BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"

Brasil: Menina de 10 anos usa desenho para revelar que era estuprada pelo pai

  • iBahia
  • 16 Nov 2018
  • 10:55h

Foto: iBahia

O desenho que uma menina de 10 anos fez na escola onde estuda em Viamão (RS) trazia fortes indícios de que ela era vítima de violência sexual. A criança mostrou por meio de imagens o que sofria após ter procurado o coordenador da unidade, dizendo que precisava avisar "as coisas feias" que o pai fazia com ela, mas estava com vergonha. O pai, de 64 anos, foi preso pelo crime de estupro de vulnerável, nesta quarta-feira. Segundo a menina contou na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) da cidade, sua irmã de 5 anos também passou pela mesma situação. De acordo com a delegada Jeiselaure Rocha de Souza, as meninas estão sendo assistidas por diferentes órgãos do estado desde que a denúncia foi feita. No entanto, não pode divulgar mais detalhes, incluindo o desenho da irmã mais velha, para não atrapalhar as investigações, nem expor as vítimas.Assim que o coordenador da escola recebeu a denúncia da aluna de 10 anos, acionou o Conselho Tutelar. A Polícia Civil do Rio Grande do Sul começou a apurar o caso e colheu depoimentos da filha mais velha e da mãe das crianças, que ainda deve ser ouvida novamente. — Nós ainda estamos investigando outros pontos importantes, como a própria participação da mãe, para averiguar se ela é mais uma vítima ou é conivente, mas preferimos não dar mais elementos para atrapalhar as investigações — afirmou Souza. O inquérito ainda está aberto e, segundo Souza, a polícia tem um prazo de 10 dias para remeter o caso ao poder judiciário. Se condenado, o pai das meninas pode pegar uma pena de 15 anos ou mais, dado o contexto da situação. As circunstâncias estão sendo averiguadas. Os investigadores aguardam resultados de laudos e novos depoimentos.

O INTERROGATÓRIO DE LULA E A DUBLÊ DE SÉRGIO MORO

  • João Batista de Castro Júnior, professor doutor do Curso de Direito da Universidade do Estado da Bahia, campus Brumado.
  • 15 Nov 2018
  • 19:33h

Foto: Reprodução

Antes da Lei 11.719/2008, que introduziu alteração no Código de Processo Penal, o réu era citado ordinariamente para ser interrogado por um magistrado acompanhado de um escrivão que digitava todas as frases começando sempre com “que”. Não raro um lapso condenatório do juiz e/ou do digitador escapava: “que, mesmo sendo verdade, insiste em dizer que não é verdade” etc.

Ainda nessa época, todo cuidado era pouco por parte do acusado, pois a recepção judiciária ainda estava presa a intenso formalismo, quase que se assemelhando àquele antigo exemplo encontrável em Gaio (jurista romano que morreu em 180 da era cristã), nas suas famosas Institutas, de um indivíduo "agindo por causa de videiras cortadas", o qual, ao dizer, perante o juiz, a palavra vites em vez de arbor, terminou por perder a ação, uma vez que a Lei de XII Tábuas falava de árvores cortadas em geral.  

A Lei 11.719/2008 surgiu, então, para ser e reafirmar-se ser um marco miliário da teoria do processo penal: o interrogatório é primacialmente meio de defesa do réu e, secundariamente, meio de prova. 

Dez anos já se foram, mas ainda tem juiz(íza) preso(a) ao passado, o que, tratando-se das práticas jurídico-judiciárias, não é novidade, pois as roupas continuam inadequadas ao climas dos trópicos, a linguagem insiste em imitar (mal, saliente-se) uma norma padrão própria do modelo gramatical do início do século XX, quando começou a parábola descendente do bacharelismo oco e retórico, os padrões litúrgicos teimam em ser fortemente rococó etc.

No ambiente virtual contemporâneo, esperava-se a adaptação dos magistrados a um novo modelo. Mas o que se viu no interrogatório de Lula hoje, dia 14 de novembro, foi o passadismo mostrando sua força na cena jurídica, ou seja, um acusado sendo tratado como condenado, não como réu que tem em seu favor a presunção de inocência.

