BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

Nova companhia aérea, Itapemirim inicia operações em março

  • 21 Fev 2021
  • 14:38h

Empresa famosa pelo transporte rodoviário terá hubs nos aeroportos de Brasília, Cofins (MG) e Guarulhos (SP) | Foto: reprodução Instagram da companhia

Aterrisou neste sábado, em Natal (RN), a primeria aeronave da Itapemirim Transportes Aéreos, um airbus A320. A empresa planeja iniciar operações daqui a 27 dias, voando entre as capitais São Paulo , Rio de Janeiro, Curitiba, Florianópolis e Fortaleza. O olhar mais atento ao nome não se engana. O grupo que controla a nova companhia do setor aéreo brasileiro – e que nasce em um momento de crise e muitas indefinições no cenário econômico – é o mesmo que opera o mercado rodoviário. Os hubs serão Segundo a empresa, o foco é iniciaremos as operações no transporte aéreo com grande foco no atendimento dos nossos passageiros, iniciando um novo marco de qualidade e de competitividade nos principais mercados que atuaremos.

Tributar mais ricos e destinar a programas sociais fortalece economia e promove igualdade

  • TRIBUTAR SUPER-RICOS
  • 21 Fev 2021
  • 09:45h

Estudo divulgado nesta semana pela USP comprova que transferência de renda eleva o PIB e faz bem a toda a sociedade. Campanha Tributar Super-Ricos aponta medidas para superar miséria pós-pandemia | Imagem: Divulgação

Nesta semana foi divulgado um estudo produzido pelo Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo (Made-USP) comprovando a importância de taxar os mais ricos para reduzir as desigualdades e sair da crise econômica a partir de medidas tributárias mais justas e progressivas.

Os pesquisadores constataram que uma política de proteção social financiada a partir da tributação do 1% mais rico, com transferência de R$ 125 por mês para os 30% mais pobres, pode ter um impacto positivo de 2,4% no Produto Interno Bruto.

“É perfeitamente possível desenhar um programa que combine redução da desigualdade com aumento do ritmo de crescimento econômico. Esses objetivos não são contraditórios", atesta a economista e professora da USP, Laura Carvalho, autora do estudo juntamente com Rodrigo Toneto e Theo Ribas.

Distribuir renda aos mais pobres têm efeito multiplicador na economia. Cada R$ 100,00 transferidos do 1% mais rico para os 30% mais pobres geram uma expansão de R$106,70 na economia, conclui a Nota de Política Econômica nº 008, emitida no dia 15 de fevereiro.

Como a maior parte do ganho adicional dos mais pobres vai para o consumo, uma tributação de R$ 1,00 a mais do 1% mais rico destinados aos 10% mais pobres elevaria o consumo agregado em R$ 0,63, reduzindo a desigualdade com crescimento econômico.

Salvar vidas e mover o país

“É uma das formas mais justas de reduzir desigualdades e movimentar a economia”, resume a presidente do Instituto Justiça Fiscal (IJF), Maria Regina Paiva Duarte. “O que parece óbvio, ficou demonstrado neste estudo. É preciso implementar urgentemente maior tributação sobre os mais ricos”, confirma a auditora-fiscal aposentada.

As conclusões do estudo vão ao encontro das ações propostas pela campanha nacional Tributar os Super-Ricos, articulada pelo IJF e outras 70 organizações sociais. Esta frente plural de entidades defende oito projetos de lei para aumentar a arrecadação em R$ 300 bilhões ao ano, taxando apenas 0,03% mais ricos do país: ou seja, 59 mil pessoas entre 210 milhões de brasileiros.

Pessoas físicas que ganham mais de R$ 70 mil mensais, com mais de R$ 10 milhões de patrimônio, ou que tenham recebido heranças e doações historicamente subtributadas, que passam de geração em geração sem contribuírem com os devidos e justos tributos, estão entre os que podem fazer uma contribuição fiscal mais justa.

