BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"

Será que chamou de Vagabundos?: Parte dos brasileiros não está preparada para fazer quase nada, diz Bolsonaro

  • Informações de Daniel Carvalho | Folhapress
  • 06 Jan 2021
  • 15:01h

(Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores nesta terça-feira (5) que uma das explicações para o desemprego no país é que parte dos brasileiros não tem preparação para fazer "quase nada". Bolsonaro chegou ao Palácio da Alvorada no fim da tarde acompanhado do ministro José Levi (Advocacia-Geral da União). Em conversa com apoiadores divulgada em versão editada por um canal simpático ao presidente na internet, o chefe do Executivo criticou o volume de ações trabalhistas e afirmou que "ser patrão é uma desgraça". "Então, [o Brasil] é um país difícil trabalhar. Quando fala em desemprego, né, [são] vários motivos. Um é a formação do brasileiro. Uma parte considerável não está preparada para fazer quase nada. Nós importamos muito serviço", disse o presidente.

A retomada do emprego ainda é dúvida, mesmo com a geração recorde de vagas com carteira em novembro.

No total, o desemprego bateu novo recorde em novembro, atingindo 14 milhões de brasileiros. A taxa de desocupação chegou a 14,2%, o maior percentual da série histórica da Pnad Covid, pesquisa do IBGE iniciada em maio para mensurar os efeitos da pandemia no país. Esse indicador considera o mercado informal de trabalho, autônomos e funcionários públicos. Esta terça-feira foi o primeiro dia em que Bolsonaro teve compromissos oficiais depois dos 17 dias em que sua agenda não registrou nada. Ele retornou a Brasília na segunda-feira (4), após recesso nos litorais de Santa Catarina e São Paulo.

Aos apoiadores, o presidente também disse nesta tarde que irá ao Maracanã para acompanhar a final da Copa Libertadores, em 30 de janeiro.

Horas antes, a outro grupo de apoiadores, Bolsonaro havia dito que o Brasil está quebrado e que ele não consegue fazer nada.

"Chefe, o Brasil está quebrado, e eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda, teve esse vírus, potencializado por essa mídia que nós temos. Essa mídia sem caráter. É um trabalho incessante de tentar desgastar para tirar a gente daqui e atender interesses escusos da mídia", disse o mandatário pela manhã, também em conversa transmitida pelo canal bolsonarista na internet.

As declarações do presidente destoam de posições apresentadas publicamente pela equipe econômica, que tem batido na tecla de que a atividade econômica do país está em plena recuperação, o que trará resultados positivos para a arrecadação de impostos. No fim da tarde, Bolsonaro disse que "a gente não tem recursos para investir" e voltou a falar de sua promessa de campanha de atualização da tabela de Imposto de Renda.

"Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda. O cara me cobra: 'compromisso de campanha'. Mas não esperava esta pandemia pela frente. Nos endividamos em aproximadamente R$ 700 bilhões. Complicou mexer nisso aí", afirmou no fim da tarde.

Ainda na conversa vespertina, Bolsonaro disse que alguns não o deixam governar, mas não citou nomes. "Alguns falam que 'não sei quem' não deixa eu governar. Quisera eu que fosse só um 'não sei quem', unzinho só", afirmou o presidente da República.

Duas apostas acertam dezenas da Mega da Virada e receberão R$ 162,6 milhões

  • Redação
  • 01 Jan 2021
  • 08:29h

(Foto: Reprodução)

Duas apostas de São Paulo (SP) e Aracaju (SE) acertaram os seis números e ganharam o prêmio máximo da Mega da Virada 2020 nesta quinta-feira (31). Os números sorteados do concurso 2330 foram: 17-20-22-35-41-42. Segundo a Caixa Econômica Federal, os bilhetes contemplados receberão R$ 325.250.216,44, divididos em R$ 162.625.108,22 por aposta vencedora. Este é o maior valor distribuído até hoje. O concurso 2331 está marcado para este sábado (2). O prêmio está estimado em R$ 1,5 milhão.

