BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"

Segurança de farmácia filmado matando morador de rua chora ao ser preso e diz que morte foi acidental

  • 18 Jan 2019
  • 11:00h

Foto: Divulgação/ Polícia Civil

O segurança de uma farmácia, Selmar Pereira Silva, preso após ser filmado matando o morador de rua Danilo Souza Amaral, de 19 anos, chorou, nesta quinta-feira (17), e disse que a morte do jovem foi acidental, em Goiânia. O homem afirmou que atingiu Danilo ao cair sobre ele. A Polícia Civil diz que versão dele não convence e o indiciou por homicídio duplamente qualificado. “Na hora que eu vou descendo, é a hora que ele me ameaça de novo, eu volto e dou um murro nele. A minha intenção, quando eu dei o murro e joguei ele no ferro, foi só jogar e ele cair do outro lado. Foi a hora que infelizmente eu peguei a faca, na intenção de ele ver e soltar. Quando ele viu a faca ele se assustou levou o peso dele e me levou também. Dá para perceber que eu puxo rapidão a faca”. “Eu não queria isso, minha filha me vendo algemado, preso. Não é isso que eu quero, toda a vida eu trabalhei. Eu trabalho de domingo a domingo, trabalho em dois empregos”, disse o vigilante.A drogaria onde o segurança trabalhava informou, por meio de nota, que lamenta o ocorrido e que não sabia da existência da faca usada no crime. Também de acordo com o comunicado, “as medidas administrativas para o desligamento do funcionário envolvido no caso já foram tomadas”.A drogaria onde o segurança trabalhava informou, por meio de nota, que lamenta o ocorrido e que não sabia da existência da faca usada no crime. Também de acordo com o comunicado, “as medidas administrativas para o desligamento do funcionário envolvido no caso já foram tomadas”. Selmar foi preso na quarta-feira, um dia após o crime, ocorrido por volta das 22h30 de terça-feira, na porta de uma farmácia na Praça da Bíblia, no Setor Leste Universitário, em Goiânia. Imagens de câmeras de segurança mostram o momento em que o segurança e o morador de rua entram em luta corporal, e o homem saca a faca e atinge o jovem (veja vídeo acima). A delegada Magda D’ávila, responsável pelas investigações, disse que versão do homem não convence a polícia. “As imagens falam por si só. São imagens fortes que mostram perfeitamente o autor desferindo a facada no peito da vítima. Ele vai ser indiciado por homicídio duplamente qualificado, pena de 12 a 30 anos”, disse.

Polícia prende procuradora aposentada condenada por torturar criança

  • 17 Jan 2019
  • 17:08h

Vera Lúcia Sant'anna Gomes foi solta no Rio — Foto: Reprodução / TV Globo

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na manhã desta quinta-feira (17) a procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia de Sant’anna Gomes, condenada por torturar uma menina de 2 anos que pretendia adotar.Nesta quarta, a GloboNews localizou Vera em seu apartamento, em Ipanema, na Zona Sul do Rio – a Justiça a considerava foragida havia três anos. A procuradora saiu levada por policiais para a Cidade da Polícia por volta das 8h15, mas passou mal e teve de ser atendida no Hospital Copa D'Or. O episódio chocou o país em 2010. Além de espancar a menina de 2 anos que pretendia adotar, a procuradora aposentada também xingava a criança, segundo a denúncia. Na época, ela tinha a guarda provisória da menina. O Conselho Tutelar recebeu a denúncia de maus-tratos e retirou a menina do apartamento de Vera Lúcia no dia 15 de maio de 2010. No mesmo dia, ela foi presa preventivamente. Em 7 de julho do mesmo ano, Vera Lúcia foi condenada em primeira instância a 8 anos e 2 meses de prisão em regime fechado. Em segunda instância, o Tribunal de Justiça do Rio reduziu a pena para 5 anos e 5 meses de prisão em regime semiaberto, em 20 de março de 2014. Uma semana depois, a procuradora foi solta após obter um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal. Depois de esgotadas todas as possibilidades de recurso, o Tribunal de Justiça do Rio decretou a prisão de Vera Lúcia para que ela começasse a cumprir pena em regime semiaberto, em 13 de maio de 2016. E desde então, ela estava foragida. A defesa dela já pediu, mais de uma vez, que ela fosse beneficiada com a concessão da liberdade condicional. No pedido do ano passado, a defesa alegou que, apesar de já ter cumprido o tempo suficiente em regime fechado, ela teve um novo mandado de prisão expedido para cumprimento da pena em regime semiaberto. O pedido de habeas corpus diz ainda que o novo decreto de prisão contraria o Código Penal, que determina o tempo de cumprimento da pena para fins de livramento condicional. O advogado afirma no documento que o decreto prisional é “totalmente ilegal”. A Justiça, no entanto, negou o pedido e arquivou o habeas corpus.