Se Moro nunca esteve à altura de um cargo que exige imparcialidade, e isso se tornou mais que evidente ao aflorarem suas dissimuladas ambições políticas nos últimos dias, muito menos parece merecê-lo sua sucessora, a juíza federal substituta Gabriela Hardt, que, na audiência de interrogatório, mostrou toda sua inabilidade para pelo menos posar de imparcial ao vociferar: “senhor ex-presidente, esse é um interrogatório. E se o senhor começar nesse tom comigo, a gente vai ter um problema”. Que problema, que problema, Gabriela? Se ao réu é dado até ficar em silêncio sem que isso arranhe sua defesa, como assegura o Código de Processo Penal (art. 186, parágrafo único), como admitir que deva ter um tom para falar e um barema lexical do que possa dizer?

Pelo que se vê, está faltando mais esforço de credibilidade no caráter imparcial dos julgadores de Lula, porque, quando um juiz não é imparcial, mas tem que fingir sê-lo, deve ao menos fazer um melhor esforço teatral de demonstrar que o é.

Costuma-se ensinar em Análise do Discurso que o que se diz nem sempre é tão importante quanto a circunstância que envolve o não dito. Ao declarar “se o senhor se sente desconfortável, o senhor pode ficar em silêncio”, a magistrada incriminou-se mais do que seguramente tentará fazer com Lula na sentença condenatória que está por vir, pois juiz algum pode induzir um acusado a ficar em silêncio, a não ser que tema que o depoimento constranja não só os acusadores como a mais recente e bizarra criação jurídica do direito brasileiro, nascida em Curitiba, o juiz-acusador.

Convenhamos: na encenação judiciária de baixo estofo que se instalou no caso Lula, morre-se de medo da paixão oratória dele, até no STF, que cometeu a atrocidade de vetar sua entrevista. Goste-se ou não, o ex-presidente humilhou Moro, que, perdido na sua ruminação de desforço vingativo, se deixava alimentar ainda mais pelo desejo de condenar a cada lance eloquente do interrogatório no caso do tríplex.

Agora, a juíza, temerosa de que a eloquência de Lula passasse também por cima dela, logo denunciou sua limitação intelectual: “se ele fugir do assunto e começar com discurso político, doutor, infelizmente, eu estou comandando a audiência e vou ter que cortar”.

O que você sabe, Gabriela, de discurso político? Sabe ao menos o significado dado pela Ciência Política? Não, né, não sabe, porque os manuais recheados de macetes com que se consegue aprovação em concursos da magistratura e do ministério público passam longe desse tipo de incursão. No estrigo rigor técnico-jurídico, um réu pode falar o que quiser em seu interrogatório, desde que não produza ofensas, já que não se sabe qual é a estratégia de defesa. Sendo assim, a juiz algum é dado interferir nessa configuração defensiva, a menos que não disfarce seu propósito condenatório.

Mas vou ainda, Gabriela, lhe puxar a orelha com uma última lição sobre sua aberração de incitar o réu a ficar em silêncio. É bem provável que isso nunca chegue a seu conhecimento. Mas, vá lá, não vou me furtar de fazê-lo: quando, em um interrogatório, se induz ILEGALMENTE um réu a ficar em silêncio, quer-se no fundo produzir o que se conhece como argumentum ex silentioou seja, uma evidência presuntiva de que a pessoa deixou de mencionar algo embora estivesse em condições de fazê-lo. Dou-lhe um exemplo clássico, porque conheço bem as limitações intelectuais da formação jurídica: nos seus diários, Marco Polo diz ter visitado a China, mas não cita a Grande Muralha, o que abriu uma enorme controvérsia historiográfica se teria mesmo estado naquela região. Como sugestão bibliográfica desse instigante tema, indico John Lange, The Argument from SilenceHistory and Theory”, vol. 5, n.. 3, 1966, e M. G. Duncan, The Curious Silence of the Dog and Paul of Tarsus; Revisiting the Argument from SilenceInformal Logic, vol. 32, n. 1, 2012.  

Mas, antes de qualquer coisa, fique advertida da lição dada por Sven Bernecker e Duncan Pritchard: "argumentos pelo silêncio são, invariavelmente, bem fracos; há muitos exemplos onde este tipo de argumentação nos levaria a lugar nenhum" (The Routledge Companion to EpistemologyRoutledge, 2012, p. 64-5).

