BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

Ituaçu: Greve dos funcionários da Itaguarana já dura 28 dias

  • Brumado Urgente
  • 10 Out 2017
  • 10:00h

Foto: Brumado Urgente

Há 28 dias os trabalhadores da fábrica de cimento da Itaguarana, do grupo Nassau em Ituaçu, estão em greve, o motivo é o atraso salarial de mais de dois meses, bem como o não pagamento das férias anuais e o impasse das negociações do ACT/2017. De acordo com a Sindmine, a diretoria do órgão já vinha tentando, sem sucesso, um acordo com a empresa para regularizar a questão salarial, e também para efetuarem pagamentos de direitos trabalhistas de funcionários já demitidos, mas ambos não obtiveram retorno. Foi a partir dai, após incessantes procuras por acordo, que a categoria foi orientada a paralisar suas atividades, que já perduram por quase um mês e onde ainda não houve negociação e as atividades da fábrica totalmente paralisadas. Em recife, uma manifestação foi realizada no dia 09, também contra essa empresa e pelos menos motivos, os pagamentos em atraso e não cumprimento das leis trabalhistas.

Conta de luz de outubro terá bandeira vermelha, com cobrança extra mais alta

  • 30 Set 2017
  • 14:10h

(Foto: Reprodução)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou hoje (29) que a bandeira tarifária das contas de luz em outubro será a vermelha patamar 2. A tarifa é a mais cara do modelo e representa a cobrança de taxa extra de R$ 3,50 a cada 100 Quilowatt-hora (kWh) consumidos. Em setembro, a bandeira tarifária das contas de luz foi a amarela, com taxa extra de R$ 2 para cada 100 kWh de energia consumidos. Segundo o diretor-presidente da Aneel, Romeu Rufino, a decisão foi tomada devido à baixa vazão das hidrelétricas, porque as chuvas em setembro ficaram abaixo da média. “Em função do regime hidrológico muito crítico, este setembro foi o pior mês de setembro, do ponto de vista da vazão, da série histórica do setor elétrico”.  Apesar do alerta, Rufino disse que não há risco para o abastecimento de eletricidade. Desde que a bandeira vermelha passou a ter dois patamares, 1 e 2, em janeiro de 2016, esta é a primeira vez que o nível mais alto é acionado. 

A tarifa extra mais alta se deve à necessidade de operar mais usinas térmicas, cujo custo de produção da energia é mais alto que a da produzida nas hidrelétricas. Na semana passada, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), ligado ao Ministério de Minas e Energia, havia decidido não acionar as usinas termelétricas mais caras, o chamado “despacho fora da ordem de mérito” mas aprovou, se necessário, o aumento da importação de energia elétrica da Argentina e do Uruguai “na medida em que for possível”. Na reunião, o CMSE também decidiu retomar a operação de três usinas termelétricas que estão paradas. Segundo o comitê, as usinas de Araucária, Cuiabá e Termonorte II “são capazes de produzir energia a preços mais competitivos se comparados com os de outras usinas térmicas.”

CONTINUE LENDO

Preço da gasolina sobe pela 6ª semana seguida e atinge maior valor no ano, diz ANP

  • 23 Set 2017
  • 15:05h

(Foto: Reprodução)

Preço médio da gasolina subiu pela 6ª semana consecutiva e atingiu R$ 3,879 por litro, o maior valor registrado no ano. Os dados são de levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP) divulgado nesta sexta-feira (22) e consideram a média de preços praticados nesta semana em 3.166 postos de combustível no país. Na semana, a gasolina subiu 0,18%, de R$ 3,872 para R$ 3,879. O aumento ocorreu apesar de a Petrobras ter reduzido em 0,51% o preço praticado nas refinarias na semana. A definição de preços pela estatal é diária, mas cabe a cada posto de combustível definir se repassa ou não eventuais aumentos ou reduções de custos para o consumidor.