Jonas Torres, irmão do ator Caio Junqueira, diz que situação é 'muito delicada'

  • 17 Jan 2019
  • 16:07h

Foto: Reprodução/TV Globo; Bob Paulino/TV Globo

Jonas Torres, irmão do ator Caio Junqueira, conversou brevemente com o G1 na manhã desta quinta-feira (17) e falou sobre a situação após o grave acidente no qual se envolveu o ator. Na tarde de quarta-feira (16) na altura do Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, Caio perdeu o controle do carro, subiu o meio-fio, bateu em uma árvore e capotou. O ator ficou preso dentro do veículo, desacordado, e foi levado para o Hospital Miguel Couto, no Leblon, onde segue internado.“A gente está esperando pra ver o que acontece. Muito delicada a situação. Assim que tiver alguma coisa relevante, a família vai dizer”, explicou Jonas.Na manhã desta quinta-feira (17), a Secretaria Municipal de Saúde informou que Caio segue internado em estado grave e “recebendo os cuidados necessários”.

Rapaz que pedia fotos de abuso sexual entre mãe e bebê é preso por estupro virtual; mulher também foi detida

  • G1
  • 17 Jan 2019
  • 11:06h

Foto: Reprodução/Facebook

Um morador de Itu (SP) de 25 anos foi preso por extorsão e estupro virtual nesta quarta-feira (16). A Polícia Civil também prendeu em Araçariguama (SP) a mãe de uma menina de 1 ano, que enviava fotos de abusos sexuais com a criança ao suspeito. A mulher de 22 anos irá responder por estupro de vulnerável praticado contra a filha. Segundo apurado pelo G1, a mãe da criança registrou um boletim de ocorrência na delegacia de Araçariguama depois de ser ameaçada por um rapaz que conheceu no Facebook. Conforme o relato da mulher, em abril de 2018, os dois trocaram fotos íntimas e, no dia 24 de dezembro, Paulo Ricardo dos Santos pediu para que a jovem mandasse fotos da filha dela, atualmente com 1 ano. Ela encaminhou fotos do pé da criança, da menina tomando banho e, por fim, com a boca na vagina da criança. A mulher afirmou que mandava fotos dela mesma inicialmente sem ser ameaçada, porém Paulo começou a insistir por mais material pornográfico da mãe com a filha. Ela teria se negado e o rapaz passou a publicar ameaças em sua página do Facebook. Assim que ela parou, as ameaças aumentaram.As polícias de Araçariguama e Itu conseguiram identificar o rapaz. Recentemente houve o registro de boletim de ocorrência no nome dele por posse de drogas e outro quando ele teve o celular apreendido com pornografia infantil. O rapaz foi levado para a cadeia em Pilar do Sul (SP) e irá responder por extorsão e estupro virtual por conta das ameaças de publicar as fotos. A prisão temporária de 30 dias dos dois foi decretada pela Justiça. A mãe da menina, que denunciou o rapaz, foi autuada por estupro de vulnerável e responderá por fotografar e encaminhar fotos da criança nua. A mulher foi presa e levada para Cesário Lange (SP). A criança está com os avós maternos.