Mega da Virada: prêmio estimado é de R$ 300 milhões

  • Redação
  • 31 Dez 2020
  • 10:25h

(Foto: Reprodução)

O sorteio especial de Réveillon da Mega-Sena ocorre nesta quinta-feira (31). Seis dezenas serão sorteadas e o prêmio é estimado pela Caixa em R$ 300 milhões. Esse é o concurso 2.330. O sorteio será realizado a partir das 20h, transmitido pelas redes sociais e pela televisão. As apostas podem ser feitas até as 17h (horário de Brasília) nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. O último concurso do ano é o único que não acumula. Se ninguém acertar todos os números, o prêmio é dividido entre os apostadores que acertarem cinco dezenas, e assim sucessivamente até aparecer um ganhador. Na última Mega da Virada, quatro pessoas dividiram prêmio de mais de R$ 304 milhões. A retirada do prêmio pode ser feita em qualquer casa lotérica credenciada ou nas agências da Caixa Econômica Federal. Porém, no caso de prêmio líquido superior a R$ 1.332,78 (bruto de R$ 1.903,98), a retirada só pode ser feita nas agências da Caixa. Valores iguais ou acima de R$ 10 mil são pagos após dois dias da apresentação na agência da Caixa, e o tempo permitido parretirada do prêmio é de 90 dias após a data do sorteio.

Erros e eleições passadas afastam elo entre mudança da cor da pele e busca por cota

  • Daniela Arcanjo e Flávia Faria | Folhapress
  • 31 Dez 2020
  • 08:59h

Imagem Ilustrativa

"Quem descobriu isso foram vocês, eu não sabia", disse Antonio Feitoza ao telefone. O então candidato a vereador em Santana de Parnaíba (SP) acabava de ser informado pela reportagem de que, para a disputa deste ano, havia sido registrado como branco na Justiça Eleitoral. "Na verdade eu sou negro, sou bem escuro", disse o petista que, em 2016, constava como pardo. As fichas de participação para as eleições de 2020 mostram que 42 mil candidatos declararam uma cor diferente da registrada em 2016. Em um universo de quase 158 mil que concorreram nessas duas disputas, o número corresponde a 27%.

O percentual é alto, mas o fenômeno de candidatos alterando a declaração de cor de uma eleição para a outra não é novo.

A reportagem ouviu outros 35 candidatos de diferentes estados nessa situação. A maioria disse que desconhecia a mudança da cor da pele e culpou integrantes da campanha pela imprecisão no registro, indicando negligência dos partidos em relação à autodeclaração.

"Foi um erro do partido", "não acompanhei o registro da candidatura", "é o partido que põe" e variantes das frases foi o que a reportagem mais escutou ao telefonar para os candidatos e perguntar sobre a mudança de cor no registro eleitoral.

Esse histórico de mudanças em diferentes eleições e a aparente displicência dos partidos com o preenchimento das fichas dos candidatos indica que o fenômeno de mudança da cor da pele à Justiça Eleitoral está desvinculado da criação de cotas raciais para acesso ao fundo partidário —determinada pelo Supremo em setembro, a menos de dois meses do primeiro turno.

No caso de Feitoza, após o telefonema da reportagem, o candidato a vereador em Santana de Parnaíba disse ter conversado com a coordenadora de campanha, que declarou a sua cor, para apontar o erro. "Eu me incomodei porque eu prefiro assumir a minha cor".

Ele já participou de três eleições, duas pelo PT e uma pelo PV, e afirmou ter notado essa negligência com a autodeclaração em ambas as siglas. Ele não foi eleito neste ano.

Em 2020, a mudança de cor atingiu 27% dos candidatos. Nos outros anos, o percentual de mudança no registro é quase o mesmo: considerando os pleitos de 2014, 2016 e 2018, variam de 26% a 28%.

O valor absoluto, contudo, é menor: há menos candidatos nas eleições gerais que nas municipais, e o número dos que concorrem em dois pleitos é consideravelmente menor (não chega a 10 mil).

Não é possível fazer uma comparação com outra eleição municipal, como a de 2012, porque o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) começou a registrar a cor autodeclarada a partir de 2014.

A mudança mais comum é da cor branca para parda. Em seguida, vêm os que se declararam pardos e passaram a se identificar como brancos. As proporções são parecidas: variam de 35% a 40% no primeiro caso e de 31% a 34% no segundo.

Há ainda 656 candidatos que mudaram a cor declarada de 2016 para 2018 e, em 2020, alteraram mais uma vez. Eles são 14% dos 4.652 que se candidataram em todas as três disputas.

Os erros nos preenchimentos das fichas são observados em outros campos também, mas são mais raros: alterações de sexo, CPF ou data de nascimento ocorrem com menos de 5% dos candidatos.

Leandro Ribeiro, que concorreu a um cargo de vereador pelo PSL em Mirassol, interior de São Paulo, também foi declarado pardo em 2016 e branco neste ano. Ele alega desorganização no seu partido anterior, o então PT do B e atual Avante.

Ribeiro ficou em dúvida quando a reportagem perguntou sobre a sua autodeclaração, mas por fim se definiu branco, como consta em seu registro de candidatura. O candidato também não conseguiu uma cadeira na Câmara Municipal da cidade.

Identificado como branco em 2016, Ivanei Oliveira dos Reis foi registrado como preto neste ano, também por um erro na administração do PSOL, partido pelo qual concorreu a vereador em Vinhedo.

"Eu não me declarei como branco [em 2016], não me consultaram", diz o psolista, que não conseguiu uma cadeira na Câmara.

Não é possível atrelar o fenômeno a nenhuma sigla. Dos 35 candidatos com que a reportagem falou, apenas quatro afirmam que refletiram e conscientemente mudaram a autodeclaração.

É o caso de Marcos Mendes, que tentou a continuidade de seu mandato como vereador pelo PSOL em Salvador. "Me considero pardo. Mas refleti e optei por colocar branco desta vez para evitar problema. Não quero que digam que estou me aproveitando", afirma o vereador, que não foi reeleito.

Heitor Freire, que tentou a Prefeitura de Fortaleza pelo PSL, também quis evitar confusões. "Tenho origem miscigenada, mas coloquei branco para evitar qualquer questionamento. Foi uma decisão que tomei de maneira muito leve, sem levar em conta nenhuma questão ideológica", diz Freire, que terminou em 7º lugar no primeiro turno, com 1,66% dos votos.

Então candidato à vereador de Curitiba pelo PTC, Orlando Andrade também foi informado pela reportagem sobre a mudança —da cor preta para a branca— e levantou uma hipótese: "A primeira vez [em 2016] foi feito como negro, eu sou negro. Só se está havendo problema por causa da cota”.

A desconfiança de Andrade parece não ter respaldo nos dados, que apresentam pouca variação em relação a outras eleições.

?Entidades do movimento negro tem defendido a implantação de mecanismos de fiscalização para evitar possíveis fraudes.

O resultado das eleições mostra que o total de vereadores negros eleitos subiu de 42%, em 2016, ano das últimas eleições municipais, para 45% em 2020. Brancos caíram de 57% para 53,5%.

Houve uma diminuição da diferença, mas que ainda não reflete a composição da população brasileira, na qual pretos e pardos somam 56%.

Juarez Xavier, professor do curso de jornalismo da Unesp de Bauru e presidente da Comissão Central de Averiguação da universidade que analisa eventuais fraudes da política de cotas, diz não se surpreender com os números.

"Era esperado, lamentavelmente, porque não se tem um debate consistente sobre as questões étnico-raciais no Brasil."

?Xavier afirma que o ideal seria ter uma comissão de averiguação das autodeclarações, como são feitas para as políticas de cotas no serviço público e nas universidades. "A autodeclaração, para efeito da política pública, só pode ser efetivada se ela tiver uma heteroidentificação."

Sem isso, explica, seria difícil identificar se a natureza do erro é ignorância, fraude ou negligência.

"Os critérios já foram definidos pelo STF. Não é só autodeclaração, precisa ter uma heteroidentificação, e os critérios são textura de cabelo, aspectos fisionômicos negroides e cor da pele. Não isoladamente, mas o conjunto dessas características."