PF deflagra operação na Bahia contra desvios na Caixa

  • 20 Set 2017
  • 11:03h

Foto: Ilustração

Deflagrada nesta quarta-feira (20) pela Polícia Federal (PF), a Operação Inimigo Oculto tem o objetivo de desarticular um grupo de criminosos que causou quase R$ 1 milhão de prejuízos aos cofres da Caixa Econômica Federal. Conforme a PF, estão sendo cumpridos três mandados de prisão temporária e 30 de condução coercitiva, além de buscas em três endereços residenciais. As ordens judiciais estão sendo cumpridas principalmente em Brasília e Entorno, mas também ocorrem ações no Pará e na Bahia. Segundo o Estadão, a Justiça Federal também determinou o bloqueio da quantia aproximada de R$ 950 mil nas contas dos investigados. As três investigadas que são alvos dos mandados de prisão são ex-prestadoras de serviço da Caixa e teriam desviado os valores graças à concessão fraudulenta de 46 empréstimos pessoais, em sua maioria destinados a familiares e amigos. Para viabilizar estes empréstimos, os investigados utilizavam senhas pertencentes a empregados da CEF, e assim realizavam a inserção indevida de dados no sistema, incluindo-se rendas fictícias, sem a apresentação de qualquer documento comprobatório. Quando os empréstimos eram creditados nas contas indicadas, os investigados efetuavam diversos saques e transferências, evitando que a Caixa, após identificar a fraude, bloqueasse os valores. Os investigados serão indiciados por estelionato qualificado, falsificação de documento público, associação criminosa e lavagem de dinheiro. A Polícia Federal, a partir de agora, vai apurar se houve a participação de empregados da CEF nos crimes.   

 

 

INSS pagou R$ 1,1 bilhão em aposentadorias e pensões para beneficiários mortos

  • 19 Set 2017
  • 16:04h

(Foto: Reprodução)

O Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) registrou pagamento de R$ 1,1 bilhão em aposentadorias e pensões para beneficiários mortos em 2016. A informação consta de um relatório elaborado por técnicos do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União, segundo o qual o rombo estimado em R$ 149,73 bilhões no ano passado pode ser ainda maior. Há casos em que benefícios foram pagos em nome de pessoas mortas em 2015. De acordo com o Uol, o relatório do Ministério da Transparência diz que a origem do rombo pode ser dividida em duas partes. A primeira seria o pagamento indevido a beneficiários mortos, motivado pela demora em o INSS suspender o benefício para os falecidos. Esse atraso pode ser justificado pela falta de infraestrutura adequada para o processamento das informações até a diminuição do quadro de pessoal do órgão. Nesse aspecto, foram pagos entre janeiro e agosto do ano passado benefícios a 101.414 pessoas que constavam como mortas. A segunda parte que explica o prejuízo se refere à dificuldade do INSS em reaver os valores depois que eles são depositados. Dos R$ 1,134 bilhão pagos a mortos constatados em 2016, apenas R$ 119,1 milhões foram recuperados.

O relatório diz que os bancos alegam em muitos casos que não podem simplesmente devolver os recursos por causa do sigilo bancário. Outro fator é a fragilidade dos controles internos no processo de cobrança administrativa, evidenciada pela incapacidade da entidade para fornecer respostas aos auditores. Segundo o documento, o INSS não conseguiu nem mesmo informar ao Ministério da Transparência a quantidade de processos que o órgão já moveu para reaver recursos pagos indevidamente a benefícios mortos. "Há progressiva perda da capacidade de governança do INSS, que não dispõe de informações e meios para aprimorar a prevenção às fraudes na concessão e manutenção de benefícios", diz o texto. A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) disse por meio de nota que os bancos associados pagadores de benefícios a aposentados têm apoiado o INSS na busca por soluções que evitem o pagamento de benefícios daquele instituto a pessoas já falecidas. O INSS não se manifestou sobre o assunto.  

CONTINUE LENDO

Quase 38% dos trabalhadores usaram o FGTS inativo para pagar dívidas, diz FGV

  • 18 Set 2017
  • 17:09h

(Foto: Reprodução)

O dinheiro das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi usado por 37,7% dos trabalhadores para pagar dívidas. O percental chegou a 52,8% para pessoas com renda de até R$ 2,1 mil e regrediu conforme aumento da renda: na faixa de R$ 2,1 mil a R$ 4,8 mil, o índice foi de 42,2%; de R$ 4,8 mil a R$ 9,6 mil, foi de 32,4%;e acima de R$ 9,6 mil, o índice foi 23,4%. Os dados são da Sondagem do Consumidor,e studo feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre). Por outro lado, o segundo destino dado aos valores foi a poupança - opção de aproximadamente 30% dos beneficiários. Por outro lado, apenas 11,2% das pessoas na menor faixa de renda disseram poupar, enquanto a média ficou em 50,4% para o grupo de maior poder aquisitivo. 