Jovem que matou ex durante ato sexual deixa prisão para se casar com detento

  • 17 Jan 2019
  • 09:08h

Foto: Rede Amazônica/Ricardo Araújo

Vânia Basílio Rocha, de 21 anos, casou-se na tarde desta quarta-feira (16) em Vilhena (RO), a 700 quilômetros de Porto Velho. A jovem é condenada por matar o ex-namorado a facadas, durante o ato sexual, em dezembro de 2015. Já o marido dela cumpre pena por assalto. O casal recebeu autorização da Justiça para oficializar a união em um cartório da cidade.Vânia chegou ao cartório escoltada por agentes do presídio feminino. Ela não usou um vestido branco e manteve o tradicional uniforme prisional para dizer "sim" ao noivo. Já o noivo Luiz Fernando dos Santos, de 31 anos, estava acompanhado de militares do Corpo de Bombeiros, onde cumpre pena. A imprensa não foi autorizada a fazer registros dentro do cartório. Na cerimônia, Vânia e Luiz trocaram alianças e deram um beijo para selar a união estável. Após o casamento, Vânia retornou para a unidade prisional e Luiz Fernando para o batalhão. Segundo a direção do presídio feminino, como o casamento aconteceu após a prisão deles, é necessário autorização judicial para que haja visitas entre eles.Atualmente, o casal não dispõe dessa autorização e vai continuar se relacionando por cartas. Os presos não recebem nenhum benefício em virtude do casamento.

‘Ele batia na gente e só sossegava quando via sangue’, diz mulher que vivia em abrigo de pastor

  • 16 Jan 2019
  • 18:05h

Foto: Reprodução/TV Globo

“Esse homem é um psicopata, é um monstro. Ele batia na gente e só sossegava quando via sangue escorrendo”. São com essas palavras que uma das mulheres que estava internada na casa de recuperação Chácara Jovem Resgate descreve o Pastor Edy de Jesus. Ele foi preso, nesta quarta-feira (16), suspeito de praticar violência física e psicológica, no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife.  Na terça-feira (15), doze pessoas prestaram depoimento, sendo nove mulheres e três crianças, que relataram as agressões vividas no abrigo. Segundo a Polícia Civil, o local não tinha autorização para funcionar. Para a jovem de 22 anos, que não quis se identificar, os cinco meses de internamento na chácara foram traumáticos. "Eu passei noites de terror lá. Estou muito assustada com essa situação. O que ele fazia com a gente, não se faz nem com um bicho. Ele é muito agressivo. 'Dava' de mangueira, de barrote. Ele já agrediu até meus dois filhos, um de 5 e um de 3 [anos]", afirma a vítima. A irmã dela, de 20 anos, também passou pela unidade de tratamento. Ela conta que apanhou, ficou sem comer e foi obrigada a dormir em um quarto sem luz e com cobras. "Lá era um tratamento, mas nem parecia. A gente deveria ser tratada e não maltratada. Eu era uma das vítimas que ia para o quatro das cobras. Eu já passei dois dias lá sem comer e sem lâmpada. Ele batia na minha cara, eu fui algemada e tudo", diz a jovem.As duas explicam que eram ameaçadas para não contar aos parentes o que acontecia. Quando o contrariavam, elas relatam que apanhavam e recebiam castigos, como proibição de visitas ou ligações. “Quando nossa família chegava, a gente não tinha nem oportunidade [de contar o que acontecia], porque ele ameaçava que se a gente falasse, a gente ia pagar quando nossa família saísse”, diz uma das vítimas. A mãe das garotas conta que ninguém esperava que algo assim pudesse acontecer e que as filhas estão traumatizadas. A família pede justiça. "Na frente da gente, ele demonstrava ser uma ótima pessoa. Mas tudo é uma farsa. Ele não é pastor, é um impostor. Já chorei muito, pedi muito perdão à Deus, porque eu botei minhas filhas lá para se tratarem, se recuperarem e saírem bem. Não para serem maltratadas e espancadas", afirma. Segundo a Polícia Civil de Pernambuco, as investigações tiveram início a partir de informações repassadas pelo Conselho Tutelar do município, na segunda-feira (14). Em visita da equipe da TV Globo à Chácara Jovem Resgate, na terça-feira (15), o pastor Eddy de Jesus, fundador do Ministério Pentecostal, explicou que o tratamento no local era feito "só com orientação espiritual". O religioso negou qualquer tipo de ameça ou maus-tratos, especialmente usando cobras. Segundo ele, as serpentes entravam no local usando árvores próximas ao telhado. Eddy de Jesus ainda afirmou que o único castigo adotado dentro da casa era de se recolher.

