BUSCA PELA CATEGORIA "Cultura"

Modelo baiana estampa capa de revista internacional com 'dreadlocks': 'Meu símbolo de resistência'

  • Informações do G1/BA
  • 28 Nov 2020
  • 14:00h

Modelo baiana estampa capa de revista internacional com 'dreadlocks' — Foto: Divulgação/Assessoria

Aos 22 anos, a modelo baiana Samile Bermannelli estampa, neste mês, a capa da edição de aniversário de uma grande revista internacional. Com dreadlocks como símbolo de resistência, ela conversou com o G1 e falou sobre a mensagem que tenta levar aos jovens negros.

Como muitas crianças pretas, Samile também passou pelo processo de alisamento capilar para tentar se sentir parte de uma sociedade que não enxerga beleza nos traços negros. Tudo mudou no final da adolescência, quando ela precisou assumir os cabelos ao natural, por causa da carreira.

"Eu comecei a alisar meu cabelo por volta dos 9 anos de idade. Eu queria poder deixar os meus cabelos soltos, só que os fios crespos não eram bem aceitos pela sociedade. Então eu fiquei refém do relaxante químico por oito anos, até que, após um ano e meio na minha carreira de modelo, minhas agências decidiram cortar o meu cabelo".

A modelo então passou por um processo muito conhecido por pessoas crespas e cacheadas, quando resolvem assumir a textura natural de seus cabelos: o big chop. O termo significa basicamente um grande corte, definitivo. Quando a pessoa corta toda a parte do cabelo que recebeu química.

Artistas baianos demostram preocupação com folião em polêmica sobre Carnaval 2021

  • Júnior Moreira Bordalo
  • 21 Nov 2020
  • 11:32h

(Fotocomposição: BN)

Um dos símbolos da retomada do carnaval de rua do Rio de Janeiro, a cantora Preta Gil virou assunto em diversos portais do Brasil ao defender o adiamento da folia em 2021 por conta da permanência da pandemia da Covid-19. Em uma live com Zeca Camargo para o UOL, disse: "Não tem como. Só depois da vacina. É burrice insistir, se martirizar e ficar sofrendo por uma coisa que é tão óbvia". "Deveria cancelar. Pular mesmo e, em 2022, quem sabe. É complicado nesse momento. Como vamos celebrar a vida com tanta gente morrendo? Como viver a maior festa popular com tantos doentes?", indagou, Em setembro, Ivete Sangalo já tinha comentado sobre esta dúvida. "Faz parte da etiqueta da empatia eu não me deprimir com a ausência do Carnaval, porque esse definitivamente não é o maior problema que nós temos. É preciso ter distanciamento crítico e alguma maturidade", falou  Claudia Leitte, por sua vez, colocou a esperança "no divino". "Só se Deus não quiser, também estou com saudades", comentou durante uma live em maio. A discussão está em alta aqui na Bahia. Se, por um lado, empresários do entretenimento estudam a realização de festas privadas na capital caso a festa momesma realmente não ocorra, por outro o governador Rui Costa (PT) voltou a dizer que Réveillon e outras comemorações que gerem aglomeração não serão autorizadas enquanto uma vacina não estiver disponível. Já o prefeito ACM Neto prometeu bater o martelo sobre a situação até o final de novembro. 

E o que será que pensam outros artistas baianos a respeito deste impasse? O Bahia Notícias entrou em contato com alguns dos nomes que fazem a festa por aqui. Apesar da declaração anterior de Ivete, desta vez, sua equipe informou que a baiana só irá comentar quando tiver certeza de como ficará o cenário. Léo Santana, Tony Salles - cantor do Parangolé - e Denny Denan seguirão a mesma linha de posicionamento. Já outros decidiram se manifestar e expressaram preocupação com a doença e com a proteção da população. Artistas como Márcio Victor (Psirico), Bell Marques, Rafa e Pipo Marques foram procurados, mas não responderam até o fechamento da matéria. Confira:

 