A pesquisa ouviu 2.047 em todo o país, em março e em julho deste ano. Na primeira fase, os trabalhadores foram questionados sobre o destino prioritário do recurso. Já na segunda, o objetivo era saber, percentualmente, qual havia sido o destino do dinheiro. Segundo estudo do FGV Ibre, o consumo não foi apontado como principal uso do montante liberado, mas pode explicar o bom desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), no segundo trimestre. O PIB avançou 0,2% em relação ao primeiro trimestres, puxado principalmente pelo consumo das famílias. Em março, na primeira fase das pesquisas, apenas 9,6% declararam que usariam o dinheiro prioritariamente para consumo. De acordo com a Caixa Econômica Federal, 25,9 milhões de trabalhadores sacaram os recursos do FI-FGTS, num total de R$ 44 bilhões. O montante representa 2,7% do PIB e 88% dos R$ 49,8 bilhões que o governo havia liberado.

CONTINUE LENDO

Preço da gasolina recua pela quarta vez nesta semana

  • 16 Set 2017
  • 16:02h

(Foto: Reprodução)

A Petrobras informou nesta sexta-feira (15) redução no valor da gasolina em 0,6% e aumento no diesel de 0,5%. Os ajustes valem a partir deste sábado (16). Desde o dia 12 de setembro a gasolina teve queda de preço quatro vezes e aumento uma vez, acumulando um recuo de 3,88%. Já o diesel teve duas altas consecutivas e acumulando um total de 2,1%.

Petrobras anuncia novo reajuste no preço dos combustíveis; gasolina sobe 2,6%

  • 08 Set 2017
  • 16:40h

(Foto: Reprodução)

Um novo ajuste no valor dos combustíveis foi anunciado pela Petrobras nesta sexta-feira (9). Segundo a empresa o diesel terá alta de 1,5% e a gasolina de 2,6%. Os novos valores passam a valer a partir deste sábado (9). Desde que a Petrobras adotou a nova política de mercado, os ajustes nos preços dos combustíveis tem acontecido quase que diariamente. No último movimento de preços, anunciado na quarta (6), a Petrobras havia reduzido a gasolina em 3,8%, após uma série de aumentos em decorrência dos efeitos da tempestade Harvey nos Estados Unidos.

Botijão de gás de cozinha fica 12,2% mais caro a partir desta quarta (6)

  • Correio 24h
  • 06 Set 2017
  • 08:51h

(Foto: Reprodução)

A Petrobras anunciou hoje (5), no Rio de Janeiro, reajuste de 12,2% para o gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial, o chamado gás de cozinha, vendido em botijões de até 13 quilos. O aumento foi decidido pelo Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) da empresa e começa a vigorar amanhã (6). Segundo a Petrobras, o Gemp considerou para efeito de ajustes nos preços do gás para uso residencial o cenário externo de estoques baixos, além dos reflexos de eventos climáticos, como o furacão Harvey, na maior região exportadora mundial do produto, que é a cidade de Houston, no Texas, Estados Unidos, cujos terminais permanecem fora de operação, o que afeta o mercado internacional. Com a menor disponibilidade de gás, os mercados consumidores, inclusive o brasileiro, sofreram aumento de preço. A estatal afirmou, entretanto, que o reajuste aplicado “não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional”. O Gemp fará nova avaliação do comportamento do mercado no próximo dia 21.

 

A Petrobras destacou que o reajuste previsto foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Se for integralmente repassado aos preços ao consumidor, a empresa indicou que “o preço do botijão de GLP P-13 pode ser reajustado, em média, em 4,2% ou cerca de R$ 2,44 por botijão, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos”. A Petrobras reajustou também os preços de venda às distribuidoras do GLP destinado aos usos industrial e comercial. O aumento médio de 2,5% entra em vigor amanhã (6).

CONTINUE LENDO

Produção industrial cresce 2,5%, melhor mês de julho desde 2014

  • 05 Set 2017
  • 17:04h

(Foto: Reprodução)

A produção da indústria brasileira cresceu 2,5% em julho ante mesmo mês do ano passado e 0,8% em relação a junho, informou nesta terça-feira (5) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É o quarto resultado positivo seguido do setor. É o melhor mês de julho desde 2014, quando a taxa foi de 1,3%. Nos primeiros sete meses do ano, o crescimento foi de 0,8%. Já no acumulado de 12 meses, houve queda de 1,1%. Na comparação anual (sem ajuste sazonal), foi o maior avanço para julho em 4 anos - desde 2013, quando o setor cresceu 3,4% frente a julho de 2012. Já frente a junho (com ajuste sazonal), o resultado foi o melhor para o mês em 8 anos - desde 2009, quando o setor avançou 1,4%.