A reportagem pediu ao TSE um balanço de quantos candidatos haviam solicitado retificação do registro de cor neste ano por erro de preenchimento na ficha, mas o órgão disse que não tinha esse levantamento.

O tribunal afirmou que a declaração de cor e raça dos candidatos é autodeclaratória e é feita durante o pedido de registro de candidatura nos cartórios eleitorais.

CONTINUE LENDO

Na contramão do governo federal, senadores querem a prorrogação do auxílio emergencial

  • Redação
  • 28 Dez 2020
  • 16:43h

(Foto: Reprodução)

Seguindo a direção contrária ao governo federal, os senadores sugeriram nesta segunda-feira (28) a prorrogação do auxílio emergencial. O pagamento do benefício termina nesta terça-feira (29) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já anunciou que não irá prorrogar. O auxílio foi criado para conter a crise econômica causada pelas medidas de enfrentamento à Covid-19. No Senado, estão em análise propostas que determinam a concessão de novas parcelas do benefício. O senador Alessandro Vieira (Cidadania–SE) propôs a extensão das parcelas de R$ 300 por mais três meses, assim como o estado de calamidade. “É absolutamente indispensável uma vez que nós não temos ainda um processo de vacinação nacional efetivo e não temos um processo de retomada econômica que insira essas pessoas no mercado de trabalho”, pontua Vieira à rádio Senado. Já o senador Rogerio Carvalho (PT–SE) quer que o valor seja elevado para R$ 600 durante o primeiro semestre de 2021, equiparando-o ao das primeiras parcelas do auxílio instituído em 2020.

Efeito Bolsonaro?: Casamento é realizado com ostentação de armas em Goiânia

  • Redação
  • 27 Dez 2020
  • 14:31h

(Foto: Reprodução)

Um casamento em que noivos e padrinhos aparecem segurando armas viralizou nas redes sociais nesta semana. Carol Lacerda e Heffraym Malta se casaram no último sábado (19), em um espaço de eventos em Goiânia (GO). A noiva carregou uma arma Gauge 12, enquanto o noivo estava com uma PT 100 nas mãos. Os padrinhos também empunharam armamentos de diferentes calibres.

A noiva explicou a cena, um tanto quanto inusitada, em entrevista para a Marie Claire. De acordo com Carol, boa parte das armas esta airsoft, feitas com plástico com algumas partes de metal. Esse tipo de armamento atira esferas de plástico de 6 mm e serve para o treinamento de servidores de segurança.

“Inclusive esta que eu estou portanto. Meu marido é ex-servidor penitenciário e atualmente trabalha na segurança privada, além de ser cantor. A arma que ele está portando também é airsoft por ele só ter porte funcional. Todos os padrinhos [que estão na foto] têm porte. Alguns são policiais penais e outros da Guarda Civil Metropolitana (Aparecida de Goiânia e Senador Canedo). Tudo foi pensado para não infringir qualquer lei”, começou.

Concurso da PRF é autorizado com 1.500 vagas; edital deve sair em janeiro

  • Redação
  • 26 Dez 2020
  • 11:49h

Portaria com a autorização do Ministério da Educação foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (24) | Foto: Divulgação PRF

O Ministério da Economia autorizou a abertura de 1.500 vagas para o concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo informações da Agência Brasil, o edital deve ser lançado em janeiro de 2021 e os agentes aprovados devem integrar a corporação já no próximo ano. O diretor-geral da PRF, Eduardo Aggio, explicou que além das 1.500 vagas imediatas, outras 500 excedentes também serão abertas, totalizando 2 mil vagas. A seleção irá contar com provas objetivas e dissertativas, análise de títulos, testes de aptidão física, avaliação psicológica, avaliação biopsicossocial, avaliação de saúde, investigação social e curso de formação. A portaria com a autorização do Ministério foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (24).

