BUSCA PELA CATEGORIA "Bahia"

Mulher denuncia homofobia de gerente de restaurante na BA que pediu para ela não beijar namorada

  • G1
  • 17 Nov 2019
  • 09:15h

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Uma mulher de 30 anos, engenheira e empresária denunciou nas redes sociais e à Polícia Civil o crime de homofobia que sofreu quando estava acompanhada da namorada, no restaurante Barravento, que fica no bairro da Barra, em Salvador. Gabriella Santana Garrido detalhou em entrevista ao G1 que o caso aconteceu na última sexta-feira (15), quando ela foi fazer uma refeição no estabelecimento e assistir o pôr do sol com Maiana Mendes, que também tem 30 anos. Segundo a engenheira, após ela acariciar a namorada e receber um selinho, o gerente do restaurante foi até a mesa dela e pediu para ela "contivesse os contatos e diminuísse as acarícias". "A gente estava no Barravento, eu fui com minha namorada, consumir no local e ver o pôr do sol. Depois de comer dois pratos, fomos para uma mesa mais próxima da faixada, fizemos algumas fotos e lembro de ter feito uma carinho no cabelo dela [Maiana] e também dei um beijo próximo do cabelo dela, que retribui com um selinho", contou Gabriella. "Logo em seguida, ele me abordou e pediu para que a gente contivesse o nossos contatos e diminuísse nossas caricias. Eu me levantei, perguntei se ele estava fazendo um ato homofóbico e pedi para falar com o superior dele e aí ele falou que não tinha ninguém que respondesse por ele no local, porque ele era o gerente da casa", completou. Gabriella contou que ela pediu para que o gerente, que foi identificado como "Senhor Aurélio" passasse os dados dele para que ela pudesse registrar o caso na delegacia. "Ele [gerente] disse que não tinha problema e me disse o nome dele". A engenheira também informou que o a sensação que ela teve foi de impotência e que começou a chorar. "Eu desabei em lágrimas, isso nunca tinha acontecido na minha vida. Alguns casais presenciaram o momento e foram até minha mesa para me consolar, perguntaram se poderiam me dar um abraço", lamentou Gabriella. "Graças a Deus existem pessoas boas no mundo. Uma mulher mandou eu denunciar e disse que era um caso de homofobia. Ela disse que tinha acabado de beijar o marido e não foi abordada". Em nota divulgada nas redes sociais, o restaurante Barravento informou que repudia qualquer ato de intolerância a gênero, cor, sexualidade, entre outras que violam o direito humano a liberdade de escolha. Entretanto, o estabelecimento contou que caso "não passou de uma interpretação equivocada da consumidora", porque o restaurante tem um público diversificado e reafirma o compromisso com a diversidade. Na publicação, o restaurante Barravento também informou que realizou há 30 dias, uma cerimônia de casamento, de um casal LGBT. A postagem foi apagada pelo estabelecimento após a reação do público. Em nota enviada pelo estabelecimento ao G1, o Barravento lamentou o transtorno que possa ter causado a seus clientes, disse que atos discriminatório e pediu desculpas a quem tenha se sentido ofendido. O Restaurante Barravento também informou que toda a sua equipe de atendimento vai passar pelo Programa de Combate à Lgbtfobia institucional Municipal de Salvador. O caso foi registrado na delegacia da Barra, onde é investigado. Não há detalhes de se o suspeito foi ouvido pela polícia.

Morre segunda vítima de acidente com aeronave que caiu no sul da Bahia; oito feridos seguem internados

  • G1
  • 17 Nov 2019
  • 07:01h

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Morreu na noite deste sábado (16), em Salvador, a segunda vítima do acidente com um jato executivo que caiu em Barra Grande, distrito que pertence a Maraú, no baixo sul da Bahia, ocorrido na quinta-feira (14). A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Maysa Marques Mussi, de 27 anos, estava internada no Hospital Geral do Estado (HGE), na capital baiana, após ser transferida do Hospital do Subúrbio, neste sábado, onde estava internada desde o dia do acidente. Não há informações sobre o sepultamento dela. O acidente, que aconteceu na quinta-feira (14), na pista de pouso de um resort de luxo que está desativado, já havia causado a morte da irmã de Maysa, a jornalista Marcela Brandão Elias, de 37 anos. O corpo dela, que ficou carbonizado, foi levado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus. Os peritos aguardam exames solicitados à família da vítima para fazer a identificação oficial por meio da arcada dentária, para, em seguida, liberar o corpo. Maysa casou com Eduardo Mussi em setembro, na cidade de Itacaré, no sul da Bahia. O marido dela, que está internado no Hospital Geral do Estado (HGE), é irmão do deputado federal licenciado Guilherme Mussi. Entre os padrinhos do casamento de Maysa e Eduardo estão a atriz Marina Ruy Barbosa e o marido, o empresário e piloto da Stock Car, Alexandre Negrão. A festa contou a presença de famosos como Carol Celico e o casais Elaine Mickely e César Filho e Roberto Justus e Ana Paula Siebert.