Ator Caio Junqueira sofre acidente e é internado em estado grave

  • 16 Jan 2019
  • 17:01h

Foto: Reprodução/TV Globo

O ator Caio Junqueira se envolveu em um grave acidente na altura do Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, na tarde desta quarta-feira (16).Após seu carro capotar, ele ficou preso dentro do veículo, desacordado, e foi socorrido e levado para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Por volta das 16h20, a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela unidade, informou que o paciente seguia em atendimento com o quadro grave.Os primeiros a chegarem ao local foram agentes do Aterro Presente. Segundo a assessoria de imprensa do programa Segurança Presente, Caio está com uma fratura exposta no braço e foi sedado.Familiares contaram ao G1 que o ator foi levado para a sala de trauma e passará por uma cirurgia.O artista de 42 anos atuou no filme "Tropa de elite", interpretando Neto, o aspirante "06" que tentava entrar no Batalhão de Operações Especiais (Bope). Um de seus últimos trabalhos foi na série "O mecanismo", sobre a Lava Jato. O Corpo de Bombeiros informou que foi acionado às 13h20 para um capotamento na Avenida Infante Dom Henrique. Segundo testemunhas, o carro teria subido o meio-fio e bateu em uma árvore antes de capotar. As pistas do Aterro foram fechadas após o carro se envolver no acidente e foram parcialmente liberadas por volta das 14h50.Devido às retenções, o Centro de Operações recomenda que os motoristas utilizem a Praia do Flamengo, pelo Túnel Rebouças ou pelo Santa Bárbara.