Petrobras sobe preço da gasolina pela quarta vez consecutiva; valor ficou 11% mais caro

  • 05 Set 2017
  • 11:12h

(Foto: Reprodução)

O motorista que abastecer o carro a partir desta terça-feira (5) vai pagar 3,3% mais caro. O aumento no valor do combustível foi anunciado pela Petrobras nesta segunda (4). Levando em conta reajustes anteriores, o combustível ficará 11% mais caro do que no final do mês de agosto. Segundo a estatal, o preço do diesel subirá 0,1%, marcando o sexto aumento consecutivo. Esta foi a primeira vez desde que a Petrobras modificou sua política de preços, em junho, que os executivos do Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) decidiram pelo reajuste. A política dá autonomia à área técnica para decidir por reajustes quando a variação acumulada é superior a 7%. A estatal justificou o quarto aumento consecutivo no valor da gasolina com o argumento de que os preços internacionais subiram. "Na última semana, em face dos impactos do furacão Harvey na operação das refinarias, oleodutos e terminais de petróleo e derivados no Golfo do México, os mercados de derivados sofreram variações intensas de preços", disse a Petrobras.

Calendário do PIS-Pasep para idosos sai até dia 15 de setembro

  • 01 Set 2017
  • 15:09h

(Foto: Reprodução)

A divulgação do calendário para saques de R$ 15,9 bilhões do PIS/Pasep para cerca de 7,8 milhões de idosos será feita até o dia 15 de setembro e será dada prioridade aos mais idosos. Ou seja, aqueles com mais idade serão os primeiros na ordem de atendimento, segundo o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Serão beneficiados homens com 65 anos ou mais e mulheres com 62 anos ou mais. O calendário de saques começa em outubro. Em junho de 2016, o saldo médio por cotista era de R$ 1.187, sendo que a maioria deles possuía ao menos R$ 750 a ser resgatado. Os saques por falecimento, invalidez e doenças continuam sendo feitos imediatamente independente do calendário. Segundo o Ministério do Planejamento, a formulação do calendário de atendimento está sendo feita para que os recursos sejam disponibilizados o mais rápido possível, mas de forma organizada, para evitar transtornos aos beneficiados. 

O cronograma de liberação do dinheiro irá até março de 2018 e será definido pela Caixa Econômica Federal, quanto ao PIS, e pelo Banco do Brasil, quanto ao Pasep. Na hipótese de morte do titular da conta individual, o saldo da conta será disponibilizado a seus herdeiros. De acordo com o governo, são participantes (ou cotistas) do Fundo PIS/Pasep somente os trabalhadores de organizações públicas e privadas que tenham contribuído para o Pasep ou para o PIS até a data de 4 de outubro de 1988 e que não tenham efetuado o resgate total de seus saldos do fundo. Os trabalhadores que começaram a contribuir após essa data não possuem saldos para resgate do fundo. O governo informou que haverá uma campanha para divulgação da medida, já que muitas pessoas que têm direito ao saque não se lembram mais ou já morreram. Os sites eletrônicos dos bancos já estão se preparando e várias informações já podem ser encontradas em www.bb.com.br/pasep, para os cotistas do Pasep, e em www.caixa.gov.br/cotaspis, para os cotistas do PIS.

CONTINUE LENDO

Governo liberou R$ 134 milhões em emendas a deputados pró-Temer, diz ONG

  • G1
  • 15 Jul 2017
  • 14:02h

Foto: Reprodução

Levantamento da ONG Contas Abertas aponta que o governo federal liberou em junho R$ 134 milhões em emendas parlamentares a 36 dos 40 deputados que votaram a favor do presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Os deputados que votaram contra o presidente tiveram liberados no mesmo mês R$ 66 milhões em emendas (metade do valor dos pró-Temer). O Palácio do Planalto declarou que as emendas são uma imposição legal e que o governo só está cumprindo a lei. Emendas parlamentares são recursos previstos no Orçamento, cuja aplicação é indicada pelo parlamentar. Esse dinheiro tem de ser obrigatoriamente empregado em projetos e obras nos estados e municípios. A liberação dos recursos é obrigatória, e o governo tem todo o ano para realizar os repasses. De acordo com o secretário-geral da ONG, Gil Castello Branco, os R$ 134 milhões liberados em junho representam um valor “absolutamente atípico para o período”. Nesta quinta (13), depois de recusar por 40 votos a 25 o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) que recomendava ao plenário o prosseguimento da denúncia de corrupção passiva da Procuradoria Geral da República contra Temer, a CCJ aprovou por 41 a 24 o relatório alternativo do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomenda a rejeição da denúncia. 