Bahia: Jornalista morta em queda de avião estava com filho de 6 anos e marido

  • G1
  • 16 Nov 2019
  • 08:06h

(Foto: Reprodução)

A mulher que morreu na quinta-feira (14) na queda de um jato executivo em Barra Grande, distrito que pertence a Maraú, no baixo sul da Bahia, era jornalista Marcela Brandão Elias, de 37 anos, informou a assessoria do deputado federal licenciado Guilherme Mussi, cunhado da irmã da vítima, que também estava no avião. Ela era casada com Eduardo Trajano Telles Elias, de 38 anos, que também estava na aeronave e segue internado no Hospital Geral do Estado (HGE) com queimaduras. O filho do casal, também chamado Eduardo, de 6 anos, está na mesma unidade, com ferimentos. Ambos não têm previsão de alta.O corpo de Marcela, carbonizado após a aeronave pegar fogo, foi levado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus. Até a última atualização desta reportagem, os peritos aguardavam exames solicitados à família da vítima para fazer a identificação oficial por meio da arcada dentária. Marcela era irmã de Maysa Marques Mussi, casada com Eduardo Mussi. Os dois estavam na aeronave e também estão internados na capital baiana. Eduardo é irmão do deputado federal licenciado Guilherme Mussi. Ele teve queimaduras e está no HGE. Maysa está no Hospital do Subúrbio. Os outros ocupantes da aeronave são Aires Napoleão, de 66 anos, que pilotava o jato; Christiano Chiaradia Alcoba Rocha, conhecido como Tuka Rocha, de 36 anos, ex-piloto da Stock Car, Fernando Oliveira Silva, de 26 anos, Marcelo Constantino, de 28 anos, e Marrie Cavelan, de 27 anos. Todos estão internados no HGE. Tuka teve 80% do corpo queimado. Em 2011, o ex-piloto da Stock Car já tinha escapado de um grave acidente, quando o carro que ele pilotava em uma competição pegou fogo, no Rio de Janeiro. Ele conseguiu se jogar do veículo. O acidente aéreo em Barra Grande é investigado pelo Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa II), a Aeronáutica. Nesta sexta-feira (15), militares do órgão estiveram no local do acidente para coletar dados que possam auxiliar nas investigações que vão apontar as causas da queda. Não há informações se o jato foi retirado do local.

Sobrevivente de acidente aéreo na BA, ex-piloto de Stock Car já havia escapado de carro em chamas

  • G1
  • 15 Nov 2019
  • 09:09h

( Foto: Reprodução/Instagram)

O ex-piloto de Stock Car, Tuka Rocha, um dos sobreviventes da queda de um avião, nesta quinta-feira (14), em Maraú, baixo sul da Bahia, também já havia escapado de um grave acidente durante uma competição da Stock Car, em 2011, no Rio de Janeiro. Tuka conseguiu escapar do veículo. O carro começou a pegar fogo na segunda volta da corrida, o piloto pulou, mesmo sem conseguir enxergar nada por causa da fumaça. Na época, TuKa revelou aos jornalistas sobre os momentos em que as chamas tomaram o veículo, contou que começou a desmaiar e não conseguia ver onde que era o freio. Diante disso, ele se jogou do carro e saiu rolando. Na época, ele teve uma leve lesão no pulmão provocada pela queda.No acidente desta quarta-feira, ainda não há detalhes do estado de saúde dele, mas Tuka está em uma unidade de saúde de Salvador. Além dele, parentes do deputado licenciado Guilherme Mussi estavam na aeronave. No acidente, uma mulher morreu e nove pessoas, incluindo Tuka, ficaram feridas. Segundo informações da assessoria de comunicação de Guilherme Mussi, a pessoa que morreu foi a irmã da esposa de Eduardo Mussi, que é irmão do deputado. A identidade dela não foi divulgada. Também estavam na aeronave o filho da vítima, Eduardo e a esposa dele. Todos eles sobreviveram, ainda conforme a assessoria de Mussi. Além de Tuka e Eduardo, outro nome de vítima confirmado é de Maísa Marques Mussi. Todos os sobreviventes foram transferidos para Salvador, por meio de um avião e dois helicópteros do Grupamento Aéreo da Polícia Militar da Bahia (Graer). Dos noves passageiros feridos, cinco estão no Hospital Geral do Estado (HGE) e três no Hospital Municipal, um foi encaminhado para o Hospital do Subúrbio, informou a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab). Do total de feridos, segundo o órgão, oito são adultos, sendo cinco homens e três mulheres, e uma criança do sexo masculino. A assessoria de imprensa do deputado Guilherme Mussi informou que ele está a caminho de Salvador para acompanhar de perto o estado de saúde dos familiares.