Após decreto que facilita porte de armas, Polícia Federal teme sobrecarga

  • Uol
  • 16 Jan 2019
  • 11:08h

Foto : André Ritcher / Agência Brasil

Entidades que representam delegados e agentes da Polícia Federal temem a sobrecarga sobre o órgão após a flexibilização do porte de armas anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta terça-feira (15). O temor é de que as novas regras causem um aumento da demanda sobre a PF, que atualmente é a única responsável pelo registro das armas legais no país e que está com seu quadro de pessoal defasado.  Entre as alterações, o decreto amplia de cinco para 10 anos o prazo para que o registro de posse de uma arma seja renovado e estabelece um limite de quatro armas por pessoa que pode ser ampliado dependendo do caso.  Atualmente, o registro de posse e porte de armas é feito exclusivamente por agentes e delegados da PF em todo o Brasil.  Para o presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal), Edivandir Paiva, a expectativa é de que com a flexibilização das regras, a demanda pelos registros de posse tenderá a crescer e, com isso, aumentará a carga sobre a PF.  "Se você flexibiliza os critérios de registro de posse, vai aumentar a demanda. E se aumentar a demanda, vamos precisar de mais gente. Hoje, o déficit de pessoal da PF é muito grande. O cobertor é curto"afirmou.  Estima-se que o quadro da PF atualmente seja de 10,8 mil policiais, sendo que há um déficit (cargos vagos) de aproximadamente 4.200. O presidente da Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais), Luiz Antônio de Araújo Boudens, diz acreditar que as novas regras vão causar uma sobrecarga inicial na PF. Ele afirma que diversas fases do processo de registro de posse de uma arma demandam a ação de agentes e delegados da PF e que, em razão do quadro enxuto do órgão, a tendência é que os pedidos demorem mais tempo para ser avaliados.  "O processo para registrar uma arma no Brasil demanda muito trabalho. É quase uma investigação que se faz para saber se quem está comprando se encaixa no perfil. É um processo que demanda tempo e pessoal. Com o quadro que temos, se houver aumento da demanda, vamos ter problemas", afirmou Boudens.  Ele explicou que, para ter acesso a uma arma legalizada, o cidadão precisa ir a uma loja, escolher o produto e preencher o cadastro contendo informações pessoais e a declaração de efetiva necessidade. A loja, então, envia os dados para a PF, que analisa os documentos e as informações para deferir ou indeferir o pedido.  Somente após o deferimento do registro é que o comprador pode retirar a arma junto à loja. O registro de posse, no entanto, não permite, obrigatoriamente, que a pessoa possa portar a arma. As regras de porte, mais restritas, não foram alteradas. 

Brasil: Marido cola cartaz em carro para avisar que mulher fez cesárea

  • G1
  • 16 Jan 2019
  • 10:10h

Foto: Reprodução/RPC

Um cartaz colocado no vidro de um carro em Cascavel, no oeste do Paraná, acabou chamando a atenção e viralizando nas redes sociais. Com a frase “Carro lento - minha esposa fez cesária”, o motorista teve a intenção de alertar os outros veículos que poderia trafegar em baixa velocidade. Um dia depois que a família voltou para a casa, lembra o motorista de caminhão Julian José Signoratti - pai da Júlia, de cinco dias, e marido de Daniela de Castilho Baldo -, a sogra teve a ideia de colocar o aviso no carro. “Por causa da cesária, a gente veio devagar. O trânsito muito apavorado, com o povo buzinando, xingando, mostrando o dedo, sentimos necessidade de avisar, porque ninguém estava sabendo o que estava acontecendo”, explicou. De acordo com ele, a mensagem espalhou paciência entre os motoristas. “Deu resultado. Aí ninguém fez mais nada. Teve até gente que buzinou e fez sinal de positivo”, destacou o motorista que disse também ter aprendido a lição. “Você tem que respeitar o próximo.” Desde que a iniciativa foi parar na web, a família só ouve uma pergunta: “E o cartaz?”, contou Daniela. O cartaz, que foi parar no lixo, já que a família não pretende sair de casa até que a mãe se recupere do parto, foi resgatado depois do sucesso na internet. "Nós não esperávamos esta repercussão toda", disse Irene de Castilho. Por causa da fama inesperada, a família decidiu guardar o cartaz já que é a primeira grande história da vida da Júlia e também uma importante lição para se colocar em prática por todos.

