BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"

Bolsonaro diz que quer acabar com 'festa' de multas do Ibama

  • 01 Dez 2018
  • 14:42h

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou neste sábado (1º) que é defensor do meio ambiente, mas não vai mais admitir o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) "sair multando a torto e a direito".Ele deu a declaração a jornalistas, após participar de solenidade de formatura de cadetes aspirantes a oficial do Exército na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), na cidade de Resende, no Rio de Janeiro.Após o evento, Bolsonaro foi questionado sobre nome para o Ministério do Meio Ambiente. Ele afirmou que todos os nomes em análise "são bons" e que ainda não escolheu.Ainda sobre o assunto, ele disse que não haverá mais brigas entre os Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e que não vai mais admitir o Ibama "sair multando a torto e a direito"."Não haverá mais aquela briga do Ministério da Agricultura e o Meio Ambiente. Eu quero defender, sou defensor do meio ambiente, mas não dessa forma xiita como acontece, não", disse. "Não vou mais admitir o Ibama sair multando a torto e a direito por aí, bem como o ICMbio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade]. Essa festa vai acabar", concluiu. Bolsonaro disse que já foi alvo de multa ambiental em 2012, no valor de R$ 10 mil, e que está na iminência de ser inscrito na dívida ativa. "Vou pagar essa multa? Vou. Mas eu sou uma prova viva do descaso, da parcialidade e do péssimo trabalho prestado por alguns fiscais do Ibama e ICMBio. Isso vai acabar", afirmou. Bolsonaro afirmou, ainda, que quer integrar o índio à sociedade. "Eu quero o bem estar do índio, eu quero integrar o índio à sociedade. O nosso projeto para o índio é fazê-lo igual a nós. Eles têm as mesmas necessidades de nós. Agora, não podemos admitir que, via Funai, o índio não possa ter o tratamento adequado. O índio quer médico, quer dentista, quer televisão, quer internet. Ele é igualzinho a nós", disse. O presidente eleito declarou que as políticas indigenistas e ambientais no país "não trabalham em prol do Brasil, mas em prol de "interesses extraterritório". "Podemos ter um Japão dentro do Brasil. Por que não temos? Porque há uma política completamente equivocada indigenista e ambiental. Temos tudo para ser uma grande nação. Mas, por causa de uma política tacanha e mesquinha, que é potencializada na questão ambiental e indigenista, continuamos aqui patinando na economia", disse. Nesta sexta-feira (30), após compromisso em Cachoeira Paulista (SP), Bolsonaro afirmou que manter índios em reservas demarcadas é tratá-los como animais em zoológicos.

Aluno usa dinheiro que ganhou de aniversário para pagar ida de amigo a excursão e viraliza na web

  • 01 Dez 2018
  • 08:11h

Iago (esquerda) e Matheus tiraram foto depois de conversar com a diretora para irem juntos na excursão — Foto: Arquivo Pessoal

Um gesto de amizade entre dois estudantes emocionou funcionários de uma escola municipal de Bragança Paulista (SP). Matheus Monteiro, de 12 anos, juntou todo dinheiro que ganhou de aniversário para pagar a ida do amigo Iago a uma excursão da escola. Ele não poderia pagar pelo passeio e o caso viralizou na web ao ser compartilhado pela diretora.Em menos de 24 horas a postagem feita em uma rede social teve mais de 2,7 mil curtidas e mais de 700 compartilhamentos. A excursão - para o museu Catavento e para o Museu do Futebol em São Paulo - foi planejada pela escola municipal Francisco Murilo Pinto em maio. Cada aluno pagou R$ 45 para o transporte, que poderia ser parcelado em até quatro vezes.A mãe de Iago, Jocileia Oliveira contou que o filho não iria para o passeio porque ela e o marido estão desempregados e não teriam como pagar. “Estava decidido que o Iago não iria. Temos cinco filhos e não tínhamos de onde tirar esse dinheiro para ele ir”, contou.Na quarta-feira (28), Matheus ganhou R$ 35 de aniversário de um tio e decidiu pagar a viagem para o amigo. Eles estudam juntos há quatro anos e todos os dias vão caminhando para a escola.“Ele não pensou duas vezes, pegou o dinheiro e me pediu mais R$ 10 para inteirar. Eu dei e eles foram para a escola”, conta Thais Monteiro, mãe de Matheus.Com o valor completo e o dinheiro em mãos, eles foram até a sala da diretora Mônica Camargo na quinta-feira (29).“O Matheus tirou todo dinheirinho do bolso e perguntou se ainda dava para o Iago ir. Perguntei como ele conseguiu o dinheiro e, quando ele falou, fiquei emocionada. Elogiei muito. Ele tinha pouco e compartilhou esse pouco”, conta a diretora.

'Estou constitucionalmente correto', diz Temer sobre decreto de indulto editado em 2017

  • 01 Dez 2018
  • 07:09h

Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

O presidente Michel Temerafirmou nesta sexta-feira (30), em Buenos Aires, onde participa da reunião de cúpula do G20, que o Supremo Tribunal Federal o considerou “constitucionalmente correto” em relação ao decreto de indulto natalino editado em 2017.O julgamento do indulto pelo STF ainda não foi concluído. Foi interrompido nesta quinta (29), depois de um pedido de vista (mais tempo para análise do processo). A maioria dos ministros votou pela manutenção do decreto de indulto natalino editado por Temer no ano passado. Seis ministros votaram a favor do decreto e dois, contra. Faltam os votos de outros três, o que não modificaria o resultado.O decreto de indulto reduziu para um quinto o período de cumprimento de pena exigido para que o preso por crimes sem violência ou grave ameaça pudesse receber o benefício e obter liberdade. Valeria para aqueles que reunissem essas condições em 25 de dezembro de 2017, entre os quais presos por corrupção. A Procuradoria Geral da República (PGR) foi então ao Supremo contra o ato de Temer, e o ministro relator, Luís Roberto Barroso, concedeu uma liminar (decisão provisória) que suspendeu os efeitos de parte do decreto.Ao ser questionado por jornalistas se tem arrependimento por ter editado o decreto, Temer disse que nenhum.“No instante em que o Supremo disse 'O Temer acertou sob o foco jurídico', eu estou tranquilíssimo, não há arrependimento nenhum. Arrependimento teria se contestassem a tese jurídica que eu levantei. Aliás, eu digo uma coisa: nem quando deram a liminar, eu fiz nenhum pronunciamento a respeito desse tema. Não é agora, que o Supremo disse que eu estou constitucionalmente correto, que eu iria comentar”.Temer foi então perguntado se recuaria, se fosse o caso. “Se o Supremo declarasse a inconstitucionalidade, não só recuaria como cumpriria a decisão do Supremo, não tem a menor dúvida”, afirmou.

Índios em reservas são como animais em zoológicos, diz Bolsonaro

  • 30 Nov 2018
  • 19:05h

Foto Rogério Marques/Futura Press/Estadão Conteúdo

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (30) em Cachoeira Paulista (SP) que manter índios em reservas demarcadas é tratá-los como animais em zoológicos. Ele cumpriu agenda de compromissos na região do Vale do Paraíba, em São Paulo, onde participou da formatura de sargentos da Aeronáutica em Guaratinguetá e visitou a comunidade católica Canção Nova, em Cachoeira Paulista. Bolsonaro deu a declaração sobre os índios ao responder à pergunta de um jornalista sobre a capacidade do futuro governo de reduzir o desmatamento e a emissão de gases de efeito estufa, metas do Acordo de Paris. O acordo foi assinado por 195 países e tem como objetivo reduzir o aquecimento global. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro ameaçou retirar o Brasil do Acordo de Paris por entender que o compromisso afeta a soberania nacional. "Sobre o acordo de Paris, nos últimos 20 anos, eu sempre notei uma pressão externa – e que foi acolhida no Brasil – no tocante, por exemplo, a cada vez mais demarcar terra para índio, demarcar terra para reservas ambientais, entre outros acordos que no meu entender foram nocivos para o Brasil. Ninguém quer maltratar o índio. Agora, veja, na Bolívia temos um índio que é presidente. Por que no Brasil temos que mantê-los reclusos em reservas, como se fossem animais em zoológicos?", questionou. Para o presidente eleito, o índio ainda está "em situação inferior a nós" e não pode ser usado para a demarcação de uma "enormidade" de terras que poderão no futuro ser transformadas em "novos países". "O índio é um ser humano igualzinho a nós. Querem o que nós queremos, e não podemos usar o índio, que ainda está em situação inferior a nós, para demarcar essa enormidade de terras, que no meu entender poderão ser, sim, de acordo com a determinação da ONU, novos países no futuro. Justifica, por exemplo, ter a reserva ianomâmi, duas vezes o tamanho do estado do Rio de Janeiro, para talvez, 9 mil índios? Não se justifica isso aí", declarou.

Avião de pequeno porte cai sobre casas em SP, deixa 2 mortos e 12 feridos

  • 30 Nov 2018
  • 17:06h

Foto: Daniel Rodrigues/TV Globo

Uma aeronave caiu na tarde desta sexta-feira (30) na região de Santana, Zona Norte de São Paulo, e causou a morte de duas pessoas, segundo o Corpo de Bombeiros. Houve ao menos 12 feridos. O avião, um monomotor Cessna C-210, prefixo PR-JEE, não tem caixa-preta e caiu na rua Antonio Nascimento Moura, área residencial perto do Aeroporto Campo de Marte. O terminal opera voos executivos e precisou ficar fechado logo após o acidente. Casas e veículos que estavam na rua onde a aeronave caiu também foram atingidos. O fogo chegou a se alastrar pelo asfato. O chamado para o resgate foi recebido às 15h58. Informações preliminares indicavam que parte dos feridos que estavam sendo atendidos teve queimaduras leves.

Criança morre após colocar cabeça para fora de van em movimento e colidir contra porteira

  • G1
  • 30 Nov 2018
  • 16:02h

Foto: Reprodução/WhatsApp/TV Asa Branca

Uma menina de 8 anos, identificada como Débora Oliveira dos Santos, morreu na manhã desta sexta-feira (30) a caminho da escola em Serra Talhada, Sertão de Pernambuco. Familiares informaram que a criança estava em uma van, que fazia transporte escolar, quando colocou a cabeça para fora do veículo e colidiu contra uma porteira. Ainda segundo os familiares, a mãe estava com a menina na van quando o acidente aconteceu, por volta das 6h30 (horário local). A vítima morava com a família no Sítio Cachoeira, zona rural do município, e estudava na Escola Municipal Manuel Pereira Neto. A criança chegou a ser levada para o Hospital Regional Professor Agamenon Magalhães (Hospam), mas já estava morta devido ao forte impacto. O laudo preliminar aponta que Débora quebrou o pescoço. Por meio de nota, a Prefeitura de Serra Talhada lamentou "profundamente a fatalidade ocorrida com a aluna", e também acrescentou que "a família está recebendo toda a assistência necessária". A gestão municipal ainda destacou que a manifesta "os mais sinceros sentimentos de pesar" e deseja "força aos familiares e à comunidade escolar a qual pertencia a aluna". A Prefeitura de Serra Talhada decretou luto oficial de três dias. Não há informações sobre o velório e enterro da menina.

Brasil: Apostador tem horas para não perder 'bolada' de R$ 22 milhões da Mega-Sena

  • 30 Nov 2018
  • 13:19h

Foto: Arquivo Pessoal/ José Carlos Maldonado

Um apostador de São Sebastião (SP) corre o risco de perder o prêmio de R$ 22 milhões da Mega-Sena. Ele foi premiado no concurso 2.074, sorteado no dia 1° de setembro, e ficará sem a 'bolada' caso não retire o valor até esta sexta-feira (30). O prazo é de 90 dias a partir da data do sorteio.O sortudo fez uma aposta simples, que custa R$ 3,50, na lotérica A Milionária, na região central da cidade. No local, o dono colocou uma faixa alertando que a aposta vencedora havia sido feita ali, mas até esta quinta-feira o sortudo não havia buscado o prêmio, segundo a Caixa.Entre os moradores, o clima é de curiosidade. "Todo mundo está falando sobre isso e apostando quem seja o vencedor. A gente acredita que o dono do bilhete tenha perdido. A gente está brincando no comércio que o ganhador é um trabalhador que está disfarçando para não chamar a atenção", disse Renata Costa, que trabalha em uma farmácia próxima à lotérica.O sorteio foi feito em Santa Catarina e as dezenas sorteadas foram 08 - 18 - 23 - 37 - 42 - 58. Além do sortudo de São Sebastião, uma aposta de Passos (MG) também acertou os números. O apostador de Minas Gerais já retirou o prêmio.Com R$ 22 milhões, o apostador poderia comprar itens como cerca de 450 carros populares de R$ 49 mil; 44 apartamentos de R$ 500 mil; ou 2.750 aparelhos de celular de última geração de R$ 8 mil. Na poupança, o valor renderia R$ 81 mil mensais.Caso o valor não seja resgatado até a tarde desta sexta, no prazo limite para essa premiação, o dinheiro será repassado ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).De janeiro a maio de 2018, por causa de prêmios prescritos, foram repassados R$ 128 milhões ao fundo. Em 2017, foram repassados R$ 326 milhões ao Fies.

Antonio Palocci fecha acordo de delação premiada com a PF, em Brasília

  • 30 Nov 2018
  • 07:06h

O ex-ministro Antonio Palocci fechou acordo de delação premiada com a Polícia Federal (PF), em Brasília, sobre fatos relacionados à Operação Greenfield, que investiga fraudes em fundos de pensão, crimes contra o sistema financeiro e políticos com foro privilegiado no âmbito da Petrobras. A informação foi confirmada pela RPC, afiliada da TV Globo no Paraná. Essa delação, sob sigilo, foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, em 28 de outubro deste ano. Foram 23 depoimentos que retratam a atuação de uma suposta organização criminosa no governo federal e também crimes envolvendo o sistema financeiro nacional. O ex-ministro dos governos petistas também deu informações sobre a atuação supostamente criminosa dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff em fundos de pensão. Palocci já responde pelas supostas fraudes nos fundos na Operação Greenfield, que está na Justiça Federal, em Brasília.

Brasil: Apostador pode perder prêmio de R$ 22 milhões da Mega-Sena

  • G1
  • 29 Nov 2018
  • 17:01h

Foto: Arquivo Pessoal/ José Carlos Maldonado

Um apostador de São Sebastião (SP) corre o risco de perder o prêmio de R$ 22 milhões da Mega-Sena. Ele foi premiado no concurso 2.074, sorteado no dia 1° de setembro, e ficará sem a 'bolada' caso não retire o valor até esta sexta-feira (30). O prazo é de 90 dias a partir da data do sorteio.O sortudo fez uma aposta simples, que custa R$ 3,50, na lotérica A Milionária, na região central da cidade. No local, o dono colocou uma faixa alertando que a aposta vencedora havia sido feita ali, mas até esta quinta-feira o sortudo não havia buscado o prêmio, segundo a Caixa.Entre os moradores, o clima é de curiosidade. "Todo mundo está falando sobre isso e apostando quem seja o vencedor. A gente acredita que o dono do bilhete tenha perdido. A gente está brincando no comércio que o ganhador é um trabalhador que está disfarçando para não chamar a atenção", disse Renata Costa, que trabalha em uma farmácia próxima à lotérica.O sorteio foi feito em Santa Catarina e as dezenas sorteadas foram 08 - 18 - 23 - 37 - 42 - 58. Além do sortudo de São Sebastião, uma aposta de Passos (MG) também acertou os números. O apostador de Minas Gerais já retirou o prêmio.Com R$ 22 milhões, o apostador poderia comprar itens como cerca de 450 carros populares de R$ 49 mil; 44 apartamentos de R$ 500 mil; ou 2.750 aparelhos de celular de última geração de R$ 8 mil. Na poupança, o valor renderia R$ 81 mil mensais.Caso o valor não seja resgatado até a tarde desta sexta, no prazo limite para essa premiação, o dinheiro será repassado ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).De janeiro a maio de 2018, por causa de prêmios prescritos, foram repassados R$ 128 milhões ao fundo. Em 2017, foram repassados R$ 326 milhões ao Fies.

Menino com paralisia anda sozinho pela 1ª vez, emociona e viraliza na web

  • 29 Nov 2018
  • 12:04h

Foto: Arquivo Pessoal/Caroline Araujo

Um menino com paralisia cerebral emocionou a sua fisioterapeuta ao conseguir, pela primeira vez, dar alguns passos sozinho. A cena foi gravada dentro de uma clínica em Santos, no litoral de São Paulo, e viralizou nas redes sociais, deixando milhares de pessoas comovidas com o esforço e a conquista do pequeno Dudu, de apenas três anos.Mãe de três filhos, a dona de casa Juliana Lopes conta que Eduardo nasceu com 34 semanas de gestação. Prematuro, ficou internado na UTI por 25 dias. Juliana saiu do hosptial com o filho sabendo que ele poderia ter sequelas. Quando o menino tinha quase um ano, veio o diagnóstico de paralisia cerebral. "Ele não ficava sentado, não levantava o pescoço. A médica falou que ele tinha paralisia cerebral de 'Grau 3'", contou a mãe ao G1.A paralisia afetou os membros inferiores de Eduardo e, principalmente, os movimentos do lado esquerdo. A fala, a visão e a digestão não foram afetadas. Com a mobilidade comprometida desde cedo, Eduardo começou a ser atendido na Casa da Esperança de Cubatão, cidade onde mora. Em 2017, a mãe entrou com uma liminar na Justiça e conseguiu que o filho fosse atendido na clínica Therapies 4Kids, em Santos.A fisioterapeuta Caroline Araujo, que já acompanhava Dudu desde os primeiros meses de vida, iniciou o método 'PediaSuit' com ele. Criado em 2005, nos Estados Unidos, o tratamento PediaSuit é direcionado a pessoas com distúrbios neurológicos e outras condições que afetam as funções motoras. Todo o procedimento tem como base um programa de exercícios específicos e intensivos com a ajuda de calças especiais e um macacão terapêutico.“Ele faz um mês de exercícios intensivos, quando vem cinco vezes na semana e fica quatro horas por dia. Depois, entra na fase de manutenção de 15 dias. Neste período, ele vem somente três vezes na semana. Depois, reinicia uma nova fase de exercícios intensivos. A gente precisa desse tempo para dar uma cansada na musculatura”, explica a fisioterapeuta. Em um mês, Dudu já dava alguns passos com a ajuda de aparelhos.Durante uma das sessões, no dia 14 de novembro, veio a grande e maior conquista de Dudu, que acabou sendo gravada em vídeo por uma funcionária da clínica. Dentro da sala, o menino ficou em pé com o macacão do tratamento. A fisioterapeuta, ao seu lado, deu as orientações e incentivava o menino a caminhar. Dudu, então, conseguiu ficar em pé e dar os primeiros passos sozinho. Ele seguia os comandos dela e, a cada pisada, continuava confiante.A emoção tomou conta da fisioterapeuta ao ver a cena. Ela começou a chorar quando se deu conta que o menino estava andando sozinho pela primeira vez. “Eu não esperava. Eu gravo todos os meus atendimentos. Nesse dia, estávamos trabalhando muito a marcha e eu ficava sempre atrás dele. Eu vi que ele poderia e, então, fiquei do lado. Na primeira tentativa, ele conseguiu. Aquilo mexeu comigo porque veio na minha cabeça todo o trabalho que tivemos. Eu não queria chorar, mas não consegui, não conseguia mais nem dar os comandos. A emoção falou mais alto”, disse ela.A mãe de Dudu ficou sabendo da conquista do filho minutos depois. Ela estava em Cubatão, na casa de uma amiga, quando a fisioterapeuta mandou o vídeo pelo celular. “Eu comecei a chorar. Ela sempre me manda os vídeos dele, mas dessa vez me emocionei mais ainda. Eu passei mal, minha pressão subiu. Eu não acreditava no que eu estava vendo”, falou.O vídeo foi publicado nas redes sociais e emocionou, também, outras milhares de pessoas. Muitos elogiaram a profissional e a superação de Dudu. Para Caroline, a conquista foi uma supresa, mas ela diz que acreditava muito no potencial do menino. "No paciente neurológico o processo é lento. A gente precisa trabalhar com o lúdico, sempre lidando com a emoção da criança. Leva um tempo considerável. Eu acompanho o Dudu desde que ele tinha 1 ano, desde o sentar, o ajoelhar, ele ficar em pé e até agora. Ele é uma criança muito esperta. A gente sabia que ele ia andar", completou.Já a mãe de Dudu diz que força de vontade e a garra do filho foram essenciais para essa conquista. Mas, segundo ela, não seria possível atingir esse objetivo sem a paciência e a dedicação da fisioterapeuta. “A Carol é expecional. Ela trata o Dudu como se fosse o filho dela. Quem trabalha com criança especial sabe que não é fácil. No caso do meu filho, ele é bem consciente, mas tem um temperamento forte. Ela é incrível, admiro muito ela e o amor que ela tem pela profissão”, falou Juliana.A conquista também foi especial para a fisioterapeuta Caroline. “Todos querem que ele seja independente. É muito gratificante ver que o seu trabalho deu certo. Sou apaixonada pela profissão e, quando fazemos com amor e carinho, você colhe bons resultados. Naquela hora que o vi andando, veio um filme na minha cabeça e foi muito gratificante”, finalizou.

Câmara dos Deputados confirma aumento de pena para feminicídio

  • Agência Brasil
  • 29 Nov 2018
  • 09:07h

Foto: Divulgação / TJBA

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (28) projeto de lei que aumenta em um terço a pena para o crime de feminicídio, nos casos em que o autor descumprir medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha. A matéria, que já havia passado pelo Senado, segue para sanção presidencial.  Atualmente, o Código Penal estabelece que, quando um agressor comete feminicídio após violar uma medida protetiva, o crime de descumprimento da medida judicial é desconsiderado em função do mais grave, sem o aumento de pena. O trecho da lei foi retirado pelos senadores e, dessa forma, a matéria retornou para apreciação dos deputados.  Para relator da proposta, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a alteração do Senado foi “inoportuna e inconveniente”. “Precisamos aumentar a pena de quem mata após descumprir a medida de proteção. A emenda do Senado cancela essa possibilidade e, por isso, temos que rejeitá-la”, ressaltou. A pena também será agravada se o agressor descumprir medida que suspenda a posse ou restrinja o porte de armas. O texto também prevê aumento da pena nos casos em que o crime for cometido na presença física ou virtual de filhos ou pais da vítima. Ao defender a necessidade aprovação da medida, a deputada Érika Kokay (PT-DF) ressaltou que o Brasil é quinto país em casos feminicídio em todo o mundo.  “Muitas vezes, antes da Lei Maria da Penha, as mulheres tinham que ser retiradas do seu próprio local de moradia, do seu dia a dia, para que pudessem ir para casas-abrigo a fim de proteger a própria integridade. Agora, quando um agressor está submetido a uma medida protetiva e a descumpre, não tem por que encarar o fato de ele descumprir determinação não tenha que ter um recrudescimento das consequências da pena aplicada”, afirmou. 

Atriz agredida pede R$ 1,2 milhão por quebra de contrato matrimonial

  • G1
  • 28 Nov 2018
  • 14:54h

A atriz Cristiane Machado, que gravou agressões do ex-diplomata Sérgio Schiller Thompson-Flores, entrou no dia 12 de novembro na 50ª Vara Cível da capital com ação de execução de dívida dele com ela no valor de R$ 1,2 milhão. Como o pedido é recente, a juíza Rafaella Avila de Souza Tuffy Felippe ainda vai citar o ex. O débito, segundo alegam os advogados da atriz, é resultado da quebra de várias cláusulas de contrato matrimonial assinado pelo casal, em julho deste ano. A petição inicial tem várias fotografias com as marcas da violência sofrida pela atriz, como informou nesta quarta-feira (28) a coluna do Ancelmo Gois, no jornal O Globo. No dia 18 de novembro, a atriz revelou ao Fantástico que havia instalado câmeras pela casa para gravar as agressões que sofria do marido. As imagens, de agosto deste ano, mostram Thompson-Flores empurrando, batendo e até tentando enforcar a atriz com um fio de telefone. Com medo de se tornar uma vítima de feminicídio, a atriz procurou proteção do estado. O empresário e ex-diplomata Sérgio Schiller Thompson-Flores está preso preventivamente na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte, por agredir a mulher e por ter descumprido medida protetiva. Quando da denúncia de Cristiane ao Fantástico, os advogados de Thompson-Flores disseram que as acusações eram motivadas por interesse financeiro. Sobre as imagens, alegaram que foram editadas por Cristiane e que representam uma reação a uma ação anterior que teria sido praticada por ela.