 Congresso pode promover igualdade

Os articuladores da campanha estão em tratativas com o Congresso Nacional para que essas medidas urgentes, apresentadas em agosto de 2020, sejam pautadas como forma de sair da crise investindo em políticas sociais. A pandemia e a suspensão da renda emergencial acentuaram ainda mais a vulnerabilidade social, jogando 60 milhões na pobreza e 14 milhões no desemprego, exigindo rapidez dos parlamentares.

Entre as propostas da campanha está o fim da isenção dos lucros e dividendos distribuídos nas pessoas físicas e da dedução dos juros sobre capital próprio, mudança nas alíquotas do IRPF, isentando os mais baixos rendimentos e ampliando a taxação para altas rendas, além do aumento da alíquota da contribuição social para os setores financeiro e extrativo mineral, entre outras medidas que também foram sugeridas no pacote.

A crise sanitária aprofundou a crise econômica, que já estava forte antes mesmo do flagelo do coronavírus. Na pandemia, ficou evidente a importância do Estado, que precisa ser fortalecido, ressalta a representante do IJF em artigo publicado essa semana.

“Precisamos de arrecadação. Revogar o teto de gastos que limita recursos para saúde e educação por 20 anos e afeta a população mais pobre e vulnerável, que depende do Estado para sobreviver. Não será possível promover o desenvolvimento econômico inclusivo, que retire o Brasil do mapa da fome, sem recursos para a saúde e sem pagamento de auxílio emergencial. Tributar os super-ricos é uma alternativa justa, solidária e que salva vidas”, conclui Duarte.

 

Petrobras tenta justificar novo reajuste após aumento de até R$ 0,23 por litro de gasolina

  • Redação
  • 18 Fev 2021
  • 11:21h

(Foto: Reprodução)

Após aplicação de reajustes de R$ 0,23 para a gasolina e de R$ 0,34 para o diesel, a partir desta sexta-feira (19) os preços médios da Petrobras nas refinarias serão de R$ 2,48 e R$ 2,58 por litro, respectivamente. Em nota à imprensa, a empresa defende que o alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras, o que inclui distribuidores, importadores e outros refinadores, além da própria Petrobras. Segundo a empresa, este mesmo equilíbrio competitivo é responsável pelas reduções de preços quando a oferta cresce no mercado internacional, como ocorreu ao longo de 2020. A estatal ainda ressalta que os preços praticados por ela têm influência limitada sobre os preços percebidos pelos consumidores finais, já que até o produto chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis, além das margens brutas das companhias, distribuidoras e dos postos revendedores de combustíveis. A Petrobras afirma ainda que o preço final para o consumidor brasileiro está abaixo da média mundial. Ela cita a pesquisa da Globalpetrolprices.com, com a participação de 167 países, que mostrou o preço médio no Brasil 17% menor do que a média global. O país está na 56ª posição do ranking. No caso do diesel, com uma amostra de 166 países, o Brasil ficou na 43ª posição, 28% inferior à média global.

Ford obtem liminar na Justiça do Trabalho na Bahia

  • Redação
  • 15 Fev 2021
  • 17:23h

Montadora anunciou fechamento da fábrica em 11 de janeiro, o que põe em risco 12 mil postos de trabalho | Foto: Reprodução/Ford

O desembargador do Trabalho Edilton Meireles de Oliveira Santos, do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), concedeu liminar em favor da a Ford no processo movido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra as demissões da montadora. Em 11 de janeiro, a empresa anunciou o fim da produção de veículos no Brasil e o consequente fechamento de três fábricas.

Na planta baiana, a medida implica na perda de 5 mil empregos na própria fábrica e mais sete mil nas fornecedoras implantadas próximas à montadora. Desde a revelação do fim da produção na Bahia, o governo estadual criou um grupo de trabalho com a Federação da Indústria do Estado da Bahia (Fieb) e os trabalhadores visando atrair empreendimentos de porte semelhante, de preferência outra montadora.

Antes, a Justiça determinava que a dispensa somente poderia ser feita após a empresa concluir nas negociações com as entidades que representam os trabalhadores. Segundo o sindicato, a montadora ainda precisa esgotar o processo de conciliação antes de poder demitir.