Menina com leucemia deixa carta para voluntária antes de morrer

  • 16 Jan 2019
  • 09:05h

Foto: Arquivo pessoal/Gabriella Pereira

A voluntária Gabriella Pereira, de 23 anos, passou os últimos dois anos visitando a menina Jullia, de oito, em um orfanato de São Paulo. Jullia lutava contra a leucemia, um tipo de câncer que começa na medula óssea, tecido responsável pela fabricação de todos os elementos do sangue. A doença se agravou no começo deste ano, e a menina deixou uma carta para Gabriella. "Obrigada por vir me ver"."Ela me ensinou a saber o que é ter um amor de mãe, sem ser mãe. Em não reclamar das coisas, eu nunca vi ela reclamando de nada", disse Gabriella ao G1.A carta chegou na última quarta-feira (9), mesmo dia que Jullia morreu. A carta foi escrita no dia 1º de janeiro em uma agenda da Branca de Neve. O texto começa no dia 27 de janeiro, não por acaso. "É o dia do meu aniversário. A Jullia queria me entregar nesse dia", lembra Gabriella. Mas a voluntária recebeu a carta no mesmo dia que Jullia foi morar 'com papai do céu', como escreveu. "Quero te pedir obrigado por me conhecer, por vir me ver", diz a carta escrita com a ajuda de uma assistente social. "Você é a minha melhor amiga e eu queria que você fosse a minha mãe, pedi para o papai do céu me fazer sarar, porque aí você ia arrumar os documentos e me adotar." "Tia Gabi, eu te amo, e estou pintando as bolinhas do calendário igual você disse e só faltam duas fileiras para o dia do seu aniversário, mas estou muito doente e com dor, por isso, se eu for morar com o papai do céu, não fica triste, porque eu te amo e só você é a minha melhor amiga", assinou Jullia no final da carta. Gabriella conta que até conhecer Jullia fazia trabalhos voluntários com moradores em situação de rua, visitava albergues e orfanatos. Entregava comida, cobertores e fraldas aos desamparados. "Quando conheci a Jullia parei com os projetos e só me dedicava a ela", afirmou. A jovem sempre que podia visitava a menina no orfanato. "Dia das Crianças, aniversário, Natal, entre outras datas, sempre tive comigo que precisava dar uma passadinha pra ver a magrelinha, porque as outras crianças tinham alguém que visitava e ela tinha apenas eu, sua irmã foi adotada quando tinha meses, mais a Júlia estava com 8 e tinha leucemia e lutava pela cura todos os dias", relatou Gabriella em um post que viralizou nas redes sociais. "Tenho comigo que fiz tudo que pude, todos os pedidos que fez em vida foram realizados e não me arrependo de nenhum deles." Ao G1, Gabriella revelou que pensou sim em adotar a menina, mas "Eu sempre tive vontade da adoção desde que conheci ela. Como sou nova é uma decisão muito difícil, não sou casada. Não tenho casa própria, é muito difícil. Não cheguei a dar entrada na papelada." Depois da morte de Jullia, Gabriella, moradora de Barueri, que trabalha no departamento jurídico de um banco em São Paulo, diz que vai parar com o voluntariado. "Nos próximos anos não vou mais trabalhar com isso. Não tenho mais estrutura. Vou seguir minha carreira."

Após ficar viúvo, idoso de 94 anos se forma em Direito e quer fazer pós-graduação

  • 15 Jan 2019
  • 17:10h

Foto: Ronaldo Daros/RBS TV

Um senhor de 94 anos colou grau em Direito no último sábado (12), em Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul. Simão Sklar recebeu das mãos do filho o diploma de conclusão do curso. Ao G1, ele contou que é uma emoção muito grande colar grau nesta idade. O filho dele, José Luiz Sklar, também formado em Direito, afirmou que entregar o diploma para o pai “é um pouco até 'antinatural'”. “Normalmente, são os pais que entregam aos filhos", diz. Durante a solenidade, Simão recebeu homenagens de oradores e paraninfos, que o citaram como exemplo de garra e superação. Sem pressa, Simão concluiu o curso em sete anos. Em breve, ele prestará a prova do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e quer fazer pós-graduação. A decisão de voltar a estudar ocorreu quando se tornou viúvo. Três meses após a morte da esposa, que fora sua primeira namorada, ele teve um estalo: “'estou tendo uma atitude covarde, eu não posso fazer isso, que exemplo que eu vou deixar pro meu pessoal?'", se questionou.