Mas nós sabemos aonde as imputações contra Lula querem chegar, não é mesmo? Afinal, até o presidente eleito, que não detém qualquer poder legal sobre o assunto, mas é chefe de fato do juiz que encarcerou o ex-presidente, já declarou que este irá "apodrecer na cadeia".

Em arremate: não é segredo como isso terminará e só me darei mesmo em breve ao trabalho de criticar os aspectos técnicos da anunciada futura sentença condenatória porque tenho muitos alunos e alunas interessados em conhecer as vísceras da estupidez jurídica que se abateu sobre o País. 

Brumado, Bahia, 14 de novembro de 2018.

Bolsonaro anuncia diplomata Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores

  • 14 Nov 2018
  • 18:48h

Foto: Guilherme Mazui/G1

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira (14) que o diplomata Ernesto Araújo será o novo ministro das Relações Exteriores. Segundo Bolsonaro, Araújo é diplomata de carreira há 29 anos e um "brilhante intelectual". De acordo com o site do Itamaraty, Araújo é o atual diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos. Bolsonaro já havia afirmado em entrevistas coletivas que o futuro ministro da pasta seria alguém da carreira. O atual ministro da pasta, nomeado pelo presidente Michel Temer, é o senador licenciado Aloysio Nunes (PSDB-SP), que não é da carreira do Itamaraty. Em nota, Aloysio Nunes afirmou que Araújo tem sido um servidor "exemplar" do Itamaraty, acrescentando que o futuro ministro tem o respeito dos colegas. "Ernesto Araújo está mais do que talhado para bem servir ao Brasil nas elevadas atribuições que lhe são agora confiadas", declarou.

Lula é interrogado em processo da Lava Jato que apura reformas feitas em sítio de Atibaia

  • 14 Nov 2018
  • 11:08h

Foto: Nelson Almeida/AFP e Reprodução/TV Globo

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será interrogado, em Curitiba, nesta quarta-feira (14). A audiência – referente a um processo da Operação Lava Jato – está marcada para as 14h, no prédio da Justiça Federal.Esta será a primeira vez que o ex-presidente deixará a Superintendência da Polícia Federal (PF), onde está preso desde abril.A oitiva será conduzida pela juíza federal Gabriela Hardt. Lula é réu nesta ação penal. Ele responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.Conforme o Ministério Público Federal (MPF), o ex-presidente recebeu propina de empresas como a OAS e a Odebrecht por meio da reforma e decoração no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), que frequentava com a família. Outras 12 pessoas são rés neste processo.Os valores foram repassados ao ex-presidente em reformas realizadas no sítio, de acordo com os procuradores do MPF. Segundo a denúncia, as melhorias no imóvel totalizaram R$ 1,02 milhão. Lula nega as acusações e afirma não ser o dono do imóvel, que está no nome de sócios de um dos filhos do ex-presidente. O empresário Fernando Bittar, um dos donos do sítio, responde por lavagem de dinheiro. Interrogado pela Justiça, na segunda-feira (12), Bittar disse que achava que Lula faria o pagamento das obras na propriedade. O pecuarista José Carlos Bumlai, que é amigo de Lula e réu por lavagem de dinheiro nesta ação penal, também será interrogado nesta quarta-feira.

Mais de 22 mil menores cumprem medidas socioeducativas no Brasil, diz CNJ

  • 14 Nov 2018
  • 08:09h

Foto: CNJ

Um levantamento do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e das Medidas Socioeducativas (DMF), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), indica que mais de 22 mil jovens presos nas 461 unidades de medidas socioeducativas em funcionamento em todo o país. O documento inclui apenas os adolescentes que cumprem medidas de internação em "regime fechado", e não os que cumprem outras medidas, como a semiliberdade e a liberdade assistida. A internação é a opção mais rigorosa só pode durar até três anos. São Paulo é o estado com maior número de menores internados, com mais de 6,4 mil. Entretanto, no Acre é o que tem a maior proporção de jovens segregados. São 545 menores presos, ou 62,7 a cada 100 mil habitantes. Na Bahia, há 556 menores custodiados com sentença.