Conquista: Polícia conclui que morte de motorista de aplicativo foi premeditada e mandante de crime está preso por tráfico

  • G1
  • 15 Nov 2019
  • 07:01h

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

A Polícia Civil concluiu que a morte do jovem de 24 anos que trabalhava como motorista por aplicativo na cidade de Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia, foi premeditada. Conforme o delegado Marcus Vinicius, que investiga o caso, o mandante do crime está preso no no conjunto penal do município por tráfico de drogas. Segundo informações de Marcus Vinicius, os dois jovens, de 21 e 22 anos, que foram presos pela suspeita de matarem a vítima, no sábado (9), mudaram de versões durante as investigações. De acordo com o delegado, os suspeitos chegaram a usar o celular da vítima para dizer que Hiago Evangelista Freitas tinha envolvimento com o tráfico de drogas. "Pegou um chip, usou o próprio aparelho da vítima para mandar uma mensagem para a família informando que seria uma dívida do tráfico e colocou o nome de um integrante da facção rival. Nós percebemos logo no início que isso poderia ser uma forma de atrapalhar nossas investigações", disse o delegado. Os suspeitos contaram em depoimento que Hiago Evangelista Freitas tentou um envolvimento amoroso com a companheira do presidiário e por isso, ele teria ordenado a morte da vítima. "Segundo informações, a vítima teria começado a tentar um envolvimento com a mulher que tem o seu companheiro preso no conjunto penal. A partir do momento em que esse preso soube disso, ele determinou a morte e a subtração dos bens da vida. Não foi só o homicídio em si, ele também quis subtrair os pertences da vítima", contou Marcus Vinicius. Ainda segundo o delegado, um dos suspeitos, dias antes do crime, teria feito amizade com Hiago em uma rede social, no dia do crime. A corrida foi contratada por meio de um aplicativo de mensagens. "Ele confirmou que fez amizade na semana do crime, nós verificamos isso e é verdade. Foi para procurar saber um pouco da vida da vítima e investigar a vida. Ele convidou o Hiago para uma corrida pelo WhatsApp", explicou. O estudante de odontologia desapareceu após sair para fazer uma corrida, foi queimado vivo. A vítima foi encontrada morta no início da tarde de sexta-feira (8). Alexandre Cruz Brito, de 21 anos e Rodrigo Porto Oliveira Silva, de 22, confessaram o crime à polícia. Ao delegado Fabiano Aurich, responsável pela investigação do crime, a dupla disse que assaltou Hiago com um revólver falso e que o crime foi premeditado. Segundo informações do delegado Fabiano Aurich, que também investiga o caso, os suspeitos foram encontrados com a ajuda de um cão farejador. O animal levou os investigadores da Polícia Civil a um local próximo da casa do suspeito Rodrigo Porto, onde os policiais encontraram objetos pessoais da vítima. Hiago Evangelista Freitas era estudante de odontologia e desapareceu na noite de quarta-feira (6), após deixar a namorada em casa para fazer corridas no município. Ao delegado, os dois disseram ainda que depois imobilizaram Hiago e o levaram para a estrada que liga o bairro de São Sebastião à cidade de Barra do Choça, onde ele foi morto a facadas. O corpo de Hiago foi encontrado carbonizado. Os suspeitos disseram que mataram a vítima porque tinham medo de serem denunciados. Na casa de Rodrigo, a polícia apreendeu vários objetos pessoais da vítima, incluindo documentos, cartões de banco, a chave do carro que Hiago dirigia e o celular dele. O carro de Hiago foi deixado pelos suspeitos no bairro Alto Maron, também em Vitória da Conquista. Os policiais encontraram, também na casa de Rodrigo, o revólver falso usado para cometer o assalto. Os dois foram autuados em flagrante por latrocínio, que é o roubo seguido de morte, e por ocultação de cadáver. Além disso, Rodrigo também responderá por associação ao tráfico de drogas, adulteração de sinal identificador e posse ilegal de munição, por outros materiais encontrados na casa dele. O corpo da vítima foi enterrado no cemitério municipal de Guanambi, cidade natal do jovem que fica a cerca de 276 km de Vitória da Conquista, no sábado (9).