MP denuncia João de Deus por estupro de vulnerável e violação sexual e faz novo pedido de prisão

  • 15 Jan 2019
  • 16:10h

Foto: Reprodução/JN

O médium João de Deus foi denunciado nesta terça-feira (15) por novos crimes de estupro de vulnerável e abuso sexual mediante fraude durante atendimentos espirituais realizados em Abadiânia. Além disso, o Ministério Público fez um novo pedido de prisão. O documento envolve crimes contra quatro mulheres de Goiás e uma de São Paulo. O médium segue preso no Núcleo de Custódia e nega os crimes. Além das cinco vítimas, a denúncia conta com relatos de mais oito mulheres do Distrito Federal, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão e Rio Grande do Sul. No entanto, ele não foi denunciado por esses casos por terem prescrito. De qualquer forma, eles ajudam a embasar a denúncia. Os crimes ocorreram entre 1990 e 2018. "A prescrição acontece quando o Estado não é informado a tempo. O prazo máximo para se denunciar é de 20 anos, com uma benesse que reduz o prazo pela metade em caso de menor de idade e se o acusado tem mais de 70 anos", afirmou a promotora de Justiça Paula Moraes. Em nota, o advogado Alberto Toron, que defende João de Deus, disse que "chega a ser medonho o que os membros do MP está fazendo no caso", pois não informam a defesa de nada e marcam interrogatório um dia antes, não dando o tempo necessário para que os advogados leiam todo o documento. Os promotores alegam que infomaram a defesa três dias antes, na sexta-feira (11). Toron pontuou ainda que o proceso "é a antítese do que deve ser um processo no estado democrético de direito". A denúncia foi protocolada no Fórum de Abadiânia às 11h30. O pedido de prisão preventiva contido nela é para proteger as vítimas nas fases de depoimento na Justiça, de acordo com os promotores. “O novo pedido refere-se a preservar a integridade das vítimas e a garantir coleta de depoimentos na fase judicial, tendo em vista que as vítimas relataram temer represálias, aos quais as levaram a não denunciar antes”, disse o promotor Augusto Cezar Borges Sousa.

Motorista de aplicativo é preso suspeito de estuprar passageira e anotar perfil de rede social no corpo da vítima

  • 15 Jan 2019
  • 14:08h

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Um motorista de aplicativo, de 41 anos, foi preso suspeito de estuprar uma passageira e marcar a rede social dele no corpo da vítima, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, ele se aproveitou que a jovem, de 22 anos, estava embriagada e não conseguia reagir ao crime.O crime aconteceu na madrugada de sexta (11), quando a vítima deixou uma reunião com amigos e seguiu para casa, na região leste da capital. “Foi uma amiga que chamou o motorista pelo aplicativo. A jovem disse que se lembra apenas de flashs, do motorista vestindo a roupa e mandando ela descer do carro na rua da casa dela”, disse a delegada Ana Elisa Gomes.Em nota, a Uber, empresa na qual o motorista é cadastrado, "lamenta o crime terrível que foi cometido", que "nenhum comportamento criminoso é tolerado" e qie "o motorista foi banido do aplicativo assim que a denúncia foi feita". Além disto, "repudia qualquer tipo de comportamento abusivo contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência"  De acordo com as investigações, o motorista manteve a vítima no carro por três horas, sendo que o percurso deveria durar cerca de 15 minutos. Na manhã de sexta-feira, a jovem procurou a Polícia Civil para denunciar o crime. “Ela fez exames no IML que comprovaram o estupro. Além disso, o motorista anotou o Instagram dele na canela dela usando uma caneta”, relatou a delegada. O homem foi preso no sábado (12) e ficou em silêncio durante todo o depoimento. Ele vai responder por estupro de vulnerável, devido ao fato da vítima estar embriagada e não conseguir reagir ao crime, e foi encaminhado para o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O carro do suspeito também foi apreendido para ser periciado. De acordo com a polícia, ele já tem passagens pela polícia por contrabando e homicídio culposo no trânsito. O homem também trabalha em programas de assistência social vinculados à Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Em nota, a Secretaria de Assistência Social de Aparecida de Goiânia informou que, "desde que ficou sabendo da denúncia e da prisão do suspeito" retirou-o da da função que ele ocupava no órgão e o exonerou do cargo em comissão que ele ocupava desde maio de 2017.