FELIPE PEZZONI, CANTOR DA BANDA EVA

"Entendemos que a saúde da população é importante e não podemos colocar as pessoas em risco. Preservar vidas é o principal objetivo. Lamentamos todo o contexto, pois o carnaval é gerador de renda para milhares de pessoas, centenas de empresas, movimenta a economia da cidade, gera arrecadação de tributos importantes para as políticas públicas. Sem falar que a nossa maior festa proporciona momentos de felicidades para baianos e turistas e é uma importante manifestação cultural. Torcemos para que a vacina chegue logo e medidas de valorização da vida sejam tomadas para que possamos retomar para as nossas atividades com segurança e muita alegria".

TATAU

"Estamos vivendo um momento de muita incerteza, insegurança e medo, né? Esse vírus está apavorando todo mundo e a gente não tem ainda um prazo definido, apenas especulações sobre o começo da vacinação. Então, Carnaval é uma festa de segurança; é um momento muito mais de lidar com a segurança DO POVO! Acho que o adiamento nesse momento seria a coisa mais sensata de se fazer. Eu sou a favor da alteração de datas para a retomada dos eventos, principalmente um evento de grandiosidade como o Carnaval".

LINCOLN SENNA, DO DUAS MEDIDAS

"Acredito que qualquer demonstração de modificação de datas já mostra uma questão de humanidade e preocupação com a integridade da população, a integridade do seu público. O que a gente torce é que, seja em qual data venha a acontecer, que aconteça na data em que a integridade física de todos nós esteja salvaguardada".

BRUNO MAGNATA, DA LA FÚRIA

"Acredito que a festa deve ocorrer quando tivermos a certeza de que todos os envolvidos nela estejam seguros e protegidos. Se trata da maior festa popular do mundo, então é preciso pensar no coletivo, é preciso que a saúde de todos não seja colocada em risco. Se houver a vacina e todos puderem estar protegidos, acredito que poderemos voltar a ter nossa alegria compartilhada".

KATTÊ

"Nós amamos o Carnaval, mas não podemos fazer uma festa popular gigantesca e colocar tantas pessoas em risco, num momento onde tantos já morreram por conta do vírus. Estamos esperando ansiosamente pela vacina e pelo momento que teremos segurança para comemorarmos com um grande e esperado Carnaval. Estou na torcida para que isso aconteça ainda em 2021".

ALEXANDRE PEIXE

"Por mais que estejamos extremamente ansiosos para o retorno normal aos shows, acredito que falar do Carnaval de rua nos moldes tradicionais, sem uma data estabelecida para vacina, é simplesmente especular".

DAN MIRANDA, DO ARA KETU

"Acho que, com a população em segurança, o Carnaval deve ser feito em 2021. Em uma nova data, talvez num formato reduzido. Muita gente precisa do Carnaval. Família, pessoas que estão sem trabalhar desde fevereiro/março. É preciso olhar para o nosso setor também. Eu torço todos os dias pela aprovação das vacinas para ter um passo mais otimista".

DANNIEL VIEIRA

"Esse é um problema da humanidade nesse momento. Covid não é brincadeira, não é apenas uma gripezinha, ela está matando muita gente e o risco do contágio quando se tem uma aglomeração é muito maior. Então eu acho que infelizmente é necessário, sim, adiar. Acho que não tem pra onde correr. É muito melhor a gente adiar felicidade do que antecipar tristezas e mortes".

 

CONTINUE LENDO

Tirulipa faz apelo por humorista baiano internado após problemas respiratórios: ‘Quero clamar pela vida do Jotinha’

  • Redação
  • 05 Nov 2020
  • 17:18h

(Foto: Divulgação)

O humorista e locutor José Luiz Almeida da Silva, conhecido como Jotinha, segue internado em um hospital particular de Santo Antônio de Jesus, no recôncavo baiano. Segundo familiares, Jotinha está em coma.

A família dele pediu transferência para um hospital público porque não tem condições de pagar a diária do hospital particular, mas a equipe médica que está atendendo Jotinha informou à família que ele precisa de estabilidade clínica, para então ser transferido.

Enquanto isso, amigos e colegas estão fazendo apelo nas redes sociais para que a transferência de Jotinha aconteça assim que ele tenha a estabilidade. Entre os amigos, está o comediante Tirulipa.

“Quero clamar pela vida do Jotinha. Eu sou considerado como o pai da internet do Jotinha e, como pai, eu peço a você, autoridade, que tem um filho, você que é autoridade da Bahia, você que é um político renomado, você que pode fazer muito mais do que eu e muito mais do que todo mundo. A gente não vai conseguir pagar esse hospital particular, porque a conta não fecha, são R$ 23 mil por dia. Quantos R$ 23 mil vão dar? Porque não é só um dia que Jotinha vai ficar”, disse o artista.

Morre, aos 90 anos, o ator Sean Connery, o eterno James Bond

  • O TEMPO
  • 31 Out 2020
  • 10:02h

Fãs do ator já manifestam o luto em redes sociais | Fotos: Reprodução

Faleceu Sean Connery, lendário ator escocês que foi um dos mais célebres intérpretes do persongem James Bond, da saga 007. As informações são da BBC News. Sir Thomas Sean Connery nasceu em Edimburgo, em 25 de agosto de 1930. Ao longo de sua carreira, amealhou um Oscar, três Globo de Ouro e dois prêmios BAFTA. Atuou em filmes como "Outubro Vermelho", e fez grande sucesso em "O Nome da Rosa" (1986), de Jean-Jacques Annaud, baseado no icônico romande do escritor italiano Umberto Eco. Nele, dividiu o set com Christian Slater. Interpretou o papel de Guglielmo de Baskerville, No ano seguinte, encarnava Jimmy Malone, na obra-prima de Brian de Palma, "Os Intocáveis", filme que, vale lembrar, tinha a trilha assinada pelo maestro italiano Ennio Morricone, também falecido recentemente.

Neto pede paciência para definição sobre Réveillon e Carnaval: ‘99% fechado’

  • Bianca Andrade / Matheus Morais
  • 30 Out 2020
  • 14:39h

O democrata garantiu que dará uma resposta antes de dezembro e confirmou o desejo de fazer uma festa depois de fevereiro | Foto: Alfredo Filho/Secom

O prefeito ACM Neto anunciou nesta sexta-feira (30) que os últimos detalhes do Réveillon estão sendo definidos e deve ser compartilhado com a população ainda no mês de novembro.

Durante a coletiva para anunciar os protocolos sobre retomada das aulas na capital baiana, o democrata garantiu que dará uma resposta antes de dezembro, mas não adiantou detalhes sobre a festa ou a não realização do evento.

“Estamos muito próximo de ter uma definição. Estou com o Réveillon 99% fechado, nós estamos apenas intimando os detalhes do Réveillon e eu quero ver se anuncio tudo junto de uma vez só, então já já a gente vai tratar do assunto, será ainda no mês de novembro”.

Quanto ao Carnaval, o prefeito afirmou que não deseja seguir o modelo aplicado no Rio de Janeiro, que não irá realizar a festa em nenhuma data em 2021.

“Por favor, um pouquinho mais de paciência. Eu vi a decisão do Rio de Janeiro, ela veio acompanha de que não vai ter nenhum Carnaval em 2021, esse não era o nosso desejo inicial, o nosso é deixar a porta aberta para a possibilidade de um evento depois de fevereiro”.

Governo do Estado anuncia editais para setor cultural

  • Juliana Rodrigues
  • 30 Set 2020
  • 13:11h

Previsão é de que mais de R$ 50,7 milhões em recursos sejam destinados à área em toda a Bahia | Foto: Camila Souza/GOVBA