No dia cinco deste mês, o juiz substituto Leonardo de Moura Landulfo Jorge, do TRT5, concedeu a liminar suspendendo os desligamentos. Na decisão, o magistrado também identificou entraves colocados pela montadora na negociação coletiva, como não fornecer informações relevantes ou manter canal de diálogo de forma individual com os trabalhadores.

No recurso, a Ford argumentou que “se, por hipótese, o sindicato quiser continuar negociando até 2030 e disser que somente aceita celebrar o acordo coletivo para disciplinar a dispensa coletiva com o pagamento de R$ 1 milhão para cada empregado, a empresa nada poderá fazer diante da decisão”. Com informações da CNN Brasil

Com vendas em queda, Heineken corta 8 mil empregos em todo o mundo

  • Redação
  • 11 Fev 2021
  • 07:43h

Além do recuo de 16,7% nas receitas em 2020, cervejaria se ressente do fechameto de pubs, bares e restaurantes na Europa, seu maior mercado | Foto: reprodução site HinekenBrasil

A Heineken anunciou vai demitir 8.000 funcionários. A dona da cerveja Amstel disse em comunicado na quarta-feira (10) que vai cortar quase 10% de sua força de trabalho global e buscar uma economia de 2 bilhões de euros – em torno de US$ 2,4 bilhões ou R$ 12,9 bilhões – em dois anos. “O impacto da pandemia em nossos negócios foi ampliado por nossa exposição local e geográfica”, disse o CEO Dolf van den Brink, que assumiu o comando da empresa em junho do ano passado. A Heineken estima que, no final de janeiro, menos de 30% dos pubs, bares e restaurantes estavam abertos na Europa, devido a lock downs e restrições de circulação adotados por causa da segunda onda de Covid-19. O continente é o maior mercado da cervejaria, cuja receita caiu 16,7% em 2020 em relação ao ano anterior.

VLI promove programa para reformar imóveis e recontar o passado ferroviário

  • Ascom | VLI
  • 10 Fev 2021
  • 15:54h

(Foto: Ascom VLI)

Preservar a história e criar espaços para que as novas gerações conheçam a memória ferroviária. Essas diretrizes têm auxiliado a VLI, controladora da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), na manutenção de imóveis que não integram mais a operação de trens de carga. Nos últimos anos, a companhia destinou mais de R$ 10 milhões para reformar seis ativos. 

As estações de Contagem, Matozinhos, Campos Altos, em Minas Gerais, Juazeiro e Cachoeira, na Bahia, são alguns exemplos. A base do programa Estação de Memórias consiste numa reforma geral, adequando sistemas elétrico e hidrossanitário às normas vigentes), troca de piso, telhado etc. Os projetos são desenvolvidos junto ao poder público, que também participa do alinhamento sobre como recuperar a funcionalidade da edificação para a sociedade depois que o imóvel for cedido.

“Acreditamos que pensar o futuro passa por valorizar o nosso passado. Aliar a preservação dos locais ao resgate da memória fortalece a nossa estratégia de deixar legado e compartilhar valor com a sociedade. Nosso planejamento é que, anualmente, novas estações sejam escolhidas para o programa”, ressalta Maria Clara Fernandes, gerente de Sustentabilidade da VLI.

História de todos

Além da reforma do imóvel, a companhia promove um grande processo de cocriação com as comunidades. Encontros e entrevistas identificam casos, lembranças e histórias de quem vivenciou o vai e vem dos trens. Esse conteúdo é transformado em um acervo de fotos e vídeos que será disponibilizado em cada estação (Contagem, Matozinhos e Cachoeira). Os personagens são moradores, historiadores, ferroviários e seus familiares.  “A história das pessoas se confunde com a da ferrovia. Com esse registro, valorizamos o patrimônio material e imaterial do nosso país. A história pertence a todos”, avalia a gerente.

Após os procedimentos de destinação envolvendo o governo federal e o poder público local, os espaços serão transformados em locais de acordo com a vocação ou necessidade, como unidades do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Guarda Municipal e centros culturais.

