BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

Governo pagará 13º para o Bolsa Família, confirma futuro ministro

  • EBC
  • 29 Nov 2018
  • 08:11h

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), indicado hoje (28) para o Ministério da Cidadania no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, confirmou que será cumprida a promessa de um 13º benefício do Bolsa Família para os integrantes do programa. Terra disse que haverá espaço no orçamento para o pagamento do décimo terceiro, em função da eliminação da fila de espera para o benefício ocorrida nos últimos anos, quando foram cortadas 5 milhões de bolsas de famílias após cruzamento de dados com outras fontes de renda das pessoas atendidas.  "O presidente [Bolsonaro] pediu isso, e vai ser cumprido. Com esse ajuste que se fez, saíram aqueles que não precisavam do programa, é mais fácil conseguir o recurso para o 13º também", explicou.  Osmar Terra defendeu a continuidade de um pente-fino no programa, mas descartou, no momento, a possibilidade de reajuste no valor do benefício. "Por enquanto, não. Temos que ver como vai evoluir a receita e despesa [do futuro governo], houve aumento importante do Bolsa Família nos últimos dois anos, acima da inflação",lembrou o futuro ministro. Terra ressaltou que o objetivo do programa é focar na geração de emprego e renda dos beneficiários, para que eles não precisem mais dessa assistência.    "Metade da população brasileira ganha menos de meio salário mínimo per capita. Então isso exige políticas específicas para ajudar, mas o maior programa de combate à pobreza é geração de emprego e renda, não tem outro. A maior vitória de um programa é a diminuição de pessoas que precisam do programa [social]", afirmou.

Preço da gasolina nas bombas cai pela 5ª semana seguida, diz ANP

  • 27 Nov 2018
  • 09:05h

O preço da gasolina nas bombas caiu 1,3% na semana passada, no quinto recuo seguido, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (26) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). O valor médio por litro passou de R$ 4,614 para R$ 4,554. O valor representa uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, os preços podem variar de acordo com a região. Na mesma semana, a Petrobras reduziu o preço nas refinarias em cerca de 3%, ou R$ 0,05. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos de combustíveis. Em novembro, o preço da gasolina nas refinarias acumula queda de 19% - recuo bem maior que nas bombas. Considerando os dados da ANP, o valor médio da gasolina para o consumidor final acumula queda de 3,6% em novembro. No ano, o preço médio da gasolina nas bombas acumula alta de 11%, também considerando a média calculada pela ANP. A variação é maior que a inflação esperada para o ano todo. Segundo o relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (26) pelo Banco Central, o mercado espera que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, fique em 3,94% em 2018. Os cortes pela Petrobras fazem parte da política de preços da companhia, que reajusta o valor da gasolina nas refinarias quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. Fatores como o câmbio e a cotação do barril de petróleo influenciam na variação dos preços. Segundo cálculo mais recente da Petrobras, o preço que a empresa cobra nas refinarias representa menos de um terço (27%) do valor pago pelos consumidores. Os números sugerem que, nos últimos meses, os postos vêm aumentando sua margem de lucro. Atualmente, 16% do preço final corresponde aos custos e lucro dos distribuidores e postos de gasolina. Em maio, essa fatia era de 12%, e no final de outubro era de 14%.

 

INSS começa a pagar nesta segunda a 2ª parcela do 13º salário de aposentados

  • 26 Nov 2018
  • 11:17h

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) começa a pagar nesta segunda-feira (26) a segunda parcela do 13º salário dos aposentados e pensionistas. Os depósitos serão feitos até 7 de dezembro, junto com a folha mensal de pagamento do mês de novembro. Já para os trabalhadores assalariados, a primeira parcela deve ser depositada até 30 de novembro, conforme determina a lei, e a segunda, até o dia 20 de dezembro. Pelo calendário do INSS, os primeiros a terem o valor depositado serão os segurados que recebem até um salário mínimo e possuem cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito. Quem ganha acima do mínimo começa a receber a partir do dia 3 de dezembro.  Em todo o país, 30,1 milhões receberão a segunda parcela do 13º, totalizando R$ 21,4 bilhões, segundo a Secretaria da Previdência. A segunda parcela corresponde a 50% do valor de cada benefício. Mas vale lembrar que é sobre a segunda parcela que pode incidir o Imposto de Renda. A primeira parcela foi paga entre os dias 27 de agosto e 10 de setembro.