O governo do Estado anunciou ontem (29), em videoconferência transmitida pelo YouTube, o lançamento de editais para minimizar os impactos da pandemia de coronavírus no setor cultural. Dois deles já foram publicados no Diário Oficial de hoje (30), enquanto outros seis devem ser divulgados nos próximos dias. Ao todo, mais de R$ 50,7 milhões em recursos serão destinados à área de cultura em toda a Bahia. Os dois primeiros são da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac). O Edital Prêmio Jorge Portugal, da Funceb, é voltado para incentivo a projetos artísticos e culturais que estimulem a criação, formação, produção, difusão, memória e pesquisa das artes no território baiano, estando dividido em sete categorias: artes visuais, circo, dança, audiovisual, literatura, música e teatro. O prazo de inscrição vai até 19 de outubro, nos sites da fundação e da própria Secretaria de Cultura da Bahia. O Prêmio vai contemplar 380 propostas, sendo 46 de artes visuais, 48 de audiovisual, 44 de circo, 43 de dança, 46 de literatura, 56 de teatro e 97 de música (dentre as quais 40 são destinadas às filarmônicas), com um montante total de R$ 24 milhões. Nos próximos dias, será publicado o Edital Prêmio de Exibição Audiovisual, que oferecerá uma premiação total de R$ 1 milhão para obras audiovisuais de curta, longa metragem e seriados, de produção independente, na categoria ficção, documentário e animação. Já as ações do Ipac vão contemplar projetos de salvaguarda do patrimônio imaterial por meio de chamada pública, com R$ 6 milhões em recursos. Os editais seguintes serão publicados através dos Centros de Cultura Populares e Identitárias (CCPI), Fundação Pedro Calmon (FPC) e dos Pontos e Pontões de Cultura.

 

Decreto do governo determina que 50% dos recursos da Lei Aldir Blanc na BA sejam destinados a grupos culturais negros

  • Informações do G1/BA
  • 27 Set 2020
  • 14:06h

Decreto determina que 50% dos recursos vão para grupos de manifestação cultural da população negra — Foto: Sérgio Pedreira/ Ag. Haack

Um decreto publicado na edição deste sábado (26) do Diário Oficial do Estado da Bahia determina que 50% dos recursos vinculados à Lei Aldir Blanc, no estado, sejam destinados a grupos de manifestação cultural da população negra. A lei Aldir Blanc, do governo federal, regulamenta ações emergenciais destinadas ao setor cultural durante a pandemia do novo coronavírus. A União entregará para estados, Distrito Federal e municípios R$ 3 bilhões para aplicação nas ações. Espaços artísticos vão receber subsídios mensais que variam de R$ 3 mil a R$ 10 mil. Trabalhadores terão direito a três parcelas de R$ 600. Na Bahia, de acordo com a Secult, serão disponibilizados recursos de R$ 110 milhões. Deste total, 80% será destinado ao auxílio da renda emergencial e 20% para a realização de editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural. Para conseguir o benefício, é necessário fazer cadastro no site da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult). Ainda segundo o texto do decreto deste sábado, a medida entrou em vigor na data da da publicação.

Obra de arte com referência ao coronavírus chama a atenção em Vitória da Conquista

  • Agência Sertão
  • 24 Set 2020
  • 10:04h

(Foto: Reprodução Instagram)

Uma obra de arte exposta em plena Avenida Olívia Flores está chamando à atenção em Vitória da Conquista por referência à Covid-19. O monumento tem o formato do coronavírus com uma seringa simbolizando a vacina ou a cura da doença e foi instalado nesta quarta-feira no canteiro da via. A obra é do artista Alan de Kard, conhecido por outros monumentos espalhados pela cidade. Em uma publicação no Instagram há algumas semanas, ele explicou que o trabalho é uma uma reverência a profissionais de saúde que atuam na linha de frente de combate à Covid-19. “É minha homenagem a todos os heróis anônimos que contribuem para salvar vidas, portanto esse é um monumento que Rende Graças a Médicos, Enfermeiros, Paramédicos, Psicólogos, Motoristas, Cientistas etc, enfim a humanidade vinculada ao Bem”, explicou na postagem. A postagem foi publicada no dia 29 de agosto, quando Vitória da conquista atingiu a marca de 100 mortos de pacientes com a Covid-19. Nesta quarta-feira, após o monumento ser instalado no canteiro da Olívia Flores, ele publicou novamente no a homenagem.