Governo federal quer zerar tarifa criada para evitar contrabando de armas

  • Redação
  • 21 Dez 2020
  • 08:29h

(Foto: Reprodução)

O Ministério da Defesa quer zerar a tarifa de exportação de armas e munições do Brasil para países sul-americanos. A proposta foi feita à Câmara de Comércio Exterior (Camex). Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, em 2001, o governo impôs a taxação em 150% para evitar que armas brasileiras voltassem ao país de forma contrabandeada. Anos depois, em 2010, essa regra foi flexibilizada e o imposto foi zerado, desde que as armas fossem marcadas. Agora, o argumento da Defesa é de que a tarifa não surtiu efeito no mercado ilegal e só atrapalha as vendas. De acordo com a publicação, que obteve acesso a uma nota técnica produzida pelo ministério, o documento traz informações contraditórias. Embora o principal argumento para a retirada do imposto seja o incentivo às exportações, o pico de vendas para países sul-americanos aconteceu em 2008. Além disso, os gráficos apontam tendência de queda nas vendas depois de 2013, quando o imposto zero a partir do registro das armas já estava em vigor. A Defesa afirma que discute o impacto fiscal da medida com a Receita Federal.

‘Família Bolsonaro acha que conquistou o Estado para si’, diz presidente da OAB

  • Redação
  • 19 Dez 2020
  • 14:55h

Felipe Santa Cruz criticou o caso Abin | Foto: VEJA

O presidente da Ordem dos Advogado do Brasil, Felipe Santa Cruz, defendeu que a Procuradoria-Geral da República investigue a participação da Abin, institucionalmente ou em uma estrutura paralela, para produzir relatórios de orientação para a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos). A informação é da coluna de Guilherme Amado, da revista Época. “Isso é muito grave. Tem que ser investigado. É o possível uso de uma estrutura de Estado para fins particulares. A família Bolsonaro acha que conquistou o Estado para si, quando ganhou a eleição”, afirmou Santa Cruz

Após aguardar por vaga em CTI por três dias, atriz do 'Zorra' morre no Rio

  • QUEM
  • 17 Dez 2020
  • 15:33h

(Foto: Reprodução)

A atriz Christina Rodrigues , de 47 anos, que já fez participações em diversas novelas da Globo, entre elas, Malhação Sonhos , Beleza Pura e Segundo Sol e atuou no humorístico Zorra - morreu na manhã desta quinta-feira (17) na UPA da Tijuca , Zona Norte do Rio de Janeiro, após apresentar piora clínica. Ela deu entrada na unidade com queixa respiratória e aguardava o resultado do exame de Covid-19. A informação foi confirmada à Quem pela assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde RJ, que divulgou a seguinte nota: "Com pesar, informamos que a paciente Christina Maria Rodrigues Teixeira apresentou piora clínica e foi a óbito no fim desta manhã".Segundo entrevista de Rafael Santos , amigo da atriz, ao site F5 , da Folha de S.Paulo , a atriz era diabética e estava aguardando por uma vaga no CTI desde segunda-feira (14). "Se ela não obtiver uma vaga de CTI logo, vai morrer, pois tem indicação médica para FTI desde uma madrugada de segunda para terça. Até ontem à tarde, estava em um banquinho na sala de espera", contou o amigo ao site nesta quarta (16). Em uma das últimas mensagens que ele trocou com a amiga pelo Whatsapp, ela falou que estava com dificuldade para respirar e que já não iria atender telefonemas porque sentiu muito cansaço. "Ainda não saiu resultado para Covid, mas não consigo respirar sem oxigênio. O que consegui foi uma vaga na enfermaria", escreveu a atriz ao amigo.

Policial militar é detido em carro com R$ 500 mil em SP; Polícia Civil investiga origem

  • BN
  • 16 Dez 2020
  • 16:17h

Foto: Reprodução / G1 / Arquivo Pessoal

Transportando um carro com R$ 521,9 mil, na rodovia Dutra, na altura de Pindamonhangaba (SP), um policial militar foi detido nesta terça-feira (15). De acordo com informações do G1, a origem do dinheiro ainda é desconhecida, e está sendo apurada pela polícia.

O oficial da PM afirma que transportava o valor para um empresário, que faria compra de gados em Queluz (SP), conforme informou a Polícia Civil. O homem que viajava com ele possui passagens por associação criminosa, estelionato, falsificação de documento e outros crimes.