Bahia: Aeronave cai durante pouso em pista de resort e pega fogo; um morre

  • G1
  • 14 Nov 2019
  • 17:04h

(Foto: Dudu Face/Camamu Noticias)

Uma aeronave caiu durante o pouso na pista de um resort em Barra Grande, distrito do município de Maraú, no baixo sul da Bahia, na tarde desta quinta-feira (14). Segundo informações da assessoria de comunicação da prefeitura do município, o acidente ocorreu pouco depois das 14h, e deixou uma pessoa morta e outras feridas. Ainda não há informações sobre quantas pessoas estavam na aeronave, que é um jato executivo, e nem sobre o que provocou a queda do avião. Os feridos foram encaminhados, inicialmente, para um posto de saúde de Barra Grande. As vítimas não tiveram nomes e idades divulgadas. Não há informações sobre o estado de saúde dos sobreviventes, que, segundo a prefeitura, devem ser transferidos ainda nesta quinta para Salvador. Conforme registro da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), aeronave, um bimotor Cessna C550, de prefixo PT- LTJ, é de propriedade do empresário José João Abdalla Filho. Não se sabe se ele estava na aeronave, que foi fabricada em 1981.O pescador Ronaldo Amaral disse que viu o momento em que a aeronave deu uma volta no ar e depois começou a cair. "Eu estava pescando e vi o avião passando por cima de mim. Ele fez uma volta bem rápida e, depois, voltou para a pista. Em questão de segundos a fumaceira subiu", destacou.Silvia Almeida, que mora em Barra Grande, também disse ter visto o momento da queda da aeronave. "Eu estava passando pela praia de Taipu de Dentro e vi. Aí eu fui pra perto e comecei a filmar. Eu só não sei dizer se morreu alguém", relatou ao G1.

Bahia: Mulher denuncia racismo após filha ser expulsa de prédio por trançar cabelo

  • G1
  • 14 Nov 2019
  • 16:06h

(Foto: Reprodução)

A mãe de uma adolescente de 17 anos denunciou por racismo o porteiro e o condomínio onde mora com a família, em Pernambués, bairro de Salvador, após a filha dela ter sido abordada e expulsa da área de lazer do prédio porque a jovem trançava o cabelo de um amigo. Em entrevista ao G1 nesta quinta-feira (14), Sandra Moreira disse que já tinha usado as redes sociais para desabafar sobre a abordagem que a filha sofreu, no dia 12 de outubro. De acordo com ela, a menina estava sentada em uma das áreas comuns do prédio onde ocorria uma festa, quando o porteiro chegou abordando com tom agressivo."Ela estava trançando o cabelo do amigo até que o porteiro desceu gritando com ela. Agressivamente com ela. Mandando sair, batendo palma. Dizendo: 'aqui não é salão de beleza. Estou mandando você sair'. Em seguida, ele interfonou para minha casa dizendo: 'Dona Sandra, eu estou tendo problemas com sua filha. Ela está incomodando os moradores'. Eu então questionei: "O que ela está fazendo de errado?", disse.Horas depois, ainda segundo Sandra, o síndico também ligou para o apartamento da família. Nesse momento ficou decidido entre os dois que a adolescente iria para um outro local, a poucos metros de onde estava inicialmente. Mas houve uma segunda abordagem do porteiro."Ele [síndico] ligou pedindo para eu colocasse ela em outro lugar. Então eu mandei ela ficar embaixo, na área verde. Ela estava ouvindo muitas piadinhas. Uma moradora mandou que ela se retirasse do local também. Teve uma senhora que mandou ela pegar a cadeira para ela, dizendo que ela tinha que pegar. Eles não disseram nada antes. Já chegaram dizendo que minha filha estava incomodando. Mandaram que ela desligasse as luzes e tirasse as cadeiras. E ainda disseram que ela estava proibida de ficar ali embaixo", contou. "Ela sempre ficava ali embaixo. Já trançou o cabelo outras vezes, no mesmo local. Mas era durante a semana. Nunca teve nada. Ninguém proibiu ela de fazer. Por que justamente naquele dia? Só tinha ela de negra e mais dois amigos negros. E as pessoas que estavam aqui embaixo eram todas brancas. Qual o motivo de tirar minha filha do lugar se ela e moradora como outros?", questionou. A mulher disse ainda que se sente impotente diante da situação e que vai se mudar do condomínio, pois a filha passou a não se sentir bem no local. "Eu me sinto impotente. Muito triste. Nos dias de hoje a gente tem que conviver com esse tipo de ação. A minha filha teve que ir para o hospital, ficou três dias sem ir ao colégio, depois passou mal novamente. Começou a chorar dentro da minha casa. Ela não quer ficar aqui, de forma nenhuma. Vou me mudar por causa dela. Ela não se sente bem, não quer permanecer aqui. Não vou forçar minha filha a passar por isso. Não vou me calar", afirmou. Um mês após o caso, a adolescente conta que já não frequenta mais os espaços de lazer e que tem vivido com muita angústia. "Eu não entendo essa situação. Difícil. Tenho preferido ficar em casa. Já não descia muito, agora que eu realmente não desço mais. Eu não me sinto à vontade. Não quero nada, nada daqui. Já não gostava, agora pior. É um sentimento de angústia, de tristeza, raiva. É ruim. É horrível", pontuou a adolescente. O caso foi registrado na Delegacia Especializada de Repressão a Crime contra Criança e Adolescente (Dercca), no mês de outubro. Segundo a advogada da família, as investigações estão em andamento e ainda não há previsão para a conclusão do inquérito. O G1 procurou a administração do condomínio, mas até a última atualização desta reportagem, ninguém se manifestou sobre o caso.