Lei Aldir Blanc e os desafios para o setor cultural

  • Lorena Oliva
  • 12 Set 2020
  • 15:44h

Se o setor cultural já vinha sofrendo com algumas decisões antes da pandemia, como a extinção de uma pasta própria para a cultura - sendo incorporada, em um primeiro momento, como uma secretaria especial à pasta da Cidadania e, posteriormente, ao Ministério do Turismo -, com escassez de políticas públicas para a área, entre outras situações, nesse período de pandemia a situação só piorou. Pesquisas realizadas por algumas instituições (FGV, SEBRAE, universidades públicas, Secretarias de Cultura etc.) concluem que este é um dos setores mais afetados pela crise de saúde atual. Foi um dos primeiros a terem que parar com as atividades e será um dos últimos a retornarem às atividades presenciais. Um dos agravantes da situação é que grande parte dos profissionais desse setor não contam com uma renda fixa ou carteira assinada, desenvolvendo suas atividades de forma autônoma ou informal. Muitos podem pensar que este setor abrange apenas atores ou músicos, mas há muitos outros componentes, como artistas populares, pessoal que trabalha diretamente com o setor, como áreas de publicidade e marketing, design, softwares, diretores, maquiadores, figurinistas, técnicos de audiovisual, funcionários ou proprietários de casas de espetáculo, de cinemas ou museus, entre tantos outros. Além de todos estes trabalhadores, há também os próprios espaços culturais, que estão vazios há meses, fechando suas portas momentaneamente ou para sempre. Toda a área está parada desde meados de março e só em 18/08/2020 foram publicadas no Diário Oficial da União as regras para distribuição do auxílio emergencial de três bilhões de reais provindos de recursos federais. Tais recursos provêm da implementação da Lei nº 14.017, sancionada em 29 de junho de 2020 - que ganhou o apelido de Lei Aldir Blanc para homenagear o compositor brasileiro que faleceu em decorrência da COVID-19 em maio deste ano - e originada do Projeto de Lei 1075/20, da deputada Benedita da Silva. O auxílio é destinado a I) trabalhadores da área cultural; II) espaços, empresas, cooperativas ou organizações culturais e artísticas que tiveram suas atividades interrompidas em decorrência da pandemia; III) editais, prêmios, chamadas públicas e aquisição de bens e serviços relacionados ao setor cultural. Para além da lei de auxílio emergencial direto para o setor, o que deveria ser pensado é em como formar e capacitar trabalhadores desta área para lidar com o dito “novo normal”, em que se prevê um mercado/demanda em um novo formato – on-line, ou até mesmo híbrido, a partir do momento em que os espaços culturais puderem receber seus públicos novamente. Com relação à digitalização das artes e do entretenimento, à exceção da área musical, outras áreas da cultura podem não conseguir se adaptar de forma tão simples. O setor terá que ser repaginado e há muito trabalho pela frente, com muitos desafios a serem superados. Uma das principais tarefas é a de oferecer suporte àqueles que, por exemplo, não têm habilidade e tampouco espaço ou ferramentas para fazer arte on-line.

 

Lei Aldir Blanc: Prorrogado período de cadastramento dos espaços e/ou coletivos culturais de Brumado

  • Ascom | PMB
  • 11 Set 2020
  • 16:24h

(Divulgação)

De acordo com comunicado da Secretaria Municipal de Cultura de Brumado, o período para cadastramento dos espaços e/ou coletivos culturais para fins de mapeamento e habilitação para recebimento do Benefício Emergencial concedido pelo Governo Federal através da Lei Aldir Blanc foi prorrogado até o dia 16 de setembro, próxima quarta-feira. Os interessados devem acessar o link https://forms.gle/MeE2ocFh3faKykAG6 e preencher o formulário. O cadastramento é etapa primordial para repasse do recurso.