Black Friday de 2018 cresce em faturamento

  • G1
  • 24 Nov 2018
  • 16:44h

A Black Friday de 2018 cresceu em relação ao ano passado, sobretudo no e-commerce, mas as queixas dos consumidores seguiram elevadas. Os números mostram um crescimento de mais de 20% nas vendas. O levantamento realizado pela Ebit/Nielsen apurou que as vendas no e-commerce alcançaram R$ 2,6 bilhões no período, uma alta de 23% em relação a 2017. O número de pedidos cresceu 13%, para 4,27 milhões, enquanto o tíquete médio (valor médio por compra) teve alta de 8%, para R$ 608. Segundo o levantamento, o número de consumidores únicos (que fez ao menos uma compra online) cresceu 9% em relação ao ano anterior, para 2,41 milhões.No mapeamento realizado pelo Índice Cielo de Varejo Ampliado (ICVA), até as 17h, as vendas nas lojas físicas e e-commerce aumentaram 9,4% na comparação com 2017 - somente as vendas online tiveram alta de 14%. Apesar de os números indicarem um crescimento robusto, as queixaram dos consumidores seguiram altas. O balanço do Procon-SP mostrou que foram recebidas 258 reclamações sobre a Black Friday até as 18h. Destas, 87 se referem a maquiagem de desconto. Outras 52 queixas foram sobre mudança de preço ao finalizar a compra. Os consumidores também reclamaram de produto indisponível, pedido cancelado pela empresa após finalização da compra e site intermitente ou congestionado. Já o Reclame Aqui recebeu 5,6 mil reclamações ao longo do período de ofertas. Propaganda enganosa e maquiagem de preço permaneceram lideraram entre os principais motivos de queixas (14,2%). Na sequência do pódio, neste fechamento final, ficaram empatadas divergência de valores e problemas na finalização da compra, com 7,6%. Em seguida, atraso na entrega aparece com 3,9% das queixas. "Isto porque, com a antecipação de ofertas oferecidas pelas marcas, o brasileiro começou a fazer as compras de Black Friday já no início de novembro", diz a entidade. A última colocação ficou com estorno do valor pago (3%). Os produtos mais reclamados foram smartphones e celulares fecharam o evento com 11,6%. A seguir, ficaram TV (5,3%), passagem aérea (4,7%), tênis (3,6%) e cartão de crédito (2,9%).

Brasileiros aproveitam Black Friday para antecipar compras de natal

  • Bahia Notícias
  • 23 Nov 2018
  • 10:11h

Foto: Agência Brasil

Dados do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico mostraram que, em 2017, o setor de medicamentos faturou R$ 69,5 bilhões. O número corresponde a um aumento de 9,4% em relação às vendas de 2016. Para chegar a esse valor, o volume comercializado ultrapassou 4,4 bilhões de caixas de medicamentos. Das 214 empresas que atuam no mercado, 53 concentraram R$ 58,2 bilhões das vendas, com a comercialização de mais de 3,4 bilhões de unidades. De acordo com O Globo, os dados serão divulgados nesta sexta-feira (23), pela Câmara de Regulação do Mer.Há poucos dias da Black Friday 2018, o comércio brasileiro começa a perceber a movimentação dos consumidores. Muitos brasileiros já estão acompanhando os preços dos produtos que desejam adquirir. De acordo com pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), em parceria com a Ferraz Pesquisa de Mercado, aproximadamente 37% das compras da Black Friday são antecipação para o Natal. Segundo a pesquisa, os itens mais desejados são eletrônicos (68%), Eletrodomésticos (50%) e Vestuários (49%). Seguida de livros (26%); serviços/ produtos de beleza (24%); viagens/ passagens aéreas (18%); games (18%); artigos esportivos (16%); cupons promocionais (14%); e carro e moto/ artigos para carro e moto (6%). Já os que vão presentear, preferem optar por Vestuários (53%), Eletrônicos (44%) e Livros (39%). Vale destacar o crescimento do segmento de viagens. Muitos brasileiros esperam a data para aproveitar a black Friday passagens e conseguir preços mais atrativos para destinos nacionais e internacionais. Segundo estudo do Ebit, o comércio eletrônico deve faturar R$ 2,43 bilhões durante a Black Friday de 2018, alta de 15% na comparação com o ano passado. O gasto médio será de R$ 1.283,00. Em 2017, o gasto médio dos consumidores na data (soma de compras online e off-line) foi de R$ 1.178, segundo o Ebit. A pesquisa online da SBVC consultou 403 consumidores, em quatro Estados (Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul) e no Distrito Federal, entre os dias 10 e 21 de setembro. 