Brasil: Casal suspeito de homicídio troca beijos durante apresentação em delegacia

  • 14 Jan 2019
  • 17:03h

Foto: Eliana Nascimento/G1 Amazonas

Um casal suspeito de matar um homem em março de 2018, na Zona Leste de Manaus, foi preso e apresentado pela polícia na manhã desta segunda-feira (14). Durante coletiva de imprensa, Ítalo Amaral Pinho, 44, e Silvane Ribeiro da Silva, 26, sorriram e trocaram carinhos e beijos. Em depoimento, o homem confessou o crime. De acordo com a Polícia Civil, o casal é suspeito de participação no homicídio de um homem de 32 anos, ocorrido no dia 23 de março de 2018. Além do casal, outras duas pessoas suspeitas, um pastor e uma missionária, já foram presas. Desde o início, ainda em 2018, a investigação da Polícia Civil apontava que a vítima teria um relacionamento amoroso com Silvane, apresentada nesta segunda-feira, e a outra mulher já presa, uma missionária. Todos os envolvidos no crime frequentavam a mesma igreja. Conforme o delegado-adjunto da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (Dehs), Charles Araújo, o crime foi passional e, agora com a prisão do casal, o caso é considerado elucidado. “Nas primeiras apurações a gente já levantou que ele [vítima] teria sido atraído para o local de oração, culto de alguns evangélicos, por duas mulheres, as quais ele [vítima] teria envolvimento amoroso. Em abril, prendemos o primeiro casal e, em depoimento, eles não negaram o crime e colocaram a participação de forma ‘branda’. O outro casal, o de hoje, localizamos em locais distintos”, explicou o delegado. Para a polícia, os suspeitos informaram que “não queriam matar a vítima, apenas ‘dar uma surra’ por conta do envolvimento dele com as duas mulheres”, completou. O homem foi assassinado com golpes de arma branca. Ítalo Pinho confessou a autoria do homicídio. Durante coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (14) na sede da Dehs, o casal sorriu e se beijou diante das câmeras. Os suspeitos foram indiciados por homicídio qualificado. Após os procedimentos cabíveis na unidade policial, por meio de um mandado de prisão temporária, eles serão encaminhados para unidades prisionais do Amazonas.

Datafolha: 84% dizem ser favoráveis à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos

  • 14 Jan 2019
  • 11:49h

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (14) pelo jornal "Folha de S. Paulo" aponta que 84% das pessoas que responderam à enquete são favoráveis à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Segundo a pesquisa, 14% são contrários à alteração da lei, 2% são indiferentes ou não opinaram. Segundo o jornal, a pesquisa foi feita entre 18 e 19 de dezembro de 2018 e ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. A alteração da idade mínima para que uma pessoa possa ser presa por um crime é alvo de projetos em tramitação no Congresso. Atualmente, infratores entre 12 e 18 anos vão para os sistemas de cumprimento de medida socioeducativa, geridos pelos governos estaduais.

Opinião sobre a redução da maioridade penal, segundo a pesquisa:

  • favoráveis: 84%
  • contrários: 14%
  • indiferentes: 2%
  • De acordo com a pesquisa, entre favoráveis à redução, 33% defendem que a medida deve valer somente para determinados crimes, enquanto 67% acham que ela deve ser aplicada a todos os tipos.Os entrevistados na pesquisa apontaram a idade mínima de 15 anos, em média, para que uma pessoa possa ser presa por um crime. Para 45%, a faixa etária mínima deveria ser de 16 a 17 anos. Todos os recortes:
  • 18 a 21 anos: 15%
  • 16 a 17 anos: 45%
  • 13 a 15 anos: 28%
  • 12 anos: 9%

    Opinião entre homens e mulheres:

  • mulheres: 17% não apoiam a redução
  • homens: 11% são contrários