Após a efetivação do cadastro, os documentos obrigatórios listados a seguir devem ser enviados para o e-mail [email protected] 

• RG e CPF do responsável legal;

• Comprovante de endereço;

• Cartão do CNPJ (Caso não possua CNPJ, enviar CPF do responsável pelo espaço);

• Foto do espaço cultural.

O formulário para o referido cadastramento também está disponível no site da prefeitura, no http://transparencia.brumado.ba.gov.br.

Caruru Ameaçado: escassez e preço do dendê inviabilizam tradição

  • Correio 24h
  • 08 Set 2020
  • 12:33h

(Foto: Correio)

Quando chega setembro, um produto costuma ser o vilão dos carurus que alegram Cosme e Damião: o quiabo! Mas, como 2020 não está para brincadeira, uma outra matéria prima fundamental para os carurus está ameaçando de vez as tradicionais homenagens que todos os anos acontecem no mês dos santos gêmeos ou, no caso do candomblé, os ibejis. O dendê, que enfrenta uma escassez nunca antes vista na Bahia, teve seu preço aumentado em mais de 140% no último mês, o que vai reduzir e muito a produção do caruru, seja ele de preceito religioso ou não.


 

Aliado a isso, a impossibilidade de aglomerar também vai contribuir para não haver confraternizações regadas a comida baiana. Ou seja, o aumento de consumo de dendê, que, segundo os distribuidores, chegava a 30% em setembro, deve cair.

A cozinheira e baiana de acarajé Angelimar Trindade Sousa costuma fazer carurus de encomenda e já percebeu que esse ano a coisa vai ser fraca. Primeiro porque as pessoas não vão se reunir em suas casas. Segundo porque os preços das matérias primas da iguaria, especialmente o dendê, estão os olhos da cara.

"Vai ser um mês de setembro fraco para caruru, infelizmente. O preço do dendê subiu demais. O camarão também. São dois elementos que não podem faltar. E nos dias próximos a São Cosme e Damião o preço do quiabo também triplica de valor", observa Angelimar. Todos os anos ela recebia algumas encomendas, uma delas para 50 pessoas. 

Dessa vez, essa mesma encomenda vai ser para apenas 20 pessoas e as quentinhas de caruru serão entregues nas casas. Ou seja, os "convidados" vão receber a iguaria nas residências. "Vou fazer e entregar delivery. O número de encomendas diminuiu bastante e as que confirmaram eu vou levar as quentinhas até as pessoas", explica Angelimar.

Se estivéssemos em um ano normal, certamente muita gente já estaria prevendo fazer ou marcar presença em um caruru. "Normalmente caruru você convida uma pessoa e aparece cem. Isso ninguém vai poder fazer esse ano. Essa época você já tava ouvindo dizer: 'vai ter o caruru de fulano, de beltrano e de sicrano'. Esse ano não tô ouvindo dizer nada", observa a cozinheira. Mas, quem faz caruru de preceito não vai deixar de homenagear os gêmeos e ajudar a população carente, ainda que em menor quantidade.

Dos principais distribuidores de azeite de dendê na Bahia, a empresa Sabor Baiano confirma que o óleo de palma que é produzido no Pará continua chegando em poucas quantidades. Isso porque boa parte da produção paraense tem sido usada para o mercado interno e até para exportação. Marcos Parente, proprietário, diz que em setembro o aumento das vendas costumava ser de cerca de 30%, o que aconteceria entre o meado e o fim do mês. Ele diz não ter certeza se vai ter dendê para a demanda de setembro, ainda que essa seja reduzida. 

"A vendagem do azeite aumenta uns 30% em setembro. Não sei dizer se vai chegar a faltar porque dependemos da situação do azeite feito no estado do Pará. Tá chegando muito pouco, por isso os preços não vão baixar a curto prazo. Lá tem azeite, mas a exportação e venda para Petrobras são prioridades. Então são fatores que não temos controle", explica Marcos. 