Pesquisas apontam crescimento da Black Friday

  • Bahia Notícias
  • 22 Nov 2018
  • 11:14h

Considerada uma das maiores promoções do varejo nacional, a Black Friday vem ganhando espaço no Brasil e, aos poucos, conquistando a confiança dos consumidores. A cada ano, o número de compras online cresce e o ticket médio aumenta. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a Black Friday Brasil movimentará R$ 2,87 bilhões no comércio online brasileiro apenas nos dias 22 e 23 de novembro. Um crescimento de 16% em relação a 2017. A expectativa é que as lojas virtuais brasileiras recebam mais de 8,8 milhões de pedidos, com tíquete médio de R$ 326. Pesquisa da Mercado Livre, encomendada ao Ibope Conecta, aponta que 44 % dos consumidores irão adquirir três produtos nas promoções black Friday. Outros 17% querem comprar quatro ou mais. O restante (39%) ainda não decidiu. Em relação ao preço, 47% dos entrevistados pretendem gastar mais de 500 reais. Outros 13% declararam que os gastos ficarão entre 350 e 500 reais. Apenas 5% dos consumidores querem desembolsar menos de 100 reais.A black friday brasil 2018 será realizada no dia 23 de novembro e já é apontada como a segunda data para o varejo nacional, atrás apenas do Natal. As categorias mais buscadas devem ser "Informática", "Celulares", "Eletrônicos", "Moda e Acessórios" e "Casa e Decoração".

INSS: aposentado já pode consultar extrato de pagamento com valor da 2ª parcela do 13º

  • iBahia
  • 22 Nov 2018
  • 08:10h

Os 29,7 milhões de aposentados do INSS que fazem jus ao 13º salário este ano — de um universo total de 34 milhões de segurados — já podem consultar pela internet o extrato de pagamento da segunda parcela do abono de fim de ano, junto com o benefício mensal. O dinheiro será liberado a partir de segunda-feira, dia 26 de novembro, para os que recebem um salário mínimo. O crédito será feito para um grupo de segurados por dia, até o dia 7 de dezembro, de acordo com o número final do benefício (antes do traço). De 3 a 7 de dezembro, será a vez dos aposentados e pensionistas que recebem mais de um piso nacional (acima de R$ 954). Neste caso, o pagamento — feito junto com o vencimento mensal — será para dois grupos por dia. Vale lembrar que a segunda parcela do 13º salário pode sofrer os descontos previstos em lei, com o de Imposto de Renda (quando o segurado tem renda mais alta, acima de R$ 1.903).

Como fazer a consulta

A consulta ao extrato na internet é feita pelo portal Meu INSS. Para conseguir acessar o documento, é preciso cadastrar uma senha para acessar o sistema de serviços do órgão. É necessário ficar atento, pois o cadastro somente é finalizado quando o segurado responde de forma correta às perguntas sobre sua vida trabalhista. Caso o segurado tenha dificuldades de usar a web, é possível ter acesso ao extrato no banco de pagamento do benefício ou por meio da central telefônica 135.

Brasil gerou mais de 57 mil vagas formais de trabalho em outubro

  • 22 Nov 2018
  • 07:08h

O Brasil gerou 57.733 empregos com carteira assinada em outubro deste ano. As informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgadas pelo presidente Michel Temer no Twitter e depois detalhadas pelo Ministério do Trabalho. Ao todo, em outubro, foram contratados 1.279.502 trabalhadores e demitidos, 1.221.769.O número de vagas, porém, é inferior ao registrado em outubro do ano passado, quando foram criados 76.599 empregos com carteira assinada, de acordo com o Ministério do Trabalho.