Casarão em BH

Outro marco do compromisso da empresa com o patrimônio ferroviário foi o projeto de restauração arquitetônica da sede da extinta Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA). O casarão – um dos edifícios mais emblemáticos e significativos da capital mineira – fica na rua Sapucaí, na divisa entre os bairros Floresta e Centro. Até o momento, a VLI investiu R$2 milhões com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura para o serviço de restauro.

Sobre a VLI

A VLI tem o compromisso de contribuir para a transformação da logística no país, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). Escolhida como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar pela revista Você S/A pelos últimos cinco anos e a primeira colocada do segmento de Logística e Transporte em 2019, a VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

IPTU: saiba mais sobre o imposto dos imóveis

  • Gabriela Cardoso
  • 09 Fev 2021
  • 18:50h

(Foto: Reprodução)

Com a chegada do ano novo, algumas despesas aparecem no radar financeiro: IPVA, licenciamento de veículos, matrícula, uniformes e material escolar, são alguns dos gastos típicos da época. Em fevereiro, uma outra despesa é somada para quem é proprietário de algum imóvel. O Imposto Predial e Territorial Urbano é uma taxa de competência municipal, ou seja, cobrado pelas prefeituras.

Este imposto é cobrado tanto de pessoa jurídica quanto física que detém a propriedade de um ou mais imóveis, podendo ser casa, apartamento, sala comercial ou qualquer outro tipo de bem em uma região urbanizada. O proprietário é o responsável pelo pagamento do imposto, a não ser que no contrato esteja previamente acordado que o locatário seria o responsável por essa despesa, nos casos de imóveis alugados.

O valor do IPTU varia de acordo com a cidade e a situação do imóvel. É uma cobrança única, mas é possível optar pelo parcelamento da despesa. "Para quem paga à vista, a maioria dos municípios oferece um desconto, o que é bem vantajoso para quem pode arcar com a despesa em uma parcela única", explica a educadora financeira da Mobilis, Larissa Brioso.

Ela acrescenta que algumas cidades isentam determinados contribuintes do pagamento do IPTU. "Nesses casos, são cidadãos de baixa renda, aposentados, pensionistas ou beneficiários de programas como o BPC (Benefício de Prestação Continuada). Além disso, requisitos como o imóvel ser usado como residência, estar dentro de uma faixa de preço e o beneficiário não ter outros bens imobiliários também devem ser atendidos".

Mas se o consumidor não tiver condições de arcar com o valor do IPTU até a data do vencimento ele estará sujeito a multa que costuma ser em média de 0,3% por dia, com juros de 1% ao mês desde o mês do vencimento. "As administrações municipais estão cientes do impacto da pandemia de Covid-19 nas finanças de seus contribuintes. Portanto, o IPTU de anos anteriores que estão em atraso estão com descontos e outras facilidades para a regularização. Se é o seu caso, recomendo que você avalie as possibilidades e tire seu IPTU da dívida ativa", finaliza Larissa.

Para saber todas as informações sobre o pagamento do IPTU é preciso acessar o site da prefeitura da sua cidade ou Secretaria da Fazenda municipal.

Semana será decisiva para a aprovação do auxílio emergencial em Brasília

  • Katia Cardoso / Alexandre Rigonato
  • 09 Fev 2021
  • 17:02h

Possibilidade foi antecipada pelo Presidente; governo corre o risco de repetir os erros do ano passado que fizeram 1,4 milhão de pessoas não sacar o dinheiro devido | Foto: Reprodução

A possível volta do auxílio emergencial propalada nos últimos dias pelo governo de Jair Bolsonaro parece filme com enredo e final já conhecidos. Como aconteceu em 2020, a equipe econômica de Paulo Guedes acena com a possibilidade de oferecer R? 200 reais por três meses, totalizando R? 600, com redução da base de beneficiários do programa. O valor, como apontado anteriormente pelos movimentos sociais, é insuficiente para cobrir as despesas básicas de alimentação de uma família. E pode, inclusive, nem chegar a quem tem direito, como aconteceu em 2020 por uma série de falhas identificadas pelas organizações sociais reunidas na campanha Renda Básica Que Queremos. O resultado foi quantificado esta semana: levantamento do Ministério da Cidadania comprovou que 1,4 milhão de pessoas não movimentaram os recursos do auxílio e R? 1,3 bilhão foi devolvido aos cofres públicos.