TSE dá 3 dias para Bolsonaro esclarecer 'inconsistências' em contas da campanha

  • 14 Nov 2018
  • 07:03h

Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

O ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), intimou nesta terça-feira (13) a campanha do presidente eleito, Jair Bolsonaro, a prestar esclarecimentos, em até três dias, sobre 23 "inconsistências" na prestação de contas do presidente eleitoapresentada na última sexta (9). As supostas irregularidades foram apontadas por técnicos da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Relator no TSE das contas de campanha, Barroso terá que submeter o procedimento a julgamento no plenário do tribunal eleitoral. Ainda não há data marcada para a Corte analisar o caso. A diplomação de Bolsonaro está marcada para o dia 10 de dezembro. Para receber o diploma, os candidatos eleitos precisam estar com o registro de candidatura deferido e as contas de campanha julgadas – não necessariamente aprovadas. Os técnicos do TSE apontaram 23 "inconsistências" que envolvem indícios de impropriedade (erro formal ou dados inexatos) e indícios de irregularidade (suspeitas na prestação), além da falta de documentos e pediram que a campanha enviasse mais documentos, como contratos e comprovações de serviços e gastos. Barroso considerou "pertinentes" os pedidos e notificou a campanha a apresentar os esclarecimentos. "São pertinentes as diligências propostas pela Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias . Diante do exposto, determino a intimação do candidato Jair Messias Bolsonaro, [...] para, no prazo de 3 (três) dias, complementar dados e documentação e/ou prestar esclarecimentos / justificativas, com vistas ao saneamento dos apontamentos", diz trecho da decisão.

Cientistas mulheres pedem inclusão de período de licença-maternidade no currículo Lattes

  • 13 Nov 2018
  • 18:11h

Foto: Carolina Dantas/G1

Um grupo de pesquisadoras enviou ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) uma carta com diferentes reivindicações para trazer mais igualdade de acesso e concorrência das mulheres às bolsas e financiamentos científicos no Brasil. Um dos pedidos é a inclusão do período de licença-maternidade no currículo Lattes, uma forma de sinalizar um possível "buraco" na produção durante o período pós-parto e evitar qualquer comparação injusta com os homens cientistas em processos seletivos. O documento foi assinado pela professora Pâmela Mello Carpes, da Unipampa, que chamou a atenção dos colegas ao colocar a seguinte frase no Lattes: "Mãe de um filho de 14 anos, é atuante na causa das mulheres na ciência". A pesquisadora faz parte de um grupo de mulheres cientistas que está tentando chamar a atenção para uma queda iminente na produção científica durante o período de licença-maternidade – e como isso pode influenciar negativamente na carreira de pesquisadoras. Eloah Rabello Suarez fez pós-doutorado na Universidade Harvard. Pesquisa uma das áreas mais promissoras no tratamento de câncer no mundo: a terapia genética. Isso não foi o suficiente porque ela tem um "buraco" na publicação de artigos científicos. Essa queda na produção coincide com outra parte importante de sua vida: ela é mãe de primeira viagem e, para os órgãos de financiamento de projetos, o tempo em que não produziu para cuidar do bebê interfere na hora de concorrer com outros pesquisadores, mesmo que sejam homens. "A gente percebe que não existe uma compreensão muito grande das mulheres no meio científico com relação à licença-maternidade. A gente tem até vergonha de falar às vezes", disse Eloah. Pamela, a pesquisadora que chamou a atenção por colocar sua licença no Lattes, acabou sendo modelo para outras cientistas. Elas viraram um grupo que passou a acrescentar o período de licença-maternidade no currículo Lattes – a primeira tentativa de sinalizar para órgãos de financiamento porque há uma queda nas publicações por seis meses. Em palestra sobre o assunto em setembro deste ano, Pamela lembra outros dados do IBGE de 2017 sobre as horas de trabalho doméstico de homens e mulheres no Brasil. Independente da renda e da idade, as mulheres cuidam mais da casa que os companheiros, pais, irmãos. São tarefas como cozinhar, lavar, cuidar das roupas, limpar, fazer compras. Quando a renda não chega a R$ 1 mil, elas chegam a trabalhar mais de 10 horas por dia. E com a chegada da maternidade, manter a rotina científica fica ainda mais difícil.