'Se houver indulto neste ano, será o último', diz Bolsonaro

  • 28 Nov 2018
  • 13:39h

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou no Twitter, nesta quarta-feira (28), que não concederá indulto a presos em seu governo. O indulto é um perdão de pena geralmente concedido todos os anos, em período próximo ao Natal. A prática está prevista na Constituição como atribuição exclusiva do presidente da República, mas não é obrigatória. Ao justificar a decisão, Bolsonaro disse que um de seus compromisso de campanha foi "pegar pesado" no combate à violência e à criminalidade. "Fui escolhido presidente do Brasil para atender aos anseios do povo brasileiro. Pegar pesado na questão da violência e criminalidade foi um dos nossos principais compromissos de campanha. Garanto a vocês, se houver indulto para criminosos neste ano, certamente será o último", afirmou Bolsonaro. Nesta quarta, deve ser retomado julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de uma ação que discute a validade do decreto de indulto natalino editado pelo presidente da República, Michel Temer, em dezembro do ano passado. O decreto assinado por Temer no ano passado estabeleceu que poderia receber o perdão quem cumpriu um quinto da pena em caso de crimes sem violência ou grave ameaça, sem limite máximo de pena para concessão. Levantamento da Força Tarefa da Lava Jato no Paraná indicou que 22 dos 39 condenados pela Justiça Federal em Curitiba podem ser beneficiados se o presidente Michel Temer editar neste ano o decreto de indulto nataliano com as mesmas regras do assinado no ano passado.

Justiça mantém a prisão de ex-diplomata acusado de agredir atriz

  • 28 Nov 2018
  • 08:08h

Foto: Reprodução/TV Globo

A Justiça manteve, nesta terça-feira (27), a prisão do ex-diplomata e empresário Sérgio Schieller Thompson Flores. Ele é apontado como responsável pelas agressões contra a atriz Cristiane Machado. Thompson Flores se apresentou no domingo à 28ª DP (Campinho). Depois seguiu para o Sistema Penitenciário do Rio. A secretaria de administração penitenciária alegou não dar informações por segurança. Nesta terça, a Justiça decidiu que o pedido da defesa do empresário fosse indeferido para garantir a integridade física da atriz. Thompson-Flores teve a prisão preventiva decretada após descumprir uma medida protetiva, que o obrigava a ficar distante de Cristiane. O caso ganhou destaque após a atriz Cristiane Machado gravar algumas das agressões que sofreu do marido. Ela instalou câmeras em casa que registraram, em 31 de agosto, tapas e tentativas de enforcamento. Também gravou com o celular ameaças de morte a ela e à familia. Com medo de ser morta, a atriz denunciou o ex-marido.

Medidas para facilitar compra e porte de armas dividem deputados federais eleitos

  • 28 Nov 2018
  • 07:08h

Medidas para facilitar a compra e o porte de armas dividem as opiniões dos 513 deputados federais eleitos, segundo levantamento realizado pelo G1:

  • Favoráveis à facilitação da compra e do porte de armas: 199 (39%)
  • Contrários à facilitação da compra e do porte de armas: 188 (37%)
  • Não quiserem responder a essa pergunta: 25 dos 412 que responderam ao questionário

Em novembro do ano passado, uma reportagem do G1 mostrou que avançam no Congresso projetos de lei que tentam alterar e flexibilizar o Estatuto do Desarmamento, com regras menos rígidas para o porte de armas. Sancionado como lei federal em 2003, o estatuto limita a circulação e o porte de armas de fogo e munição. No final do ano passado, comissões da Câmara e do Senado aprovaram proposta que autorizam a compra de armas por moradores da zona rural. Neste ano, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, autorizou o porte de arma para guardas municipais de cidades com menos de de 50 mil habitantes. Quando ainda era candidato, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou em seu plano de governo que pretende reformular o Estatuto do Desarmamento. Em declarações públicas, Bolsonaro se disse a favor da posse de armas de fogo para garantir o direito à legítima defesa a quem chama de “cidadão de bem”. Ele não especificou no plano de governo ou em suas falas quais mudanças pretende fazer no Estatuto. Mas, em uma transmissão ao vivo no Facebook, defendeu que "cidadão de bem" possa, "com algumas poucas exigências", ter arma em casa. Atualmente, o Estatuto do Desarmamento permite a compra e, em condições mais restritas, o porte de armas, que é a possibilidade de portá-la fora de casa. As autorizações são concedidas pela Polícia Federal. As exigências para compra são as seguintes:

  • Ter ao menos 25 anos (igual para porte)
  • Ter ocupação lícita (não precisa para porte)
  • Justificar a "efetiva necessidade" de ter uma arma
  • Não estar respondendo a inquérito policial ou processo criminal
  • Não ter antecedentes criminais nas justiças Federal, Estadual (incluindo juizados), Militar e Eleitoral
  • Comprovar aptidão psicológica e técnica para usar arma de fogo
  • Apresentar foto 3 x 4, cópias autenticadas ou original e cópia de RG e CPF, e comprovante de residência