Por isso, Paola Carvalho, diretora de relações institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica e uma das porta-vozes da campanha 'auxilioateofimdapandemia', estará em Brasília esta semana, com agenda no Ministério Público e no Ministério da Cidadania. Ela entregará uma lista com os nomes e dados dos beneficiários cujo direito não foi respeitado e que pediram ajuda aos organizadores da campanha para serem representados. Até o momento, são 910 nomes. Ela também terá encontro com parlamentares representando a campanha 'auxilioateofimdapandemia', pleiteando a volta dos R ? 600 mensais e R? 1200 para as mães-solo. A petição popular já reúne mais de 60 mil assinaturas.

Paola chega a Brasília com o endosso de quase 300 organizações que integram a campanha e com o respaldo da nota técnica, elaborada no ano passado, apontando 23 gargalos na implementação do benefício. Essas reuniões da diretora vão reforçar a necessidade de solução para esses problemas de implementação para que não se repitam na retomada do benefício.

"A ideia da visita é apresentar os casos dos beneficiários que tiveram o auxílio negado por alguma incorreção ou inconsistência. Depois, esse direito foi reconhecido na justiça, mas não foi pago", afirma Paola Carvalho. Ou seja: é urgente resolver o problema de quem tinha direito e ficou sem o auxílio.

A ida de Paola Carvalho a Brasília acontece no contexto de embate entre Paulo Guedes e os movimentos sociais, repetindo o que já aconteceu no ano passado, quando o Congresso Nacional encampou a sugestão e acabou aprovando o auxílio emergencial no valor proposto pela sociedade civil. A campanha 'auxilioateofimdapandemia', lançada imediatamente após a eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado, defende o patamar de R? 600 por mês para beneficiários individuais e R? 1200 para mães com filhos até o fim da pandemia.

Público feminino lidera acesso ao microcrédito urbano do Banco do Nordeste

  • Ascom | BNB
  • 02 Fev 2021
  • 09:49h

(Foto: Reprodução)

A redução do consumo das famílias e as medidas restritivas resultadas da pandemia de covid-19 foram alguns desafios enfrentados por microempreendedores em 2020. No contexto, a oferta de microcrédito foi essencial para manter pequenos negócios, gerar renda e manter empregos no país. Segundo levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), do Banco do Nordeste, o protagonismo no microcrédito urbano, mesmo no cenário atípico, ficou com as mulheres, que registraram R$ 7,8 bilhões em crédito com o Crediamigo em 2020, correspondente a 2,9 milhões operações.
 O Crediamigo superou a marca de R$ 12,1 bilhões aplicados no ano passado, o maior valor aplicado na história do programa, em mais de 4,4 milhões de operações. O público feminino possui representatividade que chega a 65% no programa, o que denota a marcante presença de mulheres nas atividades financiadas pelo Crediamigo. Para a superintendente de Microfinança e Agricultura Familiar do BNB, Lúcia de Fátima Barbosa, "o protagonismo feminino no Crediamigo configura um reflexo do papel de liderança que a mulher exerce em meio ao público-alvo do programa, caracterizado essencialmente pela informalidade dos micronegócios". Com objetivo de contribuir no desenvolvimento socioeconômico, o Crediamigo Banco do Nordeste, maior programa de microcrédito produtivo e orientado da América do Sul, atua com suporte financeiro a empreendedores individuais e grupos solidários. As atividades contam com crédito para investimento e capital de giro voltado para compra de mercadorias e reposição de estoques. Na vertente do desenvolvimento, o programa destaca-se ainda pela bancarização do seu público que, muitas vezes ausente do sistema bancário, passa a ter acesso a produtos e serviços financeiros. Ainda segundo o Etene, dados apontam que o público mais jovem, com idade entre 18 e 24 anos, recebeu o montante de R$ 832,8 milhões, em 448 mil operações no Crediamigo. A faixa etária é um dos fatores observados na análise do Escritório, tendo em vista o suporte ao público que enfrenta maior dificuldade no acesso ao crédito e ao mercado de trabalho.