Brasil: Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante

  • G1
  • 13 Nov 2018
  • 12:01h

Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

O ex-prefeito da cidade de Baraúna, no Curimataú da Paraíba, foi morto pelo pai após ser confundido com um assaltante na noite desta segunda-feira (12). De acordo com a Polícia Civil, Alyson Azevedo tinha 37 anos e foi até a casa do pai, Adilson Azevedo, também ex-prefeito da cidade, depois de ser chamado por vizinhos porque uma fumaça estava saindo da casa dele e ninguém conseguia acordá-lo. Alyson correu até a casa do pai e tentou arrombar a porta. Nesse momento, o pai atirou de dentro da casa contra o filho achando que se tratava de um assalto. Alyson Azevedo foi baleado no peito, chegou a ser levado para o Hospital de Picuí, mas não resistiu e morreu. A fumaça que saía da casa e chamou a atenção dos vizinhos era de uma panela que estava no fogão. O pai, Adilson Azevedo, vai prestar depoimento à polícia nesta terça-feira (13) sobre o caso. Alyson Azevedo foi eleito prefeito da cidade de Baraúna em 2008, pelo MDB, enquanto seu pai, Adilson Azevedo, foi o candidato eleito das Eleições 2000, pelo mesmo partido, na época ainda PMDB.

Maitê Proença admite ser nome cotado para ministério do Meio Ambiente de Bolsonaro

  • Bahia Notícias
  • 12 Nov 2018
  • 17:48h

Foto: Reprodução / Instagram

Um grupo de ambientalistas sugeriram ao presidente eleito, Jair Bolsoanro (PSL), o nome da atriz Maitê Proença para o ministério do Meio Ambiente, conforme informações do jornal O Globo. Proença não possui filiação partidária ou atuação política, mas é ligada a área ambiental. A atriz tem proximidade com o círculo de apoiadores de Bolsonaro, segundo o veículo. Proença explicou que o seu nome, por enquanto, é “apenas uma ideia”. "A ideia é tirar o viés ideológico a que o setor ambiental ficou associado. Trazer um nome que possa abrir as portas que se fecham para os ecologistas. Um nome ligado às causas ambientais, mas que circule nos diversos meios de forma isenta. E que possa colocar a pasta acima de picuinhas políticas. Concordo com tudo. Mas o meu nome é apenas uma ideia", declarou Maitê Proença.

Ministro do STJ manda soltar Joesley Batista e demais presos da Operação Capitu

  • 12 Nov 2018
  • 16:44h

Foto: Reprodução/TV Globo

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mandou soltar nesta segunda-feira (12) o empresário Joesley Batista, da J&F, e os demais presos na Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira (9). A Capitu, desdobramento da Lava Jato, investiga suspeita de que a JBS, do grupo J&F, pagou propina para políticos do MDB em troca de medidas a seu favor no Ministério da Agricultura em 2014 e 2015. Ao todo, 18 pessoas foram presas. Ao conceder a liberdade aos presos, o ministro Cordeiro atendeu pedido da defesa de Joesley para estender a eles os efeitos de uma decisão que, no domingo (11), já havia soltado o ex-secretário de Defesa Agropecuária Rodrigo Figueiredo, também preso na operação. Mais cedo nesta segunda foi solto, também por determinação do STJ, o ex-ministro da Agricultura Neri Geller. O ministro também revogou o mandado de prisão que a Operação Capitu emitiu contra o deputado cassado Eduardo Cunha. Como ele já cumpre prisão na Operação Lava Jato, a revogação do mandado da Capitu não teve o efeito de libertá-lo. Os demais soltos a mando do STJ nesta segunda foram:

  • Antonio Andrade, vice-governador de Minas e ministro da Agricultura de março de 2013 a março de 2014
  • João Magalhães, deputado estadual pelo MDB de Minas Gerais
  • Mateus de Moura Lima Gomes, advogado
  • Mauro Luiz de Moura Araújo, advogado
  • Ildeu da Cunha Pereira, advogado
  • Marcelo Pires Pinheiro
  • Fernando Manoel Pires Pinheiro
  • Claudio Soares Donato
  • José Francisco Franco da Silva Oliveira
  • Waldir Rocha Pena, sócio do supermercado BH.
  • Ricardo Saud, ex-executivo da J&F
  • Demilton de Castro, ex-executivo da J&F
  • Florisvaldo Oliveira, ex-executivo da J&F
  • Walter Santana Arantes, sócio dos supermercados BH
  • Odo Adão Filho, advogado

Na decisão, Cordeiro disse que os fatos atribuídos aos delatores são antigos e não justificariam as prisões. "Realmente, se tendo entendido na decisão paradigma que não seriam contemporâneos os riscos arguidos e não sendo admissível prender por falta de colaboração do acusado, também em face dos requerentes incide igual ilegalidade na prisão", escreveu o ministro. Ele também considerou que a investigação não está sob risco e que, por isso, as prisões seriam ilegais nesta fase.