Conquista: Menino escreve pedido para que mãe deixe ele faltar aula e faz sucesso na web

  • G1
  • 14 Nov 2019
  • 14:07h

( Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Um pedido por escrito para faltar aula, feito por um garoto de 12 anos, morador de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, fez sucesso nas redes sociais. O post feito pela mãe do adolescente através do Twitter recebeu mais de 30 mil curtidas e 5 mil compartilhamentos. "Mamãe, este recado é para lhe fazer uma pergunta: amanhã, você me autoriza a faltar? a) Sim, claro (5% de chance) b) Não, como sempre (95% de chance). Dependendo da sua resposta, eu, Lucas, entendo. Obrigado pela compreensão", dizia o recado do garoto. A funcionária pública Narjara Sandes, de 38 anos, mãe de dois garotos, Lucas, e Caio, de 9 anos, contou que foi dormir na noite de quinta-feira (7) e deixou os filhos acordados. No dia seguinte, a mãe acordou com uma surpresa. Lucas, que está no 7° ano do Ensino Fundamental, e ainda dormia, deixou um bilhete em cima da mesa pedindo para faltar a aula. "Eu já tinha ido dormir e ele [Lucas] ficou acordado. Quando eu acordei no outro dia, li o recado dele, mas não tinha como não deixar ele faltar. Eu achei tão engraçado, fiquei com uma pena de não deixar ele faltar, mas tinha que ter responsabilidade", disse Narjara.Segundo Narjara, o menino não poderia faltar aula, porque tinha atividades escolares para entregar na sexta-feira (8) e ainda precisa alcançar a média para passar de ano. No post, Lucas representou as chances de conseguir faltar a aula, em porcentagem: "apenas 5%". Ele também deixou claro o motivo do pedido: "Só quero uma folga". "Esse ano, ele [Lucas] não tem chance mais de faltar, agora só vai poder curtir nas férias. Se um dia mais tranquilo ele me pedir, eu posso até tentar, mas não pode ser uma coisa corriqueira", brincou a mãe de Lucas. "Ele ainda brincou comigo: 'Tá vendo, mamãe? Todo mundo falando pra você deixar eu faltar'", falou Narjara. Segundo ela, apesar de não ser um aluno que tira notas altas, Lucas é muito criativo e engraçado. "Eu dou muita risada com ele. É um aluno mediano em questão de nota, mas eu gosto de falar que nota não define as pessoas. Ele é muito engraçado, muito criativo, gosta de imitar as pessoas".