Preços dos combustíveis na Bahia devem subir após reajuste de ICMS

  • Redação
  • 29 Jan 2021
  • 17:34h

(Foto: Reprodução)

Os baianos podem sofrer ainda mais com um novo aumento nos preços dos combustíveis em fevereiro após o reajuste do ICMS. Somente em janeiro deste ano, a Petrobras já aumentou os valores duas vezes, totalizando um reajuste de 13,4%. O Ato do Conselho Nacional de Política Fazendária (Cotepe) nº 02/2021, divulgado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), no dia 25 de janeiro, determinou alteração no preço de pauta dos combustíveis a partir de segunda-feira (1). O preço de pauta dos combustíveis serve de base de cálculo para a cobrança do ICMS e o preço de pauta da gasolina sofreu aumento de R$0,29, o do etanol de R$0,27 e do GNV de R$0,61. “Estes reajustes na carga tributária vão representar um aumento no custo de aquisição dos produtos pela revenda”, alertou o presidente do Sindicombustíveis Bahia, Walter Tannus Freitas, acrescentando que “os aumentos são inaceitáveis neste momento de pandemia, de queda nas vendas de combustíveis, de perda de receita e de renda das pessoas”. Um dos maiores responsáveis pelo alto custo dos combustíveis é a grande carga tributária que incide sobre o produto, como explica Tannus. “Além de pagarmos por uma carga elevada de impostos, temos custos com transporte, mistura do biocombustível, estrutura física, segurança e mão de obra, dentre outras despesas. O custo é muito elevado para a classe produtiva e sobrecarrega toda a sociedade baiana, que acaba pagando a conta”, reclama.

Termina nesta sexta-feira (29) prazo para adesão de empresas ao Simples Nacional

  • Agência Brasil
  • 29 Jan 2021
  • 09:19h

Com o pedido aceito, a adesão será retroativa ao dia 1º de janeiro | Foto: Reprodução

Termina nesta sexta-feira (29) o prazo para a regularização e inscrição no Simples Nacional das micro e pequenas empresas (MPE) que faturam até R$ 4,8 milhões por ano. A solicitação deve ser feita exclusivamente pela internet, por meio do portal do Simples Nacional. Com o pedido aceito, a adesão retroagirá ao dia 1º de janeiro. Também poderão aderir ao Simples as empresas que estavam no Lucro Presumido ou Lucro Real e tiveram queda significativa no faturamento em 2020, por causa da pandemia do novo coronavírus.

Essas empresas deverão cumprir o mesmo prazo. Em outra novidade, que vale excepcionalmente para este período, o governo federal não excluiu empresas com débitos tributários em 2020, e as empresas optantes que estavam inadimplentes permaneceram no Simples em 2021.

No caso de empresas que ainda não eram optantes pelo Simples, no momento da opção o sistema responde automaticamente se há pendências com os fiscos federal, estadual ou municipal. Não é necessário que o contribuinte vá a uma unidade da Receita Federal para a regularizar pendências, tanto com a Receita, quanto com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Basta seguir as orientações no site da Receita Federal. Para regularização de pendências com os estados, o Distrito Federal e os municípios, o contribuinte deve procurar a Administração Tributária responsável. O Simples Nacional é regime tributário diferenciado, que reúne em um único documento de arrecadação os principais tributos federais, estaduais, municipais e previdenciários devidos pelas micro e pequenas empresas. O recolhimento, feito por esse documento único, deve ser pago até o dia 20 do mês seguinte àquele em que houver sido auferida a receita bruta.