A prisão ocorreu após uma equipe da Polícia Militar suspeitar do veículo, que possuía vidros escuros e blindagem. Os dois foram ouvidos e liberados na delegacia. A Polícia Civil abriu investigação e acionou a Receita Federal e a Polícia Federal para descobrir a origem do dinheiro. 

Ex-apoiador, Fagner diz que atuação de Bolsonaro é 'ridícula'

  • Bahia Notícias
  • 15 Dez 2020
  • 18:01h

Foto: Reprodução

Acabou a admiração e o apoio de Fagner ao presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista ao jornal O Globo, o cantor e compositor cearense contou como conheceu o político e explicou os motivos de seu descontentamento, que, no entanto, é restrito à figura do chefe do Executivo, mas não ao governo. 

“A atuação do Bolsonaro é ridícula. Ninguém está precisando ouvir as loucuras que ele fala, mas de paz. Ele tem é que trabalhar pelo Brasil. A maneira como se comporta não é a de um presidente. Quero que governe!”, declarou o músico, aproveitando para também mencionar o ex-presidente Lula. “Nunca fui petista. Mas já votei em Lula. Mesmo quando eu era filiado ao PSDB. Tivemos uma relação próxima. Mas todos nós nos decepcionamos”, acrescentou.

Apesar da decepção, o artista deixa claro que segue apoiando o governo e rechaça as críticas por ter votado no atual presidente. “Não aprovo a maneira como ele conduz o país. Parece que está em surto, um psicólogo podia dar uma força (risos). Tenho respeito pelo Tarcísio [Gomes de Freitas], ministro da Infraestrutura; para Paulo Guedes, não há como não tirar o chapéu. Mas esse deboche com que Bolsonaro se dirige à nação é inadmissível. Não acredito no que diz. Tenho amigos nessas queimadas pelo Brasil, gente na Defesa Civil de Brumadinho, Mariana... Para quem coloca ‘votou em Bolsonaro’ no meu Instagram, quero dizer: votei para que tocasse o Brasil, não para falar besteira”, disse à publicação.

Sobre o contato com Bolsonaro, Fagner contou que o conheceu durante uma viagem e que o apoio público ao então candidato se deu após o relacionarem à campanha de Fernando Haddad (PT). “Nas últimas eleições, amigos me estamparam decalques do Haddad e foi uma confusão. Aí fiz um vídeo declarando meu apoio a Bolsonaro. Conheci ele no avião. Se fotografou comigo dizendo que era para a mulher, mas publicou no Instagram. Fiquei meio assim... Ele queria que eu descesse com ele em uma manifestação que o esperava. Falei que estava comprometido com o Ciro Gomes. No dia que Bolsonaro ganhou, eu disse: ‘Agora, você é o presidente, tome conta do Brasil’”, lembrou.

O músico revelou ainda que após o episódio nunca mais esteve com o presidente e demonstrou algum ressentimento, apesar de negar. “Cantei o Hino Nacional na posse do (Luiz) Fux (Supremo Tribunal Federal), e Bolsonaro mal olhou para mim. Estou pouco ligando”, disse Fagner, ao O Globo.

Dezembro Verde alerta sobre maus-tratos e abandono de animais

  • Agência Brasil
  • 14 Dez 2020
  • 07:50h

Abandono pode trazer problemas de saúde pública | Foto: Rayllanna Lima

Durante todo este mês a campanha Dezembro Verde vai alertar a população sobre as graves consequências do abandono de animais e fomentar a guarda responsável dos bichinhos, geralmente cães e gatos que vagam nas ruas, após serem abandonados por seus tutores.

Embora não haja estatísticas oficiais, uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que mais de 30 milhões de cães e gatos estejam em situação de abandono no Brasil. A campanha é promovida pelo  Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP).

Abandonar ou maltratar animais é crime previsto pela Lei Federal nº 9.605/98. Vale lembrar que uma nova legislação, a Lei Federal nº 14.064/20, sancionada em setembro, aumentou a pena de detenção que era de até um ano para até cinco anos para quem cometer este crime. Além disso, o rito processual passa à vara criminal, não mais ao juizado especial.