CONTINUE LENDO

‘Alguns artistas perdem sua humildade’, diz mulher que quebrou obra de Romero Britto

  • Redação
  • 15 Ago 2020
  • 09:25h

Foto: Instagram/ Arquivo Pessoal

A mulher que destruiu uma obra do artista brasileiro Romero Britto na frente do artista, voltou a ser assunto nas redes sociais, desta vez pelo vídeo completo da confusão envolvendo o pernambucano. Ainda sem nome revelado, no vídeo completo a dona do restaurante Tapelia, em Miami Beach, Estados Unidos, afirma que a peça de R$ 26 mil foi um presente de aniversário dado pelo marido e que ela admirava muito o artista antes do acontecido. “Senhor Britto, boa tarde. Eu sou a dona do restaurante Tapelia, na frente da sua loja. Meu esposo veio aqui e me comprou esta obra de arte de presente de aniversário. Porque o mantinha em um pedestal e te admirava como artista. Eu achava que você era um homem admirável, mas me enganei. Não preciso que você me autografe nada”, falou a moça antes de despedaçar a obra. No perfil do restaurante, que já conta com 79 mil seguidores, a moça, agora identificada como Maellen e seu esposo, Juan Miguel Perez, que durante o furacão Irma, em 2017, chegou a distribuir quentinhas a desabrigados nas ruas, registraram o descontentamento com o brasileiro. “Alguns artistas perdem sua humildade e ganham o rechaço de seus admiradores. Seu grande ego, personalismo e falta de educação visam humilhar a família do Restaurante Tapelia de Miami. Esse foi o resultado”.

Municípios baianos começam a realizar o cadastro para pagamento do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc

  • Redação
  • 13 Ago 2020
  • 08:38h

O cadastramento é gratuito e os interessados devem comprovar a realização de atividades culturais nos últimos dois anos | Reprodução

A Prefeitura de Lauro de Freitas iniciou o cadastramento de artistas, grupos e espaços culturais do município com o objetivo de inserir os trabalhadores do segmento nos benefícios da lei emergencial “Aldir Blanc” e também realizar o mapeamento cultural da cidade. O lançamento foi feito por meio das redes sociais nesta quarta-feira (12), através do canal da Secretaria de Cultura de Lauro de Freitas, no Youtube e do Instagram (@assmusicosdeitinga). O encontro virtual busca esclarecer todas as dúvidas da população sobre a lei emergencial. O mediador será Sidnei Zapata, diretor do Sindicato de Músicos da Bahia, com participação de Zazá Sousa, secretária da Cultura de Lauro, membros da Associação dos Músicos de Itinga e da Associação dos Músicos de Lauro de Freitas. Os formulários ficarão disponíveis no site da Prefeitura até o dia 27 de Agosto. O cadastramento é gratuito e os interessados devem comprovar a realização de atividades culturais nos últimos dois anos. Além disso, deverão anexar fotos ou outros registros que validem a realização das suas funções profissionais. Os contemplados pelo benefício receberão três parcelas no valor de R$ 600,00, que poderá ser concedido para até duas pessoas da mesma família. Mães solo receberão o valor de R$ 1.200,00. As pessoas jurídicas também terão direito a este auxílio. Estão inclusos no grupo: Espaços culturais e artísticos, escolas de capoeira, museus e bibliotecas comunitárias, centros artísticos e culturais afro-brasileiros, espaços de povos e comunidades tradicionais, comunidades quilombolas e festas populares. O valor a ser recebido varia entre R$ 3 mil e R$ 10mil. De acordo com Ivanildo Souza, presidente da Associação dos Músicos de Lauro de Freitas, esta lei surge como um suporte positivo para os artistas locais que tiveram suas rendas impactadas durante o período de pandemia. “A lei emergencial é de suma importância para a classe artística. Já são cinco meses sem trabalho, sem renda. No encontro de hoje, vamos ponderar as diversas situações e esclarecer todas as dúvidas dos artistas da nossa cidade”, comentou. Para mais informações sobre o cadastramento, a Secretaria Estadual de Cultura disponibiliza os seguintes canais de comunicação: (71) 99688-1460/ [email protected]

Liberação de R$ 3 bi da Lei Aldir Blanc será por meio de plataforma

  • 02 Ago 2020
  • 20:01h

Foto: Reprodução /Agência Brasil

Estados, municípios e o Distrito Federal terão acesso aos R$ 3 bilhões de recursos da Lei Aldir Blanc, destinados a ações emergenciais de apoio ao setor cultural e seus trabalhadores durante a pandemia de covid-19, por meio da Plataforma +Brasil.