Bahia: Familiares de garotos denunciam homem que diz ser agenciador de futebol

  • G1
  • 14 Nov 2019
  • 08:00h

( Foto: Reprodução/TV Bahia)

Familiares de garotos que sonham em ser jogador de futebol na cidade de Ibicaraí, no sul da Bahia, denunciaram um homem que diz ser agenciador de atletas. Alessandro Nascimento, de 14 anos, é um dos jovens que recebeu a promessa de um homem chamado Cláudio Moraes, para jogar no Corinthians. Segundo o garoto, que treina pelo menos três vezes na semana, o agenciador informou que ele precisava pagar R$ 230 pelo contrato. "A gente pensou até que tinha acontecido um acidente com ele, um que aconteceu em Ilhéus, todo mundo perguntava se era ele que estava no carro. Ele sumiu nesse dia", contou o garoto. "Eu tive que arrumar esse dinheiro, tomar emprestado, porque ele [Alessandro] começou a chorar e falar que não ia dar certo e eu disse que ia. Aí peguei e tomei [dinheiro] do vizinho emprestado", disse a mãe de Alessandro, Tatiane Serpa. Ao todo 14 jogadores receberam propostas de Cláudio Moraes e cinco deles registraram ocorrência na delegacia de Ibicaraí. Célia Santos registrou queixa após pagar por um contrato para o filho jogar no Gil Vicente, clube que disputa a primeira divisão de Portugal. "Sempre foi o sonho dele [filho] jogar muito longe. Eu perdi R$ 600", lembrou. Segundo os familiares, Claudio Moraes negociava os preços através de áudios e vídeos enviados pelo WhatsApp. O treinador de futebol Anderson Lima foi a pessoa que manteve contato com Cláudio Moraes nos últimos dois meses. "Eu estou aqui comunicando a vocês tudo, a documentação vai ficar pronta hoje e esses contratos de Ibicaraí vão ser assinados amanhã a tarde e daí automaticamente vai ocorrer a liberação do dinheiro. Na sexta-feira pela manhã estaremos viajando", diz Claudio Moraes em vídeo enviado para os pais dos garotos. "Eu não dependo do dinheiro de ninguém, está certo? Eu não dependo do dinheiro de ninguém, mas essa taxa que eu coloquei aqui é a taxa simbólica que vocês têm de pagar. Isso aí é lei, se eu fosse colocar taxa de viagem, essas coisas, ninguém iria fazer isso, mas eu consegui o melhor, que foi o contrato. Eu não estou ganhando nada em cima de vocês", concluiu. De acordo com Anderson, os valores pagos pelos pais dos jogadores variaram entre R$ 200 e R$ 2 mil por atleta. Meninos de outras seis cidades da região também caíram no golpe. "As cidades que foram atingidas por esse golpe foram Ibicaraí, Itororó, Almadina, Itabuna, Ubatã, Ilhéus, Itapé e Itacaré. Dentro dessas cidades que eu citei são aonde eu tenho o meu trabalho regional conhecido, não só em Ibicaraí, mas em boa parte da região, foi aonde eu tive o contato dos alunos e que eu fui tentar levar oportunidades, sonhos oficiais para eles, mas chegou alguém para estragar esse sonho", lamentou o treinador. Além dos valores cobrados para levar os jogadores até os times, o agenciador também pediu aos pais uma contribuição pra alugar vans que levariam 70 pessoas até Ilhéus, cidade que também fica no sul da Bahia, onde aconteceria um jantar de despedida dos atletas. De acordo com os familiares, a festa também nunca aconteceu. Para os pais do jovem Adriano Leal, de 19 anos, que perderam quase R$ 2 mil, o maior prejuízo foi ver a frustração do garoto. "A gente fica triste com isso, porque eu acreditei muito. É um cara que parecia ser direito. O cara só falava em Deus e eu acreditava, mas na verdade foi adiando até que chegou a hora que ele não poderia adiar mais e a casa caiu. Esperamos que Justiça seja feita e que ele pague pelo que ele fez", lamentou o açougueiro Jair Leal. "Quando a gente fica sabendo de questão de peneira, eu botei 19 anos, já é o meu último ano de futebol de acreditar. A gente vai se organizando e quando acaba acontecendo o que aconteceu com todos nós, a gente acaba desistindo. É o meu último ano, perdemos tudo o que a gente tinha, apostamos em uma coisa que deu errado", disse Adriano.O caso é investigado na delegacia de Ibicaraí. A reportagem da TV Santa Cruz entrou em contato com o agenciador Cláudio Moraes e ele informou que quer devolver o dinheiro das famílias e pretende fazer isso até segunda-feira (18). O suspeito também disse que as viagens não deram certo, porque houve um atraso na documentação tanto por parte dele como dos atletas por meio do treinador.