 

Bancários do Banco do Brasil irão fazer paralisação nesta sexta-feira (29)

  • ASCOM - BANCÁRIOS/VCR
  • 26 Jan 2021
  • 10:35h

(Divulgação)

Os funcionários do Banco do Brasil que compõem a base do Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região deliberaram, em assembleia virtual, nesta segunda-feira (25), pela adesão à paralisação nacional contra as reestruturações no banco.

O ato nacional acontece na próxima sexta-feira (29), com a paralisação das atividades, mobilizações e o esclarecimento da população sobre os riscos do sucateamento do BB.

A direção do Banco do Brasil anunciou o fechamento de mais de cinco mil postos de trabalho, a desativação de 361 unidades, transferências compulsórias e a retirada de funções.

O movimento sindical e os trabalhadores preveem que as demissões vão precarizar o atendimento, aumentar o tempo de espera nas filas e sobrecarregar os demais funcionários, o que aumenta as chances de adoecimento físico e mental.

O BB é referência em diversos setores da economia brasileira. Estudos apontam que o banco público financia cerca de 60% da produção agropecuária, desde a agricultura familiar -produtora de alimentos básicos para a população - até os grandes produtores agrícolas.

A instituição também tem um forte papel social gerindo e operando políticas públicas, como programas de microcrédito produtivo, crédito Acessibilidade, crédito consignado, Pronaf e parte do FIES.

Na região, foi anunciado o fechamento das agências de Abaíra, Encruzilhada e Tremedal. A falta destas unidades bancárias resultará na fuga de capital para os outros municípios, agravando a crise econômica, o desemprego, além de dificultar o acesso de aposentados e demais usuários dos serviços.

O processo de desmonte do BB não se justifica, tendo em vista que o banco sempre figura como um dos mais lucrativos do Brasil. Somente nos três primeiros trimestres de 2019, o banco lucrou mais de R$ 10 bilhões, com a exploração de clientes e bancários.

O Sindicato denuncia que o sucateamento promovido pela direção do Banco do Brasil, com o aval do governo Bolsonaro, tem como objetivo principal reduzir a atuação da empresa e precarizar o atendimento com a finalidade de justificar uma futura privatização. Vale lembrar que em reunião ministerial, em abril do ano passado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em tom agressivo que o BB é um "caso pronto de privatização" e que o governo "tem que vender essa p... logo".

“O Banco do Brasil passa por sua terceira reestruturação em menos de quatro anos e em todas elas houve fechamento de agências, demissão de funcionários e transferência de tantos outros. Vamos resistir aos ataques e mostrar para à população os prejuízos dessas políticas do governo federal, que vêm matando as instituições paulatinamente com o único objetivo de privatizá-las. Por isso, vamos paralisar as atividades no Banco do Brasil no dia 29 contra mais essa reestruturação, que fere o banco gravemente e prejudica municípios, clientes e trabalhadores”, afirma Leonardo Viana, presidente do Sindicato dos Bancários.

Vai subir de novo: Petrobras anuncia aumento de mais de 8% na gasolina a partir desta terça-feira (19)

  • Correio Brazilense
  • 19 Jan 2021
  • 10:28h

(Foto: Reprodução)


A nova estratégia da Petrobras é não divulgar o percentual de reajuste dos combustíveis, mas apenas o preço praticado nas refinarias, distante da realidade das bombas. Segundo anunciou nesta segunda-feira (18/1), a partir de terça-feira (19), “o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará a ser de R$ 1,98 por litro, refletindo um aumento médio de R$ 0,15 por litro no preço de venda”. Apesar de questionada pela reportagem sobre o percentual de reajuste, a Petrobras não respondeu. O cálculo sobre a alta de R$ 1,83 por litro para R$ 1,98, considerando os R$ 0,15 médios de aumento médio informados pela petroleira, é de um salto de quase 8,2% no preço do combustível. Apesar de não informar o percentual, em nota, a empresa argumenta que “contribui para a transparência de preços para a sociedade" ao publicar, em seu site, "dados referentes aos seus preços de venda às distribuidoras dos seus principais produtos”. Desde 7 de agosto de 2019, os preços passaram a ser publicados, por local e modalidade de venda, no formato determinado pela Resolução ANP nº 795/2019. “Os novos preços são acrescentados no arquivo disponibilizado a partir da sua data de vigência, sem exclusão da vigência anterior. Dessa forma, é possível acompanhar a evolução dos preços por local”, explicou. Vale lembrar que a empresa não dá a informação voluntariamente, apenas em resposta a um pedido formal, o que é feito diariamente pela reportagem do Correio.  A estatal disse, ainda, que “os preços praticados têm como referência os preços de paridade de importação e, desta maneira, acompanham as variações do valor do produto no mercado internacional e da taxa de câmbio, para cima e para baixo. No ano de 2020, o preço médio da gasolina comercializada pela Petrobras atingiu mínimo de R$ 0,91 por litro.”

Ford pretende investir US$ 580 milhões na Argentina

  • M1
  • 12 Jan 2021
  • 10:35h

Intenção foi anunciada no último mês de dezembro pela diretoria; montadora anunciou saída do Brasil nesta segunda | Foto: Divulgação

A montadora norte-americana Ford pretende concentrar seus esforços na Argentina, onde deve investir US$ 580 milhões. No início de dezembro, o presidente da Ford para a América do Sul, Lyle Watters, disse esperar uma recuperação gradual da economia argentina. Ele avaliou que a estabilização da inflação será chave na saída do país vizinho da crise. “Espero uma estabilização gradual nos indicadores econômicos na Argentina”, comentou o executivo. Caso as previsões da Ford estejam corretas, o mercado argentino deve alcançar volume superior a 400 mil veículos neste ano. A montadora anunciou ontem (11) o fechamento de suas fábricas no Brasil. O presidente da Argentina, Alberto Fernández, publicou uma foto da reunião com os executivos da montadora, no dia 1º de dezembro.

Perdas acumuladas, pandemia e dólar alto motivaram fechamento da Ford, segundo a empresa

  • Redação
  • 12 Jan 2021
  • 07:55h

Encerramento da produção em três fábricas, entre elas a de Camaçari, deve ocasionar 5 mil demissões; unidade baiana foi inaugurada em 2001 | Foto: Reprodução/Ford

Queda nas vendas, pandemia, dólar alto e a operação deficitária no país foram as principais razões que levaram a Ford a encerrar a produção de veículos no país. A anunciada nesta segunda-feira (11), a medida deve ocasionar cerca de 5 mil demissões nas plantas de Camaçari e também em Taubaté (SP) e Horizonte (CE).

Em carta a concessionários citada pelo G1, a montadora afirmou que “desde a crise econômica em 2013, a Ford América do Sul acumulou perdas significativas” e que a matriz, nos Estados Unidos, tem auxiliado nas necessidades de caixa, “o que não é mais sustentável”.

Segundo a empresa dos Estados Unidos, a valorização do dólar frente às moeda da região “aumentou os custos industriais além de níveis recuperáveis e reduziu as vendas de veículos na América do Sul, especialmente no Brasil.

“Essa decisão (fechamento das fábricas) foi tomada somente após perseguirmos intensamente parcerias e a venda de ativos. Não houve opções viáveis”, concluiu a montadora, na carta dirigida aos revendedores. Com a medida, os modelos nacionais terão suas vendas interrompidas assim que terminarem os estoques. A empresa garante, porém, que todos os clientes seguirão com assistência de manutenção e garantia.

Projeto Amazon

A Ford abriu as portas em Camaçari em 2001, quando implantou o projeto Amazon. O aspecto principal de seu conceito era o de concentrar na planta da montadora unidades de seus fornecedores. O empreendimento levou a novos projetos industriais, como os das fabricantes de pneus Firestone e Continental.

A unidade de Camaçari, que produzia Ka e EcoSport, e a de Taubaté, onde eram feitos motores e transmissões, serão fechadas imediatamente, reduzindo a produção às peças para estoques de pós-venda.No último trimestre de 2021, será fechada também a planta da Troller, em Horizonte. Com informações do G1.