“A maioria dos animais abandonados não é resgatada e sofre com fome, doenças, exposição ao tempo, riscos de atropelamento e traumas que interferem em seu bem-estar mental e comportamento”, alerta a médica-veterinária Cristiane Pizzutto, presidente da Comissão Técnica de Bem-estar Animal (CTBEA) do CRMV-SP.

Outra questão grave são os prejuízos à saúde pública. “O abandono impacta diretamente na vida das pessoas, pois animais nas ruas causam acidentes de trânsito, prejudicam o turismo e afetam a saúde pública –  devido às doenças que afetam tanto humanos quanto animais”, diz a médica-veterinária Rosangela Gebara, que integra a CTBEA/CRMV-SP.

Abandonos aumentam em dezembro

A escolha deste mês para a campanha está relacionada ao fato de que, neste período do ano, os casos de abandono aumentam de forma expressiva. “Acontece de famílias deixarem seus animais nas ruas, isentando-se da responsabilidade quando vão se ausentar para as viagens de férias e festas de fim de ano”, sinaliza Cristiane.

Segundo Rosangela, “trabalhos internacionais mostram que as principais causas de abandono são, em primeiro lugar, problemas no comportamento dos animais e, em segundo lugar, alterações na rotina de casa – aí entra a questão das viagens e mudanças de endereço.”

Mas, a pandemia também ajudou a aumentar esse número, destaca Rosangela. “Infelizmente soubemos que houve um aumento do número de abandono no início da pandemia, as pessoas ficaram com medo de que os animais pudessem transmitir o coronavírus. Na verdade eles não transmitem, algumas espécies são tão vítimas quanto a gente, podem pegar o coronavírus da gente, mas não transmitem. Mas, por causa de algumas notícias sensacionalistas, as pessoas abandonaram os cães e gatos”

A médica veterinária destaca que atualmente o abandono tem acontecido por questões financeiras, as pessoas estão ficando sem recursos para cuidar dos animais domésticos. “Agora temos visto um maior número de abandono por conta da crise socioeconômica, as pessoas estão mudando de casa, de estado, perdendo seus empregos, e infelizmente isso acaba afetando e muitas pessoas abandonaram os animais por conta desta questão”, lamenta.

Doenças em animais abandonados

Animais nas ruas, sem os devidos cuidados de saúde e higiene, também podem desenvolver as zoonoses, ou seja, doenças infecciosas transmitidas de animais para seres humanos e vice-versa.

“Uma grande quantidade de animais nas rua pode aumentar a incidência de algumas doenças que são transmitidas por vetores, por mosquitos, como a leishmaniose, doenças fúngicas, como é o caso das esporotricose nos gatos e a raiva, apesar que o Brasil tem um ótimo controle da raiva através da vacinação anual. Mas, em países onde não tem essa vacinação e grande animais nas ruas, acabam transmitindo a doença entre eles e às pessoas”, detalha Rosângela.

A veterinária alerta sobre a importância de manter os animais seguros. “É preciso manter a guarda responsável, castrar os animais, mantê-los dentro de casa e nunca abandonar. Se o animal tiver qualquer problema de comportamento ou saúde procure ajuda, mas nunca abandone, porque o abandono causa um extremo sofrimento ao animal. Os animais, principalmente os cães, têm uma cognição de uma criança de três anos. Então imagina pegar uma criança de três anos e abandonar no meio de uma estrada, numa praça, imagina como é o sofrimento psicológico e físico desse animal diante do abandono!”, compara Rosângela.

Escolha consciente 

Em seu papel social, os médicos-veterinários são agentes conscientizadores contra o abandono. Os profissionais devem dar orientação desde o momento da escolha do pet até os cuidados para a saúde e o bem-estar ao longo da vida do animal. “As famílias precisam buscar essas orientações antes e depois da adoção/aquisição do pet”, diz.

Cristiane compartilha desta opinião e enfatiza que “o médico-veterinário pode explicar sobre a lida com os pets no que diz respeito a comportamento e saúde, para ampliar o olhar dos tutores sobre a responsabilidade que é ter um animal de estimação.”

As especialistas recomendam uma reflexão antes de adotar ou comprar um animal doméstico. É importante fazer os seguintes questionamentos:

– Todos na família estão de acordo com a presença do animal?

– O animal terá onde ou com quem ficar quando o tutor for viajar?

– O animal terá um espaço adequado para dormir e brincar?

– O tutor terá tempo para fazer passeios e dar a atenção diária que o animal requer?

– Haverá condições de levar o animal regularmente ao médico-veterinário?

Denúncia 

Quem presencia maus tratos com animais e deseja denunciar, deve seguir as seguintes recomendações: reunir todas as provas existentes (como fotos, vídeos, imagens de circuitos de condomínios, áudios) e com o material em mãos, ir até uma delegacia de polícia e registrar o boletim de ocorrência.

Segundo Rosangela, a fiscalização de maus tratos pode ser feita por qualquer cidadão. “Se uma pessoa vir alguém abandonando um animal no meio de uma estrada, essa pessoa pode filmar, fotografar, anotar a placa do carro e acionar de preferência a polícia ambiental. Quem abandonou vai ser indiciado e se for pego em flagrante, cometendo o crime de maus tratos, vai ser investigado e se houver uma denúncia vai ser instaurado um inquérito”.

A veterinária alerta também que, se possível, deve-se tentar resgatar o animal. “É muito importante também tentar salvar esse animal, se ele for abandonado no meio da estrada, tentar resgatar, quando é uma estrada que tem uma concessionária, avisar onde foi avistado esse animal, pois eles são extremamente vulneráveis, muitos são atropelados e acabam acontecendo muitos acidentes graves, até fatais, com pessoas que tentam desviar desses animais nas estradas”, finaliza.

CONTINUE LENDO

Mega-Semana de Natal sorteia R$ 40 milhões, neste sábado (12)

  • Agência Brasil
  • 12 Dez 2020
  • 10:37h

Sem acertadores no último concurso, prêmio está acumulado | Foto: Divulgação

A Caixa sorteará na noite de hoje (12) um prêmio de cerca de R$ 40 milhões para quem acertar as 6 dezenas da Mega Sena. O evento acontece às 20h e será transmitido ao vivo pelas redes sociais do banco. O prêmio está acumulado, já que ninguém acertou os números da Mega-Semana de Natal. Veja as dezenas sorteadas no último concurso: 10-16-27-34-36-57 As apostas podem ser feitas em casas lotéricas ou pela internet até às 19h do dia do concurso. As apostas custam R$ 4,50 por 6 dezenas em cada bilhete. Para apostas com mais dezenas, até o limite de 15, o valor individual do bilhete pode chegar a R$ 22.522,50. As chances de acerto para a aposta com 15 dezenas são de 1 em 10.003.

Morre por coronavírus prefeito de Nilópolis, ex-presidente da Beija-Flor

  • Agência Brasil
  • 12 Dez 2020
  • 08:46h

Farid Abrão David cumpria 3º mandato como prefeito da cidade | Foto: Reprodução/Globonews

Morreu nesta sexta-feira (11), vítima de covid-19, o prefeito de Nilópolis, Farid Abrão David. A morte foi confirmada oficialmente em nota de pesar assinada pelo governador, Cláudio Castro. “Com profundo pesar, recebo a notícia do falecimento do prefeito de Nilópolis, Farid Abraão David, na noite desta sexta-feira, vítima da covid-19. Durante anos trabalhou pelo município e se dedicou a melhorar a vida da população. Expresso também minha solidariedade aos familiares e amigos, assim como a todos aqueles que perderam entes queridos nesta pandemia”, escreveu Castro. Farid era irmão do presidente de honra da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, Anísio Abraão David. Ele também foi presidente da Beija-Flor por 18 anos, tendo conquistado vários títulos de carnaval. Aos 76 anos de idade, ocupava seu terceiro mandato de prefeito. Também foi deputado estadual. Estava internado desde o dia 30 de novembro em um hospital do Rio.