O recurso foi estabelecido pela Lei 14.017/2020, mais conhecida como Lei Aldir Blanc, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em 29 de junho. O dinheiro será repassado aos estados e municípios que têm a responsabilidade de fazer a distribuição, de acordo com a Agência Brasil. 

Instituída pelo Decreto nº 10.035/2019, a Plataforma +Brasil é um sistema integrado que busca reunir as diferentes modalidades de transferências de recursos da União. Até 2022, a Plataforma operacionalizará todas as 31 modalidades de transferências da União, totalizando a gestão de aproximadamente R$ 380 bilhões por ano.

De acordo com a lei, metade dos R$ 3 bilhões é destinada aos estados e Distrito Federal. Segundo o Ministério do Turismo, o valor foi definido por uma equação que considerou: 20% dos critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e 80% em relação à proporção da população. Já o cálculo dos valores que serão passados aos municípios considerou: 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 80% em relação à proporção da população.

O recurso poderá ser usado para pagamento de renda emergencial mensal aos trabalhadores da cultura – R$ 600 pelo período de três meses -, subsídio mensal para manutenção de espaços artísticos e culturais – entre R$ 3 mil e R$ 10 mil – e iniciativas de fomento cultural, como: editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural e outros instrumentos destinados à manutenção de agentes, espaços, iniciativas, cursos, produções, entre outros. Para as ações de fomento foi definido um percentual mínimo de 20%, o equivalente a R$ 600 mil.

Os valores serão transferidos do Fundo Nacional da Cultura, administrado pelo Ministério do Turismo, preferencialmente para os fundos estaduais, municipais e distritais de cultura. No caso de não haver fundo para a realização da transferência, o dinheiro poderá ser repassado para outros órgãos responsáveis pela gestão desses recursos.

Toda a operacionalização dos repasses será feita por meio da Plataforma + Brasil. O Ministério do Turismo ressalta que o gestor de convênios deve estar atento para “em breve” entrar na plataforma, cadastrar o plano de ação e indicar a agência de relacionamento no Banco do Brasil para onde será feita a transferência. O estado/município deverá enviar um relatório de gestão e recolher os recursos não aplicados em um prazo de até 180 dias.

Bahia receberá R$ 203 milhões para apoio à cultura durante à pandemia

  • Redação
  • 01 Ago 2020
  • 08:28h

Distribuição dos R$ 3 bi da Lei Aldir Blanc foi divulgada nesta sexta-feira, pelo Ministério do Turismo | Foto: Reprodução

A Bahia receberá R$ R$ 223.250.179 dos R$ 3 bilhões destinados pela Lei Aldir Blanc para apoio das atividades culturais durante a pandemia. O estado terá a maior cota entre os estados nordestinos, sendo seguido por Pernambuco (R$ 143.366.542), Ceará (R$ 138.604.782) e Maranhão (R$ 114.656.261). Somando os nove estados, o Nordete ficará com R$ 908.407.979. A distribuição dos recursos foi divulgada nesta sexta-feira (31) pelo Ministério do Turismo, pasta a qual a Secretaria da Cultura é vinculada. Conforme a Lei 14.017/2020 (Aldir Blanc), o valor repassado para cada estado, além do Distrito Federal, foi definido por uma equação que considerou: 20% dos critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e 80% em relação à proporção da população. O recurso poderá ser usado para pagamento de renda emergencial mensal aos trabalhadores da cultura – R$ 600 pelo período de três meses -, subsídio mensal para manutenção de espaços artísticos e culturais – entre R$ 3 mil e R$ 10 mil – e iniciativas de fomento cultural, explicou o ministério, em nota.20