Conquista: Homem é preso suspeito de comercializar anabolizantes e drogas sintéticas

  • G1
  • 14 Nov 2019
  • 07:07h

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um homem de 27 anos foi preso suspeito de comercializar anabolizantes e drogas sintéticas, nesta quarta-feira (13), na cidade de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. Conforme a Polícia Civil, Roberto Mariano Gonçalves da Silva foi encontrado durante uma busca feita na casa do autor, que fica no bairro Brasil. No local, os policiais apreenderam uma grande quantidade de comprimidos de Ecstasy, cerca de 1.500 unidades da droga sintética, além de vários frascos e caixas de esteroides anabolizantes proibidos, produtos eletrônicos sem nota fiscal e de origem ilícita e dinheiro. Segundo informações da polícia, Roberto Mariano é suspeito de ser um dos grandes fornecedores de Ecstasy em festas e eventos frequentados por jovens em Vitória da Conquista.A polícia informou que o suspeito foi encaminhado para a delegacia do município, onde foi ouvido e autuado em flagrante por tráfico de drogas e receptação. Depois, ele foi levado para o presídio de Vitória da Conquista, onde está à disposição da Justiça.

Celulares pré-pagos com cadastros desatualizados serão bloqueados na BA

  • G1
  • 13 Nov 2019
  • 19:09h

(Foto: Reprodução)

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou que celulares pré-pagos que não tiverem cadastro atualizado depois de terem recebido notificação das operadoras terão as linhas bloqueadas na próxima segunda-feira (18). A medida vale para consumidores dos estados de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Roraima, Sergipe e São Paulo. Segundo a Anatel, menos de 1% dos 91 milhões de celulares pré-pagos dessas regiões apresenta alguma pendência cadastral. Esta é última fase da campanha de comunicação aos consumidores com cadastros desatualizados, realizada pelas operadoras Algar, Claro, Oi, Sercomtel, Tim e Vivo, dentro do Projeto Cadastro Pré-Pago, acompanhado pela Anatel. O objetivo, segundo a agência, é garantir uma base cadastral "correta e atualizada", a fim de evitar a ocorrência de fraudes (linhas associadas indevidamente a CPFs) e, dessa forma, ampliar a segurança dos consumidores. Como atualizar o cadastro. Quem tiver a linha pré-paga bloqueada poderá fazer a atualização dos dados cadastrais junto à sua prestadora por meio dos canais de atendimento, como call center e espaço reservado ao consumidor na internet. Nesse contato, devem ser informados o nome completo e o endereço com o número do CEP. No caso de pessoa física, é necessário o número do CPF e, para pessoa jurídica, o CNPJ. Também poderão ser solicitadas informações adicionais de validação do cadastro.Para garantir que o SMS de solicitação de recadastramento recebido foi, de fato, encaminhado pela prestadora contratada, o consumidor pode conferir os números utilizados pelas prestadoras para envio destas mensagens na página Cadastro Pré-Pago, no portal da Anatel na internet.

Livramento: Preso com explosivos é dono de mineradora e suspeito de incêndios na Chapada

  • G1
  • 13 Nov 2019
  • 15:02h

( Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O homem preso em Livramento de Nossa Senhora, no sudoeste da Bahia, com explosivos e munições, é dono uma mineradora e usava o material para extração ilegal de minério. De acordo com o delegado Arilano Botelho, ele é suspeito de provocar incêndios em Livramento de Nossa Senhora, na região da Chapada Diamantina. Hércules de Almeida Hemerly, de 57 anos, foi detido na terça-feira (12). Em conversa com o G1, nesta quarta (13), o delegado Arilano falou sobre o caso. "As investigações apontam que o incêndio na serra foi promovido através das extrações de minério, porque quando os explosivos são detonados, eles lançam faíscas que incendeiam facilmente a vegetação que já está seca. Com todo o material encontrado com ele, ele se torna um dos suspeitos. Seguimos com as investigações do inquérito, para saber se ele é realmente o causador e se há mais pessoas", explicou. Ainda segundo o delegado Arilano, as explosões causaram o incêndio, mas não significa que tenha sido proposital. "Os incêndios partiram dessas explosões, mas não foi necessariamente proposital. No entanto, quando se faz isso, se assume o risco de causar as chamas, porque a cidade está com o clima muito seco", detalhou. Para o delegado, o suspeito confessou que o material ilegal encontrado na casa é realmente dele, mas disse que não usou os explosivos nos últimos dois anos. Todos os equipamentos foram apreendidos e levados para perícia. Depois disso, serão encaminhados para o Exército, a partir de uma decisão judicial.