Black Friday 2018: veja como se proteger de golpes durante as compras na web

  • G1
  • 21 Nov 2018
  • 17:01h

Foto: Simon Stratford/Freeimages

Comprar na internet sempre merece atenção, mas durante aBlack Friday, quando milhares de consumidores buscam as promoções, aumentando o tráfego dos sites e lojas virtuais, os cuidados devem ser redobrados, pois podem ocorrer divulgação de promoções falsas, inclusive através de redes sociais e e-mail, golpes e roubo de dados. A data de promoções será nesta sexta-feira (23). Segundo a especialista em infraestrutura de Tecnologia da Informação da IT Line Technology, Sylvia Bellio, os hackers estão sempre em busca de oportunidades para roubar dados ou enviarem vírus e, nesse período, aproveitam o maior acesso às lojas virtuais para atacar. Por isso, antes de comprar online, a especialista alerta para a importância de manter o equipamento sempre atualizado, conforme recomendação do fabricante. “As atualizações servem, entre outras coisas, para corrigir falhas no sistema que podem evitar possíveis ataques e vírus”, explica. Segundo ela, além da atualização, é preciso proteger o computador com um antivírus de qualidade.

Veja 16 itens para tomar cuidado na hora da compra e, mais abaixo, as orientações dos especialistas:

  1. Cuidado com as redes abertas: redes gratuitas podem não ser protegidas
  2. Veja se o site é seguro: certifique-se de que está fazendo a compra em uma página segura
  3. Tenha um antivírus: ele pode detectar sites que contenham arquivos maliciosos
  4. Cuidado com as senhas: use uma para cada cadastro
  5. Proteja seu cartão de crédito: desabilite a opção de salvar os dados do cartão no site de compra
  6. Formas de pagamento: desconfie de lojas que aceitam apenas transferência ou boleto
  7. Promoções por e-mail: cuidado com links recebidos, prefira entrar direto na página da loja
  8. Mensagens de ‘phishing’: verifique o endereço antes de clicar em links recebidos
  9. Promoções em redes sociais: cuidado com possíveis páginas falsas, que visam roubar dados
  10. Atenção em cada etapa da compra: faça print de cada tela da compra
  11. Lojas menores: dê preferência às que têm intermediários como sistema de pagamento
  12. Lojas confiáveis: verifique a confiabilidade das lojas em sites de reclamações
  13. Sites similares: cheque sempre o endereço virtual (link) da página
  14. Lojas falsas: cuidado com páginas de lojas desconhecidas, que podem fazer vendas e não entregar
  15. Compra pelo celular: baixe apenas aplicativos de lojas oficiais
  16. Aplicativos falsos: ao baixar apps, verifique nome, desenvolvedor e quantidade de opiniões

Veja calendário de pagamento do abono salarial PIS-Pasep 2018-2019

  • 20 Nov 2018
  • 07:11h

Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

O abono salarial PIS-Pasep 2018-2019, ano-base 2017, começará a ser pago no fim do mês de julho. De acordo com o calendário, quem nasceu nos meses de julho a dezembro receberá o benefício ainda no ano de 2018. Já os nascidos entre janeiro e junho receberão no primeiro trimestre de 2019. Em qualquer situação, o recurso ficará à disposição do trabalhador até 28 de junho de 2019, prazo final para o recebimento. O valor do abono varia de R$ 80 a R$ 954, dependendo do tempo em que a pessoa trabalhou formalmente em 2017.

Trabalhadores da iniciativa privada retiram o dinheiro na Caixa Econômica Federal, e os servidores públicos, no Banco do Brasil. É preciso apresentar um documento de identificação e o número do PIS/Pasep. Tem direito ao abono salarial quem recebeu, em média, até dois salários mínimos mensais com carteira assinada e exerceu atividade remunerada durante, pelo menos, 30 dias em 2017. É preciso ainda estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter os dados atualizados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais). A estimativa é de que sejam destinados R$ 18,1 bilhões a 23,5 milhões de trabalhadores.