Como tornar o cartão de crédito um aliado nas finanças e fugir da dívida

  • Leia Mais.BA
  • 01 Jul 2017
  • 14:39h

Foto: Ilustração

Conhecido como o “vilão” das finanças, o cartão de crédito deixa muitas pessoas no vermelho por conta de seus juros e taxas altas. Apesar disso, o cartão de crédito permite os famosos parcelamentos das compras em várias vezes. Segundo o advogado especialista em direitos do consumidor e do fornecedor, Dori Boucault, somente quando o cartão não é bem utilizado, pode se tornar um pesadelo do orçamento doméstico. Para auxiliar o consumidor, o consultor financeiro listou algumas dicas para utilizar o cartão de crédito sem comprometer o orçamento familiar: 1 – De olho nas compras: o cartão de crédito pode ser um sinônimo de organização nas contas. “Centralizar os principais gastos do mês como supermercado e combustível do carro no cartão, pode trazer maior controle para o orçamento, pois todos terão uma única data de vencimento”, diz Dori. 2 - Atente-se ao limite: gastar até a quantia estabelecida no limite do cartão pode ser fundamental para conseguir pagar a fatura na data do vencimento. 3 – Data de vencimento: não adianta organizar as contas para pagar com cartão e escolher uma data de vencimento da fatura anterior ao pagamento do seu salário. 4 – Organização: se o consumidor receber seus rendimentos de forma quinzenal, com mais uma data de pagamento, o vencimento do cartão também poderá ser dessa maneira, de forma a acompanhar o pagamento do salário do consumidor. 

5 - Aproveite o parcelamento: além do cartão de crédito ser aceito na maioria dos estabelecimentos comerciais, ele é disponível para eventuais parcelamentos de compras. Dessa forma, sempre pergunte o número de parcelas e seu valor e também pergunte o valor do preço à vista e verifique se terá juros sobre o valor final. 6 - Pague a fatura de uma vez: chegou o cartão? Pague o valor integral e fuja do valor mínimo de pagamento, pois a fatura pode virar uma bola de neve, já que os juros são altos. 7 - Benefícios: dependendo da bandeira escolhida é possível ter acesso a muitos benefícios que podem ser descontos em lojas, restaurantes ou até milhas acumuladas para ser usadas em viagens de avião. 8 - Guarde os comprovantes: a vontade de jogar fora aqueles papéis pode ser grande, porém, eles são muito úteis na hora de controlar os gastos e fazer a conferência na sua fatura mensal. 9 - Cautela no uso do cartão: além de controlar as despesas é preciso usá-lo com segurança. Na hora de comprar em lojas virtuais, pela internet ou telefone, tenha certeza de que a empresa que você está tratando é idônea. 10 – Não utilize cartões não solicitados: segundo o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor é proibido enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto ou fornecer qualquer serviço, porém, o que geralmente acontece é que as pessoas recebem um cartão em sua residência e consideram uma vantagem. “Se você não pediu, não deve utilizar. Os produtos enviados sem solicitação podem sem considerados amostras grátis”, explica Dori.

CONTINUE LENDO

Como a proposta de reter o FGTS pode afetar seu bolso

  • Veja
  • 24 Jun 2017
  • 14:01h

Foto: Ilustração

O estudo do governo de reter o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para bancar o seguro-desemprego foi duramente criticado por representantes de trabalhadores. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que existem estudos dentro do governo que preveem o uso do FGTS para economizar com o pagamento do seguro-desemprego. Para a Força Sindical, essa medida representa um confisco. “Não podemos permitir que o trabalhador tenha seu dinheiro retido justamente quando mais precisa, ou seja, quando desempregado. Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC ), José Carlos Martins, essa proposta não faz o menor sentido. “Não dá para acreditar que se trabalhe com essa possibilidade dentro do governo.” Hoje, os trabalhadores demitidos sem justa causa podem sacar 100% dos recursos depositados no FGTS assim que dão baixa na carteira. Em seguida, podem entrar com pedido para receber o seguro-desemprego. O valor do seguro-desemprego e a quantidade de parcelas a serem depositadas varia de acordo com o último salário e tempo trabalhado. São pagas até cinco parcelas de até 1.643,72 reais. O estudo do governo prevê parcelar o pagamento do FGTS em até três vezes. Os valores mensais seriam equivalentes ao último salário, segundo reportagem do jornal O Globo. Passado esse período, se o trabalhador não conseguir arrumar outro emprego, ele poderia sacar todo o dinheiro do FGTS. Dessa forma, o governo economizaria com o pagamento das três primeiras parcelas do seguro-desemprego, já que neste período o demitido receberia o FGTS parcelado.