 

Contendas dos Sincorá: Homem é preso suspeito de estuprar enteada

  • G1
  • 13 Nov 2019
  • 14:03h

(Foto: Divulgação l PM/BA)

Um homem foi preso suspeito de estuprar a enteada adolescente, na cidade de Contendas do Sincorá, sudoeste da Bahia. Com ele a Polícia Militar apreendeu também armas e munições. O caso aconteceu na noite de segunda-feira (11). O nome do suspeito e a idade da vítima não foram divulgados. De acordo com a PM, ele foi encontrado depois que uma guarnição recebeu a denúncia do estupro. Os militares estiveram no local e encontraram o suspeito. Um rifle calibre 22, munições e três facas foram apreendidos. O suspeito e o material foram levados para a Coordenadoria de Polícia do Interior de Brumado. O G1 tenta falar com a delegacia de Contendas do Sincorá, para saber se a vítima prestou depoimento e se o suspeito segue preso, mas até a última atualização não conseguiu contato. A assessoria da Polícia Civil informou que não tem informações sobre o caso.

Ilhéus: Bandidos roubam dinheiro de funcionários após não acharem armas em fórum

  • G1
  • 13 Nov 2019
  • 11:02h

( Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)

Assaltantes invadiram o Fórum Epaminondas Bebert de Castro, na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, na manhã desta terça-feira (12). Não há informações sobre quantos homens participaram da ação. Por volta das 7h, alguns suspeitos abordaram uma funcionária do fórum quando ela entrava para trabalhar. De acordo com ela, a intenção dos bandidos era roubar as armas que ficam no fórum, mas ela não sabia onde essas armas estavam guardadas. Em seguida, os assaltantes levaram uma quantia em dinheiro dos quatro funcionários que estavam no local. A administração do fórum procurou a polícia e registrou o Boletim de Ocorrência na Delegacia de Furtos e Roubos de Ilhéus. De acordo com a polícia, apenas um homem estava encapuzado. No momento em que eles entraram e abordaram os funcionários, eles pediram para que todos os funcionários ficassem de cabeça baixa para que o rosto deles não fosse reconhecido. Além do dinheiro dos funcionários, os bandidos levaram também uma câmera de segurança do fórum. De acordo com algumas testemunhas, não é a primeira vez que tentam roubar as armas que ficam guardadas no fórum.

Bahia: Grupo trabalhava com contrato irregular e sem carteira assinada

  • G1
  • 13 Nov 2019
  • 10:05h

(Foto: Divulgação/SJDHDS)

Sete trabalhadores contratados de forma irregular, entre eles, dois venezuelanos, foram encontrados em um canteiro de obras na região de Santo Antônio de Jesus, no recôncavo baiano. O local de trabalho também não possuía banheiro e os homens atuavam sem equipamento de proteção individual como fardamento, luvas, proteção solar ou touca árabe.

De acordo com a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), os trabalhadores foram achados na segunda-feira (11), durante uma força-tarefa da Comissão de Erradicação do Trabalho Escravo na Bahia (Coetrae-BA), que realizou uma operação de investigação de trabalho análogo ao de escravo na região de Santo Antônio de Jesus.De acordo com a coordenação do Coetrae, a situação encontrada no local não foi de trabalho análogo ao escravo, pois os trabalhadores recebiam salário, mas eles estavam sem registros em carteira de trabalho e, consequentemente, sem recolhimento de INSS e FGTS.

A Força Tarefa inspecionou as condições de trabalho encontradas no canteiro de obra da empresa de construção civil e do galpão de armazenamento dos equipamentos de trabalho, que também era usado como alojamento por um dos trabalhadores venezuelanos.

De acordo com o proprietário da empresa, as obras começaram há cerca de três meses, mesmo tempo de chegada dos dois venezuelanos.

Após a inspeção nas instalações da empresa, os auditores fiscais do Trabalho, um defensor público e uma procuradora do Trabalho firmaram um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o empregador.

No documento constam obrigações trabalhistas que deverão ser cumpridas, como a contratação legal retroativa dos trabalhadores, verbas rescisórias para os demitidos, cumprimento do aviso prévio, além da multa dos autos de infração decorrente da irregularidade.

Participaram da operação órgãos que compõe a Coetrae-BA, entre eles, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), a Superintendência Regional do Trabalho (SRT-BA), o Ministério Público do Trabalho (MPT-BA), a Defensoria Pública da União (DPU) e a Polícia Federal (PF).