Idosos ampliam espaço no mercado de trabalho, mas só 1/4 tem carteira assinada

  • 18 Nov 2018
  • 13:53h

Monika, de 70 anos, é treinada por funcionária mais jovem após ser contratada como atendente do Reclame Aqui. — Foto: Reclame Aqui/Divulgação

O interesse das empresas por trabalhadores da terceira idade nunca foi notável, mas já se percebe um olhar um pouco mais amigável para a diversidade etária e a convivência entre gerações dentro do ambiente corporativo. Esse movimento atende a uma crescente demanda de pessoas mais velhas que buscam um emprego. Ainda que o percentual de pessoas acima de 60 anos no mercado de trabalho venha crescendo – bateu o recorde de 7,9% no segundo trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – apenas 26% têm carteira assinada. A maior parte ainda está na informalidade ou em ocupações por conta própria. A faixa etária mais excluída do mercado formal é também a que mais tem sofrido com o fechamento de vagas com carteira assinada, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Em agosto, enquanto a faixa etária até 39 anos criou mais de 140 mil vagas, 37 mil postos foram fechados para pessoas acima de 50 anos. Contudo, algumas empresas passaram a lançar programas com vagas abertas apenas para pessoas de idade mais avançada, como parte de um esforço de diversidade que já era observado em relação a gênero e raça. Após sair do emprego de secretária bilíngue no ramo de autopeças, Monika Feldenheimer da Silva pensava que não teria mais chances no mercado de trabalho. Ao saber, por sua filha, que o site Reclame Aqui divulgou um anúncio de vaga com os dizeres “Contratamos a sua avó”, ela enviou um email para a empresa: “Eu sou a avó que vocês procuram”. Formada em ciências sociais e com 20 anos de experiência, Monika recebeu um Uber na porta de sua casa para levá-la à entrevista de emprego, que tinha cinco candidatos. O emprego de atendente era dela. No começo, a nova atendente de 70 anos teve receio de sofrer preconceito dos mais jovens, mas logo percebeu que o ambiente era receptivo. Ela foi treinada por uma das funcionárias mais jovens da empresa, como parte da cultura de mesclar gerações. “Não consigo me imaginar não trabalhando, senão me sinto meio inútil. Quando parei, disse para meu filho que foi dificil ficar sem trabalhar”, conta Monika. Além do senso de utilidade, Monika destina parte de seu salário para ajudar um dos netos, que não tem renda suficiente para se manter.

Levantamento aponta que Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões

  • Bahia Notícias
  • 18 Nov 2018
  • 08:08h

Foto: Agência Brasil

O Natal de 2018 deve movimentar cerca de R$ 53,5 bilhões na economia do país, de acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).  O estudo aponta ainda que as projeções permanecem no mesmo patamar do ano passado. Conforme os dados, 72% dos brasileiros planejam comprar presentes para outras pessoas no Natal, o índice representa 110,1 milhões de consumidores. Entre aqueles  que não pretendem presentear (9%), os motivos se dividem entre falta de importância ao feriado (26%), falta de emprego (17%), ou falta de dinheiro. Os que ainda não decidiram representam 19% dos entrevistados. Os consumidores ouvidos na pesquisa afirmaram que pretendem comprar, em média, entre quatro e cinco presentes, gastando o valor médio de R$ 115,90. O levantamento também indica que o número dos que pretendem desembolsar entre R$ 100 e R$ 200 com presentes cresceu na comparação com 2017, passando de 10% para 16%, e que um terço desse percentual está na faixa acima dos 55 anos.

