da população, já que são nelas que são transmitidos os primeiros passos do conhecimento. Diante disse o município de Brumado buscou expandir essa vertente educacional e, nesse planejamento, obteve sucesso, com a construção de novas unidades que ampliarão do ensino infantil. Uma delas fica localizada no Povoado de Lagoa Funda, a qual está na terceira laje, parte da cobertura e logo se entrará na fase de acabamento. A obra será inaugurada possivelmente ainda esse ano, o que trará um ganho educacional importante para os moradores, não só de Lagoa Funda, mas também das adjacências. O prefeito Eduardo Vasconcelos esteve visitando as obras, a qual foi registrada em vídeo, veja abaixo: