BUSCA PELA CATEGORIA "Curiosidades"

Coca-Cola abre guerra contra a obesidade infantil

  • 02 Out 2016
  • 16:09h

(Foto: Reprodução)

Estabelecer um diálogo amplo entre sociedade civil, escola, indústria e estado pode ser a principal ferramenta para combater um dos problemas mais preocupantes da contemporaneidade: a obesidade infantil. A conclusão foi tirada durante as discussões da mesa “Escola consciente, nutrição inteligente”, no evento internacional Educação 360, realizado pelos jornais EXTRA e “O Globo”, em parceria com o Sesc. O evento, que acontece nesta sexta e sábado na Escola Sesc de Ensino Médio, em Jacarepaguá, tem apoio da Coca-Cola Brasil, da TV Globo e do Canal Futura. — Quando os dois lados gritam, ninguém escuta nada. A obesidade infantil tem que ser tratada com um esforço conjunto e integrado. O diálogo é a grande chave. Um diálogo de propósitos, com transparência e vontade de fazer mudança — explicou Marcos Nisti, CEO do Instituto Alana, organização que defende a vivência plena da infância.

A necessidade de encontrar respostas para evitar que as crianças sejam alvo de publicidades que conduzem ao consumo em excesso de determinados alimentos e aumentem os índices de obesidade levou a uma comunicação bem-sucedida entre o Instituto Alana e a Coca-Cola Brasil. Discussões constantes culminaram em uma primeira ação da empresa de bebidas, que informou que não faria mais publicidade destinada a crianças, porque não as considerava capazes de tomar decisões de consumo sozinhas. A movimentação no sentido de minimizar o consumo de refrigerantes e sucos açucarados na infância resultou na decisão da corporação de não fornecer mais esses produtos para cantinas de escolas onde a maior parte das crianças seja menor de 12 anos.  — A criança até 12 anos não tem maturidade de fazer escolhas. Não consegue discernir o que é bom para ela e o que não é. Temos que trazer essa conversa para a escola, para os pais. Esse é um problema não só da Coca-Cola, mas de toda a indústria. Quero muito que outros setores se juntem a esse movimento — afirmou Andréa Mota, diretora de categorias da Coca-Cola Brasil. No âmbito familiar, a psicóloga Maria Tereza Maldonado afirma que os pais devem aprender a conhecer seus filhos e alerta para o perigo de atrelar emoções à alimentação. Ela chama atenção ainda para a importância de dar o bom exemplo: — Se a família está mais sintonizada, ela vai saber que aquele choro é de fome, aquele outro é para colo ou outro tipo de estimulação. Muitas vezes essa leitura não é feita adequadamente e qualquer coisa que a criança expressa é vista como fome. Isso tudo vai formando uma raiz de que a comida vai servir para aliviar frustração, suprir carinho e atenção, acalmar e distrair. Muitas famílias não se dão conta que agem como espelho para criança. As famílias de crianças obesas muitas vezes também estão muito além do peso.As crianças estão sujeitas a múltiplas influências.

CONTINUE LENDO

Para 60% da população, idosos não são respeitados, diz estudo da OMS

  • 01 Out 2016
  • 14:03h

(Foto: Reprodução)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou sua preocupação com a discriminação contra as pessoas mais velhas após a realização de uma primeira pesquisa sobre este assunto, que mostrou que 60% da população mundial considera que os idosos não são respeitados. Em um relatório publicado na quinta-feira na sua sede em Genebra, a OMS, agência da ONU, indica que cerca de 83 mil pessoas de 57 países participaram desta sondagem sobre a atitude para com as pessoas mais velhas. A pesquisa revelou que os países onde os idosos são menos respeitados são os que têm as rendas mais altas.

A sondagem mostra que "o preconceito contra as pessoas mais velhas é algo muito difundido", declarou em uma conferência de imprensa em Genebra John Beard, encarregado de problemas relacionados aos idosos na OMS. "Assim como com o sexismo e o racismo, é possível mudar as normas sociais, e já é hora de parar de identificar as pessoas com base em sua idade, e isso vai resultar em sociedades mais prósperas, mais justas e com melhor saúde", acrescentou. As atitudes negativas em relação às pessoas de idade têm consequências significativas sobre sua saúde mental e física, afirma a OMS. Os idosos que se sentem como um fardo para os outros correm o risco de sofrer depressão e isolamento, de acordo com o relatório. Um estudo recente mostrou, segundo a OMS, que as pessoas com um estado de ânimo negativo vivem em média 7,5 anos a menos do que as que são positivas. Em 1º de outubro, a OMS vai comemorar o Dia internacional do idoso, e tentará passar uma mensagem de luta contra a discriminação contra as pessoas mais velhas. O número de pessoas com 60 anos ou mais vai dobrar até 2025, e chegará a ser de mais de dois bilhões dentro de 30 anos. Em 2050, uma em cada cada cinco pessoas terá mais de 60 anos, e 80% delas terão baixa renda.

CONTINUE LENDO

Soneca de mais de uma hora pode aumentar risco de diabetes, diz estudo

  • G1
  • 27 Set 2016
  • 20:09h

Sono de mais de uma hora após o almoço pode ter relação com diabetes (Foto: Erika Ricci)

Os benefícios para a saúde da sesta -- soneca depois do almoço -- são regularmente destacados, mas essa prática pode aumentar o risco de desenvolver diabetes, se durar mais de uma hora - adverte um estudo japonês recebido com reservas por especialistas independentes. As pessoas que fazem sestas diárias de mais de 60 minutos de duração apresentam "um risco significativamente mais alto de diabetes do tipo 2" do que os que não dormem a sesta, observaram quatro cientistas da Universidade de Tóquio, sem demonstrar, porém, uma relação de causa e efeito. Calcula-se que esse risco suplementar seja de 45%, segundo o estudo, que foi apresentado este mês em um congresso da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD) na Alemanha. A pesquisa ainda não foi publicada em um periódico da área revisado por seus pares. A diabetes do tipo 2, que representa 90% dos casos da doença, corresponde à incapacidade do organismo para regular o nível de açúcar no sangue. Se não for tratada, essa hiperglicemia pode causar graves problemas de saúde, como cegueira, perda de sensibilidade dos nervos e doenças cardiovasculares.

Soneca de menos de 40 minutos não afetou saúde
De acordo com o estudo, as pessoas que dormem sestas inferiores a 40 minutos não são mais afetadas pela diabetes do que a média. A frequência aumenta progressivamente, então, até mostrar uma diferença significativa além dos 60 minutos Os cientistas, que compilaram 21 estudos relativos a mais de 300 milpessoas no total, não encontraram um vínculo estatístico entre a duração das sestas e o risco de obesidade. "Esse estudo não demonstra com certeza que a sesta diurna provoca diabetes, apenas que existe uma associação entre ambas que deve ser estudada", disse a EASD em um comunicado de imprensa anexado ao estudo. Esses resultados devem ser considerados com precaução, porque não se pode excluir que a frequência crescente dos casos de diabetes esteja ligada a outras causas, advertiram vários especialistas que não participaram do estudo. "Uma possibilidade é que as pessoas pouco ativas e com sobrepeso, ou obesas, sejam mais propensas a dormir sestas durante o dia. E estas pessoas também têm maior probabilidade de desenvolver uma diabetes", observou o professor de Epidemiologia do Câncer Paul Pharoah, da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Também poderia haver "uma relação de causalidade invertida: uma prática da sesta durante o dia causada por uma diabetes não diagnosticada", acrescentou.

CONTINUE LENDO

Alérgicos devem redobrar cuidados durante a primavera

  • 24 Set 2016
  • 17:06h

(Foto: Reprodução)

A chegada da Primavera, estação que encanta com suas cores e aromas, pode ser um problema para uma parcela da população. Isso porque, com ela também aumenta a quantidade de pólen no ar, o que para os alérgicos pode significar crises de rinite alérgica, asma e conjuntivite com mais frequência. Por isso, especialistas sugerem algumas formas de se evitar a manifestação de doenças nessa época do ano. Ações como manter janelas de casa e do carro sempre fechadas, não utilizar o ar-condicionado abaixo de 23º e sempre manter os filtros limpos e com produtos de qualidade. Em casa, o ideal é evitar as roupas secando no exterior, pois a umidade torna-se um depósito de pólen. Se o dia estiver com vento, o quadro se agrava, além de aumentar a probabilidade de se transportar muito pólen no corpo e no cabelo. De acordo com a Academia Brasileira de Rinologia, nenhum medicamento cura a rinite alérgica. No entanto é possível manter uma a doença controlada e garantir a qualidade de vida. Mas a é preciso manter a medicação caso contrário os sintomas acabam voltando. O tratamento com vacinas, segundo a entidade, é eficaz. Especialistas alertam também que por um longo período, o paciente não apresente necessidade de remédios, porém os cuidados com a prevenção seguem os mesmos principalmente nessa época do ano. 

Agendamentos no SAC agora podem ser feitos via app

  • 13 Set 2016
  • 15:45h

(Foto: Divulgação)

A partir de agora os usuários do Serviço de Atendimento o Cidadão (SAC) vão poder consultar os serviços oferecidos, agendar atendimento, ver os endereços das 62 unidades distribuídas no estado e até mesmo saber a documentação necessária para realização de procedimentos através de um aplicativo. A Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb) lançou nesta terça-feira (13) o aplicativo SAC Mobile. O SAC Mobile vai estar disponível na App Store e Play Store, onde o usuário poderá fazer o download gratuito do aplicativo para celulares ou tablets com os sistemas operacionais iOS e Android, respectivamente. De acordo com estudos divulgados pela FGV em 2015, o Brasil conta com 306 milhões de dispositivos conectados a internet, dos quais 154 milhões são telefones inteligentes, os chamados smartphones.

A criação do software para dispositivos móveis teve investimento de R$190 mil, e é resultado de parceria entre a Coordenação de Tecnologia da Informação da Saeb e a Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (Prodeb). “Nossa expectativa é que em 90 dias, tenhamos um milhão de downloads realizados, o que refletirá em mais praticidade no atendimento aos usuários da Rede SAC”, afirma Murilo Costa, coordenador geral de TI da Saeb.  Para o secretário da Administração, Edelvino Góes, “o APP SAC Mobile possibilitará ao usuário consultar, de forma prática e interativa, a qualquer momento, e em qualquer lugar, por meio de um smartphone ou tablet, serviços e informações personalizadas para o usuário da Rede SAC”.  Ao utilizar o aplicativo, o usuário terá também opção de escolher a unidade da Rede SAC mais próxima dele, a data e horário que melhor lhe convier. Por meio da função de geolocalização, que pode ser habilitada pelo GPS do aparelho celular ou tablet, o cidadão poderá ser guiado até a unidade SAC em tempo real, com indicações de distância e roteiro a serem seguidos. Após a emissão da senha será gerado um código, que registrado no aplicativo pelo usuário, permitirá ao cidadão saber quando se aproxima a sua vez de ser atendido. Desta forma, é facultada ao usuário a espera na recepção do posto ou a realização de outras atividades nos arredores da unidade SAC (em um shopping, por exemplo), enquanto aguarda sua vez para atendimento. O SAC Mobile oferece ainda acesso às notícias e avisos divulgados no Portal SAC, além de possibilitar que o usuário responda a uma pesquisa de satisfação, que avalia o atendimento e serviços prestados. Atualmente, são oferecidos mais de 700 serviços ao cidadão, nas 62 unidades de atendimento da Rede SAC, distribuídas por toda Bahia.

Principais funcionalidades:
Realizar agendamento de serviços;
Consultar lista de documento necessários por serviço;
Consultar o Posto SAC mais próximo, através de geolocalização;
Acompanhar a fila de atendimento, permitindo saber quantas pessoas estão à frente;
Buscar informações de toda a rede SAC (endereço, telefone, horário de atendimento, serviços prestados por todos os Postos SAC e Pontos Cidadão;
Consultar em tempo real a localização do SAC Móvel e seu roteiro;
Consultar notícias e receber avisos.

CONTINUE LENDO

Pedalar estimula a atenção e também promove o convívio social

  • 12 Set 2016
  • 19:01h

(Foto: Reprodução)

Nunca é tarde para aprender a andar de bicicleta. Será que pedalar funciona também para quem tem doenças reumáticas? O reumatologista Fabio Jennings fala sobre o assunto no Bem Estar desta segunda-feira (12). O educador físico Mauro Guiselini também participa do programa para comentar sobre os benefícios de andar de bike. Pedalar envolve força nas pernas, equilíbrio e estabilidade. Aprender a pedalar ainda na infância faz com que a criança adquira autonomia, mantenha o corpo em movimento, desenvolva a coordenação motora e o equilíbrio. Os benefícios não são apenas físicos. Pedalar estimula a atenção, a disciplina, a concentração e integra os amigos, gerando convívio social. 

Pedalar não é instintivo, é um aprendizado, por isso é importante o estímulo correto, que inclui a escolha da bicicleta, o ajuste do banco e das rodinhas traseiras. O sistema nervoso tem como principal característica a capacidade de reter informações nos neurônios e na rede que eles formam. No caso das atividades motoras, quem comanda os movimentos é o cerebelo, parte do encéfalo responsável pela coordenação motora e pelo equilíbrio, que fica na região da nuca, logo acima do pescoço. Para sair do sedentarismo com a ajuda da bicicleta, é importante pedalar pelo menos durante 30 minutos, na intensidade leve, no mínimo 3 vezes por semana. As pernas podem doer no início, mas é normal porque o exercício tem impacto localizado. Por ser uma atividade aeróbica, ela promove um aumento na produção das beta endorfinas, que aumentam a sensação de alegria/prazer, além de melhorar o controle da pressão arterial e controlar a glicemia.

CONTINUE LENDO

Brasil indica 'Pequeno segredo' para tentar Oscar; 'Aquarius' fica de fora

  • 12 Set 2016
  • 15:30h

(Foto: Reprodução)

O filme "Pequeno segredo", de David Schurmann, foi indicado pelo Brasil para tentar uma vaga na disputa pelo Oscar de melhor filme em língua estrangeira. Uma comissão do Ministério da Cultura (MinC) fez o anúncio nesta segunda-feira (12), em evento na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Estavam inscritos 16 filmes ao todo. "Aquarius", dirigido por Kléber Mendonça Filho e estrelado por Sonia Braga, foi um dos preteridos. A seleção final dos concorrentes na categoria ainda será definida pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. O anúncio dos indicados à 89ª edição do Oscar está marcado para 24 de janeiro. A cerimônia de premiação acontece em 26 de fevereiro, em Los Angeles, nos Estados Unidos. "Pequeno segredo", que ainda não estreou, é um longa de ficção baseado em um episódio real ocorrido com a família Schurmann, conhecida por navegar o mundo. A trama se centra na garotinha Kat, filha adotiva de Heloisa e Vilfredo Schurmann. A menina morreu em 2006, e a história inspirou também o livro best-seller "Pequeno segredo: A lição de vida de Kat para a família Schurmann" (2012), escrito por Heloísa. 

O longa tem no elenco Julia Lemmertz, Maria Flor, Fionnula Flanagan, Marcello Antony, Erroll Shand e Mariana Goulart. "Obrigado a todos os que acreditam nesse filme! Meu profundo respeito a todos os maravilhosos filmes inscritos. Tenham certeza que faremos de tudo e não economizaremos energias para representar nosso país na premiação do Oscar 2017. Obrigado, Obrigado obrigado!", escreveu David Schurmann em seu perfil no Facebook. "Pequeno Segredo não é só um projeto pessoal ou da minha família. Ele é um sonho de uma equipe imensa, talentosa e extremamente profissional. E esse sonho vem conquistando milhares de pessoas. Essa é a maior realização de todos nós. A cada um que acredita no Pequeno Segredo, meu muito obrigado", disse o diretor no perfil do filme no Facebook.

'Potencial para seduzir Academia'
A comissão que elegeu o representante brasileiro foi formada por Adriana Scorzelli Rattes, Bruno Barreto, Carla Camurati, George Torquato Firmeza, Luiz Alberto Rodrigues, Marcos Petrucelli, Paulo de Tarso Basto Menelau, Silvia Maria Sachs Rabello e Sylvia Regina Bahiense O presidente da comissão, Bruno Barreto, não estava presente. Luiz Alberto Rodrigues foi o membro que fez o anúncio da escolha de "Pequeno segredo". Ele disse que a comissão analisou não apenas as qualidades artísticas do filme, mas também tentou considerar o que a Academia de Hollywood poderia levar em conta. "A gente considerou essa hipótese: que filme teria maior potencial para seduzir o júri da Academia a escolher como concorrente a filme de língua esrangeira?", disse Rodrigues. "Não foi uma decisão fácil. Não foi uma decisão unânime. Foi uma decisão pelo consenso", disse Silvia Maria Sachs Rabello, quando a comissão foi questionada sobre não escolher "Aquarius". Marcos Petrucelli completou: "O 'Aquarius' ganha essa repercussão nos Estados Unidos porque já foi visto, passou no festival de Cannes. Coincidentemente o nosso filme que foi escolhido não foi visto ainda. Mas isso não significa nada [para o Oscar]. Tem filme que ganhou Oscar e não ganhou Cannes, e vice-versa". Petrucelli também disse que a escolha levou em conta o perfil do júri que escolhe os filmes de língua estrangeira no Oscar. "São pessoas geralmente mais velhas, então um pouquinho mais conservadoras", disse. "A gente tentou encontrar um filme que tem essas características do cinema 'da cartilha'", afirmou o membro da comissão.

CONTINUE LENDO

Veja dicas para reduzir riscos de roubo de moto

  • G1
  • 11 Set 2016
  • 15:03h

Rômulo Provetti é experiente em viagens com moto: "O mais importante é planejar" (Foto: Arquivo Pessoal)

Um caso de tentativa de assalto seguida de morte de um motociclista em São Paulo retomou discussões sobre a segurança nesse tipo de veículo. Veja abaixo dicas de motociclistas e especialistas sobre como reduzir os riscos de roubo e furto de motos.

Locais e horários visados
"Em São Paulo, as chegadas as rodovias, as marginais, o Centro velho, a Avenida Aricanduva e a Avenida dos Bandeirantes são locais onde há uma grande incidência de roubos de motos", afirmou o especialista em segurança Diógenes Lucca, no Guia Prático do G1. Com relação a horários, ele aconselhou redobrar a atenção no início e no fim do dia.

Atenção a motos com 2 ocupantes
Lucca lembrou que o motociclista já tem por hábito dirigir prestando atenção ao seu entorno, para se proteger dos carros. "Aproveite essa postura para prestar atenção em motocicleta com dois ocupantes. É sinal de risco", aconselha.

Evite deixar a moto na rua
Lucca afirma que, se a moto não tem seguro, é melhor evitar estacioná-la na rua, apesar de que nem todos os estacionamentos aceitam motos.

Dificulte a vida do ladrão
Caso não tenha alternativa, use correntes e travas, lembra Lucca: "Todos os mecanismos  que você cria para dificultar a vida do criminoso, tanto melhor". Alguns modelos possuem travamento de guidão ou outro. O especialista em motos Roberto Agresti aconselhou, na coluna Dicas de Motos, a usar pelo menos uma trava, além da original. Contanto que o movimento de colocá-la e tirá-la seja rápido, para evitar ao máximo ficar parado na rua. É recomendável travar a moto inclusive na garagem do prédio onde mora. Se, em casa, a moto ficar à vista de quem passa na rua, melhor deixá-la coberta, escreveu ele. Lucca acrescenta que é interessante usar rastreadores, que podem dar alguma chance de recuperar o veículo.

Cuidado para entrar em casa
Assim como os motoristas, quem conduz moto deve tomar cuidado na hora de entrar em casa. "Minha rua é curta e tem pouco movimento. Se percebo alguém estranho, dou mais uma volta antes de entrar", aconselha motociclista Rômulo Provetti, que mora em Belo Horizonte e é o criador do site "Viagem de moto". Também é recomendável variar os trajetos mais usados.

Tipo de moto faz diferença
Assim como ocorre com carros, as motos mais visadas costumam ser as mais populares, para a revenda de peças. Provetti diz que as esportivas, mais potentes, também costumam ser visadas para serem usadas em assaltos. "Eu tenho um scooter e uma moto do tipo custom Harley Davidson, que, apesar de chamar a atenção, não é tão visada porque é grande e é mais difícil de guiar do que uma esportiva", explica.Vai viajar? Planeje ao máximo Provetti já realizou viagens pelo Brasil, o deserto do Atacama, a Cordilheira dos Andes e agora se prepara para rodar pelo Hilamaia. Ele diz que, em viagens mais longas, vai sozinho ou com mais uma pessoa. As viagens em grupo são as mais curtas. "Estar em um grupo inibe o assalto, mas não tira 100%. Porém, acredito que o mais importante é planejar muito bem a viagem", avalia. O motociclista costuma pesquisar quanto tempo levará para percorrer uma distância e evita jornadas de mais de 10 horas, que podem se estender até a noite. Ele tem um GPS próprio para a moto e mantém o mapa atualizado.

Evite viajar à noite
Provetti diz que procura evitar viajar durante a noite, preferindo chegar às cidades ainda durante o dia. Ele também escolhe os pontos de parada, sempre em postos de gasolina, restaurantes e locais movimentados. Para fazer passeios turísticos na região de destino, ele deixa a moto no hotel e prefere contratar passeios com guias locais. "Além da segurança e da comodidade, isso também faz com que eu não perca nenhuma atração que poderia passar batida", observa.

CONTINUE LENDO

Contra suicídio, jovem divide história de superação: 'vontade de viver'

  • 11 Set 2016
  • 08:01h

Jovem diz que amor por cachorros ajudou a superar estado depressivo (Foto: Tainã de Oliveira Silva/ Arquivo Pessoal)

A enfermeira obstetra Tainã de Oliveira Silva, 26 anos, viu sua vida ser tomada pela tristeza profunda há cinco anos. Acometida por um quadro de depressão, ela tomou uma alta dose de tranquilizantes, desmaiou e foi internada em um hospital de Salvador. “Eu não quis tirar minha vida, mas me livrar da dor do que estava sentindo”, relata a jovem, que foi diagnosticada com depressão moderada. O problema vivido por Tainã representa a realidade de um cenário acompanhado por meio de dados pelo Centro Antiveneno da Bahia (Ciave), da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Nos primeiros seis meses do ano de 2016, o órgão registrou 14 casos de suicídios por uso de intoxicantes, como medicamentos e raticidas clandestinos. Os dados foram divulgados ao G1, que publica a reportagem sobre o assunto neste sábado (10), Dia Municipal de Prevenção ao Suicídio, parte da campanha Setembro Amarelo.

O Ciave recebe as informações de hospitais em toda a Bahia e do Hospital Roberto Santos, em Salvador. Não foram detalhadas as cidades que correspondem às mortes registradas. Além dos óbitos, também foram computadas 503 tentativas de suicídio no período. As intoxicações intencionais correspondem a 12,4% do total de 4.041 casos de intoxicação gerais atendidos no centro, que também atende casos acidentais. Os principais agentes de intoxicação são os medicamentos e os raticidas clandestinos, com destaque para o conhecido como “chumbinho”. O Núcleo de Estudo e Prevenção do Suicídio, que funciona em anexo do Hospital Roberto Santos, oferece entre 400 e 500 atendimentos por mês para pacientes que já tentaram suicídio ou tenham risco de fazê-lo. Uma equipe de duas psicólogas, três psiquiatras, duas terapeutas ocupacionais, uma enfermeira e quatro estagiários de psicologia fornecem o serviço. Os pacientes participam de atividades terapêuticas, com oficina de produção de jornal e exibição de filmes. No caso da enfermeira Tainã, foi também a ajuda especializada que representou o resgate possível de livrá-la da ideia de pôr fim à própria vida. Ao ser diagnosticada com depressão, ela foi acompanhada por um psiquiatra e passou a tomar medicamentos antidepressivos durante três meses. Também voltou a frequentar o centro espírita, buscando apoio de uma psicóloga comportamental e espiritual. “Vivia no escuro, não me sentia feliz no dia-a-dia. Saía para os lugares e ficava recuada. É uma angústia muito forte, uma dor na alma. Você pede socorro sem saber o que está sentindo”, conta. O fim de um relacionamento amoroso é apontado como o “gatilho” para piorar a situação. Para diminuir a sensação de dor que sentia, Tainã ingeriu os comprimidos e "apagou". No hospital, ao recobrar a consciência e ver os familiares, ficou constrangida de estar naquele estado. “Me senti com vergonha de ter que encarar o mundo. Eu não quis morrer, mas sim chamar atenção dos meus pais e das pessoas em geral. Eu queria a cura”, relembra a jovem. “Eu busquei na minha fé o preenchimento do vazio. Senti medo de passar por isso de novo”, comenta. Após o estado depressivo, a enfermeira voltou a enxergar o sentido da vida. “Eu tive muito apoio da minha família e amigos, e muito amor. É importante que as famílias das pessoas que passem por isso tentem escutar. As sensações ficam reprimidas. É uma situação muito angustiante. A pessoa se sente pior por estar sentindo aquilo”, define. A coordenadora do Núcleo de Estudo e Prevenção do Suicídio, do Centro Antiveneno da Bahia, a psicóloga Soraya Carvalho ressalta que um dos pontos mais importantes do trabalho que desempenha é estimular o apoio da família ao tratamento do paciente. “A pessoa precisa ser acolhida e respeitada. Tudo que não precisa é ser julgada. A pessoa está precisando de carinho e atenção. A família se informando sobre isso está mais apta para lidar”, indica. Os familiares devem ficar atentos a sinais de que a pessoa tem pensamentos suicidas, que podem estar disfarçados. “Prestar atenção se a pessoa tem mudado de comportamento, se está triste e desmotivado, isolada, reduz o contato social e está sem ânimo”, alerta a psicóloga. Soraya diz que a família tem que estar aberta para escutar o paciente, sem julgamentos. “Tem que perguntar se sabe escutar. É preciso suportar a resposta e perguntar o que pode fazer para ajudar. Se não tiver muito que fazer, leve para psiquiátrica e psicólogo", resume. Ela diz que a prevenção ao suicídio também passa pelo controle de meios que podem causar a morte intencional, como de armas de fogo, venenos, produtos tóxicos e acesso a estruturas que impliquem risco à população, como prédios e pontes. Recuperada, Tainã casou e hoje celebra a vitória de conseguir viver tranquilamente. Ela não toma mais medicamentos antidepressivos  e mantém um amor incondicional aos cachorrinhos de estimação, que também a ajudaram a recuperar a vontade de viver.  “A pessoa que tem depressão muitas vezes perde um pouco da vontade de viver e buscar certas coisas, de caminhar e dar sentido. Depois que vai passando, há uma renovação e uma vontade de viver maravilhosa, de justamente fazer tudo ao contrário: de fazer muita coisa, de viver com mais intensidade, de buscar potenciais, tanto no profissional quando na vida sentimental”, ensina.

Apoio
Quem precisa de apoio pode procurar o Centro de Valorização da Vida (CVV), em Salvador, por meio de telefone, site, e-mail e Skype. Voluntários atendem os números 141 e (71) 3322-4111. ”Nessa cidade em que todo mundo é feliz, da festa, tem uma cidade triste e solitária esperando ser ouvida”, diz a vice-coordenadora da instituição, Josiana Rocha. Ela diz que a função do serviço não é de substituir terapia. “O voluntário é um amigo provisório, alguém que pode conversar. O contato é sigiloso e anônimo. A pessoa não precisa se identificar para a pessoa dizer ser o que sente”, explica. Por mês, são atendidas de 1.500 a 2.000 pessoas no CVV. O serviço fica disponível 24h, todos os dias da semana. Vinte e oito voluntários se revezam para conseguir realizar os atendimentos. “Somos pessoas comuns e para ser voluntário basta ter tempo e vontade de servir”, diz Josiana. Os voluntários passam por treinamento para aprender a lidar com as pessoas que procuram o serviço. As inscrições para quem quer se voluntariar estão abertas e podem ser feitas por telefone ou pelo site do centro.

CONTINUE LENDO

Vai ficar mais caro registrar um site no Brasil

  • Olhar Digital
  • 04 Set 2016
  • 15:00h

(Foto: Reprodução)

A anuidade dos domínios .br vai aumentar a partir do ano que vem. O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, NIC.br, anunciou que o valor vai passar de R$ 30 para R$ 40 a partir de 1º de janeiro de 2017. Desde 2003, o valor de R$ 30 permanecia inalterado. "Após 13 anos do valor em reais mantido sem alteração, está na hora de corrigí-lo, mesmo que parcialmente", explica Demi Getschko, diretor-presidente do NIC.br, explica a alteração. Até 31 de dezembro deste ano os usuários poderão registrar novos domínios, renovar domínios já registrados ou estender o período de renovação pelo valor atual. Todas as informações e condições sobre o processo de renovação estão disponíveis no site do Registro.br

Para onde vai o dinheiro?

Segundo o NIC.br, a receita do registro de domínios e da distribuição de números IP serve para suportar o funcionamento destes serviços internacionalmente, é investida em ações como o acompanhamento de incidentes de segurança no Brasil, estudo e pesquisa de tecnologias de redes e operações, produção de indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação (TIC) e no; fomento à Web no Brasil.

CONTINUE LENDO

Hábito de leitura aumenta em até dois anos tempo de vida, aponta estudo

  • 31 Ago 2016
  • 19:02h

(Foto: Reprodução)

Manter um hábito diário de leitura pode levar a uma vida mais longa. Cientistas da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, chegaram à conclusão depois de analisar dados de 3.635 pessoas acima de 60 anos, que informaram seus hábitos alimentares, de exercício e de leitura, entre outros, segundo o jornal O Globo. Durante a pesquisa, os participantes foram divididos em três grupos: os que leem até três horas e meia por semana, os que leem mais que isso e os que nunca leem. A equipe descobriu que a leitura aumenta em até dois anos o tempo de vida. Os benefícios são maiores a depender do tempo gasta semanalmente. Jornais e revistas também são positivos, mas não como os livros. "Livros davam um benefício maior que ler jornais ou revistas. Descobrimos que esse efeito é porque livros 'interagem' mais com a mente do leitor, beneficiando mais os processos cognitivos e, assim, aumentando o tempo de vida", afirmou a pesquisadora Avni Bavishi.

Vigorexia: os homens musculosos que não conseguem parar de malhar

  • 28 Ago 2016
  • 16:00h

'Acho que nunca serei grande o suficiente', diz Depoorter (Foto: Nicolas Depoorter)

Quando Nicolas Depoorter se olha no espelho, ele vê o adolescente magrelo que ele foi um dia - apesar de o jovem de 24 anos ter atualmente um bíceps com uma circunferência de meio metro. “Todo o meu tempo livre eu uso para treinar. Eu sempre arranjo tempo para ir à academia nos finais de semana, porque me sinto mal quando não vou. É realmente uma obsessão”, diz Depoorter. Sua rotina diária de três horas na academia não existe só porque ele é viciado em malhar. Ele sofre uma dismorfia muscular, ou vigorexia, um transtorno de aparência que é pouco conhecido mas está se tornando cada vez mais comum, principalmente entre homens. Não importa se tenham barriga tanquinho ou peitorais sarados, as pessoas afetadas pela condição são obcecadas com a ideia de que não são musculosas o suficiente. “Para mim, é uma obsessão saudável. Além disso, se você quer ser melhor que os outros, precisa ser um pouco obcecado. É um estilo de vida, algo que você faz 24 horas por dia, 7 dias por semana”, disse Deporteer à BBC.

De acordo com um estudo recente da Universidade de Sydney, os homens têm quatro vezes mais chances de ter vigorexia e não serem diagnosticados do que as mulheres. Em um estudo de larga escala sobre a imagem corporal no mundo industrializado, pesquisadores descobriram que, embora proporcionalmente mais mulheres estejam insatisfeitas com seus corpos do que homens, eles sofrem mais psicologicamente. “Homens insatisfeitos com seus corpos podem ser um grupo particularmente de risco”, diz Scott Griffths, autor principal do estudo. “O estigma adicional sobre os homens é que eles seriam menos masculinos sofrendo de um problema estereotipado como feminino.” A condição, que costumava atingir principalmente halterofilistas e quem se exercitava muito, está se tornando um “problema de saúde em ascensão”, de acordo com especialistas.

Pressão externa
Nascido na Bélgica, Deporteer nem sempre teve essa aparência musculosa. Ele era obeso quando criança e um nutricionista o ajudou a emagrecer durante a adolescência. Mas ele desenvolveu anorexia nervosa. Surgiu a fixação pela contagem de calorias e os treinos intensos para deixar de ser “esquelético”. “A parte mais difícil foi superar a anorexia. Quando comecei (a malhar) doía muito, mas eu vi tanta melhora que agora me sinto mal se falto um dia. Tudo isso - a dieta, treinar, a vida social na academia - virou parte de quem eu sou”, afirma. Para Pradee Bala, de 26 anos, o desejo de “crescer” veio com a comparação com homens em revistas – achar uma “big inspiration”, “grande inspiração” no jargão do fisiculturismo, é uma tendência que, segundo especialistas, esta por trás do problema de vigorexia.

CONTINUE LENDO

Como a iniciativa de uma mãe está ajudando a vencer preconceito e desinformação sobre fissuras faciais

  • 28 Ago 2016
  • 09:05h

Luiza ficou sabendo de forma traumática que seu filho, Bento, era fissurado, recebendo pouca informações dos médicos (Foto: Arquivo pessoal)

Há pouco mais de quatro anos, Luiza Pannunzio ficou sabendo - de forma traumática - que seu filho Bento nasceria com uma fissura facial grave. Os meses que se seguiram foram permeados por medo, cirurgias, decisões que hoje ela repensaria e muita, muita desinformação, até por parte dos médicos. Um ano e meio depois, Bento havia se recuperado bem das três cirurgias, e o tratamento trazia os resultados esperados. Com o coração mais tranquilo, essa mãe de 37 anos e que é comerciante, estilista, escritora e desenhista resolveu transformar seu trauma inicial em algo positivo para outras famílias que sofrem com o preconceito e, sobretudo, com a desinformação ao verem seus filhos nascerem com fissuras na face.As fissuras faciais são malformações congênitas que ocorrem quando o embrião está se formando. Há basicamente dois tipos. A fissura labial (conhecida por lábio leporino) é uma divisão no lábio superior que pode ser pequena, apenas na área entre o nariz e aboca, ou chegar a atingir o nariz, maxilar e dentes. 

Já a fenda palatina ocorre quando o palato (céu da boca) não se fecha completamente, também com diferentes graus de extensão. Há vários fatores implicados na causa das fissuras, sendo os principais deles ligados à hereditariedade. À BBC Brasil, Luiza contou sobre o surgimento de As Fissuradas - um rede com 14 mil inscritos que apoia, une e informa famílias cujos filhos têm problemas semelhantes aos de Bento. Ela também falou de como reage às perguntas constantes sobre o filho, do abandono de famílias que precisam dos serviços públicos para o tratamento das crianças e da importância de se ensinar às crianças a contar suas histórias para combater o preconceito.

Confira os principais trechos de seu depoimento: 

"Faltavam 20 dias para ele nascer. Eu estava animada mas um pouco encanada. Não sei explicar, encanação de mãe. Fui fazer um ultrassom, e o médico ficou muito tempo (analisando) a cabeça do bebê. Sem nenhum tipo de preparo, ele soltou a informação: 'Ele tem uma fissura'. Eu comecei a chorar e então ele mandou eu ficar quieta, dizendo: 'Tem bebê que nasce sem cérebro'. Foi traumático. Perdi o chão. Fiquei dias sem saber para onde ir, fiquei buscando informações na internet. Hoje, posso dizer que esse foi o pior momento. A espera, a incerteza, a angústia. O medo era tanto que por vezes preferi que ele continuasse para sempre na minha barriga. Porque tudo o que mais queremos é que o bebê venha perfeito e com saúde. Mas com Bento não foi assim. E não sabíamos a extensão do problema. Quando ele nasceu, vimos que a fissura dele era bem assustadora. Tinha fissura facial, palatina, nasceu sem o canal lacrimal direito e com uma pupila deslocada. Os primeiros meses também foram bem doloridos. Ele recebia leite por uma seringa. Além disso, foram três cirurgias muito seguidas, sendo que a primeira, hoje eu sei que foi muito precoce, deu errado. Mas na época, eu não tinha como saber, porque a gente não tinha informação. E eu não queria que nenhuma outra mãe passasse pelo o que eu passei. Por isso veio à ideia das Fissuradas, que nasceu para que as pessoas tenham acesso à informação. Eu digo que é uma rede de amor ao próximo. Damos apoio de várias maneiras. Uma delas é trabalhando a autoestima do paciente e da família. Porque muitas vezes o preconceito começa dentro de casa - e esses bebês, essas crianças ficam reclusas. Temos que deixar claro que essas crianças são lindas, mesmo sendo diferentes. As famílias acabam se isolando, eu mesma me senti muito isolada.Pode ser difícil sair na rua, porque muita gente pergunta 'O que ele tem?' Mas eu consigo não ficar irritada, eu fico didática. Tenho muito orgulho do Bento, ele lutou muito para viver. É claro que eu tenho muito medo de ele sofrer bullying. Mas ele faz piada dele mesmo, especialmente quando não conseguia falar o que queria para as amigas da irmã. Ele sabe lidar e já vai explicando que ele nasceu assim, que ele não tem um dente... Sempre digo que ele é muito corajoso, e a gente tentar levar as coisas com humor. Quando ele usava um esparadrapo depois de uma cirurgia, brincávamos que era o bigode dele. Mas ainda há muito preconceito, e nosso papel é tentar amenizar isso. Temos que preparar as crianças, elas precisam saber contar a história delas. Porque basta falar um pouco diferente para ser 'zoada'. Mas quando a criança conta pelo que passou, desmonta qualquer um que venha com graça. É claro que ainda temos um longo caminho. Também vejo um despreparo total da maioria das escolas - que fingem que não veem o preconceito, seja ele vindo em qualquer forma. Eu já precisei explicar em reunião de escola que não se incentivasse alguns tipos de atitude em relação ao Bento.

CONTINUE LENDO

Açúcar extra na alimentação deve ser limitado para crianças e jovens

  • 26 Ago 2016
  • 20:05h

(Foto: Reprodução)

Especialistas da Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) recomendaram na última segunda-feira (22) que crianças e jovens de dois a 18 anos limitem a adição de açúcar às suas dietas a, no máximo, seis colheres de chá por dia, enquanto os bebês com menos de dois anos devem evitar completamente qualquer açúcar extra em seus alimentos. Em artigo publicado no jornal científico Circulation, os especialistas incluem quaisquer açúcares, até mesmo mel. "Nossa recomendação é a mesma para todas as crianças entre as idades de dois a 18 anos para mantê-la simples para os pais e ativistas pela saúde pública", afirmou Miriam Vos, cientista da nutrição, professora de pediatria da Escola de Medicina da Universidade Emory em Atlanta, EUA. Estudos apontaram que a adição de açúcar a alimentos durante a infância está relacionada ao desenvolvimento de fatores de risco para doenças cardíacas, como obesidade e hipertensão. Além disso, segundo informações do jornal O Globo, crianças e jovens que ingerem muito açúcar tendem a incluir menos alimentos saudáveis em suas dietas. "Acreditamos que as evidências científicas para nossas recomendações são fortes e que ter uma quantidade específica como alvo vai ajudar significativamente pais e ativistas pela saúde pública a fornecerem a melhor nutrição possível para nossas crianças", disse a médica. Miriam recomendou ainda que, até que as informações sobre os açúcares sejam incluídas nos rótulos dos produtos, os responsáveis devem oferecer opções mais saudáveis de alimentação.

Samsung planeja vender celulares de segunda mão restaurados

  • 24 Ago 2016
  • 20:05h

O smartphone Galaxy Note 7 é apresentado em demonstração da função à prova d'água durante lançamento da Samsung em Seul, na Coreia do Sul (Foto: Kim Hong-ji/Reuters)

Samsung planeja lançar um programa para vender smartphones premium de segunda mão restaurados já em 2016, disse à Reuters uma pessoa ligada ao projeto. A empresa sul-coreana tem buscado formas de susteEmntar os ganhos após voltar ao lucro em aparelhos móveis depois de reestruturar sua linha de produção. Com a expansão do mercado de smartphones atingindo um teto, ela quer maximizar sua eficiência de custos e manter as margens operacionais acima de 10%. Em mercados como Coreia do Sul e Estados Unidos, a maior fabricante de smartphones do mundo vai renovar os aparelhos de alta tecnologia que forem devolvidos por usuários adeptos do programa de atualização em um ano. A Samsung, então, revenderia os celulares por um preço menor, disse a fonte, que não quis ser identificada porque o plano ainda não foi divulgado oficialmente. Ainda não se sabe de quanto seria o desconto nos aparelhos remanufaturados, em quais países eles seriam vendidos ou quantos smartphones a Samsung pretende incluir no programa. Um porta-voz da empresa disse que não comenta especulações.