Pastor é baleado durante culto transmitido pela internet; assista

  • G1
  • 12 Nov 2018
  • 14:15h

A igreja evangélica onde um pastor foi baleado durante o culto neste domingo (11), em Mogi das Cruzes, transmitiu ao vivo por uma rede social o momento em que o homem fez os disparos (assista acima). O pastor foi encaminhado para um hospital, onde passou por cirurgia. O homem de 30 anos foi detido por fiéis até a chegada da polícia. Ele precisou de atendimento médico e foi levado para o Hospital Luzia de Pinho Melo e, depois, para o 1º Distrito Policial da cidade, onde ficou preso. As imagens mostram que o atirador está com um capacete em uma mão e com a arma na outra. O homem se coloca na frente do altar, no momento em que uma pregação é feita. Ele atira na direção de um dos pastores. As pessoas que estavam no altar se abaixam e fogem. O público entra em pânico. O homem faz vários disparos em direção a um dos pastores. Depois, ele é dominado. A Polícia Militar foi acionada e informou inicialmente que o pastor não corre risco de morte. O G1 apura o estado de saúde dele na unidade de saúde. A igreja fica na Avenida Lothar Waldemar Hoenne, conhecida como Perimetral. Segundo a polícia, o homem disse, em um primeiro momento, que entrou no culto para roubar. A arma foi apreendida. A polícia informou que o suspeito tem passagem por tráfico de drogas e não acredita na versão do suspeito. "A situação foge da característica de um roubo que o indivíduo anuncia o assalto e vai atrás de uma vítima. No crime, o autor chegou atirando na vítima e a todo momento procurava por ela para efetuar o disparo. Agora a Polícia Civil vai colher todas as informações, vai ouvir testemunhas e puxar a vida pregressa de ambos", explica o capitão da PM Alex Amaral.

Claudia Leitte desabafa após assédio de Silvio Santos: ‘Isso é cruel, nos fere e dá medo’

  • Uol
  • 12 Nov 2018
  • 10:04h

(Foto: Reprodução/UOL)

Claudia Leitte usou seu Instagram na manhã desta segunda-feira (12) para se posicionar em relação ao comportamento de Silvio Santos ao recebê-la no fim de semana no Teleton 2018. Após o apresentador afirmar que não a abraçaria “para não ficar excitado”, a cantora disse que ficou constrangida em longo desabafo postado na rede social. “Aonde quer que eu vá, minha entrega é total. Tem que ser com todo amor do mundo, especialmente quando se trata de contribuir para o bem de alguém. Senti-me constrangida, sim!”, escreveu. A artista acrescentou que abordagens desse tipo não devem ser desconsideradas por serem interpretadas como brincadeira ou piada. “Quando passamos por episódios desse tipo, vemos em exemplificação, o que acontece com muitas mulheres todos os dias, em muitos lugares. Isso é desenfreado, cruel, nos fere e nos dá medo. A provocação vem disfarçada de piada, e as pessoas riem, porque acostumaram-se, parece-nos normal!”. destacou. Claudia ressaltou a sensação de muitas mulheres em situações de machismo e assédio que ainda se consideram culpadas pelo comportamento do homem. “E lá se vai a nossa vida, cheia de reflexões quanto ao que usar como artista, como empresária, como esposa, como amiga, como empregada, como patroa... como mulher. Até que horas podemos estar nas ruas? Aprendemos a nos esquivar. Fizemos concessões porque fomos educadas assim. Mas, nós que somos vítimas! ‘Ah, mas se estivéssemos usando outra roupa?’. Definitivamente a culpa não é do que estamos usando! A culpa é dessa atitude constrangedora e de dois pesos e duas medidas. Somos livres!”, argumentou. Por fim, Claudia Leitte defendeu a importância de se manifestar por ser uma pessoa pública. “Eu, como cantora, ciente do meu papel e da responsabilidade que carrego, sentia que precisava dizer isso a vocês, meus fãs, e a todas as pessoas, em especial às mulheres, que longe do olhar público sofrem todos os dias”, concluiu. Além de dizer que ficaria “excitado” com um abraço da convidada, Silvio Santos ainda emendou que “da maneira que você está se apresentando, dá vontade de…sair da poltrona, tomar um chopp e depois, procurar um conforto”.  Na plateia, Patricia e Iris Abravanel, filha e esposa do apresentador, respectivamente, apareceram com um sorriso tímido.