Busca por aposentadoria cresce em meio a debate da reforma

  • Clayton Castelani | Folhapress
  • 17 Nov 2018
  • 16:40h

Em uma típica corrida para escapar da reforma da Previdência, 775,6 mil segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pediram aposentadorias por tempo de contribuição no primeiro semestre deste ano. O número é 40% maior do que as 554,2 mil solicitações do benefício realizadas nos primeiros seis meses de 2016, antes de o presidente Michel Temer (MDB) ter enviado ao Congresso Nacional a sua proposta de mudanças nas regras. A tendência é que a busca pelo benefício continue alta no ano que vem, considerando que a reforma é prioridade para o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Na comparação com igual período de 2017, os requerimentos variaram 1%. Em 2018, as discussões da reforma foram suspensas por causa da intervenção federal no estado do Rio de Janeiro. Porém, para os trabalhadores que já têm direito à aposentadoria, antecipar o pedido ao INSS pode trazer mais prejuízo do que trariam as eventuais mudanças nas regras de concessão, avalia Elenice Hass de Oliveira Pedroza, secretária-geral do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário). O risco para esses segurados é o de abrir mão de uma renda consideravelmente maior, que poderia ser obtida com alguns meses a mais de contribuição ao INSS. "Nesse período que começam a falar de reforma, tem muita gente que corre para se aposentar", diz Pedroza. "Mas é preciso ter calma, já que um tempo a mais trabalhando pode melhorar a condição de renda que valerá para o resto da vida." A corrida pelas aposentadorias é desnecessária, pois o trabalhador que atinge os requisitos para receber o benefício antes da mudança nas regras tem o chamado direito adquirido. A manutenção desse direito é cláusula pétrea da Constituição, ou seja, não pode ser modificado nem mesmo por meio de uma PEC (proposta de emenda à Constituição). Para aqueles que estão próximos de alcançar o direito, também vale ter calma. Se mudanças profundas forem aprovadas, como a criação da idade mínima, haverá um período de transição.

Economia brasileira cresce 1,74% no 3º trimestre, indica BC

  • 16 Nov 2018
  • 13:06h

A economia brasileira acelerou seu ritmo de crescimento no terceiro trimestre deste ano, segundo apontam números divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (16). De acordo com a instituição, o chamado Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrou uma alta de 1,74% neste período, na comparação com o segundo trimestre de 2018. O número foi calculado com "ajuste sazonal", uma "compensação" para comparar períodos diferentes de um ano. De acordo com a série histórica do IBC-Br, divulgada na página do Banco Central na internet, esse foi o maior crescimento do indicador desde o segundo trimestre de 2012 – quando avançou 1,92% em termos dessazonalizados. O IBC-Br, do Banco Central, é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os indicadores, porém, nem sempre mostram proximidade.Os números oficiais do PIB do terceiro trimestre deste ano serão divulgados pelo IBGE no dia 30 de novembro.A aceleração do ritmo de crescimento da economia acontece foi influenciada pela greve dos caminhoneiros, que reteve o PIB do segundo trimestre deste ano. Naquele período, foi registrada expansão módica de 0,2%, de acordo com dados oficiais.

Salário mínimo pode superar R$1.006 em 2019

  • O Globo
  • 15 Nov 2018
  • 11:10h

(Foto: Reprodução)

O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, afirmou nesta terça-feira que a variação da inflação pelo INPC pode ficar mais alta que a prevista pelo governo no projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2019, o que abriria a porta para um salário mínimo maior que o de 1.006 reais originalmente estipulado para o ano que vem.Em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO), ele lembrou que cada 1 real de elevação no valor do salário mínimo implica necessidade adicional de 304 milhões de reais em gastos da União, aumentando a pressão sobre um Orçamento já apertado por crescentes gastos obrigatórios.À exceção do INPC, o governo segue vendo os demais indicadores econômicos em linha com os traçados quando enviou o PLOA de 2019 ao Congresso, no fim de agosto, avaliou Colnago. Entram neste balaio a alta de 2,5 por cento para o PIB no ano que vem, uma Selic média de 7,17 por cento e uma taxa média de câmbio de 3,62 reais por dólar.A regra atual estipula que o salário mínimo deve ser corrigido pelo INPC dos 12 meses anteriores somado ao crescimento da economia de dois anos antes. Nas estimativas do Orçamento do ano que vem, o INPC de 2018 foi projetado em 4,20 por cento. Nos 12 meses até outubro, o indicador ficou em 4 por cento, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).O governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), inclusive, deverá decidir logo nos primeiros meses do ano como será a nova fórmula de cálculo do salário mínimo, que baliza o pagamento a servidores e aposentados, com forte relevância orçamentária. Isso deverá ser feito até 15 abril, quando deverá enviar ao Congresso o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020.