Prefeito é assassinado no interior do Maranhão

  • Agência Brasil
  • 12 Nov 2018
  • 08:04h

Prefeitura de Davinópolis/Divulgação

O prefeito de Davinópolis (oeste do Maranhão), Ivanildo Paiva (PRB), foi assassinado na noite de ontem (11). De acordo com postagem no perfil do prefeito no Facebook, Paiva foi vítima de sequestro quando estava em sua chácara no povoado Jussara, no distrito de Davinópolis. Segundo a nota na rede social, o corpo do prefeito foi localizado por volta das 9h, no povoado Mata Grande. A mensagem detalha que o prefeito foi levado na própria caminhonete, mais tarde foi localizada com manchas de sangue, nas proximidades do 50º Batalhão de Infantaria de Selva (50º BIS) em Imperatriz. A casa na chácara teria sido “revirada” e foram vistas manchas de sangue humano. O inquérito sobre o assassinato está a cargo da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoas. A polícia ainda não se manifestou sobre o caso.

Brasil: Cinco pessoas morrem e uma fica ferida em acidente; três vítimas estavam a caminho do Enem

  • 11 Nov 2018
  • 20:03h

Foto: Robson Jardim/RPC

Cinco pessoas morreram e uma ficou ferida em um acidente envolvendo três veículos, no fim da manhã deste domingo (11), na PR-317, em Munhoz de Melo, no norte do Paraná. Três das vítimas estavam a caminho de Maringá, onde fariam o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), um Fiat Uno que seguia no sentido Maringá, com cinco pessoas, bateu de frente com um carro branco. Um carro prata, que vinha logo atrás do Uno, também acabou se envolvendo no acidente. Quatro pessoas que estavam no Uno morreram na hora. Entre as vítimas estão mãe e o casal de filhos, de 18 e 25 anos. O quinto ocupante do carro foi encaminhado pelo helicóptero do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Universitário de Maringá. Os cinco eram moradores de Santa Fé, também na região norte, e três deles fariam o Enem em Maringá. O motorista do carro branco, que não tinha sido identificado até o começo da tarde deste domingo, também morreu no local. No carro prata, ninguém ficou ferido. No veículo estavam os pais e três filhos, que fariam o Enem em Maringá. Eles também são moradores de Santa Fé.

Bolsonaro liga para Silvio Santos em pleno Teleton, faz doação e apresentador faz previsão; assista

  • Tv Foco
  • 11 Nov 2018
  • 18:33h

Silvio Santos ligou para Bolsonaro no Teleton (Foto: Reprodução/SBT)

A edição de 2018 do Teleton contou com algo inédito. Pela primeira vez, um Presidente da República ligou para Silvio Santos e pediu que o público contribuísse com doações para a AACD. No caso, o presidente eleito Jair Bolsonaro, que toma posse no início do ano que vem. Silvio, inclusive, elogiou bastante Bolsonaro em sua ligação e fez previsões para o futuro do Brasil. “Eu acho que nos próximos 8 anos, o senhor vai ficar no governo”, disparou Silvio Santos, que elogiou a escolha do presidente eleito de colocar o juiz federal Sérgio Moro como ministro da Justiça e Segurança Pública. Segundo Silvio, o próprio Moro substituirá Bolsonaro na presidência. “O Brasil vai ter 16 anos de homens com vontade de fazer o Brasil caminhar. Pode ser que isso não aconteça, mas se defender da minha vontade e das pessoas que querem ver o Brasil pra frente, 8 anos com Bolsonaro e 8 com o Moro vai ter 16 anos e um bom caminho”, disparou. Bolsonaro ainda iria tornar pública uma doação para o programa, mas Silvio pediu para que ele não revelasse o valor, pois causaria polêmica tanto se fosse alto ou baixo. “É a primeira vez que um presidente teve a gentileza de ligar pra mim“, destacou ainda.